Ética e Moral
A diferença entre ética e moral é sutil. Moral é o conjunto de
normas que orientam o comportamento humano a partir dos
val...
CONCEPÇÕES ÉTICAS NA HISTÓRIA DA FILOSOFIA
A ANTIGUIDADE GREGA
O pensamento ético dos gregos tem alguns
componentes presentes de modo quase
universal:
O RACIONALISMO...
OS SOFISTAS (séc. V a.C.)
Para os sofistas, não existem critérios morais
universalmente válidos. Sua concepção é
relativis...
SÓCRATES (470/469 399 a.C.)
A ação virtuosa é a ação racional. É necessário
investigar racionalmente o que é a virtude par...
PLATÃO (428/427 348/347 a.C.)

A partir da consideração de que o Bem existe no
mundo das Ideias, é necessário conhecer as
...
ARISTÓTELES (384 322 a.C.)
A vida virtuosa é a vida em conformidade com o fim último do ser humano. A
finalidade do ser hu...
ESTOICISMO (séc. IV a.C.)
Para os estóicos, os maiores bens são a paz
interior e o autocontrole. Isso é a apathéia, a
acei...
EPICURISMO (séc. III a.C.)
Para os estóicos, a boa vida consiste na ausência
de sofrimento e na existência do prazer
espir...
A ÉTICA NO PENSAMENTO MEDIEVAL
Na época medieval, os filósofos abandonam o naturalismo e o racionalismo
característicos da...
A ÉTICA NA MODERNIDADE
No Renascimento, o humanismo aparece com força. O humanismo renascentista
não é semelhante ao human...
KANT (1724 1804)

Para Kant, a razão humana é uma razão legisladora, capaz de elaborar normas
universais. As normas morais...
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
ética e moral
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ética e moral

1.099 visualizações

Publicada em

conceitos básicos de ética na história da filosofia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.099
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ética e moral

  1. 1. Ética e Moral
  2. 2. A diferença entre ética e moral é sutil. Moral é o conjunto de normas que orientam o comportamento humano a partir dos valores de uma dada comunidade ou cultura. A moral é, portanto, de ordem prática. Já a ética é o estudo teórico dos diversos sistemas morais elaborados pelos homens. Ou seja: a moral é prática, a ética é teórica.
  3. 3. CONCEPÇÕES ÉTICAS NA HISTÓRIA DA FILOSOFIA
  4. 4. A ANTIGUIDADE GREGA O pensamento ético dos gregos tem alguns componentes presentes de modo quase universal: O RACIONALISMO: A vida virtuosa consiste em agir em conformidade com a razão, pois é a razão que diferencia os homens dos outros animais. O NATURALISMO: A vida virtuosa consiste em agir de acordo com a Natureza (o Cosmos) e com a nossa natureza, que é parte do todo natural.
  5. 5. OS SOFISTAS (séc. V a.C.) Para os sofistas, não existem critérios morais universalmente válidos. Sua concepção é relativista.
  6. 6. SÓCRATES (470/469 399 a.C.) A ação virtuosa é a ação racional. É necessário investigar racionalmente o que é a virtude para que se possa agir de acordo com ela. Isso significa que Sócrates foi o primeiro filósofo a fazer uma investigação ética no sentido estrito, ou seja, foi o primeiro filósofo que tentou conceitualizar a virtude para que se pudesse agir de acordo com um princípio estabelecido racionalmente.
  7. 7. PLATÃO (428/427 348/347 a.C.) A partir da consideração de que o Bem existe no mundo das Ideias, é necessário conhecer as Ideias para conhecer o Bem e, consequentemente, agir bem. Como são os filósofos que conhecem o mundo das Ideias, são justamente eles que devem fornecer ao povo os princípios morais.
  8. 8. ARISTÓTELES (384 322 a.C.) A vida virtuosa é a vida em conformidade com o fim último do ser humano. A finalidade do ser humano é a felicidade. Então, a vida virtuosa é a vida feliz. Em que consiste essa felicidade para Aristóteles? Consiste no uso das qualidades que definem o ser humano. Como o ser humano é um animal racional, a felicidade consiste no uso livre e pleno da razão. Como o ser humano é um animal político, a felicidade só pode ser realizada na pólis, entre seus iguais. Além disso, a razão indica um caminho para a satisfação dos apetites: é o caminho do meio-termo, da justa medida. A virtude consiste em agir segundo o princípio de não exagerar nem deixar faltar nada. Tudo o que é excessivo ou falta torna-se um mal; portanto, é necessário tudo ter com parcimônia, com razoabilidade.
  9. 9. ESTOICISMO (séc. IV a.C.) Para os estóicos, os maiores bens são a paz interior e o autocontrole. Isso é a apathéia, a aceitação de tudo o que acontece. Os estóicos eram deterministas naturais. A virtude, para os estóicos, é manter uma vontade de acordo com a natureza, aceitando os fatos da vida, inclusive todos os tipos de dor e prazer (que, aliás, o homem não deve buscar), sem alteração de espírito.
  10. 10. EPICURISMO (séc. III a.C.) Para os estóicos, a boa vida consiste na ausência de sofrimento e na existência do prazer espiritual. O ideal estóico é a ataraxia, ou seja, o estado de não preocupação. Eram naturalistas: consideravam, como a maioria dos gregos, que tudo era parte da natureza, inclusive os seres humanos, e que a vida boa só poderia ser alcançada se se vivesse conforme a natureza. Praticavam o ascetismo e evitavam a vida política (o que não é normal entre os gregos).
  11. 11. A ÉTICA NO PENSAMENTO MEDIEVAL Na época medieval, os filósofos abandonam o naturalismo e o racionalismo característicos da filosofia grega. Os medievais introduzem, como ideia central de todo o pensamento, o Deus cristão. Portanto, agir eticamente é agir de acordo com a Lei de Deus. SANTO AGOSTINHO (354 - 430) Agostinho introduz a ideia de liberdade como livre-arbítrio. Os homens podem escolher aproximar-se de Deus (o bem, a Graça) ou afastar-se de Deus (o mal, o pecado). Agostinho é importante também por ter introduzido a noção de subjetividade do ser humano.
  12. 12. A ÉTICA NA MODERNIDADE No Renascimento, o humanismo aparece com força. O humanismo renascentista não é semelhante ao humanismo do século XX, que consiste na defesa intransigente dos direitos humanos; o humanismo renascentista nada mais é que um antropocentrismo, ou seja, a consideração de que o ser humano é um fenômeno essencial no mundo, que por sua vez só pode ser compreendido caso se compreenda o ser humano em primeiro lugar. O humanismo renascentista enfatiza o papel da autonomia humana e busca compreender a natureza do ser humano. O antropocentrismo toma o lugar, no Renascimento, do teocentrismo medieval.
  13. 13. KANT (1724 1804) Para Kant, a razão humana é uma razão legisladora, capaz de elaborar normas universais. As normas morais teriam origem na razão. As normas morais devem ser obedecidas como deveres. A obediência a um dever é uma ação livre. Por sinal, só pode ser considerado um ato moral aquele praticado de forma autônoma (livre), consciente e por dever (ou seja, desinteressadamente). O imperativo categórico de Kant é o único princípio ético: Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne uma lei universal . A ética de Kant, assim, é formalista, pois postula um dever ético universal sem se preocupar com as condições individuais das ações concretas. Kant diz qual a forma da ação moralmente correta (ou seja, indica seu imperativo categórico), mas não diz nada sobre o conteúdo da ação moralmente correta.

×