Numa altura em que o reino atravessava dificuldades económicas extremasdeterminadas pela crise da agricultura, pela Peste ...
De acordo com o Tratado de Salvaterrade Magos, assinado com Castela,estabelecia-se uma nova paz entre osdois reinos consig...
No entanto, D. Fernandomorreu, sem que docasamento de sua filha D.Beatriz com o rei deCastela resultasse um filhoque ocupa...
Com efeito, Dona Leonor sempretinha sido vista como defensorados grandes proprietários, e asrelações amorosas que mantinha...
Tornava-se assimnecessário encontrar umoutro candidato. Alguémque unisse a população egarantisse a independênciado reino.A...
Foram, entretanto, muitos ostumultos populares que de norte asul assolaram o reino, e cedo,Lisboa se tornou no centro daco...
Com dona Leonor em fuga paraCastela, era preciso organizar adefesa face à previsível respostade D. João de Castela na defe...
A resposta do rei de Castela foi rápida. Invadindo Portugal pelo Alentejo, em1384 ,cercou durante 4 meses a cidade de Lisb...
O golpe definitivo nas pretensões castelhanas ao trono português será dadoem Aljubarrota. Aí, um pequeno exército portuguê...
De facto:Os arcos disparavam, em relação àsbestas, um número maior de setas.O campo de batalha minado porcovas de lobo fez...
Afastada por algumtempo      a     ameaçacastelhana, tratava-se,agora, de formalizar ede fazer aceitar pelostrês Estados d...
Com este fim, foram imediatamente convocadas, em 1385, as Cortes de Coimbra.Aí, se distinguiu, na defesa dos argumentos ju...
Até então tinham sidofrequentes os conflitos entrenobres e reis, que degenerarampor várias vezes em guerrascivis.Mas, ao c...
Abriu-se rapidamente umperíodo de ajuste de contas entrevencidos e vencedores. Entre ”patriotas e traidores”. Neste proces...
À ascensão da Burguesia eda nova Nobreza (depequena tornada grande)correspondeu um declíniodas principais famíliascomprome...
7 arevoluode1383-85
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

7 arevoluode1383-85

976 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
976
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
506
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7 arevoluode1383-85

  1. 1. Numa altura em que o reino atravessava dificuldades económicas extremasdeterminadas pela crise da agricultura, pela Peste e pelas repetidas guerrascom Castela, a morte de D. Fernando veio abrir uma nova crise, desta vezno plano político, que esteve na origem de grandes movimentos etransformações sociais.
  2. 2. De acordo com o Tratado de Salvaterrade Magos, assinado com Castela,estabelecia-se uma nova paz entre osdois reinos consignada pelo casamentode D. Beatriz com D. João I de Castela.Após a morte de D. Fernando, aRegência do trono seria entregue a D.Leonor até que D. Beatriz fosse mãe.A esse filho ou filha seria, na idadedevida, entregue o governo do reino dePortugal
  3. 3. No entanto, D. Fernandomorreu, sem que docasamento de sua filha D.Beatriz com o rei deCastela resultasse um filhoque ocupasse o trono dePortugal. E as perspectivaspara que apontava otratado de Salvaterra, nãoagradavam a grande parteda população. Sobretudoao Povo e à Burguesia. Dona Leonor De TeLes
  4. 4. Com efeito, Dona Leonor sempretinha sido vista como defensorados grandes proprietários, e asrelações amorosas que mantinhacom o nobre galego CondeAndeiro, não eram do agrado dapopulação. Por outro lado, temia-se que aaclamação de Dona Beatriz,casada com o rei de Castela , fosseo primeiro passo para a perda daindependência do reino. Dona Beatriz
  5. 5. Tornava-se assimnecessário encontrar umoutro candidato. Alguémque unisse a população egarantisse a independênciado reino.A escolha recaiu na pessoade D. João Mestre daOrdem Militar de Avis,filho bastardo de D. PedroI e meio-irmão de D .Fernando, e por isso, umlegítimo pretendente aotrono. O Mestre de Avis é aclamado pela população de Lisboa
  6. 6. Foram, entretanto, muitos ostumultos populares que de norte asul assolaram o reino, e cedo,Lisboa se tornou no centro dacontestação à aclamação de DonaLeonor como rainha.E ao boato, propositadamenteposto a circular pelos revoltosos,de que os apoiantes da rainha sepreparavam para matar o Mestre,respondeu uma multidãoassaltando o Paço Real e matando,ao que parece com a ajuda doMestre ,o odiado conde Andeiro.
  7. 7. Com dona Leonor em fuga paraCastela, era preciso organizar adefesa face à previsível respostade D. João de Castela na defesados seus próprios interesses ede sua mulher, D. Beatriz.D. João Mestre de Avis é entãoaclamado como regedor edefensor do reino.Da organização e comando doexército português foiincumbido Nuno ÁlvaresPereira, membro da ordem dosHospitalários, tornado, à pressanesses tempos conturbados,Condestável do reino.( ChefeMilitar)
  8. 8. A resposta do rei de Castela foi rápida. Invadindo Portugal pelo Alentejo, em1384 ,cercou durante 4 meses a cidade de Lisboa, e só desistiu quando a Peste seinstalou entre as suas tropas e recebeu a mensagem que sua mulher, D. Beatrizestava gravemente doente.Entretanto, no mesmo ano, D. Nuno Álvares Pereira vence o exércitocastelhano na Batalha dos Atoleiros. O CERCO DE LISBOA NUNO ÁLVARES PEREIRA
  9. 9. O golpe definitivo nas pretensões castelhanas ao trono português será dadoem Aljubarrota. Aí, um pequeno exército português, auxiliado por arqueirosingleses, e utilizando processos militares inovadores num campo de batalhahabilmente escolhido, conseguiu vencer um inimigo em número muitosuperior.
  10. 10. De facto:Os arcos disparavam, em relação àsbestas, um número maior de setas.O campo de batalha minado porcovas de lobo fez, por si só, grandesestragos na cavalaria castelhana.A famosa táctica do quadrado queabria a formação do exércitoportuguês às tropas inimigas, paradepois as destroçar lateralmente,revelou-se de grande eficácia.Tudo isto explica, em parte, aqueleque consideramos o nosso maiorsucesso militar - a Batalha deAljubarrota.
  11. 11. Afastada por algumtempo a ameaçacastelhana, tratava-se,agora, de formalizar ede fazer aceitar pelostrês Estados do Reino –Nobreza, Clero e Povo –a candidatura a Rei deD. João, Mestre de Avis.
  12. 12. Com este fim, foram imediatamente convocadas, em 1385, as Cortes de Coimbra.Aí, se distinguiu, na defesa dos argumentos jurídicos e de interesse nacional emque assentava a candidatura do Mestre, um burguês lisboeta e homem de leis, Dr.João das Regras. O Mestre da Ordem Militar de Avis tornava-se no reiD. João I ( O de Boa Memória ) iniciando uma nova dinastia : A Dinastia de Avis
  13. 13. Até então tinham sidofrequentes os conflitos entrenobres e reis, que degenerarampor várias vezes em guerrascivis.Mas, ao contrário de outrasguerras, como as que opuseramno séc. XIII, D. Afonso III a seuirmão D. Sancho II, ou as quetiveram D. Afonso IV (pai) e D.Pedro (filho) como opositores; apartir de 1385 com a vitória dapequena Aristocracia e daBurguesia, nada ficou comodantes.
  14. 14. Abriu-se rapidamente umperíodo de ajuste de contas entrevencidos e vencedores. Entre ”patriotas e traidores”. Neste processo, o grupo socialmais beneficiado acedendo àpropriedade de terra, a títulosnobiliários e a cargos daadministração pública, foi aBurguesia.Ao poder económico que, emparte, já detinha acrescentava-se,agora, um prestígio e umainfluência nunca antesadquiridos.
  15. 15. À ascensão da Burguesia eda nova Nobreza (depequena tornada grande)correspondeu um declíniodas principais famíliascomprometidas com acausa de Castela. Aconfiscação dos seus bensem benefício da Coroapermitiu acentuar apolítica de centralizaçãodo poder real já ensaiadanos séculos anteriores.

×