A HISTÓRIA DO VIOLINO

8.556 visualizações

Publicada em

ACESSE MEU CANAL DO YOUTUBE-filmes/jogos/desenhos/parodias/entrevistas/tutoriais/humor e muito mais
https://www.youtube.com/user/roberhumor

Publicada em: Educação
2 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
308
Comentários
2
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A HISTÓRIA DO VIOLINO

  1. 1. DISCIPLINA: ORGANOLOGIA Professor: Isac Rufino Francisco Roberlânio da Silva Lima VIOLINO E AVIOLA: ORIGEM, EVOLUÇÃO E SUAS PARTES. UNIVERSIDADE DO ESTADO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE LETRAS E ARTES - FALA DEPARTAMENTO DE MÚSICA – DART LICENCIATURA EM MÚSICA
  2. 2. A ORIGEM DO VIOLINO Sua origem constitui uma lacuna na história dos instrumentos musicais. , nessa época já existia uma grande variedade de instrumentos de cordas tocados com arco. Dentre eles alguns instrumentos de cordas friccionadas são considerados Seus ancestrais. Eles são:
  3. 3. Lira de Braccio Viela Rebec
  4. 4. O que se sabe de sua origem é que o violino surgiu no início do sec. XVI na Itália, mas ele não teve um inventor próprio.  Nesse tempo os instrumentos mais populares tocados a arco eram as violas.
  5. 5. GAUDENZIO FERRARI (1480-1546) È nas obras do pintor Gaudenzio que encontramos as primeiras representações do violino em seu estado primitivo que são consideradas alusão e a prova da existência do novo instrumento nesse período.
  6. 6. OS LUTHIERS É também na Itália no sec. XVI, que surgem as duas escolas de luthiers mais famosas: CREMONA - ITÁLIA
  7. 7. BRESCIA - ITÁLIA
  8. 8. Entre os vários discípulos que surgiram nas duas escolas, podemos destacar dois dos mais importantes: ANTONIO STRADIVARI (1644-1737)
  9. 9. GIUSEPPE GUARNERI DEL GESÚ (1698-1744)
  10. 10. Além dos luthiers da Itália existiam também outros famosos na cidade francesa de Mirecourt e Tirol. Entre eles vai se destacar Nicolas Lupot que ficou notório pelas cópias que ele de stradivari e Guarneri.
  11. 11. ETIQUETAS A identificação do instrumento é feita através de uma etiqueta, que se encontra colada ao fundo de um dos ff. Esta etiqueta contém o nome do luthier, o local e a data de fabricação.
  12. 12. Como é na etiqueta que estão todos os dados do violino e quanto mais antigo mais caro se torna o instrumento que levou ao aparecimento de um outro tipo de comércio: o das etiquetas. Transferem e falsificam etiquetas, de modo que a identificação e autenticidade do instrumento já não podem ser identificados.
  13. 13. PRINCIPAIS COMPOSITORES SÉCULO VII Itália: Biagio Marini (1597-1665) Alemanha: Johann Heinrick Schmelzer (1623-1680) SÉCULO XVIII Francesco Geminiani (1687-1762) autor de `` A Arte de Tocar Violino ´´ Jean-Marie Leclair (1697-1764) Destacaram-se também Vivaldi, Tartini, Veracini , Paganini e Viotti.
  14. 14. SÉCULO XIX Shubert -1817 três sonatas para violino e piano(D.384-5 e D. 408) França: destacam-se as sonatas de César Franck, Fauré, Saint- Saëns e Vincent d´Indy SÉCULO XX Debussy, Béla Bartok e Darius Milhaud
  15. 15. O VIOLINO E SUAS PARTES
  16. 16. O violino tem quatro cordas, confeccionadas em aço e recobertas de prata ou alumínio. A tensão das cordas pode ser ajustada por meio das cravelhas e dos micro-afinadores até que a freqüência de vibração atinja o valor desejado. As cordas do violino estão afinadas em quintas (uma quinta é o intervalo entre duas notas cujas freqüências estão numa razão 3:2). As notas e as freqüências correspondentes às quatro cordas do violino são: Sol3 (196 Hz), Re4 (293.66 Hz), Lá4 (440 Hz) e Mi5 (659.26 Hz).
  17. 17. A alma do violino (sound post), um palito cilíndrico como um lápis é colocado entre os dois tampos logo abaixo da perna esquerda do cavalete. As pesquisas desenvolvidas por Savart no séc. XIX mostraram que a função da alma não se limita a transmitir as vibrações do tampo superior para o inferior. Ela também altera os modos vibracionais de ambos os tampos ao impor um ponto nodal praticamente estacionário nos pontos de contato entre eles. A alma também ajuda a suportar a força exercida pelas cordas sobre o tampo superior, distribuindo parte do esforço ao tampo inferior. É importante salientar que a alma não está colada nos tampos, ela apenas se mantém em sua posição devido à força exercida pelas cordas sobre o cavalete e o tampo superior.
  18. 18. FÍSICA DO INSTRUMENTO  A produção do som está associada à transferência de energia por um elemento EXCITADOR (por exemplo o arco de um violino) para o veículo produtor do som, seguida da colocação do ar em movimento e da sustentação da intensidade em níveis aceitáveis para que o som possa ser aproveitado em termos musicais. O arco é movimentado, provocando a vibração das cordas através do atrito entre a crina do arco e a superfície metálica da corda. Essa energia é transferida para o tampo através da ponte, colocando então o tampo e o ar contido dentro dele em vibração(RESSOADOR). A saída do ar se dá pelos "f" situados nos dois lados do tampo (RADIANTE).
  19. 19.  No violino, a peça que transfere as vibrações das cordas para a caixa acústica (e para o ar encerrado nela) é o cavalete (bridge, em inglês). Como os tampos são grandes (aprox. 500 cm2 cada) eles são bastante eficientes para colocar em movimento o ar das vizinhanças e transmitir o som, garantindo aquele acoplamento. O som emitido pelo instrumento resulta basicamente da vibração das tampos superior e inferior e, também, da vibração do ar dentro da caixa do violino. A seqüência de transferência pode ser imaginada da seguinte forma: um vibrador primário, unidimensional (a corda), transfere a energia para um vibrador secundário, bidimensional (o tampo), que excita a massa de ar no interior da caixa acústica do instrumento.
  20. 20. ONDAS SONORAS
  21. 21. ESCALA DO VIOLINO
  22. 22. Técnicas do Violino Martellato: As notas são tocadas separadamente, com golpes curtos e vigorosos. Saltando: Golpes decididos e curtos com o meio do arco fazem com que este ricocheteie levemente nas cordas. Con sordino (Com Surdina): a surdina é um objeto pequeno, parecendo um pente, que é encaixado no cavalete, amortece as vibrações fazendo com que o instrumento produza um som murmurante. Quando o compositor quer que o instrumentista retire a surdina, põe na partitura as palavras italianas senza sordino (sem surdina) Pizzicato: As cordas são de são dedilhadas com a ponta dos dedos.
  23. 23. Tremolo dedilhado: é quando se alternam rapidamente duas notas, e cada grupo de notas é tocado com um só golpe de arco. Tremolo com arco: efeito tremulante, agitado e dramático, que consiste basicamente em rápidas repetições de uma nota através de velozes movimentos do arco para baixo e para cima. Sul Ponticello (No cavalete): as cordas são tocadas com arco próximo ao cavalete, produzindo um som lúgubre. Harmônicos: sons agudos, suaves, produzidos quando se tocam levemente a corda com a ponta do dedo. Col legno (com madeira): O instrumentista passa a parte da madeira nas cordas.
  24. 24. Modelo de violino construído por Giuseppe Guarneri Del Gesú(1698-1744)
  25. 25. VIOLA Quase tudo o que foi mencionado sobre o violio também diz respeito a viola, basicamente diferem apenas em extensão, tamanho e timbre.  A viola é um sétimo maior que o violino e um pouco mais pesada. As cordas são mais compridas e mais grossas e são afinadas uma quinta abaixo  A maior parte das notas tocadas pela viola se situa na clave de dó.
  26. 26. HISTÓRIA DA VIOLA No início do sec. XVII a viola era chamada de violino, e o violino de violino piccolo. Durante os sec. XVII e XVIII passou a ser chamada de violeta. As violas mais antigas de que se tem notícia são de Andrea Amati e Gasparo da Saló, o seu tamanho era bem maior que o da viola atual. A viola apresenta uma diferença acentuada entre a primeira e a segunda corda: as três cordas mais graves tem a mesma cor mas a mais aguda tem uma sonoridade mais aberta.
  27. 27. REPERTÓRIO A príncípio a viola teve pouca importância, na época de Lully por exemplo: era muito comum o compositor não escrever nas partituras as vozes intermediárias, cabendo ao copista essa função. O que faziam era simplesmente colocar a viola no papel de dobrar as outras vozes. A viola somente irá um status de instrumento solista com a chegada de Carl Stamitz em 1770 a Paris.Carl era compositor, violinista, violetista e virtuoso na viola de amor. Também na música de câmara de Haydn e Mozart escritos de pois de 1780 testemunham um grande desenvolvimento técnico.
  28. 28.  Como instrumento solista a viola teve um repertório relativamente pequeno pelo fato de até ao séc. XX poucos instrumentistas terem se especializado no seu estudo. Carl Stamitz no séc. XVIII e Chrétien Uhran na primeira metade do séc. XIX são duas raras exceções . Mozart compreendeu o principal problema de escrever para viola: a falta de equilíbrio sonoro. Para tentar resolver esse problema, na Sinfonia Concertante K.364 para violino e viola ele exige que o violetista afine seu instrumento meio-tom acima do normal. Berliz escreveu bastante peças para viola e orquestra.
  29. 29. COMPOSITORES QUE ESCREVERAM PARA VIOLA Schumman, Spohr, joaquim, Pleyel, Kodaly, Walter Piston. Nos quartetos de cordas a viola teve um papel importante que foi destacado por: Bethoven, Schubert, Dvorak, Brahms, Debussy etc.
  30. 30. SÉCULO XX Com o aparecimento dos grandes virtuosos como Lionel Tertis e William Primrose, a viola irá adquirir grande importância como instrumento solista, atraindo o interesse de muitos compositores.
  31. 31. A viola é um instrumento em que cada uma das cordas está afinada uma quinta abaixo das respectivas cordas do violino, ou seja: Do3: 130.8 Hz; Sol3: 196 Hz; Re4: 293.7 Hz e Lá4: 440 Hz. Como num intervalo de quinta as freqüências das notas estão numa razão 3:2, poderíamos pensar que, para fabricar uma viola bastaria então aumentar as dimensões de um violino num fator 1.5. Como o violino tem 60 cm de comprimento, a viola "ideal" teria então cerca de 90 cm. Porém esta viola seria um instrumento demasiado grande para ser apoiado sobre o ombro. O tamanho de uma viola moderna é de 71 cm, ou seja cerca de 17% maior que um violino, mas suas ressonâncias principais são de 20% a 40% mais baixas que as do violino. É importante salientar que este aumento na dimensão da viola cobre apenas uma parte da diminuição da freqüência da cavidade, sendo o restante conseguida utilizando-se cordas mais grossas.
  32. 32. VIOLINO E VIOLA
  33. 33. VOCÊ SABIA? Antigamente fazia-se referência ao violino, viola cello e baixo como ``` violinos´´; O arco é uma vareta de madeira onde são retesados mais de 200 fios de crina de cavalo; As principais madeiras usadas na construção do violino são: Epícea e o Sicómoro; A madeira deve ser abatida no inverno e as tábuas obtidas devem ser guardadas num local seco e arejado por pelo menos cinco anos antes da construção do violino; Os materiais usados para as cordas são: A tripa(as mais antigas eram feitas do intestio do carneiro), o aço e o nilon;  O próprio Albert Einstein era violinista. Em Berlin, Einstein tocava sonatas com Max Planck e em Princenton costumava reunir-se semanalmente com colegas e amigos para tocar música de camara.
  34. 34. MODELOS DE VIOLINOS ATUAIS VIOLINOS ELETRICOS
  35. 35. VIOLINO DE VIDRO
  36. 36. VIOLINOS COLORIDOS
  37. 37. VIOLINO DE CRISTAL
  38. 38. VIOLINO ELÉTRICO
  39. 39. Conclusão Percebemos que um instrumento de tantos atrativos, de sonoridade tão rica e penetrante, com modelos variados e mistérios que pairam sobre sua história tem feito com que este extraordinário instrumento tenha percorrido sua jornada com êxito, indo de geração em geração nas mais diferentes classes sociais, despertando uma misteriosa curiosidade que faz com que até mesmo quem nunca tocou.....
  40. 40. ...ARRISQUE ALGUMAS DESAFINADAS NOTAS COMPANHEIROS E COMPANHEIRAS. FIM
  41. 41. BIBLIOGRAFIA BENNETT,Roy . Instrumentos da orquestra. Cadernos de Música da Universidade de Cambridge.p. 16-23. HENRIQUE, Luis L. Instrumentos Musicais.4ª edição, Fundação Calouste Gulbenkian/Lisboa.p.111-137,2004 http//: www.google.com.br , acessado em 29.04.2011 DONOSO, José Pedro; TANNÚS, Alberto; GUIMARÃES, Francisco; FREITAS, Thiago Corrêa de. Rev. Bras. Ensino Fís. vol.30 no.2 São Paulo  2008.

×