Sessão para a educação

848 visualizações

Publicada em

Sessão de Educação - Primeira Relação Sexual

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
848
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sessão para a educação

  1. 1. ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE EGAS MONIZ LICENCIATURA EM ENFERMAGEM Trabalho realizado por: Alexandra Branco Inês Pinto Leonor Pereira Mariana Queiroz Ricardo Martins Tatiana Fernandes Docente: Profº Flávio Faria
  2. 2. • Compreender a importância da informação para a tomada de decisões relativas à primeira relação sexual evitando repercussões futuras. Objetivo Geral • Identificar o impacto da sexualidade nos adolescentes; • Identificar os principais métodos contracetivos; • Desmistificar mitos; • Identificar se os alunos conhecem os riscos que podem advir; • Analisar os conhecimentos dos alunos relativos à temática. Objetivos Específicos Objetivos
  3. 3. Primeira Relação Sexual Sexualidade  É um período de mudanças fisiológicas, corporais, mentais, afetivas e sociais profundas, na qual as mudanças ocorrem com muita rapidez, exigindo constantes adaptações. (Martí et al, 1995)
  4. 4. Importância Nesta fase da vida, o jovem é exposto a muitos riscos Dois dos grandes riscos passam pela possibilidade de: Uma gravidez acontecer; Risco de contrair infeções sexualmente transmissíveis, por falta de proteções. (Reis, et all, 2013) Primeira Relação Sexual
  5. 5. Primeira Relação Sexual – Problemas que pode advir Rapaz Fica tão excitado com a fantasia no pensamento, que às vezes ejaculam antes da penetração Por se sentir tão nervoso e ansioso não consegue atingir a ereção Rapariga Pode acontecer que não exista libido sexual logo nas primeiras relações, por se sentir muito nervosa, apreensiva e preocupada em perder a virgindade Contração vaginal e insuficiência na lubrificação vaginal que irá ajudar na penetração e, caso isto aconteça, a relação sexual tornar- se-á dolorosa Nas primeiras relações é normal que não consiga atingir o orgasmo
  6. 6. Métodos Contraceptivos
  7. 7. “Ponderas procurar algum profissional de saúde para te ajudar a encontrar um método de contracepção e esclarecer eventuais dúvidas?” 48% 52% Sim Não
  8. 8. Naturais Não Naturais
  9. 9. Métodos Contraceptivos Não Naturais
  10. 10. Pílula Vantagens Tomando diariamente não é necessária a utilização de outro método contracetivo durante a relação sexual Quando se suspende a pílula os ovários voltam à sua função normal Regula o ciclo menstrual Alivia as dores menstruais Eficácia de 98,5% Desvantagens Exige muita disciplina Se se esquecer de tomar pode engravidar Está contraindicado para: mulheres com mais de 35anos e fumadoras, diabéticas, com hipertenção arterial, com hepatites, com problemas cardiovasculares, com cancro da mama , cancro do útero, que já sofreu de trombose e ainda com enxaquecas Não deve ser utlizado por mulheres a amamentar Não previne contra as DST
  11. 11. Pílula do Dia Seguinte Vantagens Previne a gravidez não desejada No caso de não resultar não provoca efeitos adversos no feto Em dose pronta: 99,9% eficaz Em dose combinada: 96,8% eficaz Desvantagens Só devem ser usados em caso de emergência Em mulheres que amamentem pode reduzir a quantidade de leite Podem ter efeitos secundários (náuseas, vómitos, tonturas e cefaleias) Antecipa a menstruação por alguns dias O uso recorrente desregula o ciclo menstrual Não protege das DST NÃO DEVE SER USADO COMO MÉTODO CONTRACETIVO!!!
  12. 12. Preservativo Masculino Vantagens Protege contra as DST e respetivas consequências. Não tem efeitos sistémicos. Não necessita de supervisão médica. Fomenta o envolvimento masculino na contraceção e na prevenção das DST. Pode contribuir para minorar situações de ejaculação prematura Desvantagens Embora raramente, em alguns indivíduos pode haver manifestações alérgicas, ligadas ao látex ou ao lubrificante Se não for usado corretamente, pode rasgar durante o coito ou ficar retido na vagina. Pode interferir negativamente com o ato sexual.
  13. 13. Preservativo Feminino • Proteção contra DST e respetivas consequências • Ausência de efeitos sistémicos • Pode ser colocado em qualquer momento antes da penetração do pénis; não é necessária a retirada imediata do pénis após a ejaculação • É mais resistente do que o preservativo masculino Vantagens • Dificuldade na utilizaçãoDesvantagens
  14. 14. Métodos Contraceptivos Naturais
  15. 15. Método do Calendário Indica o período fértil da mulher através de um cálculo Marca-se todos os meses o primeiro dia do período menstrual.
  16. 16. Vantagens: Favorece o conhecimento dos períodos de menstruação e fertilidade Não apresenta efeitos adversos Desvantagens: Exige organização para apontar todos os ciclos menstruais Necessita de abstinência ou uso de preservativo no período fértil. Necessita de prática para o cálculo do período fértil Não previne contra as DST Não resulta durante a gravidez Não deve ser usado pelos adolescentes pois podem ocorrer falhas. Método do Calendário
  17. 17. Método da Temperatura Indica o período fértil da mulher através do aumento da temperatura Mede-se a temperatura corporal da mulher com um termómetro Entre 0,3°C a 0,8°C
  18. 18. Método da Temperatura • Favorece a observação do corpo • Utilizado principalmente para quem deseja engravidar Vantagens • Pouca eficácia para prevenir a Gravidez • Exige muita disciplina • Algumas doenças provocam febre, o que pode confundir • Exige que o casal não tenha relações ou que use o preservativo • Não previne contra as DST Desvantagens
  19. 19. Coito Interrompido O homem interrompe a relação no momento da ejaculação. Só usado em último recurso
  20. 20. Coito Interrompido Vantagens • Em situações não programadas reduz a probabilidade de engravidar Desvantagens • Aumenta a dor pélvica e pode criar alguma tensão no homem • Exigem retenção constante da ejaculação • Baixa eficácia, existe uma grande probabilidade de a mulher engravidar • Muitas vezes não dá tempo para a mulher atingir o prazer • Não previne contra as DST
  21. 21. Muco Cervical Auto-exame em que a mulher observa o muco libertado pela vagina O muco apresenta a sua fase mais elástica durante o período fértil
  22. 22. Muco Cervical Vantagens • Não tem efeitos adversos • Melhor conhecimento do corpo da mulher, o seu ciclo menstrual e o período fértil • Favorece a participação do homem no planeamento familiar • Muito utilizado para quem pretende engravidar • Método auxiliar no tratamento da infertilidade Desvantagens • Exige muita disciplina • Exige que o casal não tenha relações ou que use o preservativo • Não deve ser usado por mulheres com um ciclo menstrual desregular • Não pode ser usado por mulheres que apresentem inflamação crónica com corrimento constante • Não previne contra as DST • Não deve ser usado pelos adolescentes pois podem ocorrer falhas.
  23. 23. Doenças Sexualmente Transmissíveis
  24. 24. O que é A SIDA é provocada pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), que penetra no organismo por transmissão através de uma pessoa infetada. Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  25. 25. Como atua O VIH é um vírus bastante poderoso, no entanto, necessita de entrar no sistema sanguíneo para poder multiplicar-se. Ele infecta e multiplica-se dentro de células que fazem parte do sistema imunológico (linfócitos T), ao penetrar na célula, o HIV transforma o seu código genético, gera-se assim um deficit no sistema imunológico deixando a pessoa infectada (seropositiva). Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  26. 26. Sintomas Quando se adquire a infecção pelo VIH pode não existir qualquer sintoma ou, então, ter um quadro febril tipo gripal. Em seguida, o doente fica sem sintomas durante um período variável que pode ser de anos, em média de 8 a 10 anos, não apresentando sintomatologia. Nesta fase, como em todas as fases da infecção, existe possibilidade de transmissão da doença a outras pessoas. Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  27. 27. Sintomas continuação Após este período assintomático, surge a fase sintomática da infecção em que o doente começa a ter sintomas e sinais de doença, indicativos da existência de uma diminuição das defesas do organismo. O doente pode referir cansaço não habitual, perda de peso, suores noturnos, falta de apetite, diarreia, queda de cabelo, pele seca em escama, entre outros sintomas. Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  28. 28. Consequências A pessoa infectada (seropositiva), mais debilitada e sensível a outras doenças, as chamadas infecções oportunistas que são provocadas por microrganismos que não afectam as pessoas cujo sistema imunológico funciona convenientemente. Com o evoluir da imunodepressão podem surgir infecções graves, como tuberculose, pneumonia, meningite, entre outras manifestações oportunistas possíveis e indicadoras de uma grave imunodepressão (diminuição acentuada das defesas do organismo humano). Também podem surgir alguns tipos de neoplasias (cancros). Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  29. 29. Como se Transmite Relações sexuais; Contacto com sangue infectado; De mãe para filho, durante a gravidez ou o parto e pela amamentação. Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  30. 30. Tratamento Ou seja normalmente não se morre de Sida… mas sim com a Sida!!! O tratamento é realizado com anti-retrovírais que permitem preservar e recuperar parcialmente a função imunológica do organismo, podendo os seropositivos levar uma vida normal ou muito próxima do normal, desde que tomem as devidas precauções e que estejam informados sobre os perigos de determinados comportamentos e actividades. Virus da Imunodeficiência Humana VIH - Sida
  31. 31. O que é O citomegalovírus é um vírus da mesma família do herpes vírus, que pode causar uma infecção do sistema nervoso central, digestivo e na retina. Este vírus está presente na maioria das pessoas, que se manifesta quando o sistema imune encontra-se comprometido. Quando o indivíduo é infectado com o citomegalovírus, ele não é eliminado do corpo, permanece na fase latente e por isso não é correto dizer que a citomegalovirose tenha cura. Citomegalovírus
  32. 32. Sintomas Os sintomas do citomegalovírus podem surgir quando o indivíduo está com o sistema imune comprometido, neste caso ele poderá apresentar febre, dor de cabeça e de garganta e quando a doença encontra-se numa fase mais avançada pode haver comprometimento do fígado e do baço. Normalmente quando o indivíduo é contaminado com o citomegalovírus não há sintomas envolvidos e por isso é comum que o paciente descubra esta infecção num exame de sangue. Citomegalovírus
  33. 33. Como se transmite A transmissão do citomegalovírus é muito fácil e pode ocorrer através do contato com secreções, como as da tosse e da saliva, relações sexuais com pessoa infectada e compartilhamento de objetos contaminados, como copos, talheres e toalhas. Citomegalovírus
  34. 34. Hepatite A hepatite é uma inflamação do fígado, mais comumente causada por uma infeção viral. OMS (2003)
  35. 35. Hepatite Aguda • Normalmente têm cura Crónica • Persiste por mais de 6 meses • Cirrose • Cancro do fígado
  36. 36. Hepatite Na maior parte dos casos, as Hepatites virais, não apresentam qualquer sintoma. Noutros casos podem originar queixas semelhantes às de uma gripe, causar cor amarelada nos olhos e na pele (icterícia), urina escura, falta de apetite, náuseas, vómitos e cansaço. Análises sanguíneas
  37. 37. Hepatite Inflamação do fígado Hepatite D Hepatite C Hepatite B Hepatite A Hepatite E
  38. 38. Hepatite Hepatite A e E • Água e alimentos contaminados por matérias fecais • Não se tornam crónicas Hepatite B, C, D • Sangue contaminado • Via sexual • Probabilidade elevada de se tornarem crónicas
  39. 39. Hepatite B Provocada pelo vírus da Hepatite B (VHB), é a mais perigosa das Hepatites. Os portadores do VHB podem desenvolver doenças hepáticas graves como a cirrose e o cancro no fígado. A prevenção contra o vírus é fácil e é feita através da vacina da Hepatite B que tem uma eficácia de 95%. Este vírus transmite-se através do contacto com o sangue e fluídos do corpo de uma pessoa infectada.
  40. 40. Hepatite B Sintomas • Febre • Mal-estar • Dor abdominal • Dor nas articulações • Erupções na pele • Icterícia • Urina Escura • Fezes claras
  41. 41. Hepatite B • Vacina • Usar SEMPRE preservativoPrevenção • Medicamentos • Transplante Tratamento
  42. 42. Hepatite B Mito • A Hepatite B NÃO se transmite pelo suor ou pela saliva (a não ser que tenha vestígios de sangue), pelo que não pode haver contágio através de um aperto de mão, de abraços, beijos ou pela utilização de objetos como pratos, talheres ou copos de pessoas infetadas.
  43. 43. Vírus do Papiloma Humano (HPV) “O vírus do papiloma humano (HPV) é responsável por um elevado número de infeções, que, na maioria das vezes, são assintomáticas e de regressão espontânea. Porém, pode originar lesões benignas, como as verrugas anogenitais/condilomas acuminados e as lesões benignas da orofaringe, e, em situações relativamente raras, pode evoluir para cancro, com destaque especial para o cancro do colo do útero.” (DGS, 2007)
  44. 44. Vírus do Papiloma Humano (HPV) O HPV é um vírus DNA, com mais de 100 tipos diferentes. É considerado uma doença sexualmente transmissível. É um vírus capaz de infetar a pele e algumas mucosas, podendo originar o aparecimento de lesões. As infeções pelo HPV são extremamente comuns, sendo que a maioria não provoca doença. Associado ao desenvolvimento do carcinoma do colo do útero, verrugas e outras patologias anogenitais.
  45. 45. Vírus do Papiloma Humano (HPV) Transmissão Via Sexual
  46. 46. Vírus do Papiloma Humano (HPV) Sintomas • Verrugas Internas • Verrugas anogenitais/condilomas O HPV provoca frequentemente uma infeção “silenciosa” na qual muitos dos infetados não apresenta sintomas nem sinais óbvios.
  47. 47. Vírus do Papiloma Humano (HPV) Tratamento Medicação tópica Crioterapia Laser Cirurgia
  48. 48. Vírus do Papiloma Humano (HPV) Prevenção Exame ginecológico com citologia PreservativoVacinação
  49. 49. Vírus do Papiloma Humano (HPV) Comportamentos Preservativos Infeções Vacinas Medidas para minimizar o risco de HPV
  50. 50. Consultas de Planeamento Familiar
  51. 51. 83% 17% Sim Não • “Sabes o que são consultas de planeamento familiar?” Consultas de Planeamento Familiar
  52. 52. Consultas de Planeamento Familiar 44% 30% 26% Sim Não Não responderam •“Se não, sabes onde te dirigir?”
  53. 53. Consultas de Planeamento Familiar 9% 87% 4% Sim Não Não responderam •“Se sim, já frequentaste alguma?”
  54. 54. As consultas de planeamento familiar, NÃO são consultas, como o nome indica, apenas para quem planeia ter filhos. Consultas de Planeamento Familiar O que são
  55. 55. Facultar informação completa, isenta e com fundamento científico sobre todos os métodos contracetivos Fornecer, gratuitamente, os contracetivos Efetuar a prevenção, diagnóstico e tratamento das DST Elucidar sobre as consequências da gravidez não desejada Proceder ao acompanhamento clínico, qualquer que seja o método contracetivo escolhido Efetuar o rastreio do cancro do colo do útero e da mama Prevenção do tabagismo e do uso de drogas ilícitas Melhorar a saúde e o bem-estar da família Esclarecer as vossas dúvidas! Consultas de Planeamento Familiar DGS, 2001
  56. 56. São realizadas no centro de saúde Não precisas de te fazer acompanhar por um adulto Tanto raparigas como rapazes podem frequentar a consulta São gratuitas Consultas de Planeamento Familiar
  57. 57. A educação sexual deve começar o mais cedo possível, deve ocorrer de maneira contínua e estar vinculada à formação de todas as crianças e adolescentes. Os enfermeiros, como profissionais de saúde com uma formação generalista, atuam nas diversas áreas como preventivas, curativas e, na educação em saúde, a saúde dos adolescentes constitui uma interface da sua atuação. Oliveira (2008) Papel do Enfermeiro
  58. 58. Papel do Enfermeiro Sessões de Educação para a Saúde Prevenção da Doença Promoção da Saúde
  59. 59. Mitos relacionados com a Primeira Relação Sexual
  60. 60. Mito ou Verdade
  61. 61. 1. Será que o corpo muda após a primeira relação sexual? Basicamente, o corpo não se altera quando a pessoa inicia a vida sexual. Talvez te sintas diferente, mas fisicamente o teu aspecto é o mesmo. O que por vezes acontece, é que ao sentires-te diferente, comportas-te de modo diferente, podes sentir-te mais bonita(o), mais desejada(o), mais confiante e mais amada(o).
  62. 62. 2. Existe uma idade certa para iniciar a vida sexual? Tu é que decides qual é a idade certa. Porém, se as dúvidas persistirem na tua cabeça, é melhor parares para pensar. Não existe uma idade, uma hora ou um espaço indicado ou aconselhado. Para ti a idade certa pode ser uma, para a(o) tua/teu amiga(o) outra.
  63. 63. 3. A Primeira relação sexual dói? A primeira relação sexual não implica necessariamente dor. Os mitos acerca do rompimento do hímen, da penetração, são passados de boca em boca, de geração em geração. É claro que a precipitação, a falta de confiança, o não te sentires preparada(o), o medo, a ansiedade podem fazer com que os músculos da vagina fiquem mais contraídos e que não lubrifiques tanto e provoque dor.
  64. 64. 4. Todas as raparigas sangram após a primeira vez? Não. Algumas mulheres sangram, outras não sangram. Umas não sangram na primeira vez, mas sangraram na segunda ou na terceira. Outras só sangram muitas relações depois. E outras nunca sangram. A causa do sangramento na primeira relação sexual é devido à existência de uma pequena pele na entrada da vagina chamada “hímen”, que se rompe. Mas isso está longe de ser uma regra.
  65. 65. 5. É possível engravidar na primeira relação sexual? Sim, é possível. Não só na primeira, mas na segunda, na terceira, na quarta e em qualquer relação sexual que ocorra de forma desprotegida.
  66. 66. 6. Quando a rapariga está menstruada pode engravidar? As chances de gravidez durante a menstruação são baixas, mas nunca zero, pois pode ocorrer ovulação durante a menstruação.
  67. 67. 7. Falta de ereção é sinónimo de falta de interesse? Nas primeiras vezes é normal que o rapaz sinta dificuldades na erecção, isto deve-se ao medo da primeira vez, o medo de falhar, de não ser capaz de satisfazer a parceira, etc. Mas com o tempo e a prática isso desaparece.
  68. 68. 8. Na primeira relação sexual é necessário usar algum método contraceptivo? Simmm! A primeira vez tem os mesmos riscos de qualquer relação sexual: gravidez e DST´s. Portanto, o preservativo é a garantia de uma vida sexual sem consequências indesejadas.
  69. 69. 9. O preservativo protege-te das doenças sexualmente transmissíveis e de uma possível gravidez? Os preservativos são os únicos métodos contraceptivos eficazes (98%) na prevenção da gravidez, e são a melhor maneira de evitar doenças sexualmente transmissíveis para as pessoas que são sexualmente ativas. Os preservativos podem rebentar quando são usados ​​incorretamente.
  70. 70. 10. O álcool é estimulante para a primeira relação sexual? O excesso de álcool pode levar a uma impotência por parte do rapaz e uma maior dificuldade de a rapariga atingir o orgasmo, levando deste modo a que relação sexual não seja realizada com sucesso
  71. 71. Panfleto
  72. 72. Panfleto
  73. 73. Blog http://sessaoeducacao.blogspot.pt/
  74. 74. Não são os momentos que vão marcar a tua vida, mas sim as atitudes que tomares neles!!!
  75. 75. Agradecemos a Vossa Atenção! Dúvidas???

×