Texto autobiográfico:A CartaTrabalho realizadorpor:Rita Gonçalves nº22 10ºCEscola Secundária Gil Eanes2012/ 2013
Conceito:Uma carta é uma conversa escrita, direcionada a alguém quenão está presente.Tipologias:Existem cartas formais e c...
Meu querido Bébézinho:Hoje não recebi carta tua, mas – é claro – não me admirei,porque já sabia pela tua carta de hontem (...
1. Identificação do TextoO texto evidenciado no slide anterior é uma cartainformal mais precisamente um carta de amor send...
2. Associar o conteúdo do texto, à biografiado autorEm 1920, ano em que a mãe, viúva, regressou aPortugal com os irmãos e ...
3. Aspetos Estilísticos Relevantes• A utilização de Diminutivos;• Discurso na primeira pessoa;• Uso do Pretérito Perfeito;...
4. Relações com a minha própria biografiaSendo eu uma adolescente, do sexo feminino,é normal gostar de cartas de amor, e a...
5. Outro(s) aspeto(s) que acha importante(s)
Fim
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carta

418 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carta

  1. 1. Texto autobiográfico:A CartaTrabalho realizadorpor:Rita Gonçalves nº22 10ºCEscola Secundária Gil Eanes2012/ 2013
  2. 2. Conceito:Uma carta é uma conversa escrita, direcionada a alguém quenão está presente.Tipologias:Existem cartas formais e cartas informais sendo que, ao contráriosdas cartas informais, as cartas formais obedecem a regras e a umaforma.Estrutura:Uma carta é constituída pelo cabeçalho (formais); local e data (àesquerda ou à direita); endereço do emissor (formais); saudaçãoinicial e final (que variam de acordo com a tipologia da carta);repetição do local e da data, com a assinatura do emissor (formais); e pelo P.S (post scriptum).
  3. 3. Meu querido Bébézinho:Hoje não recebi carta tua, mas – é claro – não me admirei,porque já sabia pela tua carta de hontem (a que me entregasteno carro)que não terias naturalmente tempo de me escrever.Como esta carta te chega ás mãos amanhã de manhã, queromandar ao meu Bébé muitos e muitos parabens, muitosbeijinhos, e desejar que ella seja muito e muito feliz, quemuitas vezes o anniversario se repita com o Bébé semprecontente.O engraçado era que no anno que vem eu já te pudesse darestes parabens de manhã, antes de me levantar. Percebes,Nininha?Muitos beijos, muitissimos do teu, muito teuFernando13/06/1920
  4. 4. 1. Identificação do TextoO texto evidenciado no slide anterior é uma cartainformal mais precisamente um carta de amor sendoque, ao contrário das cartas formais, o registo delíngua é familiar, tem uma construção frásica poucoelaborada, há um predomínio da função emotivacentrada na expressividade das emoções doemissor e não obedece nem a regras, nem a formasrígidas.
  5. 5. 2. Associar o conteúdo do texto, à biografiado autorEm 1920, ano em que a mãe, viúva, regressou aPortugal com os irmãos e em que Fernando Pessoafoi viver de novo com a família, iniciou uma relaçãosentimental com Ophélia Queiroz (interrompidanesse mesmo ano e retomada, para rápida edefinitivamente terminar, em 1929) testemunhadapelas Cartas de Amor de Pessoa, organizadas eanotadas por David Mourão-Ferreira, e editadas em1978.
  6. 6. 3. Aspetos Estilísticos Relevantes• A utilização de Diminutivos;• Discurso na primeira pessoa;• Uso do Pretérito Perfeito;• Utilização de determinantes possessivos.
  7. 7. 4. Relações com a minha própria biografiaSendo eu uma adolescente, do sexo feminino,é normal gostar de cartas de amor, e as cartasde Fernando Pessoa a Ophélia sãoridiculamente adoráveis.
  8. 8. 5. Outro(s) aspeto(s) que acha importante(s)
  9. 9. Fim

×