Evolução do Processo Administrativo: Pensamento Sistêmico 
Introdução 
O ponto de partida do pensamento sistêmico é a idéi...
II. Fornecimento de peças intercambiáveis. 
III. Máquinas e equipamentos. 
IV. Trabalhadores especializados. 
V. Procedime...
finalidade de controle ou reforço. Um dos mecanismos conhecidos de feedback é o 
velocímetro, outro destes é a nota que o ...
Problemas complexos da sociedade moderna 
A sociedade moderna oferece problemas complexos. Grandes concentrações 
urbanas,...
A definição de organização, segundo o enfoque sistêmico, é a de um sistema 
composto de elementos ou componentes interdepe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Evolução do processo administrativo

1.163 visualizações

Publicada em

ADM

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.163
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolução do processo administrativo

  1. 1. Evolução do Processo Administrativo: Pensamento Sistêmico Introdução O ponto de partida do pensamento sistêmico é a idéia de sistema. Há muito tempo filósofos e cientistas vêm trabalhando para oferecer alternativas e dar soluções complexas para problemas complexos. Sistema é um todo complexo ou organizado. É um conjunto de partes ou elementos que formam um todo unitário ou complexo. Portanto, um conjunto de partes que interagem e funcionam como todo é um sistema. Qualquer entendimento da ideia de sistema compreende: I. Um conjunto de entidades chamadas partes, elementos ou componentes. II. Alguma espécie de relação ou interação das partes. III. III. A visão de uma entidade nova e distinta, criada por essa relação, em um nível sistêmico de análise. Os sistemas são feitos de dois tipos de componentes ou partes: 1. Físicos ou concretos (ou itens materiais): tais como equipamentos, máquinas, peças, instalações e até mesmo pessoas. Esse é o hardware dos sistemas. 2. Conceituais ou abstratos: tais como conceitos, idéias, símbolos, procedimentos, regras, hipóteses e manifestações do comportamento intelectual ou emocional. Esse é o software dos sistemas. Estrutura dos sistemas Qualquer sistema pode ser representado como conjunto de elementos ou componentes interdependentes, que se organizam em três partes: I. Entradas, componentes ou insumos. II. Processo ou sistema de transformação. III. Saídas ou resultados. A representação concreta que mais facilmente ilustra um sistema é a fabrica (ou qualquer sistema de produção). A fábrica processa (transforma) entradas como matérias - primas e mão de obra para fornecer produtos – as saídas. As entradas e as saídas fazem o sistema interagir com outros sistemas, que formam o ambiente. Vamos analisar cada uma das partes independentemente: Entradas As entradas (inputs) compreendem os componentes do sistema: são os elementos ou re- cursos físicos e abstratos de que o sistema é feito, incluindo todas as influências e todos os recursos recebidos do meio ambiente. Por exemplo, um sistema de produção de veículos compreende os seguintes componentes, entre outros: I. Sistema de projeto do produto.
  2. 2. II. Fornecimento de peças intercambiáveis. III. Máquinas e equipamentos. IV. Trabalhadores especializados. V. Procedimentos padronizados de montagem. VI. Instalações de montagem. Um sistema de transporte compreende os seguintes elementos: veículos, rodovias, sinalização, postos de gasolina, fiscalização e licenciamento de veículos, etc. Cada um desses, por sua vez, são formados por outros sistemas ou partes. Você pode descrever um sistema qualquer, identificando seus elementos. Processo Todo sistema é dinâmico e tem processos que interligam os componentes e transformam os elementos de entrada em resultados. Cada tipo de sistema tem um processo ou uma dinâmica própria. Todas as organizações usam pessoas, dinheiro, materiais e informação, mas um banco é diferente de um exército e estes dois, diferentes de uma escola, e esses três, diferentes de um hospital por causa da diversidade dos processos internos e dos resultados de cada um. São diferentes a tecnologia, as normas e os regulamentos, a cultura e os produtos e serviços que cada um produz. Saídas As saídas (outputs) são os resultados do sistema, os objetivos que o sistema pretende atingir ou que afetivamente atinge. Alguns exemplos de saídas: produtos e serviços para os clientes ou usuários, salários e impostos pagos, o lucro de seus acionistas, o aumento da qualificação de sua mão de obra e outros efeitos de sua ação, como a poluição que provoca, ou o nível de renda na cidade em que se localiza. Um sistema, para funcionar de maneira dinâmica e atingir os resultados desejados, precisa ter sinergia para que o resultado das partes seja maior que a simples soma das partes. Feedback O feedback reforça ou modifica o comportamento do sistema. Pode ser intencional, projetado dentro da própria estrutura do sistema, para cumprir uma
  3. 3. finalidade de controle ou reforço. Um dos mecanismos conhecidos de feedback é o velocímetro, outro destes é a nota que o aluno tem em determinada disciplina. A complexidade dos sistemas Entender a complexidade e lidar com ela é a base do pensamento sistêmico, importante ferramenta intelectual do administrador. A complexidade de um sistema pode ser definida a partir dos seguintes elementos: Incerteza: é a diferença entre a quantidade de informação necessária para realizar uma tarefa e a quantidade de informação da qual não se dispõe. Corresponde à falta de conhecimento de um resultado, em que nem todas as informações estão claramente definidas e parametrizadas. Quantidade e hostilidade de partes interessadas na tarefa, na situação ou no problema: é o que ocorre em uma negociação entre partes em conflito. Porte: duração, volume de recursos, tamanho de um produto, que afetam a complexidade. Abrangência: à medida que os problemas aumentam do individual para o coletivo, a complexidade se amplia. Dificuldade técnica: profundidade e extensão dos conhecimentos necessários para resolver um problema ou enfrentar uma situação. Dinamismo e dificuldades impostas pelo ambiente: concorrência, oferta/demanda de matérias-primas, evolução da tecnologia, comportamento da sociedade, etc. É fato que as complexidades afetam as organizações e as administrações. Situações complexas A maioria dos problemas e situações é produto de múltiplas causas e fonte de inúmeras consequências. Os acidentes de trânsito exemplificam esse ponto. O excesso de velocidade, o alcoolismo, a má conservação dos veículos e a falta de habilitação estão entre as causas. Danos pessoais, materiais, sofrimento para as famílias envolvidas e necessidade de cuidados terapias são algumas consequências. Há problemas com maior ou menor grau de complexidade, mas não há problemas que sejam totalmente simples.
  4. 4. Problemas complexos da sociedade moderna A sociedade moderna oferece problemas complexos. Grandes concentrações urbanas, crise econômica afetando todo o mundo, esgotamento de recursos naturais, transportes, educação, ecologia, evolução tecnológica acelerada, integração na sociedade global, desemprego, inflação, criminalidade, volatilidade de mercados financeiros e inúmeros outros problemas, que caracterizam situações de complexidade para os administradores no mundo contemporâneo. Organizações envolvidas em problemas complexos Há na sociedade moderna, organizações que estão incumbidas especificamente de enfrentar problemas muito complexos. Muitas dessas organizações não são singulares, como é o caso das prefeituras, dos portos, dos aeroportos, dos condomínios, dos organizadores de grandes eventos esportivos e outros. A ferramenta que lida com a complexidade é o enfoque sistêmico ou pensamento sistêmico, que possibilita: I. Visualizar a interação de componentes que se agregam em totalidades ou conjuntos complexos. II. Entender a multiplicidade e a interdependência das causas e variáveis dos problemas complexos. III. Criar soluções para problemas complexos. O pensamento sistêmico procura unir o enfoque da admini stração científica, que se preocupa com a eficiência, às questões relacionadas à poluição, ao comportamento humano e a muitas outras que podem afetar o desempenho das organizações. Hoje não há possibilidade de se preocupar com uma e negligenciar a outra. O funcionamento da teoria geral de sistema, bem como sua organização, sua análise e seu planejamento são desafios do mundo contemporâneo que exigem do administrador a capacidade de interpretar a realidade no ambiente interno e externo da organização. O método procura entender como os sistemas funcionam. A teoria geral de sistemas foi desenvolvida pelo cientista alemão Ludwig Von Bertalanffy, na década de 1930, quando observou que a ciência tratava de forma compartimentada os problemas que exigiam abordagem mais ampla ou holística.
  5. 5. A definição de organização, segundo o enfoque sistêmico, é a de um sistema composto de elementos ou componentes interdependentes. A compreensão de elementos que interagem nas organizações é uma habilidade básica para os administradores. Na perspectiva do enfoque sistêmico, a organização revela-se um conjunto de pelo menos dois sistemas ou subsistemas que se influenciam mutuamente. São eles: I. Sistema técnico: é formado por recursos e componentes físicos e abstratos que, até certo ponto, independem das pessoas: objetivos, divisão do trabalho, tecnologia, instalações, duração das tarefas, procedimentos. II. Sistema social: o sistema social é formado por todas as manifestações do comporta mento dos indivíduos e dos grupos: relações sociais, grupos informais, cultura, clima, atitudes e motivação. Como os limites dos sistemas são arbitrários e dependem do observador, podem ser imaginados outros sistemas, tais como: o social, o estrutural e o tecnológico. A sociedade humana é organizacional, burocratizada e, ao mesmo tempo, sistêmica. As organizações são sistemas formados por sistemas, que se juntam em sistemas cada vez maiores. Os sistemas, para funcionar, dependem de planejamento, o que nem sempre é previsto pelos administradores. Isso possibilita o surgimento de novos problemas, que até então eram desconhecidos. Para analisar ou planejar sistemas é necessário ter conhecimento dos seguintes elementos: ambiente, objetivos, componentes, processo e administração e controle.

×