Hemotransfusão Em Pediatria

7.798 visualizações

Publicada em

Aula do I Curso de Formação em Terapia Intensiva Pediátrica, ministrada pela Dra. Mônica Lankszner, Oncologista Pediátrica.

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.798
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
60
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • SHU: Após GECA por E.coli, insuf. Renal, anemia hemolitica, trombocitopenia, dist coag e sint neuro HELLP: anemia hemolítica, elev enzimas hep, trombocitopenia
  • Hemotransfusão Em Pediatria

    1. 1. I Curso Teórico de Formação em Terapia Intensiva Pediátrica 24 de junho de 2009 HEMOTRANSFUSÃO EM PEDIATRIA Dra. Mônica Lankszner Oncologista Pediátrica Centro de Onco-Hematologia Pediátrica- COHP ISPON – Instituto Sul Paranaense de Oncologia HCPJVO
    2. 2. O SANGUE
    3. 3. HEMATOPOIESE HUMANA
    4. 4. O SANGUE
    5. 5. HEMÁCIAS <ul><li>Transporte de O 2 dos pulmões aos tecidos </li></ul><ul><li>Remoção de CO 2 dos tecidos aos pulmões </li></ul><ul><li>Formato circular homogêneo, bicôncavas e tamanho uniforme </li></ul>M.E.
    6. 6. HEMOGLOBINA <ul><li>Tetrâmero – 4 cadeias de globina + radical HEME </li></ul><ul><li>Difere nos períodos embrionário, fetal e após o nascimento </li></ul><ul><li>Difere nas hemoglobinopatias </li></ul>
    7. 7. <ul><li>Componente mais abundante do sangue </li></ul><ul><li>Vida média: </li></ul><ul><li>35 a 50 dias RNPT </li></ul><ul><li>60a 70 dias RNT </li></ul><ul><li>120 dias Crianças maiores e adultos </li></ul>HEMÁCIAS M.O.
    8. 9. LEUCÓCITOS <ul><li>Polimorfonucleares/Granulócitos </li></ul><ul><li>Mononuclares </li></ul>Defesa Sistema imunológico
    9. 10. <ul><ul><ul><li>Basófilos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Eosinófilos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Neutrófilos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mielócitos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Metamielócitos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Bastões </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Segmentados </li></ul></ul></ul></ul>PMN Ba Eo Mi Mt Bt Seg
    10. 11. MN <ul><ul><ul><li>Linfócitos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>B </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>T </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>NK </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Monócitos </li></ul></ul></ul>Mo Li Li Mo
    11. 13. PLAQUETAS <ul><li>Coagulação </li></ul><ul><li>Fragmentos celulares, anucleadas </li></ul>M.O.
    12. 15. PLAQUETAS <ul><ul><ul><li>Vida média: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>7 dias Circulantes </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>8 a 12 horas Transfundidas </li></ul></ul></ul></ul>VN: 150.000 – 450.000/mm 3
    13. 16. PLASMA <ul><li>Água (90%) + proteínas </li></ul><ul><li>Fatores de coagulação </li></ul>
    14. 18. HEMOTERAPIA NO BRASIL Até 1900 (pre-científica) *Tese doutorando de 1876 (José Vieira Marcondes) *Transfusão animais para homens X seres humanos *Reação hemolítica aguda
    15. 19. A partir de 1900 (científica) HEMOTERAPIA NO BRASIL *Descoberta dos tipos sanguineos em 1900 *Cirurgiões RJ *Salvador, BA, 1915: (Garcez Fróes) Aparelho de Agote
    16. 21. *Serviços especilizados: 1 Médico e doadores universais (O) HEMOTERAPIA NO BRASIL Seringa de Jubé
    17. 22. HEMOTERAPIA NO BRASIL *1933: Serviço de Transfusão de Sangue (STS), RJ, Assistência médica + enfoque científico *Década de 40: RJ e SP, Hemoterapia como uma especialidade médica. *07/12/1942: Primeiro Banco de Sangue no Instituto Fernandes Figueira, RJ *Década 50: Fundação SBHH *1980: Campanha da Doação Voluntária da SBHH *Programa Nacional de Sangue com a criação de hemocentros
    18. 23. 1933
    19. 24. HEMOCOMPONENTES Resolução da Diretoria Colegiada RDC n 343, 13/12/2002, Anexo 1 - Regulamento Técnico dos Serviços de Hemoterapia Os componentes sanguíneos são preparações obtidas pelo processamento, após centrifugação das bolsas de sangue total. Podem ser obtidos também mediante aférese.
    20. 25. CENTRIFUGAÇÃO
    21. 26. HEMOCOMPONENTES Produtos obtidos a partir do ST por Processos Físicos (centrifugação, congelamento). HEMODERIVADOS Produtos obtidos a partir do Plasma por Processos Físico-Químicos (industrial).
    22. 27. AFÉRESE Doação de sangue por máquinas Sangue retorna ao doador Centrifugação Hm Plasma Leuco Plaq
    23. 29. TIPOS SANGUÍNEOS <ul><li>* Grupos sanguíneos: Sistema ABO </li></ul><ul><li>* Locus ABO cromossomo 9 </li></ul><ul><li>Gene A: Ag A </li></ul><ul><li>Gene B: Ag B </li></ul><ul><li>Gene O: Ø Ag </li></ul>
    24. 30. TIPOS SANGUÍNEOS <ul><li>* Grupo sanguíneo: Sistema Rh </li></ul><ul><li>* Formado por 45 Ag, o mais importante é o Ag D </li></ul><ul><li>Rh +: Ag D </li></ul><ul><li>Rh -: Ø Ag D (15% pop) </li></ul><ul><li>* DHRN </li></ul>
    25. 33. 1. SANGUE TOTAL * NÃO É MAIS USADO PARA HEMOTRANSFUSÃO * MATERIA PRIMA PARA HEMOCOMPONENTES E HEMODERIVADOS * EXT
    26. 34. 2. CONCENTRADO DE HEMÁCIAS A - Neonatos ou crianças com até 4 meses de idade: 1) Sinais clínicos de anemia/hipovolemia - FC > 160 bpm, PS < 50 mm Hg ou FR > 60/min 2) RNPT com baixo ganho ponderal – Hg < 7,0 g/dl 3) RNT com baixo ganho ponderal – Hg < 8,0 g/dl 4) Casos especiais - Hb < 13,0g/dl + presença de: CCC, ICC, pneumopatias que necessitam de ventilação assistida ou perdas crônicas por mais de 7 dias.
    27. 35. 2. CONCENTRADO DE HEMÁCIAS B - Crianças com mais de 4 meses de idade: 1) Sinais clínicos de anemia/hipovolemia 2) Hg 7,0 – 10,0 : INDICAÇÃO CLÍNICA 3) Hg < 7,0 : SEMPRE 10 a 20ml/kg
    28. 36. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS <ul><li>A - Profilática: </li></ul><ul><li>1) < 10.000 + sepse ou defeito de produção de plaquetas </li></ul><ul><ul><ul><li>RN: < 50.000 </li></ul></ul></ul><ul><li>2) < 50.000 procedimentos invasivos </li></ul><ul><ul><ul><li>RNPT estável: < 50000/mm3 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RNPT instável: < 100000/mm3 </li></ul></ul></ul>
    29. 37. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS A - Profilática: 3) < 20.000 em aplasia de medula pós-QT ou RT 4) < 30.000 em RNPT e Púrpura neonatal alo-imune 5) < 40.000 em coagulopatia 6) < 100.000 em cirurgias neuro ou oftalmológicas
    30. 38. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS <ul><li>B - Terapêutica: </li></ul><ul><li>1) < 50.000 com sangramento ativo </li></ul><ul><ul><li>RNPT estável: < 50000/mm3 </li></ul></ul><ul><ul><li>RNPT instável: < 100000/mm3 </li></ul></ul><ul><li>2) Trombocitopatia </li></ul><ul><li>3) Pós-op cirurgia cardiáca com sg difuso </li></ul>1U/10kg RN 5 a 10 ml/kg
    31. 39. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS C - ANVISA ◊ PTI com sg intenso ou suspeita de hemorragia intracraniana ◊ CIVD com sg e plaq < 50.000
    32. 40. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS D - Contra-indicações: ◊ PTI ◊ Dengue Hemorrágica ◊ CIVD
    33. 41. 3. CONCENTRADO DE PLAQUETAS D - Contra-indicações: 1) SHU 2) Síndrome HELLP 3) Púrpura pós-transfusional  4) PTT 5) Plaquetopenia induzida por heparina
    34. 42. 4. PLASMA FRESCO CONGELADO A –Indicação: - Déficit de fatores de coagulação associado a sangramento ativo ou necessidade de procedimento invasivo. 10 a 20 ml/kg
    35. 43. 4. PLASMA FRESCO CONGELADO <ul><li>B - Situações mais comuns: </li></ul><ul><li>Sg ou risco acentuado em coagulopatias </li></ul><ul><ul><li>Deficiência de vitamina K </li></ul></ul><ul><ul><li>Insuficiência hepática </li></ul></ul><ul><ul><li>CIVD </li></ul></ul><ul><ul><li>Reverter rapidamente ação da warfarina </li></ul></ul><ul><ul><li>Reposição de fatores de coagulação na ausência de fator específico </li></ul></ul><ul><ul><li>Coagulopatia dilucional </li></ul></ul>
    36. 44. 4. PLASMA FRESCO CONGELADO <ul><li>C – Contra-indicações: </li></ul><ul><li>1) Expansão de volume </li></ul><ul><ul><li>2) Simples correção de alterações de TAP/kPTT </li></ul></ul>
    37. 45. 5. CRIOPRECIPITADO <ul><li>A - Composição: </li></ul><ul><li>Fator VIII </li></ul><ul><li>Fibrinogênio (X) </li></ul><ul><li>FvW (XII) </li></ul><ul><li>Fator XIII </li></ul>
    38. 46. 5. CRIOPRECIPITADO B - Indicações: 1) Hemofilia A 2) CIVD 3) Hipofibrinogenemia congênita ou adquirida 4) Doença von Willebrand 5) Deficiência fator XIII 1U/5 a 10kg
    39. 47. 5. CRIOPRECIPITADO <ul><li>C – Contra - indicação: </li></ul><ul><li>Deficiências de outros fatores que não os já citados. </li></ul>
    40. 48. 6. FATORES ISOLADOS DE COAGULAÇÃO <ul><li>A – Indicação: </li></ul><ul><li>Hemofilia A (fator VIII) </li></ul><ul><li>Hemofilia B (fator IX) </li></ul>
    41. 49. A – Indicações: ◊ Neutropenia severa + febre que não responde a ATB ◊ Hipoplasia mielóide ◊ Agranulocitose congênita 7. CONCENTRADO DE GRANULÓCITOS
    42. 50. Quase acabando…
    43. 51. – Imediatas ou Precoces: Ocorrem do início da instalação dos hemocomponentes até 24 horas após. - Tardias: 24 horas após. REAÇÕES TRANSFUSIONAIS
    44. 52. <ul><li>– Quando suspeitar: </li></ul><ul><li>Febre com ou sem tremores </li></ul><ul><li>Tremores ou calafrios com ou sem febre </li></ul><ul><li>Dor no sítio de infusão, tórax, abdome ou flancos </li></ul><ul><li>Alterações na PA </li></ul><ul><li>Rubor, eritema, urticária ou edema generalizado ou localizado </li></ul>REAÇÕES TRANSFUSIONAIS
    45. 53. <ul><li>– Quando suspeitar: </li></ul><ul><li>Náuseas com ou sem vômitos </li></ul><ul><li>Choque </li></ul><ul><li>Mudança na coloração da urina </li></ul>REAÇÕES TRANSFUSIONAIS
    46. 54. REAÇÕES TRANSFUSIONAIS
    47. 55. <ul><li>– Tratamento: </li></ul><ul><li>Individualizado </li></ul><ul><li>A critério médico </li></ul>REAÇÕES TRANSFUSIONAIS QUANDO INTERROMPER ???
    48. 56. MUITO OBRIGADA !!! R. Fco. Ribas, 638 3026-5400

    ×