Sequencia didatica a casa das furunfunfelhas

4.413 visualizações

Publicada em

Sequencia didática envolvendo as areas de Matemática e linguagem em turma de 5º ano em atendimento ao curso do Pacto como participante voluntária.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.413
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
189
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sequencia didatica a casa das furunfunfelhas

  1. 1. A CASA DAS DEZ FURUNFUNFELHAS
  2. 2. ESCOLA MUNICIPAL LINDA WAGNER GUSE PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PROFESSORA RITA DE CÁSSIA BECK DE OLIVEIRA ORIENTADORA: ROSE MEIRE VALDERRAMA Sequência didática partindo da obra: A CASA DAS DEZ FURUNFUNFELHAS de Gomes, Lenice editora Ática, 2010, 15ª edição. Indicado para 5º ano Nº alunos 20
  3. 3. RESUMO DA OBRA O livro "A casa das dez Furunfunfelhas", da autora Lenice Gomes, fala sobre dez moças que moram em uma casa cheia de fitas; essas moças gostam de se sentar em roda da calçada para soltar seus nós de línguas (trava-línguas). Na história, cada furunfunfelhas fala o seu nó de língua, cada um mais engraçado que o outro; ao término de cada nó de língua, desaparece uma Furunfunfelha . No fim da história, aparecem mais dois personagens - o menino em cima do muro e o velho Félix com o seu fole velho nas costas. É muito bom ler este livro, ensina diversos nós de línguas e faz o leitor ter aquela curiosidade a cada vez que vira a página.
  4. 4. 0BJETIVO GERAL Oportunizar, a partir da leitura, o amadurecimento dos processos matemáticos
  5. 5. DIREITOS DE MATEMÁTICA UTILIZAR CAMINHOS PRÓPRIOS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO MATEMÁTICO, COMO CIÊNCIA E CULTURA CONSTRUÍDOS PELO HOMEM ATRAVÉS DOS TEMPOS, EM RESPOSTA A NECESSIDADE CONCRETAS E A DESAFIOS PRÓPRIOS DESSA CONSTRUÇÃO. PERCEBER A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DE UMA LINGUAGEM SIMBÓLICA UNIVERSAL NA REPRESENTAÇÃO E MODELAGEM DE SITUAÇÕES MATEMÁTICAS COMO FORMA DE MATEMÁTICA. DESENVOLVER O ESPÍRITO INVESTIGATIVO, CRÍTICO E CRIATIVO, NO CONTEXTO DE SITUAÇÕES PROBLEMA, PRODUZINDO REGISTROS PRÓPRIOS E BUSCANDO DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE SOLUÇÃO
  6. 6. DIREITOS DE LINGUAGEM APRECIAR E USAR EM SITUAÇÃO SIGNIFICATIVAS OS GÊNEROS LITERÁRIOS DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA INFÂNCIA, COMO PARLENDA, CANTIGAS, TRAVA-LÍNGUAS. PARTICIPAR DE SITUAÇÕES DE LEITURA/ESCRITA DE TEXTOS DESTINADOS A REFLEXÃO E DISCUSSÃO ACERCA DE TEMAS SOCIAIS RELEVANTES (NOTÍCIAS, REPORTAGENS, ARTIGOS DE OPINIÃO, CARTAS DE LEITORES, DEBATES, DOCUMENTÁRIO...)
  7. 7. EIXOS CONTEMPLADOS NÚMEROS OPERAÇÕES SITUAÇÃO-PROBLEMA CÁLCULO MENTAL
  8. 8. CONTEÚDOS MATEMÁTICA SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL NÚMEROS ORDINAIS SEQUÊNCIA NUMÉRICA ADIÇÃO SUBTRAÇÃO
  9. 9. CONTEÚDOS LINGUAGEM LEITURA PRODUÇÃO TEXTUAL ( SITUAÇÕES- PROBLEMAS) INTERPRETAÇÃO ADIVINHAS TRAVAS-LÍNGUAS
  10. 10. ESTRATEGIA DIDATICA MATEMÁTICA Primeiro dia: • Leitura do texto em data show feita pelo educador; • Trabalho com os números ordinais, observando a sequência em que as Furunfunfelhas aparecem na história, relacionando-as às suas características; • Utilizar a centopéia (anexo 1) de números ordinais • Segundo dia • Conhecer os números ordinais, considerando-se as noções de lugar e sequência relacionados à ordem em que aparecem as personagens da narrativa. • Utilização da Centopéia com números ordinais • Terceiro dia • Promover 4 grupos com 5 integrantes e cada grupo proporá 1 problema matemático • Após esse momento os grupos deverão solucionar os problemas do outros grupo • Socializar os resultados • Quarto dia • Resolução da atividade 1, subtração e adição (Anexo 2) pelos grupos formados com o Disco mágico (anexo 3)
  11. 11. ESTRATÉGIA DIDÁTICA Língua Portuguesa • Quinto dia • Leitura do texto individual silenciosa • Utilização cartões com trava-línguas para declamação em grupos (anexo 4 ) • Sexto dia • Adivinhas em grupos (Anexo 5) – Cada grupo perguntará uma adivinha para o outro grupo responder
  12. 12. ESTRATÉGIA DIDÁTICA LÍNGUA PORTUGUESA Leitura - compreendendo-se como correlatos à leitura a decodificação do código escrito, leitura individual, em duplas e em grupos, processos de compreensão para pontuação e construção da entonação – enquanto momento de envolvimento, fruição e de trocas com os colegas.
  13. 13. DESENVOLVIMENTO Antes de contar a história, ouvir os alunos sobre o que pensam que devam ser as “Furunfunfelhas”. Contação da história: “A casa das dez Furunfunfelhas” da autora Lenice Gomes (em anexo). Explorar com os alunos a narrativa com relação aos seus elementos constitutivos: quem é o autor, quem é o ilustrador, o que faz cada uma dessas pessoas... Qual é o grande desafio de cada Furunfunfelha? Quem é o seu Félix? - Em grupos, os alunos receberão cartões contendo os trava-línguas (em anexo). Cada cartão será lido e os alunos poderão brincar com esta possibilidade de leitura. Cada aluno escolherá qual trava-língua mais gostou para apresentar ao seu grupo. No caderno, cada aluno fará o registro do nome da história e do trava-língua que apresentou. Em casa, pesquisarão com os pais se eles conhecem outros trava-línguas, adivinhas ou brincadeiras de criança do folclore, trazendo-os para que sejam socializados com o grupo. Brincadeira com as adivinhações da história fazendo com que os alunos tentem descobrir as respostas (em anexo). Trabalho de compreensão e de produção a partir de elementos da obra (em anexo). Trabalho com os números ordinais, observando a sequência em que as Furunfunfelhas aparecem na história, relacionando-as às suas características. Há também a possibilidade de trabalhar com a lista de chamada da turma. Observar qual nome vem por primeiro,
  14. 14. ANEXO 1 – CENTOPÉIA – NÚMEROS ORDINAIS CENTOPÉIA DOS NÚMEROS ORDINAIS
  15. 15. AN
  16. 16. ANEXO 3 QUADRO DE REGISTRO JOGO E FOLHA DE REGISTRO – DISCO MÁGICO
  17. 17. ANEXO 4 PARTE 2 ANEXO 4 CARTÕES COM TRAVA-LÍNGUAS
  18. 18. ANEXO 5 - ADIVINHAS ADIVINHAS - PARTE 2 ADIVINHAS
  19. 19. AVALIAÇÃO OCORRERÁ DURANTE TODO O PROCESSO E MEDIANTE AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM SALA.
  20. 20. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS A casa das dez furunfunfelhas http://despactando.blogspot.com.br/2014/04/direitos-de-aprendizagem-de-matematica. html http://pacto.mec.gov.br/2012-09-19-19-09-11 http://www.slideshare.net/fullscreen/pnaicdertsis/direitos-de-aprendizagem-de-lngua- portuguesa-1-ao-3-ano-23279878/1
  21. 21. RELATÓRIO O PRIMEIRO DIA FOI MUITO INTERESSANTE QUANDO APRESENTEI A CAPA DO LIVRO , POIS AS CRIANÇAS SE INTERESSARAM PRINCIPALMENTE POR CAUSA DA PALAVRA FUNFUNFELHAS E LOGO QUERIAM SABER O QUE SIGNIFICAVA ESSA PALAVRA. ENTÃO PROPUS UMA ATIVIDADE DEPOIS DA LEITURA QUE CADA UM EXPRESSASSE O QUE PODERIA SER “FURUNFUNFELHAS FOI MUITO INTERESSANTE A ATIVIDADE . DEPOIS DE FALAREM O QUE PENSAVAM, COLOQUEI UM CARTAZ NO CHÃO PARA QUE CADA UM ESCREVESSE UMA PALAVRA EXPRESSANDO ESSE SGNIFICADO, CONFORME FIGURAS ABAIXO:
  22. 22. RELATÓRIO DA AULA No segundo dia lemos novamente o livro no intuito de famializarem mais com a história. E então após a leitura solicitei que me relatassem inícios da matematica na história, ou seja que relação havia entre a leitura e a matematica. Entao passaram a me relatar que viram sequencia numérica, quando apareciam cada furunfunfelha. Depois outros disseram que havia os números de páginas no livro, outros ainda perceberam a existência de adição e subtração quando adicionava na sequencia as furunfunfelhas e depois quando ia sumindo cada uma delas. Outra criança disse sobre o sistema de numeração com base dez por causa do numero de furunfunfelhas. Enfim eu perguntei se ainda havia algo, mas ninguem percebeu o aparecimento dos números ordinais. Passeia mostrar a eles entao a difernaça entre os numeros ordinais e os cardinais. Entrguei a cada um um numero ordinal e um cardinal, ao finaç solicitei que se organizassem conforme os numeros que tinham, houve certa confusao em organizarem, porem logo conseguiram. Percebi apenas a dificuldade de entenderam a leitura dos ordinais, pis em vez de falaram (1º primeiro, 2º segundo) diziam um, dois.....etc... Percebi entao que tinham certa dificuldade de entender o que é cardinal e ordinal. Expliquei fazendo a demonstração ladoa lado com a centopeia conforme fotos ao lado
  23. 23. ORGANIZAÇÃO - CENTOPÉIA
  24. 24. CONSTRUINDO A CENTOPÉIA
  25. 25. TERCEIRO DIA Iniciamos novamente a aula com a leitura da obra, após a sala ser dividida em grupos (6 grupos com 3 e 4 pessoas). Após a leitura feita por mim, coloquei folhas de sulfite coloridas para os grupos elaborarem situações problemas relacionadas a história das furunfunfelhas. Disse a eles que deveriam elaborar a questão para que outro grupo resolvesse o problema. No início tiveram dificuldades de compreender o que seria situação-problema. Expliquei, pois estavam confundindo com cálculos propriamente dito. A partir daí eles passaram a empenhar-se muito em elaborar os problemas. Achei muito interessante a atividade porque todos se empenharam muito em elaborar essas situações de modo que a outra equipe que seria contemplada com o problema ficaria mesmo desafiada. Depois desse momento , trocamos as folhas e novamente todo o grupos demonstrou muito interesse em desenvolver a atividade. O que mais me chamou a atenção em toda essa tarefa foi que os alunos ficaram o tempo todo atentos a atividade, de modo que a indisciplina foi trocada pelo interesse de ser desafiado, vencer e promover desafio aos colegas.
  26. 26. EMPENHO EM LUGAR DA INDISCIPLINA
  27. 27. ORGANIZAÇÃO GRUPOS EMPENHO – ELABORAÇÃO PROBLEMAS
  28. 28. SITUAÇÕES – PROBLEMAS ELABORADAS
  29. 29. ATIVIDADE EM GRUPO ATIVIDADE EM GRUPO SITUAÇÕES - PROBLEMAS
  30. 30. RESOLUÇÃO SITUAÇÕES-PROBLEMAS
  31. 31. QUARTO DIA No dia anterior havia deixado como tarefa para os grupos previamente organizados, trazerem como desafio trava-línguas e adivinhas como atividade individual e em grupo
  32. 32. QUINTO DIA Organização do material para o jogo do “Disco mágico”
  33. 33. ANEXOS
  34. 34. A CASA DAS DEZ FURUNFUNFELHAS
  35. 35. Está vendo aquela casa cheia de fitas? É a casa das dez Furunfunfelhas. Nela tem uma placa: Esta casa está ladrilhada. Quem a desladrilhará? O desladrilhador. Quem a desladrilhar Bom desladrilhador será. As irmãs Furunfunfelhas, sempre muito animadas, gostam de se reunir numa grande roda na calçada e, assim, vão soltando seus nós da língua. A primeira Furunfunfelha, muito senhora de si, fala: - Fui ao cinema – nema – nema Ver um filme chato – chato – chato – chato. Era de cachorro – osso – osso – osso, Tinha carrapato – pato – pato – pato Deu um tangolomango nela, não ficaram senão nove Furunfunfelhas. A segunda Furunfunfelha, com o nariz arrebitado, tropeça aqui, tropeça lá, brinca:
  36. 36. - A aranha arranha a rã, A rã arranha a aranha, A rã não arranha a aranha Nem a aranha arranha a rã. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão oito Furunfunfelhas. A terceira Furunfunfelha, se sacudindo de contente, melodia: - Maria – mole é molenga. Se não é molenga, não é Maria – mole. É coisa malemolente, nem mala, nem mola, nem Maria, nem mole. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão sete Furunfunfelhas. A quarta Furunfunfelha, para lá de Chiquita Bacana, cantarola: - Esta burra trota, trota, trota. A burra trota, trinca a murta brota, brota a murta ao pé da porta.
  37. 37. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão seis Furunfunfelhas. A quinta Furunfunfelha, com ares de que tudo sabe, tagarela: - Se cada um vai à casa de cada um, é porque cada um quer que cada um lá vá. Se cada um não fosse à casa de cada um é porque cada um não queria que cada um fosse lá. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão cinco Furunfunfelhas. A sexta Furunfunfelha, com sua saia rendada, profetiza: - Alice disse que eu disse que o que ela disse era um poço de tolice. Mas eu disse que ela disse que eu disse o que ela disse. E quem fez o disse não disse foi a Dona Berenice.
  38. 38. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão quatro Furunfunfelhas. A sétima Furunfunfelha, magricela que só ela, anuncia: - O princípio principal do príncipe principia principalmente no princípio principesco da princesa Deu um tangolomango nela, não ficaram senão três Furunfunfelhas. A oitava Furunfunfelha, dando nozinhos no cabelo, fofoca: - Maria é de Jaguamimbaba, mas seu marido é de Jaguamambabi.Ela é boa cozinheira e sempre diz que farofa feita com farinha fofa faz uma fofoca feia. Deu um tangolomango nela, não ficaram senão duas Furunfunfelhas. A nona Furunfunfelha, com os olhos brilhantes, revela: - Três bruxas olham para três relógios Swatch. Qual bruxa olha para qual relógio Swatch? Essa Furunfunfelha era metida a gringa:
  39. 39. - Threee witches watch three Swatch watches. Which witch watches which Swatch watch? Deu um tangolomango nela, não ficou senão uma Furunfunfelha. A décima Furunfunfelha, metida a elegante no seu salto fino, rima: - No alto daquela serra está uma pega a papar a fava. A pega papa a fava para a fava não papar a pega. Deu um tangolomango nela, não ficou nenhuma Furunfunfelha. A rua ficou muda. (...) De repente, um menino em cima do telhado, de onde tudo observava, grita: - Lá vem o velho Félix com o fole velho nas costas. Tanto fagulha o velho Félix, como o fole do velho Félix fagulha
  40. 40. O velho Félix se desmancha em sorrisos! Ele vem acordar as dez Furunfunfelhas com seu fole. Todo mundo sabe que elas morrem de amores pelo Félix. E do fole fagulham adivinhas. A cada adivinha descoberta uma Furunfunfelha despertará. - O que é, o que é... “Eu a vi viva, eu a vi morta, Eu a vi correr Depois de morta.” (a folha) “Aqui estão muitas irmãs. Levam anos no mar e ainda não sabem nadar.” (a areia) “Irmão e irmã são e jamais juntos estão. Quando ele vem, ela vai, e, se ela chega, ele sai.” (o dia e a noite) E, com isso, acordaram cinco Furunfunfelhas meio sonolentas. Entusiasmadas com o velho Félix, começam a dizer:
  41. 41. “São três irmãs numa casa: uma foge sem querer, uma quer ir e não pode, outra fica até morrer.” (a fumaça, a labareda e a brasa) “Seu botão ninguém aperta, seu perfume ninguém vende, sua cor não é pintura, sua beleza surpreende.” (a flor) “Duas bolas coloridas carregam um brilho profundo. São como duas janelas mostrando a vida e o mundo.” (os olhos) “Brilha, mas não é joia, boia redonda e nua, Cresce e desaparece, durante a noite flutua.” (a lua) As outras cinco Furunfunfelhas vão acordando. E Félix, envolvido no jogo, recomeça a tocar o fole:
  42. 42. “Umas vão e outras vêm. Debaixo do céu se mantêm.” (as nuvens) “Amarelo é meu centro, branca sou ao redor, me consultam os namorados, quando apareço na primavera.” (a margarida) “Quando eu te vejo, me vês, quando me vês, eu te vejo e não aparento ser feio.” (o espelho) “Somos sete e todas nós boa harmonia formamos. Os nossos nomes dependem do lugar que ocupamos.” (as notas musicais) E, deixando o fole de lado, o velho Félix foi experimentar estes desenrolares tão conhecidos das dez irmãs
  43. 43. - Era uma vez um cantador Furunfunfor, triunfunfor, miserincuntor Que foi à cantoria Furunfunfaça, triunfunfaça, misteriofunfaça E se enamorou por uma Furunfunfelha, triunfunfelha, misteriofunfelha E elas olham uma para a outra e pensam: “será comigo ou com ela?”. E as Furunfunfelhas vão cercando o velho Félix... A quem Félix vai dar o coração? Deu um tangolomango nele, e perguntaram as dez irmãs: - O que é uma coisa que se quebra a falar? (o segredo ou o silêncio) - O velho Félix acorda e toma de novo seu fole. - O menino no telhado aplaude aquela animação. - E as Furunfunfelhas desatam as línguas: - Não sei se é fita, não sei se é fato, o fato é que o velho Félix nos fita mesmo de fato
  44. 44. http://despactando.blogspot.com.br/p/livros.html

×