Simbologia de Memorial do Convento

3.611 visualizações

Publicada em

Trabalho Escola Secundária Henrique Medina, Português, 12ºD.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simbologia de Memorial do Convento

  1. 1. Universo Simbólico em Memorial do Convento
  2. 2. A história de Manuel Milho Escola Secundária Henrique Medina A história que Manuel Milho vai contando durante os vários dias que dura o transporte da pedra Benedictione é uma reflexão sobre a existência humana e mostra que, no fundo, o mais importante é o ser humano e a sua essência. Manuel Milho narra a história de uma rainha que gostaria de ser mulher para conseguir decidir se na verdade queria ser ou não rainha, e de um ermitão que queria ser homem. Ambos desejavam não ser o que eram, mas ser apenas um homem e uma mulher. Esta história mostra que cada um é aquilo que as condições socias e as circunstâncias permitem que o seja.(capítulo XIX)
  3. 3. Número 3 Escola Secundária Henrique Medina O número três representa a ordem espiritual e intelectual. É o numero perfeito. Para o Cristianismo, os três elementos da trindade são o Pai , o Filho e o Espírito Santo, um só Deus em três pessoas, tal como Baltasar, Blimunda e Bartolomeu Lourenço que constituem a Trindade Terreste. Três pessoas em perfeita comunhão que alcançam um poder divino.
  4. 4. Número 4 Escola Secundária Henrique Medina O quatro, número ligado ao quadrado e á cruz, significa o sólido, a totalidade , mas uma totalidade percetível. Curiosamente, Domenico Scarlatti será o quarto elemento de um conjunto de pessoas que concretizam a audaciosa missão de voar. Ele parece ser o elemento que completa esse todo, elemento esse imprescindível a plena realização desse projeto. No entanto, esse sonho irá desfazer-se, será findável. “Sou o irmão de todos , disse Scarlatti, se me aceitarem .”(…)
  5. 5. Número 7 Escola Secundária Henrique Medina O número sete, muito referido na Bíblia, surge recorrentemente na obra: sete são os homens que vem trabalhar para Mafra no convento; oriundos de sete regiões do país; sete bispos batizaram a infanta; sete vezes Blimunda vai a Lisboa à procura de Baltasar e o número sete repete-se na data de bênção da primeira pedra do convento-17 novembro de 1771. O sete é o resultado do número perfeito, o três, e do número da totalidade o quatro, e representa a totalidade do espaço e do tempo, do universo em movimento.
  6. 6. Número 9 Escola Secundária Henrique Medina O nove é o número da procura e da gestação, simboliza o coroar do esforço, o fim de um ato criativo, o fim de um período de busca frutuosa, como acontece com Blimunda que, durante nove anos, procurou o seu amado. Após a separação, Blimunda reencontra Baltasar e , recolhendo a sua vontade, une-se aquele que ama. Esta união representa a vitória do poder do amor.
  7. 7. A passarola Escola Secundária Henrique Medina A passarola funciona como o elo de ligação entre a terra e o céu e surge na obra metaforicamente referida como uma ave, o que remete de imediato para o voo das aves. O sonho de voar conota a ousadia e a conquista, mas pode ter uma lado negativo: a queda, a desilusão.
  8. 8. Convento de Mafra Escola Secundária Henrique Medina O convento é símbolo do definitivo, do imutável, do eterno e, nesse sentido, opõe-se à passarola. Ao longo da obra, é evidente o contraste entre o caráter libertador do projeto de Bartolomeu Gusmão que evidencia a atitude criadora do homem e a capacidade de vencer barreiras quando trabalha em conjunto e a natureza opressora da promessa do rei que espelha uma vontade egoísta e megalómana.
  9. 9. O Olhar Escola Secundária Henrique Medina Os olhos e o olhar ocupam em Memorial do Convento um espaço privilegiado devido ao poder visionário de Blimunda. O seu olhar mágico seduz Baltasar e será muitas vezes uma forma de comunicação entre o casal. “Olha só, olha como esses teus olhos que tudo são capazes de ver “ “Nunca te olharei por dentro “
  10. 10. Colher, Sopa, Porta aberta, lareira Escola Secundária Henrique Medina Este conjunto de elementos funciona na obra como um todo que transmite a ideia de partilha: Blimunda deixa a porta aberta, permitindo que Baltasar entre não só na sua casa como na sua vida; acende a lareira, serve uma sopa e usa a colher dele, construindo conforto, um lar e um amor eterno.
  11. 11. Espigão Escola Secundária Henrique Medina O espigão de Baltasar de que Blimunda se serve para se defender no Monte Junto da tentativa de violação, presentifica o próprio Baltasar a “mão” do seu amor.
  12. 12. Palheiro de Morelena, a barraca da burra Escola Secundária Henrique Medina O palheiro e a barraca da burra simboliza o amor intenso de Baltasar e Blimunda, carregado de sensualidade e de cumplicidade; a transgressão das regras socias e morais por parte deste casal que se ama partilhando as “almas, corpos e vontades”.
  13. 13. Mutilação de Baltasar Escola Secundária Henrique Medina A mutilação aparece frequentemente como uma marca de inaptidão e de marginalidade, todavia, na obra, Baltasar conseguira superar a sua incapacidade ao contribuir para construir a passarola e o convento.
  14. 14. Sonho Escola Secundária Henrique Medina O sonho é o espaço onde as personagens deixam transparecer as suas emoções, medos, frustrações, desejos, funcionando, por vezes, como um fator de equilíbrio, como é o caso da rainha, que compensa, no mundo onírico, as suas frustrações afetivas e sexuais. Em relação ao rei, os sonhos espelham, acima de tudo, a manifestação do seu poder. Os sonhos comuns de Baltasar, Blimunda e Bartolomeu Lourenço são uma forma de sublinhar a sua cumplicidade e partilha.
  15. 15. Música Escola Secundária Henrique Medina A música simboliza a harmonia e a plenitude do cosmos. A música de Scarlatti representa a comunicação e tem o poder de curar. O som do seu cravo irá fascinar o padre e acompanhar o processo de construção da passarola e o momento em que ela se eleva no céu.
  16. 16. A pedra mãe Escola Secundária Henrique Medina No capítulo XIX, a pedra, símbolo da Terra-mãe, vai exigir um esforço enorme por parte dos trabalhadores que, com coragem, força, habilidade e inteligência vão transportar de Pêro Pinheiro até Mafra. É uma laje descomunal que evidencia a pequenez do homem, mas que comparativamente ao convento se torna pequena. Conseguir transportar a pedra ate ao seu destino, vai transformar estes homens em verdadeiros heróis. A pedra, pela sua firmeza, também se pode associar a sabedoria.
  17. 17. Abegoaria Escola Secundária Henrique Medina É o espaço escondido onde se constrói a passarola, onde se materializa o sonho. É o espaço da utopia, da invenção, da descoberta, da partilha e da amizade.
  18. 18. Montanha-Monte Junto Escola Secundária Henrique Medina A montanha estabelece a relação da terra com o céu, centro do mundo, traduz a estabilidade e a inalterabilidade, guardando o que nela permanece, como a passarola que cai no Monte Junto. A máquina voadora ficou protegida dos homens e do Santo Ofício e assim, mais tarde, inusitadamente e, como por magia, levantou o voo, dando sentido a vida da trindade terrestre.
  19. 19. Fogo Escola Secundária Henrique Medina É conforto, aconchego, purificação e regeneração, mas também destruição. O fogo da lareira, em casa de Blimunda, é proteção e bem-estar; o fogo que Bartolomeu Lourenço Lança a sua maquina é uma forma de destruir o seu sonho fracassado; o da fogueira dos autos-de-fé é opressão, destruição e morte.
  20. 20. Sete-Sois e Sete-Luas Escola Secundária Henrique Medina Os nomes de Baltasar e de Blimunda tem o mesmo número de letras, começam por B e as alcunhas são uma forma de demonstrar a sua complementaridade. Baltasar está relacionado com o sol, fonte de luz, de calor e de vida enquanto Blimunda surge relacionada com a lua, símbolo de dependência e da renovação.
  21. 21. Simbologia Actual Escola Secundária Henrique Medina
  22. 22. Escola Secundária Henrique Medina Trabalho realizado por : Alberto Simões, nº 2 Ana Coutinho, nº 5 Maria João Afonso, nº21 Rui Couto, nº26
  23. 23. Escola Secundária Henrique Medina

×