Separação dos continentes

3.179 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.179
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Separação dos continentes

  1. 1. A HISTÓRIA DO PLANETA TERRA Trabalho elaborado por: Mª Francisca nº13 Melissa Silva nº14 Rui Vaz nº18
  2. 2. Índice <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>A estrutura interna da Terra </li></ul><ul><li>A deriva dos continentes </li></ul><ul><li>O fundo dos oceanos </li></ul><ul><li>A tectónica de placas </li></ul><ul><li>As principais placas tectónicas </li></ul><ul><li>A deformação das rochas </li></ul><ul><li>O limite das placas </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>Bibliografia </li></ul>
  3. 3. Introdução <ul><li>Com este trabalho concluímos que o nosso planeta é magnifico. </li></ul><ul><li>Tem duas constituintes, química e física. </li></ul><ul><li>A constituinte é química é dividida em três elementos e dois sub-elementos. </li></ul><ul><li>Já a constituinte física é mais complexa, dividindo-se assim quatro elementos e dois sub-elementos. </li></ul><ul><li>Existe uma teoria que é a mais conhecida e aceitável, divulgada pelo senhor Alfred Wegener em 1911, designada como “A Teoria da Deriva Continental” . </li></ul><ul><li>No século XIX dá-se o descobrimento do Sonar. </li></ul><ul><li>As placas tectónicas são porções de rocha em que se divide a litosfera. </li></ul><ul><li>A teoria da tectónica das placas diz que estão fragmentadas em diferentes dimensões e que se movimentam. </li></ul>
  4. 4. A estrutura interna da Terra Os geólogos e os geofísicos construíram dois modelos diferentes mas na mesma base de ideias, o modelo químico e o modelo físico. A imagem que se sege representa os dois modelos em simultâneo.
  5. 5. A deriva dos continentes Alfred Wegener era um meteorologista. Este, para construir a sua teoria, apoiou-se numa publicação de um artigo cientifico que demonstrava, que embora a distância fosse o oceano Atlântico, existiam fosseis de plantas e de animais iguais em ambos os continentes, e o mais surpreendente era a existência dos mesmos em ambientes completamente diferentes. A sua teoria dizia que “no passado existia apenas um único continente que se fragmentou dando origem aos continentes actuais” e que “ a pangeia era um super continente primitivo existente até há cerca de 200 Ma” e “a pantalassa era um oceano primitivo que rodeava a pangeia” .
  6. 6. O fundo dos oceanos <ul><li>Até ao século XIX a maioria das pessoas imaginava o fundo dos oceanos como uma planície sem relevos. Com o desenvolvimento das tecnologias de pesquisa em profundidade, nomeadamente através de aparelhos como o sonar, sabemos agora que o fundo oceânico é, pelo contrário, muito acidentado, nele existe as maiores montanhas e os vales mais profundos do planeta. </li></ul>
  7. 7. A tectónica de placas <ul><li>Já na segunda metade do século XX, descobriu-se que os continentes e o fundo dos oceanos formam uma camada rochosa rígida a que se deu o nome de litosfera e uma camada inferior, muito plástica designada astenosfera, onde as rochas estão parcialmente fundidas. Os materiais que compõem a astenosfera encontram-se a altas temperaturas e chegam à superfície através dos vulcões. </li></ul>
  8. 8. As principais placas tectónicas <ul><li>Há vários tipos de placas. Algumas são constituídas apenas por litosfera oceânica como a placas do Pacífico e a de nazca. No entanto, a maioria das grande placas tectónicas são constituídas por litosfera oceânica e crosta continental, como a placa Euro-asiática que além da Europa e da Ásia, inclui parte do oceano Atlântico. </li></ul><ul><li>As principais placas tectónicas são a: Pacífica, Sul-americana, Africana, Norte-americana, Indo-australiana, Antárctica, e Euro-asiática. Existem ainda muitas outras pequenas como a placa de Coco, a placa de Nazca, etc. A litosfera é assim um grande puzzle de placas de rocha que envolve a Terra. </li></ul>
  9. 9. A deformação das rochas <ul><li>O dinamismo interno da Terra pode manifestar-se através de deformação nas rochas designada por tensões que afectam a sua forma e/ou volume. A tensão é a força exercida por unidade de área  </li></ul><ul><li>Estas tensões podem ser compressivas, distensivas, ou de cisalhamento. As tensões compressivas estão associadas a forças convergentes; as tensões distensivas estão associadas a forças divergentes; e, por fim, as tensões de cisalhamento estão associadas a movimentos paralelos das rochas em sentidos contrários. </li></ul>
  10. 10. O limite das placas <ul><li>Modelo esquemático da representação dos limites das placas, bem como dos principais aspectos determinantes da tectónica das placas. É notável a ligação entre a actividade vulcânica e as placas oceânicas e continentais, particularmente nos limites das placas. Deste modo, podemos falar em vulcanismo de subducção resultante do choque de placas oceânicas, originando, por exemplo, os arcos insulares activos, e do choque de uma placa oceânica com uma placa continental, originando a formação de cadeias montanhosas costeiras com actividade vulcânica (limites convergentes); vulcanismo no interior das placas oceânicas, o vulcanismo associado aos pontos quentes, o qual resulta da ascensão de plumas de material sobreaquecido nos níveis mais profundos do manto; vulcanismo de crista oceânica em expansão, originando a libertação do magma com formação de nova crusta oceânica (limites divergentes); no interior das placas continentais, a formação de riftes continentais precursores de cristas médio-oceânicas explica a existência de vulcanismo em locais afastados do limite das placas. </li></ul>
  11. 11. Conclusão <ul><li>Neste trabalho nos aprendemos que aquilo que nos sabemos hoje, não era assim antigamente, concluamos ainda que sem a tecnologia actual não iríamos longe. </li></ul><ul><li>A maior dificuldade foi conseguir fazer o trabalho em PowerPoint. Gostámos muito de estar a trabalhar sossegadamente e adorámos passar o trabalho a computador. Conseguimos umas imagens fantásticas para ilustrar os textos. Nunca pensámos que este trabalho nos enriquecesse tanto e ficasse tão bonito. </li></ul><ul><li>Esperamos também que a senhora professora goste tanto deste trabalho quanto como nos. </li></ul>
  12. 12. Bibliografia <ul><ul><ul><li>Internet: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Livros: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>E manuais esculares </li></ul></ul></ul>

×