Paulo Freire

3.203 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
77
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paulo Freire

  1. 1. Paulo Freire – Vida e obra do mais influente educador brasileiro “ Não existe nada que me envergonhe de ser um professor. Eu sou um professor. Ensinar é absolutamente fundamental.” Paulo Freire
  2. 2. Um percurso peculiar <ul><li>Paulo Reglus Neves Freire nasceu em família de classe média, em Recife, no ano de 1921. </li></ul><ul><li>Aos dez anos de idade, sofreu o primeiro percalço quando, a família subitamente empobrecida, mudou-se para Jaboatão, e três anos após, ficou órfão de pai. Viveu momentos profundos de pobreza e dor, mas soube usá-los positivamente em sua obra posterior. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Só conseguiu concluir o ensino secundário porque foi agraciado com sucessivas bolsas de estudo e porque, aos 17 anos, começou a dar aulas de português. </li></ul><ul><li>Aos 22 anos, entrou para a faculdade de direito do Recife, tornou-se advogado, mas não seguiu carreira; mergulhou na </li></ul><ul><li>atividade docente pelo resto de </li></ul><ul><li>sua vida </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Em 1959 Paulo Freire obteve, por meio de concurso, o título de doutor em filosofia e história da educação, ao qual somaram 43 títulos de doutor honoris causa mundo afora, cidadão honorário em 11 cidades, nome de mais de uma centena de escolas e centros de estudos e alguns prêmios internacionais. </li></ul><ul><li>Publicou dezenas de obras (escritas </li></ul><ul><li>sempre à mão), traduzidas em </li></ul><ul><li>dezenas de idiomas. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Sua trajetória foi permeada por envolvimentos com as políticas públicas: aos 26 anos, já casado e com cinco filhos, passou a trabalhar também com educação de adultos. </li></ul><ul><li>Por seu empenho em ensinar os mais pobres , tornou-se uma inspiração para </li></ul><ul><li>gerações de professores, especialmente </li></ul><ul><li>na América Latina e na África. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>A partir de 1963 quando ensinou 300 adultos a ler e escrever em 45 dias, Paulo Freire desenvolveu um método inovador de alfabetização. </li></ul><ul><li>A carreira no Brasil foi interrompida pelo golpe militar de 31 de março de 1964. Acusado de subversão, ele passou 75 dias na prisão e, em seguida, partiu para o exílio. </li></ul><ul><li>No Chile, trabalhou por cinco anos </li></ul><ul><li>no Instituto Chileno para a Reforma </li></ul><ul><li>Agrária, onde escreveu o livro </li></ul><ul><li>Pedagogia do Oprimido. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Do Chile, atuou como assessor do Ministério da Educação e consultor da Unesco. </li></ul><ul><li>Dali, foi como professor convidado para a Universidade de Harvard e em 1970, foi Consultor Especial do Departamento de Educação em Genebra, na Suíça. Nessa atividade, percorreu todos os continentes </li></ul><ul><li>colaborando com dezenas de países, </li></ul><ul><li>(exceto o Brasil, pois estava </li></ul><ul><li>proibido de entrar). </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Depois de 16 anos de exílio, Paulo Freire retornou ao Brasil, onde escreveu dois livros tidos como fundamentais em sua obra: Pedagogia da Esperança e À Sombra desta Mangueira. Lecionou na Unicamp e PUC-SP. </li></ul><ul><li>De 1989 a 1991, foi secretário de Educação no Município de São Paulo, sob a prefeitura de Luíza Erundina. </li></ul><ul><li>Continuou ensinando, escrevendo, orientando </li></ul><ul><li>até 02 de maio de 1997, quando seu </li></ul><ul><li>corpo faleceu. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>“ É preciso resgatar a paixão por uma idéia irrecusável: gente foi feita para ser feliz. E esse é nosso trabalho; não só nosso, mas também nosso. Paixão pela inconformidade de as coisas serem como são; paixão pela derrota da desesperança; paixão pela idéia de, procurando tornar as pessoas melhores, melhorar a si mesmo ou mesma; paixão, em suma, pelo futuro.” </li></ul>
  10. 10. <ul><li>“ Ser humano é ser junto. É necessário negar a afirmação liberticida de que “a minha liberdade acaba quando começa a do outro”. A minha liberdade acaba quando acaba a do outro; se algum humano ou humana não é livre, ninguém é livre. Se alguém não for livre da fome, ninguém é livre da fome. Se algum homem ou mulher não for livre da discriminação, ninguém é livre da discriminação. Se alguma criança não for livre da falta de escola, de família, de lazer, ninguém é livre” </li></ul>

×