Achado normatizacaodeartigos2013

92 visualizações

Publicada em

Atualizado

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
92
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Achado normatizacaodeartigos2013

  1. 1. Normas para apresentação de artigos científicos
  2. 2. Para que servem as normas? •   Para  uniformizar  a  produção   técnico-­‐cien6fica.     •   Para  facilitar  a  recuperação  da   informação.  
  3. 3. Normas ... NBR  6022    -­‐  apresentação  de  ar;go   NBR  6023    -­‐  referência   NBR  6024    -­‐  numeração  progressiva     NBR  6028    -­‐    resumos   NBR  6033    -­‐  ordem  alfabé;ca   NBR  5892    -­‐  norma  para  datar   NBR  10520    -­‐  citações   NBR  10522    -­‐  abreviação  na  descrição  bibliográfica  
  4. 4. Parte   de   uma   publicação   com   autoria   declarada,  que  apresenta  e  discute  ideias,   métodos,  técnicas,  processos  e  resultados   nas  diversas  áreas  do  conhecimento.   Artigos científico
  5. 5. Parte   de   uma   publicação   que   apresenta   temas   ou   abordagens   originais.   Artigo original Artigo de revisão Parte   de   uma   publicação   que   resume,   analisa   e   discute   informações   já   publicadas.  
  6. 6. Estrutura de um artigo Pré-­‐textuais   Título  e  sub>tulo  (se  houver)   Nome(s)  do(s)  autor(es)   Resumo  na  língua  do  texto   Palavras-­‐chave  na  língua  do  texto  
  7. 7. Estrutura ... Textuais   Introdução     Desenvolvimento     Conclusão  
  8. 8. Estrutura ... Título  e  sub>tulo  (se  houver)  em  língua  estrangeira   Resumo  em  língua  estrangeira   Palavras-­‐chave  em  língua  estrangeira   Nota(s)  explicaNva(s)   Referências     Glossário   Apêndice(s)   Anexo(s)     Pós-­‐textuais  
  9. 9. PRÉ-­‐TEXTUAIS  
  10. 10. Pré-textual     Título:  sub6tulo  que  pode  ter  algumas  linhas  quebradas     Nome  do  autor*     Resumo  na  língua  do  texto   Resumo  resumo  resumo  resumo  resumo  resumo  resum   Resumo  resumo  resumo  resumo  resumo  resumo  resumo.     Palavras-­‐chave:  Ar;go  cien6fico.  Normas.  ABNT.                   ___________   *Breve  currículo  ...  Mestre  em  ...        E-­‐mail:  autor@autor.com.br  
  11. 11. Resumo (NBR  6028,  2003) O  resumo  é  a  apresentação  concisa  dos  pontos  relevantes  de  um  documento.         Deve  ressaltar  o  objeNvo,  o  método,  os  resultados  e  as  conclusões.     É  consNtuído  de  uma  sequência  de  frases  concisas  e  afirmaNvas  .     A  primeira  frase  deve  abordar  o  tema  principal  do  documento  e  é  seguida  da   informação   sobre   a   categoria   do   tratamento   (estudo   de   caso,   análise   da   situação  etc.)     Deve-­‐se  usar  o  verbo  na  voz  passiva  e  na  terceira  pessoa  do  singular.     Recomenda-­‐se  parágrafo  único  e  não  deve  ultrapassar  250  palavras.     Evitar:  símbolos,  fórmulas,  equações,  diagramas  etc.  
  12. 12. Palavra-chave Palavras-­‐chave   são   palavras   representa;vas   do   conteúdo   do   documento,   escolhida,   preferentemente,   em   vocabulário   controlado.  
  13. 13. Exemplo Resumo     Este  trabalho  analisa  o  conjunto  de  periódicos  eletrônicos  de  administração  disponíveis  no   Portal  Capes,  do  ponto  de  vista  dos  interesses  dos  usuários  de  uma  biblioteca  universitária   especializada  no  assunto.  Empregou-­‐se  como  método  a  análise  das  citações  dos  periódicos   u;lizados   nas   teses   de   doutorado   defendidas   no   Programa   de   Pós-­‐Graduação   em   Administração  da  Escola  de  Administração  da  Universidade  Federal  do  Rio  Grande  do  Sul   no  período  1999-­‐2007.  Observou-­‐se  que  25%  dos  periódicos  citados  nas  teses  não  estão   disponíveis   no   Portal   e   que   os   periódicos   disponíveis   apresentam   limitações   quanto   à   integralidade  da  coleção.     Palavras-­‐chave   Biblioteca   universitária.     Desenvolvimento   de   coleções.   Análise   de   citações.   Periódicos   eletrônicos.    
  14. 14. TEXTUAIS  
  15. 15. INTRODUÇÃO     Devem  constar  a  delimitação  do  assunto  tratado,  os  objeNvos  da  pesquisa  e  outros  elementos   necessários  para  situar  o  tema  do  arNgo.       DESENVOLVIMENTO     Contém  a  exposição  ordenada  e  pormenorizada  do  assunto  tratado.  Divide-­‐se  em  seções  e  subseções,   que  variam  em  função  da  abordagem  do  tema  e  do  método.       CONCLUSÃO     Apresenta  as  conclusões  correspondentes  aos  objeNvos  e  hipóteses.     DESENVOLVIMENTO  
  16. 16. NUMERAÇÃO  PROGRESSIVA   Empregar  algarismos  arábicos.  Quando  for  necessário  enumerar  os   diversos  assuntos  dentro  de  uma  seção,  esta  pode  ser  dividida  em  seção   secundária,  terciária,  quaternária  etc.       Em  alíneas,  ordenar  alfabe;camente  por  letras  minúsculas,  seguidas  de   parênteses.  As  alíneas,  exceto  a  úl;ma,  terminam  em  ponto  e  vírgula.   Numeração  progressiva     1  REFERÊNCIAS        Seção  primária   1.1  ELEMENTOS  DA  REFERÊNCIA    Seção  secundário   1.1.1  Autoria        Seção  terciária   1.1.1.1  Nomes        Seção  quaternária                          a)  Sobrenomes;      Alínea                          b)  Parentesco;      Alínea                                -­‐  Sobrinho;      Subalínea                                -­‐  Filho.      Subalínea  
  17. 17. Ilustrações   Quadros  –  são  ilustrações  com  informações  qualita;vas  –   geralmente   em   forma   de   texto.   Os   quatro   lados   do   quadro  devem  ser  fechados.     Tabelas   –   são   ilustrações   com   dados   esta>sNcos   numéricos.   Os   lados   esquerdo   e   direito   são   abertos,   as   partes  superior  e  inferior  são  fechadas,  e  não  se  colocam   traços  horizontais  e  ver;cais  para  separar  os  números.     Figuras   –   são   as   demais   formas   de   ilustração   que   não   sejam   quadros   ou   tabelas.   Podem   ser   gráficos,   fotografias,  desenhos,  fluxogramas,  esquemas  etc.  
  18. 18.    Tabela  (IBGE)     Situação do domicílio Mulheres Homens Total Total 18 479 893 19 507 477 37 987 370 Urbana 41 115 439 38 857 492 79 972 931 Rural 37 987 370 18 479 893 19 507 477 Tabela 1 – Pessoas residentes em domicílios particulares, por sexo e situação do domicílio – Brasil – 1980. Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 1993.
  19. 19.  Quadro   Diagnóstico Os gerentes de linha não estão integrando a parte difícil e fácil. Os gerentes de linha estão frustrados. Ação Mostrar que integração é chave e que eles se comprometem com ela. Fale-me sobre sua sensação de frustração. Qual é a sua preocupação? Fonte: ARGYRIS, 2005, p. 37. Figura 1 – Quadro
  20. 20.  Fotografia   Fonte: Bizarrices LOL, 2010. Figura 2 – Fotografia de assentos de avião.
  21. 21.  Gráfico   Fonte: Graphajam, 2008. Figura 3 – Gráfico percepção dos pais sobre o atendimento de seu celular dos filhos.
  22. 22.  Fluxograma   Fonte: Jovens VIDE, 2007. Figura 4 – Fluxograma resolução de problemas na empresa.
  23. 23. São   transcrições   literais   de   trechos   da   obra   de  um  autor  consultado;  de  textos  baseados   em   sínteses   pessoais   que   reproduzem   as   ideias   do   autor   da   obra   consultada;   e   de   textos  em  que  o  autor  do  trabalho  não  tem   acesso  ao  original.     CITAÇÕES  
  24. 24. Citação  direta     É  a  transcrição  literal  de  parte  da  obra  do  autor  consultado.       Exemplo   “A  expressão  ‘furiosa’  dessa  estátua  de  que  fala  Rabelais,   corresponde  também  à  realidade.”  (BAKHTIN,  1987,  p.  388).      Segundo  Prunes  (2000,  v.  2,  p.  647-­‐648)  “a  inconformidade   dos  demandantes,  sustenta  laudo  pericial  técnico  [...]”     ABNT  
  25. 25. Citação  indireta     Paráfrase  do  texto  consultado.  Consiste  na  interpretação   livre  de  partes  do  texto,  de  forma  não  literal,  mas  fiel  ao   conteúdo  e  às  ideias  do  autor.       Exemplo     O  ato  de  ler  envolve  um  processamento  serial  que  começa   com  uma  fixação  ocular  sobre  o  texto,  prosseguindo  da   esquerda  para  a  direita  de  forma  linear.  (GOUGH,  1972).   ABNT  
  26. 26. Citação  de  citação     Citação  usada  quando  não  se  tem  acesso  ao  documento   original.     Exemplo     Segundo  Telles  Jr.  (1997  apud  DINIZ,  1999,  p.  252)  “existe  um   critério  misto,  pelo  qual  dis;ngue-­‐se  o  direito  público  do   direito  privado  [...]”   ABNT  
  27. 27. PÓS-­‐TEXTUAIS  
  28. 28. Notas  usada  para  comentários,  esclarecimentos  ou  explanações,  que  não   possam  ser  incluídos  no  texto.       No  texto:     O  comportamento  liminar  correspondente  à  adolescência  vem  se  cons;tuindo  numa  das   conquistas  universais,  como  esta,  por  exemplo,  expresso  no  Estatuto  da  Criança  e  do   Adolescente.¹       Na  nota  explica;va:   _________   ¹Se  a  tendência  à  universalização  das  representações  sobre  a  periodização  dos  ciclos  de  vida  desrespeita  a   especificidade  dos  valores  culturais  de  vários  grupos,  ela  é  condição  para  a  cons;tuição  de  adesões  e  grupos  de  pressão   integrados  à  moralização  de  tais  formas  de  inserção  de  crianças  e  de  jovens.     Nota  explicaNva  
  29. 29. Pós-textual     Título:  sub6tulo  (se  houver)  que  pode  ter  algumas  linhas   quebradas  -­‐  em  língua  estrangeira     Resumo  em  língua  estrangeira   Resumo  em  língua  estrangeira  Resumo  em  língua   estrangeira  Resumo  em  língua  estrangeira.     Palavras-­‐chave  em  língua  estrangeira:  em  língua   estrangeira.                            
  30. 30. Livros     CASTELO  BRANCO,  Renato.  História  da  propaganda  no   Brasil.  São  Paulo:  T.  A.  Queiroz,  1990.  485  p.     LINK,  Salomon  J.;  GRUNEWALD,  Donald.  Administração   financeira.  Rio  de  Janeiro:  LTC,  1975.  295  p.     FERREL,  O.  C.  et  al.  Estratégia  de  markeNng.  São  Paulo:   Atlas,  2000.  305  p.     DIAGNÓSTICO  do  setor  editorial  brasileiro.  São  Paulo:   Câmara  Brasileira  do  Livro,  1993.  2  v.   Referências  
  31. 31. Parte  de  livro     ROMANO,  Giovanni.  Imagens  da  juventude  na  era  moderna.   In:  LEVI,  G.;  SCHMIDT,  J.  (Org.).  História  dos  jovens  2:  a   época  contemporânea.  São  Paulo:  Companhia  das  Letras,   1996.  p.  7-­‐16.     Tese,  dissertação  e  TCC     GIGLIO,  Ernesto  M.  Contribuição  ao  desenvolvimento  de   um  modelo  de  estratégia  orientada  para  a  saNsfação  do   consumidor  no  ramo  imobiliário.  2002.  288  f.  Tese   (Doutorado)–  FEA,  Universidade  de  São  Paulo,  São  Paulo,   2002.  
  32. 32. Parte  de  eventos     GUNCHO,  M.  R.  A  educação  em  administração  à  distância.  In:   SEMINÁRIO  DE  ADMINISTRAÇÃO  DE  EMPRESAS,  10.,  1998,   Natal.  Anais  eletrônicos...    Natal:  Súmula,  1999.  1  CD-­‐ROM.     ArNgo  de  periódico     SOUZA,  F.  C.  Formação  de  bibliotecários  para  uma  sociedade   livre.  Encontros  BIBLI.  Revista  de  Biblioteconomia  e  Ciência   da  Informação,  Florianópolis,  n.  11,  p.  1-­‐13,  jun.  2001.   Disponível  em:  <h„p://www.encontrosbibli.   ufsc.br/Edicao_11/francisco.pdf>.  Acesso  em:  14  maio  2011.  
  33. 33. • Site  (homepage)     ASSOCIAÇÃO  BRASILEIRA  DA  INDÚSTRIA  GRÁFICA.     Disponível  em:  <h„p://www.abigraf.org.br>.  Acesso  em:  3   jul.    2011.     •   Ar;go  de  jornal   NAVES,  P.  Lagos  andinos  dão  banho  de  beleza.  Folha  de   São  Paulo,  São  Paulo,  28  jun.  2011.  Folha  Turismo,  Caderno   8,  p.  13.  
  34. 34. CD-­‐ROM     FUJITA,  M.  L.  S.  STRAUD-­‐2000:  manual  de  serviços  aos   usuários.  São  Paulo:  Dynaware  Sistemas  de  Informá;ca,   2000.  1  CD-­‐ROM.    
  35. 35. REFERÊNCIAS     ASSOCIAÇÃO  BRASILEIRA  DA  INDÚSTRIA  GRÁFICA.  Disponível  em:   <h„p://www.abigraf.org.br>.  Acesso  em:  3  jul.  2003.     DIAGNÓSTICO  do  setor  editorial  brasileiro.  São  Paulo:  Câmara  Brasileira  do   Livro,  1993.     ENCONTRO  ANUAL  DA  ASSOCIAÇÃO  NACIONAL  DE  PÓS-­‐GRADUAÇÃO  EM   ADMINISTRAÇÃO,  20.,1996,  Angra  dos  Reis.  Anais...  Angra  dos  Reis:  ANPAD,   1996.  10  v.     FERREL,  O.  C.  et  al.  Estratégia  de  markeNng.  São  Paulo:  Atlas,  2000.  305  p.     GIGLIO,  Ernesto  M.  Contribuição  ao  desenvolvimento  de  um  modelo  de   estratégia  orientada  para  a  saNsfação  do  consumidor  no  ramo  imobiliário.   2002.  288  f.  Tese  (Doutorado)–  FEA,  Universidade  de  São  Paulo,  São  Paulo,   2002.     SILVA,  Andréa  Lago  da;  ALCÂNTARA,  Rosane  Chicarelli.  Mudanças  nos   relacionamentos  e  estratégias  para  melhor  coordenação  da  cadeia  de   suprimentos.  Revista  de  Administração  da  USP,  São  Paulo,  v.  36,  n.  3,  p.   49-­‐58,  jul./set.  2001.  
  36. 36. Lista  em  ordem  alfabé;ca  de  palavras  ou  expressões   técnicas   de   uso   restrito   ou   de   sen;do   obscuro,   u;lizadas   no   texto,   acompanhadas   das   respec;vas   definições.     Glossário
  37. 37. Suporte  elucida;vo  e/ou  ilustra;vo  elaborado  pelo  autor,   que  documenta,  esclarece  e  confirma  as  ideias  expressas  no   texto.     Ex:     APÊDICE  A  –  Avaliação  numérica  de  células  inflamatórias.     APÊNDICES
  38. 38. Elemento   complementar   não   elaborado   pelo   autor,   servindo   para   fundamentar,   comprovar   ou   ilustrar   o   conteúdo  do  texto  e  suas  partes.       Ex:     ANEXO   A:   Representação   gráfica   de   contagem   de   células   tronco.   ANEXOS
  39. 39. Recursos BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES (BDTD). Disponível em: <http://bdtd.ibict.br/ pt/inicio.html>. Acesso em: 5 dez. 2011. DIRECTORY OF OPEN ACCESS JOURNALS (DOAJ). Disponível em: < http://www.doaj.org/doaj?func=loadTempl&templ=about&uiLanguage=en#aimscope>. Acesso em: 5 dez. 2011. ENDEAVOR VÍDEO. Disponível em: http://www.endeavor.org.br/>. Acesso em: 5 dez. 2011. GAPMINDER. Disponível em: <http://www.gapminder.org/ >. Acesso em: 5 dez. 2011. GOOGLE ACADÊMICO. Disponível em: < http://scholar.google.com.br/schhp?hl=pt-BR>. Acesso em: 05 dez. 2011. MANUAL para normalização e apresentação de trabalhos acadêmicos resumido. Rio de Janeiro: ESPM, 2004. Disponível em: http://www.espm.br/Unidades/RioDeJaneiro/Biblioteca/manuais/Pages/default.aspx. Acesso em: 05 dez. 2011. MORE: mecanismo on-line para referências . Disponível em: < http://www.rexlab.ufsc.br:8080/more/index.jsp>. Acesso em: 05 dez. 2011.  
  40. 40. NORMAS de apresentação tabular. Rio de Janeiro: IBGE, 1972. Disponível em: < http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/normastabular.pdf.> .Acesso em: 05 dez. 2011. PERIÓDICOS CAPES. Disponível em: http://www.periodicos.capes.gov.br/. Acesso em: 5 dez. 2011. QWIKI. Disponível em: <http://www.qwiki.com/>. Acesso em: 5 dez. 2011. SCIELO. Disponível em: http://www.scielo.br/?lng=pt>. Acesso em: 5 dez. 2011. SCIENCE DIRECT. Disponível em:<http://www.sciencedirect.com/>. Acesso em: 5 dez. 2011. SCIIRUS. Disponível em: <http://www.scirus.com/>. Acesso em: 5 dez. 2011. WORLD CAT. Disponível em: <http://www.worldcat.org/>. Acesso em: 5 dez. 2011.
  41. 41.     Obrigada  !     Cláudia  Aragon   claudiaaragon@espm.br   2216  2049     Carolina  Barros   carolina@espm.br   2216  2088       biblioteca-­‐rj@espm.br   2216  2050    

×