roberto borges - jornalismo 1GESTÃO EMJORNALISMOO RepórterO EDITORO GESTORO CONTEÚDORoberto Borges
roberto borges - jornalismo 2Índice351015182021Jornalismo na veiaO RepórterO EditorO GestorO ConteúdoInformaçõesContatoPel...
roberto borges - jornalismo 3São oito e quinze da noite e o estômago embrulha. Fecho os olhos,respiro fundo e penso alivia...
roberto borges - jornalismo 4Na Globo Brasília, fui editor-chefe de telejornais locais e editor do Jor-nal Nacional e do B...
roberto borges - jornalismo 51. O RepórterTodos jornalistas somos. Não importa se estamos na frente ou por trásdas câmeras...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestão jornalismo2013 amostra

249 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão jornalismo2013 amostra

  1. 1. roberto borges - jornalismo 1GESTÃO EMJORNALISMOO RepórterO EDITORO GESTORO CONTEÚDORoberto Borges
  2. 2. roberto borges - jornalismo 2Índice351015182021Jornalismo na veiaO RepórterO EditorO GestorO ConteúdoInformaçõesContatoPela Informação de Qualidade que gereConhecimento para virar Sabedoria.
  3. 3. roberto borges - jornalismo 3São oito e quinze da noite e o estômago embrulha. Fecho os olhos,respiro fundo e penso aliviado: não estou mais lá. Sim, não estou mais noswitcher da Globo à espera da contagem regressiva para a entrada doJornal Nacional. E lá se vão algumas décadas, longe da mais fantásticaaventura diária que vivi por muitos e muitos anos.Por muitos e muitos minutos, segundos, décimos-de-segundos, frames,que é como a vida é contada ali. Tudo muito rápido, é preciso muito es-tômago; clima de cirurgia, muita, muita, muita tensão; o telejornal estáno ar. É por isso que ainda hoje sinto o mesmo frio na barriga dos diasem que entrava no inferno as oito e quinze da noite.E o mesmo feitiço foi me seguindo ao longo da carreira, seja nos telejor-nais de rede ou nos telejornais locais, até hoje, no mesmo bat-horário.Posso estar na sala, no quarto, na cozinha, na praia, na fazenda ou aténum bar, e o friozinho vem, bate o ponto e some.Agora passa rápido, não estou mais lá. Mas por que não me liberto domal estar diário com hora marcada? Porque o telejornalismo é a minhavida. São trinta anos de profissão. Não fiz outra coisa. Com ele, criei trêsfilhos. Foram 18 anos na Rede Globo, desde 1981, nas praças de Recife,São Paulo e Brasília, esta última onde mais vivi.Jornalismo na Veia
  4. 4. roberto borges - jornalismo 4Na Globo Brasília, fui editor-chefe de telejornais locais e editor do Jor-nal Nacional e do Bom dia Brasil. Participei da implantação da GloboNews e fui chefe da redação de Brasília nos primeiros dois anos do canala cabo brasileiro de notícias. Em 1999, outro grande desafio, participeida criação do telejornalismo de uma nova emissora de TV aberta, a Rede TV.Fui para a Rede TV, onde comandei o jornalismo de Brasília até junho de2011, quando passei a dar consultoria. O próximo passo agora é partici-par da revolução das Teles que acabam de entrar no mercado para trazero jornalismo pelo celular.Este workshop é para compartilhar a experiência adquirida ao longodesta jornada dedicada à gestão de telejornais, com um olhar pro futuro.Destaco quatro módulos para facilitar nosso trabalho: O Repórter, OEditor, O Gestor e, para arrematar ao final, O Conteúdo, a meta por umainformação de qualidade que gere conhecimento para virar sabedoria.
  5. 5. roberto borges - jornalismo 51. O RepórterTodos jornalistas somos. Não importa se estamos na frente ou por trásdas câmeras. Está no DNA da profissão. E qualquer jornalista já nascesabendo que é um repórter.Selecionei seis tópicos para comentar como se desenvolve o trabalho dorepórter no telejornalismo: A Pauta, O Roteiro, A Imagem, O “Povo-Fala”, A Entrevista, O Vivo.a. A PautaFazer a pauta é o mais gostoso da profissão. É a origem de tudo. A ideia,o fato, a notícia. Antes havia o pauteiro, mas com o passar do tempo apauta passou a ser uma obrigação de todos.Aliás, como era no início de tudo, a profissão nem era regulamentada, e orepórter trazia a pauta da rua. O mesmo deve ocorrer agora, o repórterdeve influir na pauta do dia.É a nossa missão principal. Um olhar sobre a cidade, uma boa leitura dossites e jornais, varredura pelos órgãos oficiais com a ajuda do Twitter,escuta apurada pelas ruas, padarias, shoppings.Ao chegar para o trabalho, o repórter deve trazer sua pauta, mas se nãoestiver num bom dia, o jeito é acatar a pauta da redação e partir para ocombate como se ela fosse sua.Uma leitura atenta, seguida de pesquisa na internet, para se ter uma boacoleta de dados, tudo armazenado num bloco de notas que servirá de apoioquando se estiver fazendo a reportagem.Além da pesquisa, é preciso checar as fontes de entrevistas que estiveremmarcadas e/ou marcar essas entrevistas para dar eficácia aos desloca-mentos da equipe.

×