Adote um padre

311 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
311
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adote um padre

  1. 1. Dom Murilo S. R. Krieger, scj Graças às reflexões e textos do Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965), houve uma reviravolta na maneira de se abordar a questão das vocações na vida da Igreja. Até então, falar de vocações era referir-se particularmente às vocações sacerdotais. A partir do Vaticano II, os horizontes tornaram-se mais amplos: passou-se a insistir, primeiramente, na vocação de todos à santidade. Pelo batismo, Deus nos chama – chama cada batizado – a ser santo. Num segundo momento é que se vai pensar nas vocações específicas – isto é, na vocação dos cristãos leigos e leigas, na dos religiosos e religiosas, e na vocação dos ministros ordenados (diáconos, presbíteros e bispos). Fiz essa introdução para deixar claro que não ignoro a importância de todas as vocações. A partir de minha vivência episcopal – vinte e dois anos como bispo, em três dioceses diferentes – convenci-me profundamente de quanto é importante, para nossas comunidades, a presença e a atuação do sacerdote. Não há novidade nisso. O próprio Vaticano II já havia afirmado que “os presbíteros, quer se entreguem à oração e à adoração, quer preguem a palavra de Deus, quer ofereçam o sacrifício eucarístico e administrem os demais sacramentos, quer exerçam outros ministérios a favor dos homens, concorrem não só para aumentar a glória de Deus, mas também para fazer progredir os homens na vida divina” (PO, 2). A vida dos sacerdotes sempre foi exigente. E nem poderia ser diferente, já que são chamados a continuar a missão de Cristo, o Bom Pastor. Em nossos tempos, porém, os desafios se multiplicam e exigem respostas sábias, decisões imediatas e constantes posicionamentos sobre os mais diversos temas. Portanto, quanto mais santo e sábio for o presbítero, mais e melhor servirá a Igreja. Além disso, como a vocação sacerdotal é um dom de Deus não só para aquele que é seu primeiro destinatário, mas para a Igreja inteira, um bem para sua vida e missão, toda a Igreja é chamada a proteger esse dom, a estimá-lo e a amá-lo. Dito isso com palavras do saudoso Papa João Paulo II: “Todos os membros da Igreja, sem exceção, têm a graça e a responsabilidade do cuidado pelas vocações” (PDV, 41). Essa responsabilidade sempre foi cultivada na Igreja. Prova disso é, entre outras coisas, o apelo constante para que todos rezem não só pelo aumento das vocações, mas também para a santificação daqueles que já são padres. Sempre houve na Igreja grupos, comunidades e associações com o propósito principal de rezar pelos sacerdotes. É nessa linha que se entende a sugestão que agora apresento: adote um padre! Dentre os sacerdotes que você conhece ou que atuam na Igreja, escolha um deles, e passe a rezar diariamente por sua santificação. Ofereça sacrifícios para que ele exerça bem seu ministério. Se for o caso, ofereça por ele até sua vida. De preferência, nunca lhe fale sobre isso, nem faça comentários a esse respeito com outras pessoas. Os detalhes dessa “adoção” sejam conhecidos somente por você e pelo Bom Pastor. Guarde esse segredo cuidadosamente em seu coração, mas seja fiel a ele, dia por dia. Fazendo isso, você estará respondendo a um apelo da Igreja, que constantemente nos recorda: “Todo o Povo de Deus deve incansavelmente rezar e trabalhar pelas vocações sacerdotais” (PDV, 82). Sua resposta ao apelo de adotar um padre determinado terá uma particularidade: você não estará rezando somente pelo clero em geral, mas por um padre com um nome e um rosto, o que, certamente, motivará ainda mais suas orações, jejuns e sacrifícios. E, tenha certeza: com a santificação de seu “adotado”, todo o clero se santificará. Deus, então, será mais glorificado. E o Povo de Deus, mais e mais se enriquecerá.

×