Ferramentas de Controle da Qualidade

15.529 visualizações

Publicada em

Nesta apresentação, o Ricardo explica detalhadamente as principais ferramentas que são utilizada no controle da qualidade do projeto.

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
963
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
933
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ferramentas de Controle da Qualidade

  1. 1. Ferramentas de Controle da Qualidade Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  2. 2. Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento de projetos, portfólio e riscos. Foi, nos últimos 15 anos, responsável por mais de 80 projetos de grande porte em diversos países, nas áreas de petróleo, energia, infraestrutura, telecomunicações, informática e finanças, com um portfólio de investimentos gerenciado superior a 18 bilhões de dólares. Foi o primeiro voluntário latino-americano a ser eleito para exercer a função de presidente do conselho diretor (Chairman) do Project Management Institute (PMI), maior organização do mundo voltada para a administração de projetos, com cerca de 500 mil membros e profissionais certificados em 175 países. Ricardo Vargas escreveu dez livros sobre gerenciamento de projetos, publicados em português e inglês, com mais de 200 mil exemplares vendidos mundialmente. Recebeu em 2005 o prêmio PMI Distinguished Award pela sua contribuição para o desenvolvimento do gerenciamento de projetos e o PMI Professional Development Product of the Year pelo workshop PMDome®, considerado a melhor solução do mundo para o ensino do gerenciamento de projetos. É professor de gerenciamento de projetos em diversos cursos de MBA, participando do conselho editorial de revistas especializadas no Brasil e nos Estados Unidos. Vargas é revisor reconhecido da mais importante referência no mundo sobre gerenciamento de projetos, o PMBOK Guide. Foi também chair da tradução oficial do PMBOK para o português. Engenheiro químico e mestre em Engenharia de Produção pela UFMG, Ricardo Vargas tem também o Master Certificate in Project Management pela George Washington University, além de ser certificado pelo PMI como Project Management Professional (PMP) e pela International Project Management Association como IPMA-B. Participou do programa de negociações para executivos da Harvard Law School. Durante onze anos, a partir de 1995, desenvolveu em conjunto com dois sócios um dos mais sólidos negócios de tecnologia, gerenciamento de projetos e terceirização do mercado brasileiro, que contava com 4,000 colaboradores e gerava uma receita anual de 50 milhões de dólares em 2006, quando Ricardo Vargas vendeu sua participação para se dedicar integralmente à internacionalização de seus trabalhos em gerenciamento de projetos. É membro da Association for Advancement of Cost Engineering (AACE), da American Management Association (AMA), da International Project Management Association (IPMA), do Institute for Global Ethics e da Professional Risk Management International Association (PRMIA). 2 © BY MACROSOLUTIONS SA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  3. 3. Ferramentas de Controle da Qualidade Inspeção Checklist Gráficos de Diagrama de Controle Pareto Amostragem Flowcharting Estatística © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  4. 4. Inspeção A inspeção inclui Determina se os atividades, tais como, resultados estão de • Medir, acordo com os • Examinar, requerimentos. • Testar. São conduzidas em diversos níveis do processo. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  5. 5. Checklist É uma lista com opções Permite avaliação previamente definidas que são utilizadas ampla em um tempo como guia para o reduzido. controle dos riscos. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  6. 6. Gráficos de Controle Os gráficos de controle são gráficos que apresentam os resultados de um processo através do tempo. Eles são utilizados para determinar se o processo está “sob controle”. São usados para monitorar qualquer tipo de saída variável. São utilizados para monitorar • variações de custo e cronograma; • volume e freqüência das mudanças; • erros nos documentos do projeto. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  7. 7. Componentes de um Gráfico de Controle Média Linha no meio do gráfico de controle que mostra o meio do intervalo aceitável de variação do processo. Limites Superior e Inferior Representam as expectativas do cliente ou os requisitos contratuais quanto ao desempenho e à qualidade. • São características do processo e variam caso a caso. Usualmente são entradas do cliente. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  8. 8. Gráficos de Controle Limite Superior Média Limite Inferior 0 2 4 6 8 10 12 © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  9. 9. Processo Fora de Controle O processo está fora de um estado de controle estatístico sob uma das duas circunstâncias: • um ponto está fora dos limites de controle superior e inferior ou há • pontos não randômicos que estejam dentro dos limites superior e inferior, como a regra dos sete. Pense em “fora de controle” como uma falta de consistência e previsibilidade no processo. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  10. 10. Processo Fora de Controle 11 7 3 Fora de Controle 0 2 4 6 8 10 12 © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  11. 11. Regra dos Sete em Gráficos de Controle A regra diz que, apesar de Refere-se a pontos não nenhum desses pontos estar randômicos agrupados em fora dos limites de controle, eles não são randômicos e o séries, totalizando sete, todos de um lado da média. processo está fora de controle. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  12. 12. Processo Fora de Controle – Regra dos Sete Fora de Controle – Regra dos Sete 11 7 3 0 2 4 6 8 10 12 © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  13. 13. Gráfico de Pareto O diagrama de Pareto é um histograma ordenado pela freqüência de ocorrência, que mostra quantos resultados foram gerados, por tipo ou categoria de causa identificada. A posição relativa das ocorrências é usada para guiar as ações corretivas. • As ações para corrigir devem ter foco, inicialmente, nos problemas que estão causando a maior quantidade de defeitos. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  14. 14. Gráfico de Pareto 130 120 110 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Falta de Atraso na Atraso na emissão Falta de estoque Problemas de Falta de recursos Falha no transporte Outros documentação especificação da ordem de no mercado importação humanos técnica compra © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  15. 15. Lei de Pareto (80 x 20) Exemplos A Lei de Pareto que • Uma pessoa passa 80% do afirma que um número tempo assistindo a apenas consideravelmente 20% dos canais da TV a cabo. pequeno de causas irá, • Uma pessoa sai 80% das vezes tipicamente, produzir a com os mesmos 20% dos amigos. grande maioria dos • 80% das comidas utilizam problemas ou defeitos. sempre 20% das receitas. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  16. 16. Como Construir um Gráfico de Pareto Liste as potenciais falhas e sua quantidade de ocorrências. Coloque as falhas em ordem decrescente de quantidade de ocorrência. Determine os percentuais relativos a cada uma das falhas. Acumule, em ordem decrescente, os percentuais de cada uma das falhas até que, ao atingir a última o resultado seja 100%; Construa o gráfico Falha x Percentual acumulado. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  17. 17. Amostragem Estatística A amostragem estatística envolve escolher parte de uma população de interesse para inspeção. • Exemplo - Escolher aleatoriamente dez plantas de engenharia de uma lista de cem plantas e avaliá-las. Reduzir freqüentemente os custos de controle da qualidade. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  18. 18. Utilização da Amostragem Estatística É melhor analisar uma amostra da população se estudar a população inteira for • levar muito tempo • custar muito caro • altamente destrutivo para o todo • testar palitos de fósforo... • quando se acredita que não existam muitos defeitos © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  19. 19. Flowcharting Um fluxograma é qualquer diagrama que mostre como os vários elementos de um sistema se relacionam As técnicas de Flowcharting comumente usadas na gerência da qualidade são • Diagrama de Causa e Efeito • Fluxogramas de Sistema ou Processo © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  20. 20. Diagrama de Causa e Efeito (Espinha de Peixe) Ilustra como várias causas e subcausas estão relacionadas com a criação de problemas ou efeitos potenciais. Também conhecido como diagrama de Ishikawa ou diagrama espinha de peixe (Fishbone diagram). © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  21. 21. Características do Diagrama de Causa e Efeito É a maneira criativa de olhar as causas ou as potenciais causas de problemas. Ajuda a estimular o pensamento, organiza as idéias e gera discussão. É utilizado para explorar os fatores que vão resultar em uma futura saída desejada. É realizado também através de mapas mentais. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  22. 22. Diagrama de Causa e Efeito © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  23. 23. Fluxogramas de Sistema ou Processo Mostram como os vários elementos do sistema interagem segundo um determinado fluxo de decisões e processos pré-definidos. © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  24. 24. Fluxogramas de Sistema ou Processo Solicitação de Mudanças Medida Renegociar com o corretiva ou Inovação patrocinador ou inovação? ignorar Correção Impacto nos Impacto no Urgência da custos e/ou Impacto em sucesso do Alto Urgente Alto Alto Prioridade 0 (zero) mudança prazos do outras áreas projeto projeto Baixo Não urgente Baixo Baixo Ignorar Prioridade 3 (três) Prioridade 2 (dois) Prioridade 1 (um) Baseado em Vargas, R. V. Manual Prático do Plano do Projeto 4a Ed. Rio de Janeiro, Brasport, 2009 © BY RICARDO VIANA VARGAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
  25. 25. Visite www.ricardo-vargas.com Para acessar outras apresentações, podcasts, videos e conteúdo técnico sobre gerenciamento de projetos, riscos e portfólio. © BY MACROSOLUTIONS SA

×