FLUXOGRAMA PARA MANEJO DAS ADENOMEGALIAS                                      ANAMNESE              Idade              Agu...
ADENOMEGALIA REGIONAL           ❶                                                                                         ...
Rubéola, Roséola, Pediculose, Dermatite seborreica, Piodermite do                 OCCIPITAL                               ...
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Fluxograma para manejo das adenomegalias prof. robson

4,027

Published on

Fluxograma para manejo das adenomegalias Professor Robson

Published in: Educação
1 Comment
0 pessoas curtiram isso
Estatísticas
Notas
  • Excelente fluxograma, Prof Robson . Parabéns!
       Responder 
    Tem certeza que quer?  Sim  Não
    Sua mensagem vai aqui
  • Be the first to like this

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4,027
No Slideshare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
68
Comentários
1
Curtidas
0
Incorporar 0
No embeds

No notes for slide

Fluxograma para manejo das adenomegalias prof. robson

  1. 1. FLUXOGRAMA PARA MANEJO DAS ADENOMEGALIAS ANAMNESE Idade Aguda, subaguda, prolongada ou crônica Zona endêmica (viagem) Contágio com tuberculose Animais (gato) ou inseto Ingestão de carne mal passada ou leite não pasteurizado Mãe aidética ou HIV positivo EXAME FÍSICO Estado geral: bom ou comprometido Febre Gânglios: localização, tamanho, número, simetria, mobilidade, consistência, amolecimento, flutuação. Sinais flogísticos (eritema, calor, dor, linfangite). Progressão dos gânglios Lesões associadas: - Cárie, abscesso dentário, gengivite; - Seborréia, piolho, tinha do couro cabeludo, piodermite; - Otite média ou externa; - Impetigo, vesículas; - Conjuntivite; - Úlcera, pápula, abrasões; - Erupção cutânea. ADENOMEGALIA REGIONAL ADENOMEGALIA GENERALIZADACADEIAS DE GÂNGLIOS LINFÁTICOS:OCCIPITAL EPITROCLEARCERVICAL POSTERIOR INGUINALPRÉ-AURICULAR TORÁCICOSUBMENTONIANO ABDOMINALSUBMANDIBULAR PÉLVICASUPRACLAVICULARAXILAR
  2. 2. ADENOMEGALIA REGIONAL ❶ HEMOGRAMA  Estado geral bom VHS  Linfonodos de aspecto benigno, Sugere adenopatia reacional SOROLOGIA EPSTEIN-BARR indolores, elásticos, não CMV coalescentes, não aderidos, sem TOXO fístula, móveis  Sem hepato nem esplenomegalia OBSERVAR POR 4-6 SEMANAS 1. Linfonodos regrediram – altaHEMOGRAMA inexpressivo 2. Linfonodos diminuíram – observar mais 6-10 semanasVHS normal 3. Aumentaram após 4-6 semanas ou estacionaram após 6SOROLOGIA EPSTEIN-BARR não reagente semanas – continuar investigação: RX tórax, PPDCMV não reagente 4. Linfonodos não regrediram após 6-10 semanas e investigaçãoTOXO não reagente negativa – BIÓPSIA ❷  Estado geral satisfatório podendo ter febre  Linfonodos inflamados (eritematosos e doloridos) HEMOGRAMA  Especialmente cervicais superiores (ângulo da mandíbula Sugere adenite VHS e submandibulares)  Piodermite, conjuntivite, otite, amigdalite HEMOGRAMA – leucocitose com neutrofilia 1. Tratar com antibiótico (10 dias) VHS ↑ 2. Reavaliar necessidade de drenagem 3. Se não houver melhora – BIÓPSIA ❸  Estado geral comprometido  Sintomas de doença grave  Linfonodos firmes, aderentes ou coalescentes HEMOGRAMA  Adenomegalia supraclavicular direita – sugere tumor VHS ALERTA! intratorácico ou processo inflamatório RX TÓRAX  Adenomegalia supraclavicular esquerda – sugere tumor intra-abdominal ou processo inflamatório  Aumento bilateral – sugere adenomegalia mediastínicaHEMOGRAMA – Blastos RX TÓRAX – ALARGAMENTO DO MEDIASTINO NORMAIS TUBERCULOSE LEUCEMIA LINFOMA BIÓPSIA MIELOGRAMA SARCOIDOSE OUTROS TU ❹  Estado geral bom HEMOGRAMA  Com ou sem sinais flogísticos Sugere adenite por BCG VHS  Localizado em AXILA DIREITA PPD PESQUISAR ARRANHADURA DE GATO
  3. 3. Rubéola, Roséola, Pediculose, Dermatite seborreica, Piodermite do OCCIPITAL couro cabeludo CERVICAL POSTERIOR Mononucleose PRÉ-AURICULAR Tracoma, Conjuntivite por Adenovírus, Doença da arranhadura do gato SUBMENTONIANO Genvivoestomatite herpética, Abscesso dentário, Peridontite SUBMANDIBULAR Faringoamigdalite estreptocócica Tumor intratorácico (D), Tumor intra-abdominal (E), Processo SUPRACLAVICULAR inflamatório BCG intradérmico, Doença da arranhadura do gato, Processos AXILAR inflamatórios, Infecções locais dos MMSS EPITROCLEAR Inseto, Processo inflamatório, Infecções da Mão e Antebraço INGUINAL Linfogranuloma venéreo, Linfogranuloma cancróide ABDOMINAL e PÉLVICO Adenite mesentérica, Linfoma ADENOMEGALIA GENERALIZADA ❶ Solicitar  Estado geral bom HEMOGRAMA  Linfonodos de aspecto benigno, indolores, VHS elásticos, não coalescentes, não aderidos, sem SOROLOGIA EPSTEIN-BARR fístula, móveis CMV  Com ou sem febre e/ou hepatoesplenomegalia TOXO RX TÓRAX ❷ Solicitar  Estado geral comprometido HEMOGRAMA  Palidez VHS  Perda de peso SOROLOGIA EPSTEIN-BARR  Hepatoesplenomegalia CMV  Febre mais de 7 dias TOXO RX TÓRAXBlastos no sangue periférico HEMOGRAMA NORMAL RX TÓRAX alterado ou Pancitopenia RX TÓRAX NORMAL Pesquisar tuberculose (PPD) BIÓPSIA DO GÂNGLIO MIELOGRAMA Tomografia de tórax Escolher o gânglio mais significativo Considerar particularmente: MONO, TOXO, CITO, LV, ARJ, SÍFILIS SECUNDÁRIA, LEUCEMIAS AGUDAS, LINFOMAS, HISTIOCITOSE X e AIDS Professor Francisco Robson da Costa Lima – Infectologista pediatra

×