NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0

940 visualizações

Publicada em

NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0
por Roberto Dias Duarte
www.robertodiasduarte.com.br

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
940
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NF-e 2.0 para a Cadeia Produtiva 2.0

  1. 1. NF-e 2.0 para a CadeiaProdutiva 2.0 <br />“Somente se melhora o que se podemedir”<br />Prof. Vicente Falconi<br />por: prof. Roberto Dias Duarte <br />
  2. 2. Novidade?<br />PROCESSO DE HABILITAÇÃO<br />O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? <br />Podemosconceituar a Nota Fiscal Eletrônicacomosendo um documento de existênciaapenas digital, emitido e armazenadoeletronicamente, com o intuito de documentar, para fins fiscais, umaoperação de circulação de mercadoriasouumaprestação de serviços, ocorrida entre as partes. Suavalidadejurídica é garantidapelaassinatura digital do remetente (garantia de autoria e de integridade) e pelarecepção, peloFisco, do documentoeletrônico, antes daocorrência do fatogerador. <br />
  3. 3. DocumentoEletrônico<br />
  4. 4. Apresentação<br />"Conheçoapenas a minhaignorância” Sócrates<br />SPED Expert <br />Diretor de Alianças<br />www.robertodiasduarte.com.br<br />
  5. 5. Ameaça x Oportunidades<br />No total, quantashoras de cursosvocêjáparticipousobre o SPED?<br />Com a implantação do SPED/NF-e, seutrabalhoterá:<br />
  6. 6. Empresas no Contexto do SPED<br />FCONT<br />e-Lalur<br />
  7. 7. Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Adequação da NF-e para registrar as operações do SIMPLES NACIONAL
  8. 8. Impactos:
  9. 9. B2B
  10. 10. Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de regras de validação como, por exemplo:
  11. 11. Total dos valores difere do somatório dos itens
  12. 12. Se CST de ICMS = 00, 10, 20, 51, 70, 90: Valor ICMS difere de Base de Cálculo x Alíquota
  13. 13. Impactos:
  14. 14. Inteligência Fiscal
  15. 15. Auditoria eletrônica (entrada)</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Eliminação da necessidade de lavratura de termo no RUDFTO, em caso de emissão em contingência.
  16. 16. Registro no XML da data e hora de início e a justificativa para a contingência.
  17. 17. Impactos:
  18. 18. Agilidade
  19. 19. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão da Forma de Emissão na chave da NF-e: Normal, FS, SCAN, DEPEC, FS-DA
  20. 20. Impactos:
  21. 21. Maior controle pelo Fisco</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Cancelamento, o emissor deverá disponibilizar para o destinatário o mesmo conteúdo da NF-e enviada para a SEFAZ, complementada com os dados da homologação do pedido de cancelamento.
  22. 22. Impactos:
  23. 23. B2B
  24. 24. Agilidade
  25. 25. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Alteração da forma de preenchimento do campo NCM. Comércio exterior ou o produto seja tributado pelo IPI: NCM completo.
  26. 26. Impactos:
  27. 27. B2B
  28. 28. Classificação
  29. 29. Exposição</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de campos: E-mail do destinatário.
  30. 30. Impactos:
  31. 31. Agilidade
  32. 32. Exposição
  33. 33. Cadastro</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de campos:
  34. 34. CT-e referenciado;
  35. 35. Cupom fiscal referenciado;
  36. 36. Nota de produtor rural referenciada.
  37. 37. Impactos:
  38. 38. Exposição
  39. 39. Cadastro
  40. 40. Integração</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de Campos para identificação do pedido e item de compra.
  41. 41. Impactos:
  42. 42. Integração
  43. 43. B2B
  44. 44. Auditoria eletrônica</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão/ajuste de campos para veículos novos. Exemplo:
  45. 45. Não há mais campo RENAVAM.
  46. 46. Cor: conforme DENATRAN
  47. 47. Tipo Combustível conforme RENAVAM.
  48. 48. Restrição:
  49. 49. Impactos:
  50. 50. Integração</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Inclusão de regras de validação como, por exemplo:
  51. 51. Para o pedido de cancelamento, verificar registro de Circulação de Mercadoria
  52. 52. Para o pedido de cancelamento, verificar recebimento da NF-e pelo Destinatário (a ser implementada)
  53. 53. Impactos:
  54. 54. Segurança
  55. 55. Redução de Fraudes
  56. 56. B2B</li></li></ul><li>Nota Fiscal Eletrônica2.0<br /><ul><li>Registro dos Eventos do Ciclo de Vida da NF-e
  57. 57. Autorização
  58. 58. Denegação
  59. 59. Cancelamento
  60. 60. Desclassificação
  61. 61. Cancelamento de ofício
  62. 62. Reversão do cancelamento
  63. 63. Vistoda NF-e
  64. 64. Carta de Correção
  65. 65. Carta de Correção de ofício
  66. 66. NF-e referenciada de ofício;
  67. 67. Registro de Veículos;
  68. 68. Outros
  69. 69. Registrosde saída
  70. 70. Registro de passagem
  71. 71. InternalizaçãoSuframa
  72. 72. Saídaparaexportação
  73. 73. Internalização no país (desembaraço)‏
  74. 74. Confirmação de recebimento
  75. 75. Desconhecimentodaoperação
  76. 76. Devolução de mercadoria</li></li></ul><li>Fluxo de Eventos<br />
  77. 77. Fluxo de Eventos<br />
  78. 78. Brasil-ID<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  79. 79. Brasil-ID: Organização<br />Coordenação: ENCAT e Centro de Pesquisas Avançadas WernhervonBraun<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  80. 80. Brasil-ID<br />Posto fiscal:<br /><ul><li>Menor tempo de inspeção
  81. 81. Produtos com TAG sãoliberados</li></ul>Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  82. 82. Brasil-ID: Fluxo<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  83. 83. Brasil-ID<br />Fonte: www.brasil-id.org.br<br />
  84. 84. CadeiaProdutiva 2.0<br />Mudança cultural <br />emtodosdepartamentos, clientes e fornecedores<br />Mudança logística <br />& administrativa<br />ExposiçãoFiscal daCadeiaProdutiva<br />Irregularidade fiscal<br />emitente e destinatário<br />Restrição à <br />manipulação de dados<br />Guarda de documentos<br />digitais: segurança<br />“Importação” & “exportação” dainteligência fiscal<br />Novo patamar de gestão<br />integradoaoecossistema<br />
  85. 85. O SPED vaipegar?<br />1/9/2009<br />11/11/2009<br />7/4/2009<br />5/7/2009<br />
  86. 86. O SPED vaipegar?<br />01/04/2010<br />5 milhões/diaútil<br />Em São Paulo 01/04/2010:<br />NF-e: 290.031.869<br />CT-e: 2.058.120<br />
  87. 87. O SPED: Alémda NF-e<br />
  88. 88. Sonegação Fiscal <br />“Com osnovossistemas de controlesfiscais, em 5 anos o Brasilterá o menoríndice de sonegaçãoempresarialdaAmérica Latina e em 10 anosíndicecomparadoao dos paísesdesenvolvidos.”<br />IBPT – InstitutoBrasileiro de PlanejamentoTributário<br />
  89. 89. MaiorImpacto<br />x<br />Vírus Fiscal:<br />Errosoufaltadainformação:<br />NCM, CFOP, CST, <br />Alíquotas, bases, valores<br />Pedido, item<br />Inteligência:<br />Informaçõesprecisas<br />Capital Intelectual<br />Integração<br />Apoio a clientes<br />Apoio a fornecedores<br />Gestão & Tecnologia<br />
  90. 90. Vírus Fiscal<br />Envio eletrônico (EDI)‏<br />Contribuinte<br />Remetente<br />Contribuinte<br />Destinatário<br />Trânsito Autorizado (DANFE)‏<br />Envia<br />NF-e<br />Retorna<br />Autorização<br />NF-e<br />Consulta NF-e<br />Retransmite NF-e<br />SPED<br />SEFAZ/UF<br />
  91. 91. Vírus Fiscal<br />
  92. 92. Mundopós SPED<br />
  93. 93. Bem-vindos à Era do Conhecimento<br />Informações e slides em:<br />www.robertodiasduarte.com.br<br />Siga-me pelo Twitter: <br />www.twitter.com/robertoduarte<br />Ou me encontrena Web:<br />

×