Sprinklers rosiel

1.998 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.998
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
272
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
150
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sprinklers rosiel

  1. 1. ANA NERI – EDUCAÇÃO PROFISSIONAL  TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO  PROJETOS DE INSTALAÇÃO E SEGURANÇA  PROFESSOR: ROSIEL SOUSA
  2. 2. SPRINKLERS – CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Os sprinklers são o único sistema que inicia o combate sem a necessidade da ação humana; qualquer outro meio, como extintores e mangueiras, obviamente pressupõe a ação de pessoas. Normalmente é aí que se encontra o problema do combate, pois como o fogo provoca altas temperaturas em pouquíssimo tempo, e a fumaça escurece o ambiente e tira o oxigênio, é particularmente complicado enfrentar o incêndio.
  3. 3. O sprinkler é um pequeno chuveiro, fechado por um elemento sensível, chamado bulbo, à temperatura, instalado numa rede de tubulação hidráulica, que deve estar constantemente pressurizada. Como os bicos estão fechados pelo elemento sensível, não há problemas de vazamento.
  4. 4.  Quando a temperatura ambiente começa a aumentar pela ação do fogo, o bulbo abre o sprinkler. Para melhor controlar essa abertura, foram definidas algumas temperaturas de acionamento. No mundo inteiro se fabricam sprinklers com bulbos que se abrem às temperaturas de 68, 79 , 93 e 141º C. Existem algumas outras variações, mas estas são as temperaturas mais comuns. A maior parte dos sprinklers disponíveis no mercado brasileiro se abre a 68º C.
  5. 5.  Tabela de temperaturas
  6. 6.  Começando um incêndio, a temperatura vai se elevando. Ao chegar à temperatura de acionamento do bulbo, ele se rompe, liberando a passagem da água, que cai circularmente, cobrindo uma área de 16 m2. Caso o incêndio já se encontre numa área maior, outros sprinklers se abrirão; e é muito comum que dois ou três sejam suficientes para dar conta do recado. Os sprinklers abrem- se individualmente, e por isso não há risco de que o fogo em um cômodo provoque uma chuva dentro de outro que não tem nada a ver.
  7. 7. ESQUEMA DE INSTALAÇÃO DE SPRINKLERS
  8. 8. Tipos de sprinklers: • lateral; • especiais.
  9. 9. Tipos de sprinklers: • pendente; • de pé (upright). Tipos de elementos: • solda; • ampola
  10. 10. Perguntas e Respostas Sobre Sprinklers 1. Como funciona o sprinkler? O sprinkler é um equipamento capaz de controlar ou extinguir um incêndio por meio da distribuição de um jato de água que atua sobre o foco inicial do fogo, antes que ele se espalhe. É ativado por meio de um elemento termo-sensível que, quando atinge a temperatura de operação, de 68ºC a 74ºC, tem sua solda derretida, permitindo que o sprinkler entre em ação. Nesse momento, sob pressão, a água é descarregada pelo orifício do sprinkler, espalhando-se em formato de guarda-chuva sobre o foco.
  11. 11.  2. Os sprinklers causam mais danos do que as brigadas de incêndio?  Dependendo das instalações do sistema projetado para proteção, cada sprinkler libera entre 50 e 100 litros de água por minuto. Essa descarga d’água inicia cerca de 30 a 60 segundos após o fogo produzir calor suficiente para acionar o sprinkler. Nenhuma brigada de incêndio, por mais eficiente que seja, é capaz de chegar ao local em menos de quatro minutos e de acessar o local do incêndio entre cinco e dez minutos após serem chamados. Quando as equipes de bombeiros entram em ação, elas utilizam entre 500 e mil litros de água por minuto em um incêndio de grandes proporções. Um ponto a ser levado em consideração é que as empresas devem sempre se lembrar de que, mesmo que possuam um sistema de detecção ligado ao Corpo de Bombeiros, pode-se levar cerca de três minutos para que seu chamado seja atendido pela corporação mais próxima.
  12. 12.  3. Os sprinklers possuem um custo alto para serem mantidos?  Diferentemente de outros sistemas que necessitam de tecnologia e que podem exigir reparo constante ou substituição, os sprinklers necessitam somente de manutenção básica. Normalmente, duas visitas por ano, realizadas pela empresa responsável pela instalação do sistema, serão suficientes para manter os sprinklers funcionando corretamente. Simples verificações mensais dos medidores de pressão e ajuste das válvulas podem ser realizados por um funcionário devidamente treinado.
  13. 13.  4. Se os sprinklers derem um alarme falso, isso não causará danos consideráveis?  Os sprinklers não têm como dar um alarme falso. O único modo para que em ação é quando o ar no seu entorno alcança a temperatura pré-determinada para acionar o sistema. Caso contrário, eles não funcionarão por meio de fumaça, poeira ou sprays de aerosol.
  14. 14.  5. O que determina quando e onde os sprinklers serão instalados?  Os códigos de construção, ao longo das duas últimas décadas, estão exigindo cada vez mais os sprinklers para a segurança da edificação e dos ocupantes, especialmente em edifícios onde a rápida evacuação dos ocupantes é difícil.
  15. 15.  6. Por que os sprinklers são tão efetivos?  Os sprinklers agem automaticamente na área de origem do fogo, enquanto um alarme soa simultaneamente, evitando que o incêndio se alastre a um nível de perigo sem ser percebido. Sprinklers automáticos mantêm o incêndio controlado. A maioria dos incêndios em edifícios protegidos por sprinkler pode ser controlada por dois sprinklers.
  16. 16.  7. E a fumaça?  A fumaça, um subproduto do fogo, é geralmente a causa de óbito dos ocupantes de um edifício. Apesar dos sprinklers produzirem fumaça no momento em que apaga um incêndio, essa quantidade de fumaça é menor do que a que seria produzida por um fogo sem a proteção de sprinkler.
  17. 17.  8. O quão confiáveis são os sprinklers?  O sprinkler8. O quão confiáveis são os sprinklers?  O sprinkler deve ser um dos sistemas de combate a incêndio mais confiáveis e conhecidos. Registros detalhados de incêndios na Austrália e Nova Zelândia, entre os anos de 1886 a 1968, mostraram que 99,76% de todos os incêndios foram extintos ou controlados pelos sprinklers. Registros de incêndio nos EUA são menos confiáveis devido à falta de relatórios completos, especialmente para pequenos incêndios, onde os sprinklers são bem sucedidos. No entanto, existe um registro de sucesso de 96,2% divulgado pela National Fire Protection Association entre os anos de 1925 a 1969, com recorde de sucesso de 98,4%para os prédios da cidade de Nova York entre 1969 e 1978.  deve ser um dos sistemas de combate a incêndio mais confiáveis e conhecidos. Registros detalhados de incêndios na Austrália e Nova Zelândia, entre os anos de 1886 a 1968, mostraram que 99,76% de todos os incêndios foram extintos ou controlados pelos sprinklers. Registros de incêndio nos EUA são menos confiáveis devido à falta de relatórios completos, especialmente para pequenos incêndios, onde os sprinklers são bem sucedidos. No entanto, existe um registro de sucesso de 96,2% divulgado pela National Fire Protection Association entre os anos de 1925 a 1969, com recorde de sucesso de 98,4%para os prédios da cidade de Nova York entre 1969 e 1978.
  18. 18.  9. Qual o custo de um sistema de sprinkler?  O custo de um sistema completo de sprinkler depende de muitos fatores, tais como o tipo de construção, disponibilidade de abastecimento público deágua, e grau de perigo da ocupação.
  19. 19.  10. Os sprinklers são feios?  Devido aos avanços na tecnologia dos sprinklers, eles estão melhores do que nunca, se você puder vê-los. Os sprinklers podem estar escondidos por trás do teto, fora de vista, até que seja necessário para extinguir um incêndio. Sprinklers também estão disponíveis em uma gama de cores e tamanhos para complementarem a decoração do ambiente.
  20. 20.  São os riscos isolados, no conceito da Tarifa de Seguro do Brasil (TSIB), classificados entre classes, de acordo com a natureza de suas ocupações (Tab. 2): Classe A – riscos isolados cuja classe de ocupação seja 1 e 2, excluídos os "depósitos" que devem ser considerados como classe "B". Classe B – riscos isolados cujas classes de ocupação sejam 3, 4, 5 e 6, bem como os "depósitos" de classe de ocupação 1 e 2. Classe C – riscos isolados cujas classes de ocupação sejam 7, 8, 9, 10, 11, 12 ou 13. Tabela 3 – Classe de ocupação na tarifa de seguros incêndio do Brasil OCUPAÇÃO DO RISCO CLASSE DE OCUPAÇÃO Açougues 4 Agências 3 Antigüidades 6 Armazéns mistos e grandes 4 a 6 Asfaltos preparação 7 Depósitos 5 Bares, botequins 4 Bibliotecas públicas 2 Consultórios 1 e 2
  21. 21.  Edifícios de apartamento 1 Escolas 1 e 2 Escritórios 1 e 2 Explosivos 12 e 13 Estufa para madeira 8 Farmácias 6 Fogos de artifício12 e 13 Fotografias 4 e 5 Garagens residenciais 1 Guarda móveis 6 Hotéis 3 a 6 Igrejas 2 Livrarias 3 e 4 Moradias 1 Postos de serviço 4 a 9 Restaurantes 4 Siderurgia 2 a 8 Teatros 7 

×