PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA__________________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA  ________________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA   _______________________________________________________________...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório parcial marciele e rodrigo

669 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
669
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório parcial marciele e rodrigo

  1. 1. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA______________________________________________________________________ CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO DEPARTAMENTO DE LINGUAGEM E CÓDICOS PIBID – LETRA LÍNGUA PORTUGUESA E. E. E. F.M. PRESIDENTE GETÚLIO VARGAS RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PIBID MARCIELE BRANDÃO DE OLIVEIRA marciele_bdeoliveira@hotmail.com Bolsista RODRIGO DE ASSIS DAVEL rodrigodavel@live.com Bolsista ANA CRISTINA PEREIRA anacristina_pereira@hotmail.com Professor Supervisor da Escola ANA RITA LOUZADA COELHO anarlouzada@saocamilo-es.br Professor Coordenador Cachoeiro de Itapemirim – ES Dezembro de 2012 1
  2. 2. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________ÍNDICE GERAL: • Resumo • Objetivo • Introdução • ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO SEGUNDO SEMESTRE DE 2012 o DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CUSC o DESCRIÇÕES DAS ATIVIDADES NA ESCOLA ESTADUAL • Referências bibliográficas 2
  3. 3. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________RESUMOO Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) tem a iniciativade busca o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores do ensinobásico, proporcionando assim ao aluno bolsita a oportunidade de desenvolveratividades didático-pedagógicas, de acordo com o contexto da escola pública emque atuar, sob orientação de profissionais qualificados e selecionados. Portanto, oprograma promove a soma entre os que já atuam na docência com os que aindaatuarão, em prol do fazer docente que eleve a qualidade do ensino de nossasescolas públicas.Sendo assim, este trabalho tem por objetivo pontuar todas as atividades realizadasno segundo semestre do ano de 2012, na escola estadual Presidente Getúlio Vargas(Polivalente Aquidabã) e no Centro Universitário São Camilo, na área de LínguaPortuguesa, de forma reflexiva e analítica.As atividades se deram na aplicação de oficinas textuais, na escola de ensinobásico, e grupos de estudos, na instituição de ensino superior. Estes, por sua vez,foram realizados tanto com o professor coordenador e alunos de área específica,quanto com os professores coordenadores e alunos das demais áreas envolvidas noPIBID.Contudo, no decorrer deste trabalho, será apresentado, detalhadamente, oplanejamento de cada oficina de Língua Portuguesa desenvolvida com os alunos daEscola Estadual Presidente Getúlio Vargas que objetivou atender as necessidadesde sua clientela, mostrando que é possível conduzir o aluno à leitura e à escritaautentica, critica e autônoma. 3
  4. 4. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________OBJETIVOSAs atividades desenvolvidas pelo programa têm como objetivo geral o incentivo aformação de docentes para educação básica, contribuindo para a valorização daeducação. Os bolsistas, pois, não são estagiários, que ali estão para observar, mas,sim, profissionais em formação que tem autonomia para opinar, almejando a melhorcontribuição possível ao seu fazer docente.E mais: o PIBID impulsiona aos profissionais já atuantes a saírem de sua zona deconforto. É um programa reflexivo e analítico onde todos, atuantes e não atuantes,devem refletir, analisar o seu fazer docente com criticidade, pois somente o sercrítico é que conduz o profissional ao seu crescimento e, consequentemente, aocrescimento de seus alunos e demais companheiros de trabalho.As atividades têm como objetivo específico mostrar que a boa educação, aqualidade de ensino almejada por todos, não se dá por um profissional sozinho, massim, por um conjunto de profissionais. 4
  5. 5. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________INTRODUÇÃOÉ fatalmente notório que, para muitos alunos, o ato de ler e escrever tem sidosinônimo de fracasso, que perdura do Ensino Fundamental ao Ensino Médio, e, porconseguinte, ao Ensino Superior. Para tanto, o PIBID de Língua Portuguesa, doCentro Universitário São Camilo, desenvolveu o projeto de intervenção “O uso derecursos didático-metodológicos para o ensino de Língua Portuguesa”, a fimde ressignificar a ação pedagógica cotidiana, primando pela proficiência do aluno.Para realização desse projeto de intervenção, a cada oficina textual, os materiaisdidático-metodológicos foram selecionados pelos próprios alunos bolsitas, visandosempre à independentização dos alunos. Na escola Presidente Getúlio Vargas, emespecial, o material mais explorado, além de crônicas, foram letras musicais,previamente selecionadas, que proporcionaram maior interação dos alunos com osestabelecimentos de relações intertextuais. 5
  6. 6. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________ 1. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO SEGUNDO SEMESTRE DE 2012 1.1 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CUSCNo decorrer do semestre foram realizados vários encontros com todos os bolsitas,professores supervisores, coordenadores de áreas, coordenador institucional ecoordenador de área de gestão do PIBID, no Centro Universitário São Camilo.Inicialmente, o propósito era de apresentar a todos a finalidade e a importânciadesse programa. Era preciso que cada qual soubesse o que lhe era proposto parabem realizar suas atividades.Após a apresentação geral, cada coordenador de área se uniu aos seus alunosbolsitas para apresentação do subprojeto. Para tanto, foi esclarecido que osubprojeto de Língua Portuguesa estava voltado para os recursos didático-metodológicos, que deveriam ser explorados com finalidade de conduzir os alunosdas escolas estaduais à autenticidade, à criticidade e à autonomia no ato de ler eescrever. Ainda nesse encontro, as duplas foram formadas de acordo com asescolhas pelas escolas parceiras no programa.No segundo encontro, realizado no CUSC, com todos os envolvidos no programa, foirealizado um estudo interdisciplinar sobre o texto “A melhoria da qualidade daeducação básica”, de Guiomar Namo de Melo, que desencadeou uma discussãomuito produtiva, pois questiona o despreparo dos profissionais da educação dianteda diversidade, da heterogeneidade dos alunos que tem crescido nos últimos anos eque tende a crescer ainda mais.A discussão se deu em dois momentos: primeiro, em um grupo menor com um alunobolsista de cada área, um professor supervisor ou coordenador de área; já em umsegundo momento, em uma grande mesa redonda, onde todas as ideias,anteriormente já discutidas, foram expostas e algumas considerações importantesforam registradas: • De fato, as escolas/professores estão despreparadas para a diversidade, no entanto, observe que quando assim pensamos nos referimos aos professores 6
  7. 7. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________ antigos, naqueles que estão próximos da aposentadoria, cansados e, inclusive, desmotivados, mas, o que dizer dos professores recém-formados que se “contaminam” rapidamente com essa desmotivação? • Por mais que a universidade dê suporte ao fazer docente, a experiência diária é inusitada, portanto, não há uma receita padrão. O professor tem que estar apto aos momentos inusitados; • A inovação é necessária, mas que seja feita com conteúdo. É preciso saber intercalar o tradicional com o inovador, pois ambos são primordiais na construção do ensino; • O professor se sobrecarrega ao trabalhar em três períodos. Consequentemente, em algum desses períodos ele deixará a desejar. É importante que o professor assuma o compromisso com o aluno, que não tem culpa do seu mestre ter assumido três cadeiras.Neste dia, na medida em que os integrantes do PIBID discutiam sobre o texto,estabeleciam relações que as escolas estaduais que já haviam visitado para arealização do projeto. 7
  8. 8. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________ 1.2 DESCRIÇÕES DAS ATIVIDADES NA ESCOLA ESTADUALNossas atividades se deram na Escola Estadual Presidente Getúlio Vargas, vulgoPolivalente do Aquidabã, situada na Rua João Franklin Machado, SN, BairroAquidabã, Cachoeiro de Itapemirim – ES, todas as sextas-feiras nos turnos matutinoe vespertino.Inicialmente, a professora supervisora Ana Cristina Pereira, nos apresentou todo oespaço da escola e os professores da área de Língua de Portuguesa que nosreceberam muito bem e durante nossa conversa sobre o programa, uma professoraconfessou o seguimento que é feito através do livro didático, no decorrer do anoletivo.No turno matutino os encontros aconteceram em ambientes alternados da escola,conforme a disponibilidade (sala de aula, biblioteca e laboratório de ciências); já noturno vespertino, todos os encontros ocorreram no mesmo ambiente (uma sala deaula). Em ambos os turnos, cada grupo permaneceu conosco por 1 hora/aula. • Os encontros aconteciam semanalmente nos 02 turnos: pela manhã entre às 07h55m e 11h; pela tarde entre às 12h50m e 16h;A partir do resultado do PAEBES de 2010, detectamos a dificuldade dos alunos paratrabalhar a intertextualidade. Assim, propusemos-nos a explorar tal dificuldade.Como? Criamos o boneco ‘POLI’, com o intuito de servir-nos como base para odesenvolvimento de nossas atividades em leitura, escrita e intertextualidade; além, éclaro, de estimular a criticidade do aluno diante dos temas abordados. Vale lembrarque os temas foram escolhidos de acordo com a realidade social do grupo de alunosatendidos. Garantindo, assim, a atenção e interação dos mesmos.No primeiro encontro com os alunos foi dedicado exclusivamente para ouvi-los,estimulando-os a levantar queixas sobre o aprendizado e sugestões para aulas maisdinâmicas e atraentes. Apresentamos-nos, assim como nossa proposta, edistribuímos os bonecos ‘POLI’.No segundo encontro com os alunos, iniciamos com a leitura da crônica ‘Diga não asdrogas’, de Luis Fernando Veríssimo, e realizamos uma mesa redonda sobre o 8
  9. 9. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________tema; após esse momento, disponibilizamos aos alunos uma fotografia de um rapaz,desconhecido por eles, para que estes fizessem suposições acerca dapersonalidade do fotografado (o rapaz da fotografia foi selecionado por nós erespondeu a um questionário, também selecionado por nós). Feito isso, revelamosos verdadeiros dados sobre o rapaz, estabelecemos comparações com assuposições dos alunos, indagando sempre o porquê de suas visões sobre ofotografado. A partir disso, então, foi realizada uma discussão ‘linkando’ a atividadeproposta ao texto, ou seja, trabalhando a intertextualidade. Por fim, foi sugerido aosalunos que iniciassem o processo de construção da personalidade de seus ‘POLIS’,remetendo-se à visão da sociedade.Já no terceiro encontro, sequencial aos dois anteriores, selecionamos – previamente– 07 músicas, de gêneros variados, para a proposta metodológica (Tocando emfrente – Sérgio Reis; Óculos – Paralamas do sucesso; Somos quem podemos ser –Engenheiros do Hawaii; Fuscão preto – Almir Rogério; Rap da felicidade – Cidinho eDoca; Inútil – Ultraje a rigor; O tempo não para - Cazuza). Os alunos tiveram aliberdade para escolher a música que desejassem para ler, avaliar e sacar toda equalquer informação que ‘achassem’ relevante. Assim agiram e podemosestabelecer um diálogo muito rico e esclarecedor, para ambas as partes. Comoproduto final, desse encontro, foi proposto aos alunos, já com algumas definiçõesbásicas sobre seus POLIS, que relatassem como músicas como aquelas poderiaminterferir na construção da personalidade do POLI.Já no quarto encontro, continuando o trabalho, tendo como ferramenta metodológicaletras musicais (pois, detectamos a grande influência que tal arte exerce sobre osalunos que conosco estavam), levamos a letra da canção ‘Homem não chora’,Frejat, com o intuito de explorar os estereótipos estabelecidos pela/na sociedade.Visando, assim, que os alunos fizessem a intertextualidade com a ‘voz’ da sociedadeque estão inseridos. E ir além: identificar-se como um sujeito adequado ou não àsociedade. Para encerrar o encontro, como programado, pediu-se aos alunos pararemeter toda a discussão à construção da personalidade do POLI. Afinal, para opróximo encontro eles já deverão ter formado a personalidade do boneco, assimcomo todos os seus dados pessoais.No quinto encontro, em uma mesa redonda, os alunos apresentaram a todos seusPOLIS, e entregaram os bonecos a nós, junto ao relato escrito contendo dados 9
  10. 10. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________pessoais e personalidade do POLI. Discutimos também a valia desta primeira etapado projeto, a importância para eles e o desejo, se existente, de continuação.Nos bolsistas, então, e a partir de toda a experiência relatada, somos categóricosem afirmar que o programa está sendo muito válido, apesar de experimental, e comgrandes possibilidades de grandes evoluções e projetos para a próxima etapa (1ºsemestre 2013).A partir de relatos dos alunos, aliás, podemos afirmar, inclusive, que contribuímoscom o desenvolvimento da criticidade e/ou autonomia do pensamento dos mesmos.Apesar de ter sido disponibilizado pouco tempo para contato e trabalho com cadagrupo e tudo ser muito novo para nós bolsistas. Assim, não se avançouconsideravelmente na escrita, mas, é notório o avanço na leitura crítica, além daintertextualidade. 10
  11. 11. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA ______________________________________________________________________REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASCOELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo:Moderna, 2000.MELLO, G.N de. Educação escolar brasileira: o que trouxemos do século XX?Porto Alegre: Artmed, 2004.ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo:Scipione, 1989.KLEIMAN, Angela. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas, SP: Pontes: Ed.Da Universidade Estadual de Campinas, 1993.KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 6ª Ed. Campinas,SP: Pontes, 1999.Coscarelli, C. V. Livro de receitas do professor de português. BeloHorizonte: Autêntica, 2003.KATO, Mary A. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. 5.ed., SãoPaulo: Ática, 1995. 11

×