A UE Na Cena Mundial

1.260 visualizações

Publicada em

Trabalho no âmbito da disciplina de Educação Comparada..
Elaborado por Rubina Vieira, Carina Reis e Vânia Fernandes.
2º ano de Ciencias da Educação.
Universidade da Madeira

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.260
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
452
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A UE Na Cena Mundial

  1. 1. Ano lectivo 09/10Ciências da EducaçãoUnidade Curricular Educação Comparada<br />A União Europeia na cena Mundial<br />Discentes: <br />Carina Reis; Rubina Vieira; Vânia Fernandes <br />
  2. 2. I- Uma política de defesa comum em embrião<br />Em matéria de defesa, a PESC (Politica Externa e de Segurança Comum), e a PESD (Politica Europeia de Segurança e Defesa) são asorganizaçõesque definem quais as principais missões que a União Europeia deve realizar.<br />
  3. 3. PESC – Política Externa e de Segurança Comum<br /> Origem:<br /> * os conflitos regionais na Europa e no resto do mundo nos anos 90 e a necessidade de lutar contra o terrorismo internacional convenceram os dirigentes da UE a criar instrumentos formais tanto diplomáticos como de intervenção.<br /> Objectivo:<br /> * realizar missões humanitárias e de manutenção da paz e gestão de crises;<br /> Diplomacia:<br /> * Para resolver conflitos e promover o entendimento internacional, a PESC continua a recorrer à diplomacia coadjuvada (colaborar num intuito comum) quando necessário, por iniciativas no domínio do comércio e da ajuda e por operações de manutenção da paz.<br />Meios de Intervenção:<br /> * Forças armadas de todos os estados-membros<br />
  4. 4. Missões realizadas:<br />* Estabilização militar na Bósnia-Herzegovina em 2005;<br /> * Em 2008 a UE lançou a sua primeira operação marítima com o objectivo de proteger dos piratas os navios que navegam ao longo da Costa da Somália;<br /> * Em 2007 destacou uma força militar de mais de 3000 homens para as zonas fronteiriças do Chade e da República Centro-Africana a fim de proteger os refugiados deslocados na sequência dos combates na vizinha região sudanesa do Darfur;<br />TODAS AS DECISÕES COM IMPLICAÇÕES MILITARES OU DE DEFESA TÊM DE SER TOMADAS UNANIMAMENTE POR TODOS OS ESTADOS-MEMBROS DA EU.<br />
  5. 5. A paisagem política e estratégica em 2006<br /> * A União Europeia em conjunto com a NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte)uniram-se pacificamente para em conjunto trabalharem na luta contra a:<br /> - Criminalidade Internacional;<br /> - Tráfico de Seres Humanos;<br /> - Imigração Clandestina;<br /> - Branqueamento de Capitais;<br />* Com o aumento dos ataques terroristas ocorridos um pouco por todo o mundo, os países da UE têm cooperado mais entre si, bem como todos os países que apoiam a democracia e os direitos humanos, para juntos impedirem eventuais futuros ataques terroristas. <br />
  6. 6. (b) Realizações concretas no domínio da segurança e da defesa <br />Com o intuito de tornar a UE um lugar mais seguro, os estados-membros fixaram como objectivo comum de segurança e defesa “estar em condições de poder mobilizar uma força de reacção rápida, com apoio naval e aéreo, e de a manter no terreno durante um ano” através de contingentes das forças armadas nacionais existentes.<br />Com a criação do CPS (Comité Político e de Segurança), do CMUE (Comité Militar da União Europeia) e do EMUE (Estado Maior permanente da União Europeia) os países da União Europeia passam a dispor de um instrumento militar e político para efectuar missões como:<br />* acções humanitárias fora da Europa;<br />* operações de manutenção da paz;<br />* missões de gestão de crises (exemplo: Bósnia Herzegovina)<br />
  7. 7. II- Uma política comercial aberta ao mundo<br /> A União Europeia apoia o sistema da Organização Mundial do Comércio (OMC)<br /> regras que garantem uma relativa segurança e transparência no comércio internacional<br /> A política comercial da União Europeia está estreitamente ligada à política de desenvolvimento. SPG<br />Sistema de Preferências Generalizadas<br />Facilita a entrada de produtos provenientes de países em desenvolvimento, através da isenção de direitos aduaneiros. (excepto as armas)<br /> Não conclui acordos comerciais específicos com nenhum dos países desenvolvidos -Estados Unidos e Japão.<br />
  8. 8. III- As relações entre a União Europeia e os países mediterrânicos<br />Os países do sul do mediterrâneo são importantes para a União Europeia devido a sua proximidade geográfica, as afinidades históricas e culturais e os fluxos migratórios.<br />Em 1995 na conferência de Barcelona, os Estados membros da União Europeia e alguns países mediterrânicos delinearam uma nova parceria euromediterrânica.<br />Diálogo político<br />Segurança<br />Intensificação das relações económicas<br />Parceria a nível Social e Cultural<br />
  9. 9. IV- África<br />As relações entre a Europa e a África subsariana são antigas. <br />Tratado de Roma (1957)<br />As colónias e territórios dos Estados-Membros tornam-se associados da Comunidade <br />
  10. 10. Acordo de Cotonu (2000)<br />África, Caraíbas, Pacífico<br />Tem como principal objectivo:<br />“promover e acelerar o desenvolvimento económico, cultural e social dos estados ACP e […] aprofundar e diversificar as suas relações [com a U.E e os seus estados-membros] num espírito de solidariedade e de interesse mútuo”<br />Concessões comercias especiais<br />Define procedimentos para fazer face a problemas de violação dos direitos humanos.<br />Exportar os produtos com isenção de direitos<br />
  11. 11. A parceria tem por base cinco pilares interdependentes:<br />- o reforço da dimensão política<br />- a promoção de abordagens participativas<br />- as estratégias de desenvolvimento e de redução da pobreza;<br />- o estabelecimento de um novo quadro de cooperação económica e comercial;<br />- a reforma da cooperação financeira.<br />
  12. 12. Estratégias de desenvolvimento e redução da pobreza<br />Três domínios prioritários:<br />1) Desenvolvimento económico:<br />- investimento e no desenvolvimento do sector privado<br />- desenvolvimento dos sectores industrial, do comércio, do turismo e dos saberes tradicionais<br />2) Desenvolvimento social e humano:<br />- políticas sectoriais sociais: melhoria dos sistemas de educação, saúde e nutrição<br />3) A integração e a cooperação regionais:<br />- promover e desenvolver o comércio inter-ACP e intra-ACP, assim como as trocas comerciais com os países terceiros, em benefício igualmente dos países menos desenvolvidos (PMD) de entre os Estados ACP.<br />
  13. 13. Estabelecimento de um novo quadro de cooperação económica e comercial<br />O novo quadro introduz alterações importantes no sistema existente a fim de o tornar compatível com as regras da Organização Mundial do Comércio e permitir aos Estados ACP participarem plenamente no comércio internacional.<br />A união Europeia faz concessões comerciais especiais para os países menos desenvolvidos :<br />- Estes países podem exportar praticamente todos os tipos de produtos para a União, com isenção de direitos aduaneiros. <br />
  14. 14. Sites consultados:<br />- http://europa.eu/abc/12lessons/lesson_11/index_pt.htm<br />- http://europa.eu/pol/cfsp/index_pt.htm<br />- http://www.consilium.europa.eu/showPage.aspx?id=261&lang=pt<br />- http://europa.eu/abc/12lessons/index_pt.htm<br />- http://europa.eu/pol/comm/index_pt.htm<br />http://europa.eu/legislation_summaries/development/african_caribbean_pacific_states/r12101_pt.htm<br />

×