Ciec

848 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
848
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciec

  1. 1. 1º Congresso Internacional em Estudos da Criança “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância Rute L. Moura [email_address] Fevereiro de 2008
  2. 2. Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância Fevereiro de 2008 1º Congresso Internacional em Estudos da Criança Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional
  3. 3. <ul><li>Sociologia da Educação </li></ul><ul><li>Concepções de infância </li></ul><ul><li>Panorama Literatura para a infância </li></ul><ul><li>Questões orientadoras </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais Enquadramento “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional
  4. 4. <ul><li>Questões orientadoras: </li></ul><ul><li>De que forma as narrativas têm estado presentes nas famílias ao longo das três gerações (avós, pais e crianças); </li></ul><ul><li>Qual o papel da família como mediador entre a criança e as narrativas de expressão oral e escrita da literatura para a infância; </li></ul><ul><li>Como têm as narrativas sido transmitidas ao longo das gerações. </li></ul>Enquadramento Pierre Pratt “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  5. 5. <ul><li>Literatura para crianças </li></ul><ul><li>Construção histórica da infância </li></ul><ul><li>Infâncias </li></ul><ul><li>Categoria Geracional </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais Narrativas e Infância Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  6. 6. <ul><li>O desenvolvimento da literatura para crianças está ligado à escolaridade e aos seus objectivos, à legislação sobre sistemas educativos e às grandes correntes dos estudos de psicologia infantil (Rocha, 2001). </li></ul>Narrativas e Infância <ul><li>A construção histórica da infância foi o resultado do processo complexo de produção de representações sobre as crianças, da estruturação dos seus quotidianos, dos seus mundos de vida e de constituição de organizações sociais para elas (Sarmento, 2004). </li></ul><ul><li>A conquista de um novo lugar para a criança na família , a preocupação crescente com a sua escolarização , a obrigatoriedade do ensino , o aparecimento de saberes e disciplinas especialmente destinadas a ela e a criação de instituições como a creche e o jardim-de-infância , fizeram eclodir uma renovada noção de infância que se repercutiu também no aumento de narrativas especialmente destinadas às crianças . </li></ul>Carll Cneut “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  7. 7. <ul><li>Ao crescerem as crianças abandonam a colectividade social de que fazem parte (em que constroem e partilham uma cultura que lhes é específica), mas outras vêm tomar o seu lugar: o espaço das crianças permanece e contém a sua cultura (Montandon, 2005). </li></ul><ul><li>A infância é independente das crianças (Sarmento, 2005) </li></ul><ul><li>. </li></ul><ul><li>Existência de infâncias e não de uma única infância (Sarmento, 2004; Soares & Tomás, 2004) </li></ul>Narrativas e Infância <ul><li>A infância é simultaneamente o período em que as crianças vivem as suas vidas e uma categoria da sociedade , tal como a classe social (Corsaro, 2005). </li></ul><ul><li>As crianças são os actores sociais concretos que em cada momento integram a categoria geracional; ora, por efeitos da variação etária desses actores, a ‘geração’ está continuamente a ser ‘preenchida’ e ‘esvaziada’ dos seus elementos constitutivos concretos (Sarmento, 2005). </li></ul>Carll Cneut “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  8. 8. <ul><li>Estudo de Caso </li></ul><ul><li>Colaboraram neste estudo 12 famílias com um filho a frequentar uma sala de jardim-de-infância de uma IPSS em Almada </li></ul><ul><li>Entrevistas semi-estruturadas às três gerações de cada família: avós, pais, crianças . </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais Metodologia Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  9. 9. Metodologia Habilitações Literárias dos adultos Idade e género das crianças Idade e género dos adultos “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância 20 7 12 Total 1 0 1 Mestrado 7 2 5 Licenciatura 1 0 1 Bacharelato 3 0 3 12º Ano 0 0 0 11º Ano 1 0 1 10º Ano 2 2 0 9º Ano 1 0 1 8º Ano 3 3 0 4º Ano Total Avós Pais   12 4 8 Total 2 0 2 6 anos 4 1 3 5 Anos 6 3 3 4 Anos Total Masculino Feminino   24 5 19 Total 2 2 0 71 – 75 2 0 2 66 – 70 4 1 3 61 – 65 2 1 1 56 – 60 2 0 2 51 – 55 0 0 0 46 – 50 1 0 1 41 – 45 4 0 4 36 – 40 5 1 4 31 – 35 2 0 2 26 – 30 Total Masculino Feminino  
  10. 10. <ul><li>Processo de recolha e tratamento de dados </li></ul><ul><li>Estruturação do guião das entrevistas a partir das questões de pesquisa e eixos de análise do projecto de investigação. </li></ul><ul><li>Entrevista a elementos exteriores ao estudo para testar as questões da entrevista. </li></ul><ul><li>Autorização e contacto pessoal com os entrevistados. Entrevistas realizadas na instituição onde decorreu o estudo. </li></ul><ul><li>As entrevistas foram registadas em áudio e depois transcritas. </li></ul><ul><li>A duração das entrevistas é de 45 minutos a 1 hora e 30 minutos. </li></ul><ul><li>Explorámos a informação , tentámos detectar as ideias gerais e o fio condutor de cada entrevistado para depois encontrar os pontos comuns e eventuais contradições . </li></ul><ul><li>Análise de conteúdo das entrevistas sob duas perspectivas: contexto familiar intergeracional e contexto geracional . </li></ul>Metodologia Gémeo Luís “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  11. 11. Perspectiva Geracional <ul><li>Infância dos avós </li></ul><ul><li>Infância dos pais </li></ul><ul><li>Infância das crianças </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  12. 12. <ul><li>Convívio mais privilegiado com as narrativas orais do que com as narrativas escritas. </li></ul><ul><li>Pouco contacto com os livros antes da entrada para a escola. </li></ul><ul><li>O manual escolar surge como tendo sido um dos primeiros e dos mais importantes meios de acesso às narrativas escritas. </li></ul><ul><li>A escola parece ter assumido um papel de relevo, apesar das declarações que transparecem que nem sempre esta terá sido um mediador promotor do prazer de ler e aprender. </li></ul>Infância dos avós Perspectiva Geracional “ os professores punham orelhas de burro, punham-nos à janela. Depois vinhamos à povoação, todos atrás a chamar burro ao miúdo.” (Avô da M.) Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  13. 13. “ O meu irmão tinha mais 4 anos, portanto ele teria 8 ou já 9 eu teria 5, e já lia as histórias do Cavaleiro Andante. Lia as coisas dos mais velhos. Lembro-me de ter medo do Tintin.” (Avó da J.) <ul><li>Outras formas de acesso às narrativas escritas: </li></ul><ul><li>- livros e revistas dos irmãos mais velhos; </li></ul><ul><li>- literatura de cordel e folhetins nas feiras; </li></ul><ul><li>- pároco da aldeia que visitava as famílias e com ele levava um livro que as crianças viam durante a sua visita. </li></ul>Infância dos avós Perspectiva Geracional “ Ia à feira com a minha avó todos os anos e sempre o que eu pedia era histórias… havia lá um homenzinho com os livros espalhados no chão, uns azuis, o Touro Azul, eu adorava aquilo!” (Avó do To.) Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  14. 14. <ul><li>Referências à existência de livros no seio familiar durante a infância (quantidade de livros diversificada de entrevistado para entrevistado mas em número claramente superior ao do mencionado pelos avós). </li></ul><ul><li>Continuam a existir alusões às narrativas contadas oralmente . Alguns entrevistados referem-nas como sendo as histórias que mais recordam da sua infância. </li></ul>Perspectiva Geracional Infância dos pais “ era a minha avó que quando me ia adormecer à tarde me contava as histórias do João Sem Terra e das quais eu mantenho uma recordação muito boa e muito carinhosa”. (Mãe do T.) Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  15. 15. <ul><li>Apenas um entrevistado assinala o manual escolar como um dos primeiros contactos com as narrativas escritas. As referências a livros mais específicos surgem numa fase em que já dominavam o sistema convencional de escrita e de leitura . </li></ul>“ lembro-me que quando comecei a aprender a ler o meu avô ia à papelaria e comprava-me uns livros de histórias infantis pequeninos.” (Mãe da J.) Perspectiva Geracional Infância dos pais Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância “ só tenho memória da leitura já na adolescência em que tínhamos 3 meses de férias… situações dos 14 anos, em que eu comecei a ler Os Maias.” ( Mãe da B.)
  16. 16. <ul><li>Os relatos dos entrevistados salientam a existência de livros no contexto familiar . No entanto, não dispomos de dados concretos que permitam aferir a quantidade de livros existente. </li></ul><ul><li>Encontramos referencias que apontam para a coexistência de narrativas em diversos suportes para além dos livros (áudio, televisão e dvd). No entanto, também é de salientar as referências às narrativas transmitidas oralmente , que continuam a ter uma presença activa na vida familiar de algumas crianças. </li></ul>Perspectiva Geracional Infância das crianças “ a nossa casa está cheia de livros por todo o lado.” (Mãe da J.) Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  17. 17. <ul><li>O jardim-de-infância é referido por avós, pais e crianças como mediador entre as crianças e as narrativas. </li></ul><ul><li>O momento de ler ou contar diariamente uma história aos filhos antes de adormecer é considerado pela maioria dos pais um hábito , rotina ou ritual . </li></ul>“ a Rita é a primeira coisa que diz «mãe quero uma história. Falta a história, mãe». Ela não descura isso.” (Mãe da R.) “ Eu gosto é de trazer livros para a escola!” (T.) Perspectiva Geracional Infância das crianças Danuta Wojciechowska “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  18. 18. <ul><li>Diversidade de contextos familiares </li></ul><ul><li>Migração </li></ul><ul><li>Mediadores de leitura </li></ul><ul><li>Leitura familiar </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional Considerações Finais P. Familiar Intergeracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  19. 19. Carla Pott <ul><li>A migração dos avós do meio rural para o meio urbano, após o casamento, levou a que a geração dos pais e das crianças vivesse a infância num contexto diferente. </li></ul><ul><li>Existência de narrativas que têm sido transmitidas desde a geração dos avós. </li></ul><ul><li>A mãe e a avó são os mediadores das narrativas mais mencionados pelos entrevistados em qualquer uma das gerações. No entanto, é de salientar que na infância dos pais e principalmente na das crianças , ambos os pais também são mencionados como principais mediadores. </li></ul><ul><li>Se nos relatos dos avós as referências ao facto de ver os pais ler são inexistentes, estas começam a ser mais evidentes nos relatos dos pais e das crianças. </li></ul>P. Familiar Intergeracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  20. 20. Carla Pott <ul><li>Contar e ler histórias nas famílias em estudo: </li></ul><ul><li>surge com alguma regularidade desde a infância dos avós; </li></ul><ul><li>acontece com mais frequência desde a infância dos pais; </li></ul><ul><li>é pouco frequente desde a infância dos avós. </li></ul><ul><li>As narrativas surgem nas famílias, ao longo das gerações, de 3 formas distintas: </li></ul><ul><li>as narrativas escritas parecem ter ocupado o lugar das narrativas orais; </li></ul><ul><li>coexistência de ambas as formas de narrativas desde a geração das avós; </li></ul><ul><li>não existem declarações que tornem perceptíveis a existência de narrativas orais na infância dos avós, dos pais e das crianças. </li></ul>P. Familiar Intergeracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  21. 21. Considerações Finais <ul><li>Contexto familiar promotor da leitura </li></ul><ul><li>Narrativas orais e escritas </li></ul><ul><li>Família como mediadora </li></ul>Enquadramento Narrativas e Infância Metodologia Considerações Finais Perspectiva Intergeracional Perspectiva Geracional “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  22. 22. Gémeo Luís <ul><li>Nas famílias em estudo, encontram-se três formas do contexto familiar poder ser promotor de leitura ou do prazer de ler: </li></ul><ul><li>- através da existência de livros em casa , </li></ul><ul><li>- pelos momentos destinados à partilha de histórias entre pais e filhos ou avós e netos </li></ul><ul><li>- e ainda pelo facto de as crianças verem frequentemente os pais a lerem . </li></ul><ul><li>Não temos dados que nos permitam aferir as sequelas da existência de todas as variáveis ou apenas parte delas, na promoção do gosto pelas narrativas e pela leitura. </li></ul>Considerações Finais “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  23. 23. Gémeo Luís <ul><li>Na infância dos pais o manual escolar perdeu importância como forma primeira de contacto com as narrativas escritas. </li></ul><ul><li>Ao longo das gerações, parece existir: </li></ul><ul><li>- um crescente contacto com as narrativas escritas </li></ul><ul><li>- um contacto mais precoce com os livros </li></ul><ul><li>- um aumento de livros no contexto familiar </li></ul><ul><li>- o não desaparecimento das narrativas orais . </li></ul>Considerações Finais <ul><li>Forte presença da figura feminina (mãe e a avó) na mediação das narrativas e crescente referência a ambos os pais na infância dos pais e das crianças . </li></ul><ul><li>A família parece desempenhar a função de mediadora entre as narrativas de expressão oral e escrita ao longo das três gerações das famílias em estudo, mas tem partilhado essa responsabilidade com a escola e mais recentemente com o jardim-de-infância . </li></ul>“ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” - O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância
  24. 24. 1º Congresso Internacional em Estudos da Criança Rute L. Moura [email_address] Fevereiro de 2008 “ A nossa casa está cheia de livros por todo o lado!” O contexto familiar intergeracional e as narrativas de literatura para a infância

×