UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSÓFICAS
CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS ...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS:
Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das...
MATERIAIS E MÉTODOS
Na ONG...
• Coleta de 272 formulários
de “Fichas de Cadastro” e
“Fichas de Atendimento”.
No Google For...
NOVO FORMULÁRIO
Para permitir unificar
os formulários no Google
Forms foram recodificadas
as perguntas e respostas,
como p...
PARA TRAÇAR O PERFIL
No banco de dados...
Para traçar e analisar o perfil dos sujeitos atendidos pela
ONG, os dados foram ...
PERFIL DAS
ATENDIDASPerfil Etário: idade média de 31
anos. Totalidade 75, 5% dos casos
de pessoas atendidas com até 38
ano...
AS “NÃO
BRANCAS”A maioria das atendidas
possui idade de até 26 anos.
São equivalentes a 31,1% dos
casos válidos de
atendim...
POR FIM...
• Ferramenta amigável de BANCO DE DADOS
para a ONG.
• Formulário único e modificável.
• A obtenção de informaçõ...
REFERÊNCIAS
AMERICA PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais
(Diagnostic and Stati...
REFERÊNCIAS
LEAL, Andréa Fachel. “No peito e na raça” – a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros:
um estudo antrop...
LISTA DE IMAGENS
Foto 1 - Mulheres Semeadoras do Bem (2015). Mulheres Semeadoras do Bem (2015).
Disponível em: http://mulh...
MUITO OBRIGADO!
Agradeço a todos pela atenção.
Estou disponível pelo e-mail rnansalvador@gmail.com
para eventuais esclarec...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação

229 visualizações

Publicada em

No campo de luta pelos direitos dos Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBTTT), há uma clara reivindicação que se opõe a um modelo de masculinidade hegemônica, que envolve a imposição da heteronormatividade como um valor. Neste modelo e diante deste valor, as travestis e transexuais representam as identidades de gênero que mais sofreram por representarem um ultraje neste contexto. Observando estas dificuldades mais amplas, aproximamo-nos da ONG, onde nos foi possível observar o modo com que organizam suas atividades cotidianas. Percebeu-se que a ausência de um sistema de informatização dos dados era uma dificuldade para o monitoramento, a avaliação e a divulgação de tais ações. O objetivo principal deste Trabalho de Conclusão de Curso foi acordado então com a própria ONG Igualdade RS: a sistematização na forma de um banco de dados digital (Google Forms) das informações existentes que estavam em formato analógico (papel). Uma vez feita tal sistematização, seria possível traçar o perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação no período de 2013 a 2014, que poderia então ser discutido sociologicamente. Os procedimento metodológicos utilizados envolveram a escolha da plataforma (Google Forms), a coleta, a organização, a digitação, e a recodificação, resultando em um banco de dados com interface amigável disponibilizado para a própria ONG. Para traçar e analisar o perfil dos sujeitos atendidos pela ONG, os dados foram exportados para SPSS versão 17, onde foram analisados estatisticamente de forma descritiva. As informações constantes nas fichas de atendimento diziam respeito à idade, local de residência, cor da pele auto-declarada, ocupação principal, e escolaridade. A idade foi analisada como variável quantitativa e depois recategorizada em faixas etárias; o local de residência foi recategorizada em acordo com as micro e mesorregiões do Rio Grande do Sul; a cor da pele foi recategorizada em “brancas” e “não brancas; a ocupação foi recategorizada de acordo com as categorias do Código Brasileiro de Ocupações (CBO, Ministério do Trabalho); a escolaridade foi recategorizada em “baixa” (até Ensino Fundamental) e “média-alta” (Ensino Médio ou Ensino Superior). Contudo, foi possível identificar a abrangência da atuação da ONG no estado do Rio Grande do Sul e propor a mesma novas ferramentas para a atuação de sua militância.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
229
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSÓFICAS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação Renan Alves da Silva Orientadora Dra. Andréa Fachel Leal Porto Alegre, julho de 2015
  2. 2. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação COMO SURGE A IDEIA DO TCC? Fui Membro Cidadão do Conselho de Organização da 18ª Parada Livre e 8ª Marcha Lésbica de Porto Alegre e um dos curadores da exposição fotográfica A Parada Exposta: 18 anos expressando liberdades no ano de 2014. Nesta oportunidade conheci a ONG Igualdade RS – Associação de Travestis e Transexuais do Rio Grande do Sul – e sua estrutura organizacional. Concomitante, entre os atores sociais da organização do evento, observo a existência do Fenômeno de subalternização das identidades de gênero de travestis e transexuais.
  3. 3. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação HIPÓTESES QUE SURGIRAM... Sobre este fenômeno surgiram algumas hipóteses, como: • Elas teriam menos acesso à informação; • Menos acesso ao ensino formal; • Menos acesso aos programas de saúde; • Viveriam elas em grandes centros urbanos; • Trabalhariam elas em subempregos ou ocupações de baixa escolaridade; • As “não brancas” estariam em condições mais desiguais que as “brancas”? Conjugando estas hipóteses, optei por examiná-las em relação ao perfil de travestis e transexuais atendidas pela ONG Igualdade RS.
  4. 4. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação OBJETIVO GERAL Construir um banco de dados para a ONG Igualdade RS, transformando as informações disponíveis e organizadas em formato analógico (papel) para o um formato digital (Google Forms), além de analisar o perfil de travestis e transexuais atendidas pela ONG a partir deste banco no período de 2013 e 2014. Este objetivo respeita o princípio da contrapartida.
  5. 5. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação ARTICULANDO CONCEITOS • Modelo de Masculinidade Hegemônica (Kimmel, 1998). Modelo Heteronormativo no Brasil (Pelúcio, 2009). Transfobia (Torres, 2010). x Foto 1 - Modelo de Família Heteronormativa. Foto 2 - Adela, famosa travesti Cubana. Fonte: Mulheres Semeadoras do Bem (2015). Fonte: Hispanically Speaking News (2014).
  6. 6. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação TRAVESTIS • Em geral não desejam se submeter a cirurgia de redesignação sexual (Benedetti, 2005). • Desenvolvem formas mais arredondadas em seus corpos com a aplicação de silicone e hormônios femininos (Kulick, 2003). • Vestem-se 24 horas por dia com roupas femininas; • Interferem em seus corpos por meio de: maquiagem, cortes e penteados de cabelos femininos (Jayme, 2010). • Normalmente sofrem com o abandono familiar e são vitimas da evasão escolar (Kulick, 2003). • Violência por Transfobia (Andrade, 2013). Foto 3 - Glória Crystal, famosa travesti gaúcha. Atualmente é secretária adjunta da Livre Orientação Sexual de Porto Alegre Fonte: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2013).
  7. 7. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação TRANSEXUAIS No mundo... • Classificadas pela CID-10 no item F64.0 (World Health Organization, 2015). • Classificadas pela DSM-V (American Psychiatric Association, 2015). No Brasil... • O Conselho Federal de Medicina pela Resolução nº 1.955/2010, dispões sobre a cirurgia de redesignação sexual desde 2010. • E atualmente a Portaria nº 2.803/2013 do Ministério da Saúde, dispõe sobre o processo transexualizador do SUS. • Em geral elas desejam se Foto 4 - Famosa Transexual brasileira, Roberta Close. Fonte: Uol (2015).
  8. 8. MATERIAIS E MÉTODOS Na ONG... • Coleta de 272 formulários de “Fichas de Cadastro” e “Fichas de Atendimento”. No Google Forms... • Escolha do Google Forms como plataforma para o banco de dados. • Transcrição dos dados primeiramente no Excel, e após vertidos para a plataforma. Modelos de Fichas recolhidas na Ong Igualdade RS, que eram utilizadas antes da aplicação do novo formulário. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  9. 9. NOVO FORMULÁRIO Para permitir unificar os formulários no Google Forms foram recodificadas as perguntas e respostas, como por exemplo: •Categorias êmicas de cor e raça, recodificadas de acordo com as categorias utilizadas pelo IBGE (IBGE, 2015.A) •Criação da pergunta “Qual é a sua identidade Novo “Formulário de Atendimento da ONG Igualdade RS”. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  10. 10. PARA TRAÇAR O PERFIL No banco de dados... Para traçar e analisar o perfil dos sujeitos atendidos pela ONG, os dados foram exportados para SPSS versão 17, onde foram analisados estatisticamente de forma descritiva. Sobre as atendidas tínhamos as seguintes informações disponíveis no banco de dados:  A idade - foi analisada como variável quantitativa e depois recategorizada em faixas etárias; • O local de residência - foi recategorizado em acordo com as micro e mesorregiões do Rio Grande do Sul (IBGE, 2015. B); • A cor da pele - foi recategorizada inicialmente de acordo com as categorias oficiais utilizadas pelo IBGE, e para uma segunda análise em “brancas” e “não brancas (IBGE, 2015. A); • A ocupação - foi recategorizada de acordo com as categorias do Código Brasileiro de Ocupações (BRASIL, 2015.B); • A escolaridade - foi recategorizada em “baixa” (até Ensino Fundamental) e “média-alta” (Ensino Médio ou Ensino Superior). NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  11. 11. PERFIL DAS ATENDIDASPerfil Etário: idade média de 31 anos. Totalidade 75, 5% dos casos de pessoas atendidas com até 38 anos. Logo, trata-se de um perfil em idade adulta. Cor da Pela: 66,9% são autodeclaradas brancas. Escolaridade: 58,6% possuem escolaridade equivalente a média/alta relação a média nacional. Principal Ocupação: 47% estão profissionais do sexo e 52,9% são correspondentes a outros tipos de ocupação. Porém, destes tipos de ocupações são predominantemente equivalentes as contempladas pelo Código 5 da CBO. Local de Residência: 76,3% estão residindo na mesorregião Metropolitana de Porto Alegre. Foto 5 - Marina Reidel, transexual gaúcha e coordenadora da Rede Trans Educ. Fonte: Encontro Trans Sudeste (2012). NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  12. 12. AS “NÃO BRANCAS”A maioria das atendidas possui idade de até 26 anos. São equivalentes a 31,1% dos casos válidos de atendimentos. A maioria delas possui baixa escolaridade em relação a média nacional de anos de estudo. Ocupação Principal: 56,25% estão profissionais do sexo, sendo a variabilidade de ocupações menor que as “brancas”. Foto 6 - Na Foto a passista da Beija Flor de Nilópolis, Piu. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  13. 13. POR FIM... • Ferramenta amigável de BANCO DE DADOS para a ONG. • Formulário único e modificável. • A obtenção de informações sobre as atendidas pela a associação. • Apontamentos sobre as possibilidades de utilização das informações extraídas do banco. • Sistematização e organização de informações sobre as TRAVESTIS e TRANSEXUAIS atendidas pela instituição com maior atuação sobre a temática do sul do Brasil. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  14. 14. REFERÊNCIAS AMERICA PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders). Disponível em: http://www.dsm5.org/. Acessado em: 16/04/2015. ANDRADE, Luma Nogueira de. Assujeitamento e resistência à ordem normativa. 2012. 278 f. Tese de Doutorado em Educação - Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/131976/tese%20Luma%20Andrade.p df?sequence=1&isAllowed=y . Acessado em: 10/05/2014. BOER, Alexandre. (Org). Construindo a igualdade: a história da prostituição de travestis em Porto Alegre. Porto Alegre: Igualdade, 2003. 166 p. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.803, 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador do Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html .Acessado em: 10/10/2014. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.955, 3 de setembro de 2010. Dispõe sobre a cirurgia de transgenitalismo e revoga a Resolução CFM nº 1.652/02. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1955_2010.htm. Acessada em 10/10/2014. I IBGE (A). Características Étnicos- Raciais da População Brasileira. Disponível em: http://ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/caracteristicas_raciais/default_pdf.shtm. Acessado em: 24/04/2014. IBGE (B). Síntese dos Indicadores Sociais. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Sintese_de_Indicadores_Sociais_2014/SIS_2014.pdf . Acessado em 01/06/2015. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  15. 15. REFERÊNCIAS LEAL, Andréa Fachel. “No peito e na raça” – a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros: um estudo antropológico de políticas públicas para HIV/AIDS no Sul do Brasil. Porto Alegre. 2008. 251 f. Tese de doutorado – Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/15570/000685572.pdf?...1. Acessado em 10/04/2015. ONG IGUALDADE RS. Site da ONG Igualdade RS. Disponível em: www.aigualdaders.org. Acessado em: 10/05/2014. PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de AIDS. São Paulo: Annablume-Fapesp, 2009. 264 p. Disponível em: http://www.ufscar.br/cis/wp- content/uploads/LARISSA-PELUCIO-Abje%C3%A7%C3%A3o-e-desejo.pdf . Acessado em 01/06/2014. PRINCÍPIOS DE YOGYAKARTA. Carta dos Princípios de Yogyakarta. Disponível em: http://www.clam.org.br/pdf/principios_de_yogyakarta.pdf. Acessado em 10/04/2015. TORRES, Marco Antônio. A transformação de professoras transexuais na escola: transfobia e solidariedade em figurações sociais contemporâneas. Revista Cronos - Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. v. 2, n. 2, p. 41-61. 2010. Disponível em: http://www.periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/2153. Acessado em 15/03/2015. WORLD HEALTH ORGANIZATION (A). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – Versão CID - 10 (do inglês Diagnostic and Statitical Manual Of Mental Disorders). Disponível em: http://www.who.int/classifications/icd/icd10updates/en/#. Acessado em: 16/10/2014. WORLD HEALTH ORGANIZATION (B). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – Previsão de Versão CID - 11 (do inglês Diagnostic and Statitical Manual Of Mental Disorders). Disponível em: http://www.who.int/classifications/icd/revision/en/#. Acessado em: 16/10/2014. ZAMBRANO, Elisabeth. Trocando os documentos: Transexualismo e Direitos Humanos. In: Lima, NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  16. 16. LISTA DE IMAGENS Foto 1 - Mulheres Semeadoras do Bem (2015). Mulheres Semeadoras do Bem (2015). Disponível em: http://mulhersemeadoradobem.blogspot.com.br/ . Acessado em 01/07/2015. Foto 2 - Hispanically Speaking News (2014). Adela, famosa travesti Cubana. Disponível em: http://www.hispanicallyspeakingnews.com/latino-daily-news/details/transexual-wins- election-in-small-cuban-town/19925/ . Acessado em 01/07/2015. Foto 3 - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2013). Glória Crystal, famosa travesti gaúcha. Atualmente é secretária adjunta da Livre Orientação Sexual de Porto Alegre. Disponível em: http://www.pnud.org.br/Noticia.aspx?id=3800. Acessado em 01/07/2015. Foto 4- Uol (2015). Famosa Transexual brasileira, Roberta Close. Disponível em: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2012/12/06/trajetoria-de-roberta- close.htm?mobile&imagem=33. Acessado em: 01/07/2015. Foto 5 - Encontro Trans Sudeste (2012). Marina Reidel, transexual gaúcha e coordenadora da Rede Trans Educ. Disponível em: http://encontrotranssudeste.blogspot.com.br/2012/04/escolas-ainda-nao-sabem-lidar- com.html. Acessado em: 01/07/2015. Foto 6 - Globo (2015). Na Foto a passista da Beija Flor de Nilópolis, Piu. Disponível em: http://extra.globo.com/casos-de-policia/travesti-passista-da-beija-flor-encontrada-morta- apos-tortura-em-favela-15147303.html. Acessado em 01/07/2015. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação
  17. 17. MUITO OBRIGADO! Agradeço a todos pela atenção. Estou disponível pelo e-mail rnansalvador@gmail.com para eventuais esclarecimentos ou informações sobre esta pesquisa. NO CAMPO DE LUTA COM A ONG IGUALDADE RS: Uma intervenção realizada no banco de dados e a análise sociológica do perfil das travestis e transexuais atendidas pela associação

×