Prevencão cancer de colo de utero

4.056 visualizações

Publicada em

Liago Uesb 2013

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.056
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
187
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prevencão cancer de colo de utero

  1. 1. PREVENCÃO/ RASTREIO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO LIAGO-UESB RIRO 2013
  2. 2. HISTÓRICO PREVENÇÃO NO BRASIL  No Brasil, o controle do câncer tem seu ponto de partida em iniciativas pioneiras de profissionais que trouxeram para o país a citologia e a colposcopia, a partir dos anos 1940.(INCA)  Em 1956, o presidente Juscelino Kubitschek patrocinou a construção do Centro de Pesquisas Luíza Gomes de Lemos, da Fundação das Pioneiras Sociais, no Rio de Janeiro –  Atualmente integrado ao Instituto Nacional de Câncer (INCA) – para atender aos casos de câncer de mama e aparelho genital feminino.
  3. 3. INTRODUÇÃO  No Brasil, o câncer do colo do útero é a quarta causa de morte por câncer em mulheres, sendo o tipo mais comum em algumas áreas menos desenvolvidas do país.  Sua ocorrência se concentra principalmente em mulheres acima dos 35 anos de idade.  Dentre todos os tipos de câncer, é o que apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura.
  4. 4. Fatores de risco        Infecção pelo vírus papiloma humano (HPV) 16,18. História de infecções sexualmente transmitidas (inclusive infecção pelo HIV) Início precoce da atividade sexual Multiparidade, Uso de contraceptivos orais Tabagismo. Pobreza
  5. 5. SINAIS E SINTOMAS  Assintomático ou;  Sangramento após relação sexual;  Dor pélvica  Secreção vaginal de odor fétido.  Demora para os sintomas se manifestarem
  6. 6. PREVENÇÃO  Rastreio anual ou tri-anual.  Uso de Preservativos  Tratar/evitar Dst’s  Evitar tabagismo
  7. 7. DETECÇÃO PRECOCE  Oferecer rastreamento organizado para as mulheres de 25 a 60 anos por meio do teste de Papanicolaou. Mulheres com vida sexual ativa, independente da faixa etária, devem realizar o teste.   A periodicidade do rastreamento será a cada três anos, após dois exames normais consecutivos com intervalo de 1 ano.  Mulheres em grupos de risco (mulheres infectadas pelo HIV ou imunodeprimidas) devem realizar o rastreamento anualmente.  Mulheres histerectomizadas por outras razões que não o câncer do colo do útero, não devem ser incluídas no rastreamento.
  8. 8. Nomenclatura citológica brasileira  O câncer do colo do útero é precedido por uma longa fase de doença pré-invasiva, denominada de neoplasia intraepitelial cervical (NIC).  A NIC é categorizada em graus I, II e III, dependendo da proporção da espessura do epitélio que apresenta células maduras e diferenciadas.  A maioria das NIC I regride em períodos entre 12 a 24 meses ou não progride à NIC II ou III  A lesão precursora que se origina do epitélio colunar é denominada de adenocarcinoma in situ
  9. 9. Nomenclaturas
  10. 10. DESAFIOS A SEREM VENCIDOS  1. 2. 3. 4. 5. 6. Quanto mais se rastreia, mas se previne o câncer de colo de útero, por “pegar” o inicio da doença: Recrutamento da população-alvo, idealmente por meio de um sistema de informação de base populacional. Adoção de recomendações baseadas em evidências científicas, que inclui definição da população-alvo e do intervalo entre as coletas, assim como elaboração de guias clínicos para o manejo dos casos suspeitos. Recrutamento das mulheres em falta com o rastreamento. Garantia da abordagem necessária para as mulheres com exames alterados. Educação e comunicação. Garantia de qualidade dos procedimentos realizados em todos os níveis do cuidado.(INCA)
  11. 11. ADEQUABILIDADE DA AMOSTRA  Satisfatória  Insatisfatória
  12. 12. AMOSTRA Insatisfatória  Amostra insatisfatória para avaliação  É considerada insatisfatória a amostra cuja leitura esteja prejudicada pelas razões ex postas abaixo, algumas de natureza técnica   outras de amostragem celular, podendo ser assim classificada (SHIRATA et al, 1998):  1. Material acelular ou hipocelular (menos de 10% do esfregaço).  2. Leitura prejudicada (mais de 75% do esfregaço) por presença de: sangue, piócitos, artefatos de dessecamento, contaminantes externos ou intensa superposição celular.(inca)
  13. 13. AMOSTRA Satisfatória       Designa amostra que apresente células em quantidade representativa, bem distribuídas, fixadas e coradas, de tal modo que sua observação permita uma conclusão diagnóstica. Células presentes na amostra: Podem estar presentes: Células escamosas. Células glandulares (não inclui o epitélio endometrial). Células metaplásicas
  14. 14. TÉCNICA COLETA  RETIRADA DA AULA 1 LIAGO SEMIOLOGIA GINECOLÓGICA
  15. 15. CONDUTAS:COLPOSCOPIA
  16. 16. CONDUTAS
  17. 17. REFERÊNCIAS       Normas e Recomendações do INCA Prevenção do câncer do colo do útero http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/Diretrizes_rastream ento_cancer_colo_utero.pdf http://www.slideshare.net/rodrigoriro http://mortalidade.inca.gov.br/Mortalidade/ https://www.google.com.br/search?q=sociedade+brasileir a+colposcopia&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=gcNWUo meC4HG9gTX1oCoAw&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=1366&b ih=624&dpr=1#facrc=_&imgdii=_&imgrc=c5xD78rzgXh6M%3A%3B6zLQvitI4QvwzM%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.s cielo.br%252Fimg%252Frevistas%252Frbgo%252Fv28n8%252F 08f2.gif%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.scielo.br%252Fscielo .php%253Fscript%253Dsci_arttext%2526pid%253DS010072032006000800008%3B573%3B628

×