Adubação eucalip

745 visualizações

Publicada em

adubação eucalipto

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adubação eucalip

  1. 1. ADUBAÇÃO E CALAGEM DE PLANTAÇÕES FLORESTAIS Piracicaba, 14 de agosto de 2013 José Henrique Bazani José Henrique Rocha Eduardo Melo ESALQ/USP Foto: Cristian Montes
  2. 2. Tópicos - Produtividade florestal - Conceitos de manejo florestal - Respostas à fertilização - Recomendação de fertilizantes
  3. 3. RECURSOS necessário para o crescimento da planta - LUZ - ÁGUA - NUTRIENTES* - GASES (CO2/O2) *de maior facilidade no manejo
  4. 4. Fatores Redutores/Limitantes Atual Atingível Potencial Stape, 2010 FATORES DEFINIDORES Genótipo, Tem, Rad, CO2 FATORES LIMITANTES Água, Nutrientes FATORES REDUTORES Ervas daninhas, Pragas, Doenças
  5. 5. Floresta de Eucalyptus em 1970
  6. 6. Floresta de Eucalyptus em 2011
  7. 7. 0 10 20 30 40 50 60 1960 1980 2000 2020 Produtividade(m³/ha/ano) 10 38 Evolução da Produtividade Florestal no Brasil Gonçalves et al., 2008
  8. 8. Quanto maior a produtividade florestal, maior será também a exportação de NUTRIENTES do sítio Fertilização mineral  segurança para a sustentabilidade da produtividade da floresta Compartimento Biomassa N P K Ca Mg S kg ha-1 Folha 3,2 57,3 5,1 20,9 25,0 8,6 2,5 Galho 3,1 15,5 2,5 8,1 17,7 3,1 1,1 Casca 8,9 35,7 11,8 47,4 95,0 14,9 3,2 Lenho 125,1 223,9 18,8 106,3 110,1 16,3 26,3 Raiz grossa (> 3mm) 20,6 75,2 2,7 28,2 21,0 6,4 3,1 Raiz fina (< 3mm) 3,6 22,4 1,2 1,0 11,9 3,1 - Serapilheira 23,7 187,2 9,5 35,5 208,6 23,7 - TOTAL 188,2 617,2 51,6 247,4 489,3 76,1 36,2 Acúmulo de nutrientes (E. grandis, 7 anos) Gonçalves et al., 1997
  9. 9. Conceitos do manejo florestal relacionados à fertilização
  10. 10. Nutriente Retranslocação média de nutrientes Folha Galho kg ha-1 ano-1 % kg ha-1 ano-1 % N 66 79 10 67 P 2 67 1 66 K 36 81 21 87 Ca 0 0 0 0 Mg 7 51 1 48 g ha-1 ano-1 g ha-1 ano-1 B 18 18 21 38 Zn 79 79 27 66 Cu 37 37 4 17 Fe 28 28 105 30 Mn 14 14 1068 52 1. CICLAGEM NUTRIENTES “Longo ciclo da cultura favorece a maior eficiência de uso dos nutrientes”
  11. 11. 2. SISTEMA RADICULAR bem desenvolvido E. grandis x E. urophylla, 3 anos de idade - Montes Claros (MG) Maior volume de solo explorado Associações micorrízicas Absorção de nutrientes nos horizontes subsuperficiais
  12. 12. Argissolo de textura média Espaçamento de plantio 4x3 m Baixo risco de lixiviação 4,20 metros de comprimento!!! Plantação de eucalipto 10 meses (Eunápolis /BA)
  13. 13. 40 t ha-1 de resíduos (folha, galho, casca, serapilheira)  28% da parte aérea NUTRIENTES no resíduo florestal N P K Ca Mg __________ Kg ha-¹ ___________ 296 29 112 346 50 57% 61% 51% 76% 76% 3. MANEJO DOS RESÍDUOS VEGETAIS Gonçalves, 1997 A manutenção dos resíduos é fundamental para a sustentabilidade da produtividade florestal
  14. 14. Meses após a instalação dos tratamentos Alturadasplantas(m) TIPOS DE RESPOSTA À FERTILIZAÇÃO Tipo I Tipo II  Evidentes no início do desenvolvimento, mas desaparecem ao final do ciclo (aceleração do ritmo de crescimento)  Se mantem ao longo do ciclo (mudança do status nutricional Gonçalves et al., 2008
  15. 15. Fases de desenvolvimento da cultura  Maior demanda de nutrientes  Maior dependência do solo  Maior resposta à fertilização Fechamento de Copa  Intensif. Ciclagem  Eumento eficiência uso recursos  Água princip. limitante
  16. 16. Pergunta: a fertilização é viável em plantações de eucalipto???
  17. 17. Uma história antiga: Edmundo Navarro de Andrade (1939) “[...] o eucalipto não parece nem exigente como asseveram alguns autores, nem tão indiferente como outros querem fazer crêr. [...] Se se desenvolve em solos pobres é porque é dotado de temperamento frugal e resiste num meio onde outras essências morreriam de inanição.” “[...] Mas, repetimos, o eucalipto é de cultura sempre remuneradora em terrenos profundos , frescos e permeáveis .” E. botryoides, de 30 anos, no horto florestal de Jundiaí
  18. 18. Prof. Helladio do Amaral Mello (1968) - Fertilização (N, P, K e Ca) promoveu ação positiva e pronunciada sobre o desenvolvimento das árvores - Fertilizantes minerais: redução de 1/3 das despesas de investimento, em terras e reflorestamento (preparo de solo, plantio, produção de mudas, tratos culturais, controle de pragas e proteção contra fogo) Estudos mais específicos com fertilizantes...
  19. 19. Potencial de Resposta à fertilização (SP) N=161  Regiões mais produtivas, > resposta fertilização  Maior disponibilidade hídrica, mais evidente as respostas a fertilização  Mais limitantes: K, Mg, P e S Silva, 2012 Produtividade Atingível 41 a 62 m²/ha/ano Eliminação da def. nutricional (Fert. Extras)
  20. 20. POTÁSSIO Promove resposta Tipo II – altera o “status” nutricional do sítio -K +K Maior vida útil das folhas Aumenta a eficiência de uso recursos Melhora controle osmótico planta
  21. 21. POTÁSSIO Patricia Laclau et al., 2011 Laclau, 2012 Almeida et al., 2010. Forest Ecology and Management. Epron et al., 2012. Tree Physiology. Battie-Laclau et al., 2012. Tree Physiology. - K + K Maiores respostas: Solos textura média a arenosa Regiões de acentuado déficit hídrico Sucessivas rotações
  22. 22. FÓSFORO Solos tropicais  altamente intemperizados Respostas ao longo da rotação Aumento do Índice de Área Foliar Com P Sem P Desenvolvimento sist. radicular - P + P Bazani, 2013 (não publicado)
  23. 23. FÓSFORO E. grandis, 14 meses – Efeito das fontes fosfatadas 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Altura(m) Idade (mês) Sem P Solúvel Convencional Solúvel Complexado Mix Convencional Mix Complexado Fosfato Natural Reativo ** *** *** ****** *** *** Bazani, 2013 (não publicado) Controle Sem P
  24. 24. NITROGÊNIO Promove resposta Tipo I – aceleração do crescimento inicial Estudo em 11 sítios experimentais (SP): - Aumento de 12% na produtividade de madeira até o segundo ano - Sem respostas significativas na idade de corte (7 anos)  N do solo atende à demanda porém espera-se aumento da resposta após sucessivos ciclos Adaptado de Pulito, 2009
  25. 25. MICRONUTRIENTES Atenção especial  Def. BORO (Seca de ponteiro) - Regiões com déficit hídrico bem definido - Espécies: E. citriodora, E. camaldulensis, E. granis x E. urophulla Elemento bastante móvel no solo, porém é pouco móvel na planta Regiões litorâneas é pouco comum (entrada via aerossóis) Planta deve estar bem nutrida antes do início do período de seca
  26. 26. Deficiência de Cu e Zn Áreas de cultivo agrícola (pH CaCl2 > 5,5) Fonte: Gonçalves, 2012
  27. 27. Recomendação de fertilizantes
  28. 28. Análise de solo – o início... - Separação de áreas homogêneas (máx .50 ha) - Recomendação 20 amostr. simples por “gleba” - Prof. 0 a 20cm  recomendação - Prof. 20 a 60cm  análises eventuais
  29. 29. Atributo Teor Muito baixo Baixo Médio Alto Matéria orgânica (g/dm3) 0 - 15 15 - 30 ≥ 31 P-resina (g/dm3) 0 – 2 3 - 4 5 – 7 ≥ 8 K trocável (mmolc/dm3) 0 – 0,5 0,6 – 0,9 1,0 – 1,5 ≥ 1,6 Ca trocável (mmolc/dm3) 0 - 4 5 - 6 ≥ 7 Mg trocável (mmolc/dm3) 0 - 2 3 - 4 ≥ 5 B (mg/dm3) 0 – 0,2 0,3 – 0,6 ≥ 0,7 Zn (mg/dm3) 0 – 0,5 0,6 – 1,2 ≥ 1,3 Cu (mg/dm3) 0 – 0,2 0,3 – 0,8 ≥ 0,9 Mn (mg/dm3) 0 – 1,2 1,3 – 5,0 ≥ 5,1 Fe (mg/dm3) 0 - 4 5 -12 ≥ 13 Soma de bases (mmolc/dm3) 0 - 7 8 - 12 ≥ 13 CTC efetiva (mmolc/dm3) 0 - 10 11 - 30 ≥ 31 CLASSES DE INTERPRETAÇÃO SOLO - EUCALIPTO Gonçalves, 2011
  30. 30. FÓSFORO & POTÁSSIO Recomendação – teores no solo e argila Argila (g kg-1) P-resina (mg dm-3) K trocável (mmolc dm-3) 0-2 3-5 6-8 > 8 0-0,9 1,0-1,5 > 1,5 Dose P2O5 (kg ha-1) Dose K2O (kg ha-1) <15 40 40 10-20 10-20 100 40 10 – 20 15-35 50 40 30 10-20 120 60 10 – 20 >35 70 50 30 10-20 120 60 10 – 20  Solos mais argilosos são mais produtivos (> retenção água)  Teor de argila relacionado com a fixação de P Gonçalves, 2011
  31. 31. NITROGÊNIO M.O. do solo – bom indicador para recomendação Gênero Matéria orgânica do solo (g/dm3) 0-15 16-40 >40 ----------- Kg/ha de N -------- Eucalyptus 60 40 20 Pinus 30 20 0 Objetiva minimizar o esgotamento das reservas do solo Gonçalves, 2011
  32. 32.  Método da saturação por bases 𝑁𝐶 = 𝐶𝑇𝐶 × 𝑉2 − 𝑉1 10 × 𝑃𝑅𝑁𝑇 NC = Necessidade de calagem (t/ha) CTC = Capacidade de troca de cátions (mmolc/dm3) V1 = Saturação de bases atual do solo (%) V2 = 50% PRNT = Poder reativo de neutralização total do corretivo CALAGEM Elevar V% para aumento da disponibilidade de nutrientes no sistema
  33. 33. NC = Necessidade de calagem (t/ha) Ca + Mg = teores trocáveis no solo (mmolc/dm3)  Atualmente (Gonçalves, 2011) 𝑁𝐶 = [20 − 𝐶𝑎 + 𝑀𝑔 ] 10 Dose máxima é de 2 t/ha  Aplicação de 400 a 500 kg/ha Ca Teor médio de CaO = 30% (30 x 0,71 = 21,3% Ca) Equivalente às quantidades exportadas via colheita CALAGEM
  34. 34. Fonte: Gonçalves, 2012
  35. 35. Aplicação em área total (pré-pantio)
  36. 36. Aplicação em faixas (pré-pantio)
  37. 37. Fonte: Gonçalves, 2012 Aplicação em área total (pós-pantio)
  38. 38. Fertilização de Base Pré tratamento das mudas para plantio  estimular o sistema radicular Imersão dos tubetes em soluções nutritivas:  Solução com 1,5% a 2% de MAP (N e P)  Aproveitamento da calda de cupinicida
  39. 39. Fertilização de Base - Fornecimento de P e micronutrientes (exceto B) – pouco móveis - Pequena dose de N e K para estimular arranque inicial • Competição com plantas daninhas • Uniformidade de plantio - Aplicação localizada do fertilizante • P é pouco móvel no solo e risco de fixação • N e K são muito móveis – risco de lixiviação - Fórmulas utilizadas NPK 06:30:06 / 04:28:08 / 08:30:10 233 kg/ha de NPK 06:30:06 70 kg/ha P2O5 14 kg/ha de N e K2O
  40. 40. Aplicação manual (covetas laterais) - 1 ou 2 covetas - 10 a 15 cm de distância da muda - 10 a 15 cm de profundidade
  41. 41. Aplicação mecanizada (filete contínuo)
  42. 42. Aplicação mecanizada (filete contínuo)
  43. 43. Simulação filete contínuo
  44. 44. Fertilização de Cobertura - Fornecimento de N, K e B  elementos móveis no solo - Parcelamento em 1 ou 2 aplicações para o N e K - Deve acompanhar o desenvolvimento da planta - Fórmulas utilizadas NPK 20:00:20 / 10:00:30 / 14:00:15 - Não se recomenda utilização de uréia (volatilização). Opção é sulfato de amônio (N e S)  Toda fertilização deve ser realizada até o fechamento da copa
  45. 45. Fonte: Gonçalves, 2011 Aplicação em filete ou na projeção da copa 1ª COBERTURA Plantas com 50 cm (Φ copa) ≈ 45 a 60 dias 1/3 da dose de N e K2O
  46. 46. Fonte: Gonçalves, 2011 Aplicação em filete ou área total 2ª COBERTURA Plantas com 100 a 120 cm (Φ copa) ≈ 90 a 120 dias Restante de N e K2O
  47. 47. Aplicação manual (projeção da copa) Evitar aplicação em períodos de chuva intensa (risco lixiviação/erosão) Evitar períodos de umidade muito baixa do solo (no S e SE fertilizar antes do inverno) > Absorção de K e B < susceptível à seca e geadas
  48. 48. Aplicação mecanizada (filete contínuo)
  49. 49. BORO - Dose recomendada: REGIÃO DE BAIXO DÉFICIT HÍDRICO 2 a 3 g/planta de B (20 a 30 g/planta ulexita acidificada) REGIÃO DE ELEVADO DÉFICIT HÍDRICO 4 a 5 g/planta de B (40 a 50 g/planta ulexita acidificada) Realizada juntamente com a 1ª Cobertura
  50. 50. Elevado déficit hídrico (Norte MG) Aplicação de B  SOLO + FOLIAR Via Terrestre Via aérea BORO LÍQUIDO: 7,5 a 9,0 L/ha Aplicação até 30 meses Época: Jun e Jul
  51. 51. Fertilização no Manejo de Talhadia
  52. 52.  K  similar à rotação anterior em dose única  40 a 60 kg ha-1 N  30 kg ha-1 de P2O5  2 a 5 g planta-1 B (regime hídrico)  Calagem - segue recomendação plantações recém-estabelecidas Gonçalves, 2011 Respostas significativas apenas para K Demais nutrientes: ciclagem e vasto sistema radicular
  53. 53. Época de realização - Depois da desbrota (12 e 15 meses)
  54. 54. Fertilização mecanizada Aplicação em área total – maior rendimento operacional - Reposição da exportação e pequenas perdas - Quantidades relativamente pequenas de fertilizantes
  55. 55. Uso de Fertilizantes associado à intensificação do manejo florestal
  56. 56. “O uso correto de fertilizantes minerais e o preparo eficiente do solo para o plantio, aliados a rigorosa seleção das mudas, poderão, pelas suas influências sôbre o desenvolvimento e a produção por área, imprimir novas características à cultura do eucalipto, assegurando-lhe melhores condições para alcançar o grande objetivo que é o aumento da produtividade e da rentabilidade dos povoamentos florestais que vierem a ser instalados em solos de cerrado, sob condições semelhantes às que cercam a experimentação por nós conduzida.” Helladio do Amaral Mello (1968)
  57. 57. José Henrique Bazani jhbazani@usp.br (19) 2105-8682

×