Centro cirúrgico

702 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
702
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Centro cirúrgico

  1. 1. CENTRO CIRÚRGICO INTRODUÇÃO 1. Lugar especial com vários requisitos especiais para prática de atos cirúrgicos 2. Número de salas 1. 5% do total dos leitos 3. Isolamento de outras áreas do hospital 4. Ambiente: 1. Calmo e silencioso Finalidade 1. Complexidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente com tratamento cirúrgico. 2. Seja eletiva ou emergencial. 3. Representa lugar de importância relevante no contexto hospitalar. Localização 1. Ocupar uma área independente da circulação geral, ficando,assim, livre de trânsito de pessoas e materiais estranhos ao serviço; 2. Possibilitar o acesso livre e fácil de pacientes provenientes das unidades de internação cirúrgicas, pronto socorro e terapia intensiva. Áreas do Centro Cirúrgicos 1. Restritas – limites definidos para a circulação de pessoal, equipamentos e materiais.Fazem parte os corredores internos, lavabos e salas de cirurgia. 2. Semi-restritas – área que possibilita a circulação de pessoas e equipamentos, desde que, não interfira na rotina e assepsia da unidade.ex.copa 3. Não-restritas – circulação livre da unidade como vestiário, corredor externo. ÁREA FÍSICA
  2. 2. 1. Salas de cirurgia. 2. Dependências básicas. 3. Dependências adicionais ou acessórias. Salas de cirurgias 1. Deverá ter uma sala para cada 50 leitos 2. Salas especializadas (neurocirurgia, CCV, ortopedia),deverão ter sala auxiliar para aparelho e painéis de vidro entre a sala de cirurgia e sala auxiliar. 3. A sala de cirurgia obstetrícia deverá ter uma sala auxiliar para cuidados ao RN. 4. O piso deve ser escuro de material não condutor (antiderrapante). Salas de cirurgias 1. Mobiliário 1. Mínimo necessário 2. Peça central: mesa de operações 1. Base 2. Segmentos articulados 3. Mesas auxiliares 1. Colocação do instrumental cirúrgico 2. Instrumentador 3. 50 x 90 x 85 cm 4. Rodízios 5. Cabides na borda distal Mesa de cirurgia Mesa de cirurgia Mesas auxiliares Salas de cirurgias 1. Mobiliário
  3. 3. 1. Carrinho de anestesia + monitores 2. Cestos (Hampers) 3. Bacias + Suportes 4. Bisturi elétrico 5. Armários (embutidos) Carrinho de anestesia e monitores A Sala de Operações 1. Iluminação Iluminação 1. Focos 1. Teto 1. Cúpula com revestimento de espelhos refletores x múltiplas lâmpadas conjugadas 2. Filtro atérmico 3. Vareta externa e braços articulados para mobilidade 4. Focalização 5. Preferência atual 2. Focos auxiliares 1. Bases sobre rodízios + baterias Iluminação Iluminação 1. Focos 1. Teto 1. Cúpula com revestimento de espelhos refletores x múltiplas lâmpadas conjugadas 2. Filtro atérmico 3. Vareta externa e braços articulados para mobilidade 4. Focalização 5. Preferência atual 2. Focos auxiliares 1. Bases sobre rodízios + baterias Iluminação 1. Acessórios 1. Foco frontal 1. Adaptado à cabeça do cirurgião 2. Afastadores com sistema iluminador 1. Ligados a sistema de fibras ópticas
  4. 4. 2. Ideais para iluminação em cavidades profundas 3. Foco “cobra” Foco frontal Foco “cobra” Ventilação 1. Ar como via de transmissão de bactérias e fonte de contaminação 2. Lister, 1867 3. Wells, 1936 4. Fonte de microrganismos: pessoas na sala cirúrgica 1. Gotículas de ar expirado 2. Descamação de cels. da pele 3. Partículas transportadas nos sapatos Ventilação 1. Função de exaustão: remoção de odores, calor e gases anestésicos voláteis 2. Controle bacteriológico 3. Filtragem do ar: 1. Retirar e impedir entrada de partículas contaminantes 2. Partículas > 5µ 3. Troca de ar a cada 10-20 x / hora 4. Pressão positiva no interior da sala 4. Fluxos laminares – alto custo Ventilação 1. Controle de Temperatura 1. Temperatura: paciente x cirurgião 2. Hipotermia: hipoxia, calafrios, hiperpirexia 3. T ~ 21 - 24oC 2. Controle de Umidade 1. Perda por evaporação (exposição de serosas) 2. Umidade ~ 45 - 55% 3. Faixa ideal: 70% normotérmicos Vestuário 1. Pessoal como principal 2. fonte exógena de bactérias 3. Entrada sempre pelo vestiário 4. Indumentária própria
  5. 5. 1. Gorro, máscara, camisa, calça e propés 5. Não estéril, lavado especial com água quente 6. Circulação restrita ao centro cirúrgico Vestuário 1. Camisas 1. Tecido de malha densa 2. Manga curta: facilitar 3. anti-sepsia dos braços 4. Por dentro das calças 2. Calças 1. Fechada nos tornozelos 2. por tubo de malha 3. Saias para mulheres 1. Vestuário 1. Propés 1. Diminuir contaminação vinda dos sapatos 2. Tecido, papel ou plástico 3. Uso restrito ao centro cirúrgico 4. Abolido em alguns lugares 2. Troca de gorro, máscara e 3. propés a cada operação 4. Cirurgias infectadas Vestuário 1. Gorro 1. Cobrir os cabelos 2. Máscaras 1. Cobrir boca e nariz 2. Função de filtro: prevenir 3. escape de gotículas 4. expiradas “Etiqueta” do Centro Cirúrgico 1. Hierarquia na equipe 2. Silêncio 1. Falar baixo, somente o necessário 2. Música somente se adequada
  6. 6. 3. Respeito aos pacientes 1. Respeito ao pudor do paciente 2. Respeito à psique do paciente 3. Nunca deixá-lo só na sala de operações Instalações acessórias 1. Posto de enfermagem: controle administrativo 2. É o local onde se faz o serviço administrativo, redação de relatórios e é a sala da enfermeira chefe. Área de baldeação Vestiário Lavabos Sala de material descartável e medicamentos Sala de material cirúrgico 1. Sala de estar 2. Depósito de equipamentos 3. Copa Rouparia Expurgo Câmara escura: revelação de rx 1. Depósito de material de limpeza 2. Guarda de macas, aparelhos de RX, cilindros de Oxigênio, de CO2, nitrogênio e N2O para emergências. Dependências adicionais
  7. 7. 1. Sala de anestesia 2. Sala de recuperação pós anestesia SRPA

×