COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              1
       VILARINHO, Yuri Coutinh...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              2
        VILARINHO, Yuri Coutin...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              3
       VILARINHO, Yuri Coutinh...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              4
         VILARINHO, Yuri Couti...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              5
        VILARINHO, Yuri Coutin...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              6
        VILARINHO, Yuri Coutin...
COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO                                                              7
       VILARINHO, Yuri Coutinh...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Intui7

653 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
653
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intui7

  1. 1. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 1 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA? SOBRE AS NOÇÕES DE INTUIÇÃO, SENSAÇÃO E PERCEPÇÃO E O FUNCIONALISMO ORGÔNOMICO. Yuri Coutinho Vilarinho RESUMO Entre os muitos ângulos possíveis para abordar a questão da percepção, privilegiaremos um: a possibilidade de sua expansão. Sobre o tema, nos restringiremos às contribuições de Wilhelm Reich, sobre a função da percepção e o pensamento funcional (funcionalismo orgonômico), e às contribuições filosóficas de Henri Bergson. A questão da percepção assume um lugar importante na obra dos dois autores. Acreditamos que ao forjarmos um diálogo entre ambos os pensadores, conceitos importantes das duas teorias podem ser mutuamente enriquecidos. É possível dizer, de forma geral, que tais autores indicam a rigidez psíquica e corporal do homem como possível entrave à percepção da realidade e da mudança das coisas. O conceito de intuição de Bergson, e o entendimento desenvolvido por Reich de sensação (de campo e de órgão), podem ser relacionados ao que chamamos de expansão da consciência. Palavras-chave: Funcional. Filosofia Bergsoniana Intuição. Pensamento. Percepção. Teoria Reichiana. Ao lermos vários textos de Bergson e outros escritos de Reich (sobretudo sobre o Funcionalismo Orgonômico), deparamo-nos com duas noções importantes: (a) por um lado, o elogio à mutabilidade (credenciada como a essência mesma das coisas); (b) por outro, com o fato da rigidez do homem (manifestada no aspecto corporal e no psíquico) impedir ou distorcer, de fato, a percepção da realidade. Como veremos ao longo deste breve ensaio, a possibilidade de uma “expansão da consciência” se refere às noções de percepção, de intuição e de sensação. É possível dizer que diante da questão “o que é a realidade?”, tanto Reich quanto Bergson teriam a mesma resposta: “É a mudança”. Em seguida, imaginemos que os dois pensadores continuassem a discursar sobre a possibilidade de perceber a realidade. Esta colocação, provavelmente, não seria uma proposição meramente metafórica, mas real. Talvez os dois sustentassem que o grande problema presente nas ciências e na filosofia estivesse justamente na insuficiência do homem de sentir as coisas como elas ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  2. 2. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 2 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ são (ou seja, na sua eterna variabilidade) e a necessidade de recuperar-se tal faculdade. O problema da mudança esteve presente nas reflexões dos pensadores antigos. A idéia de uma realidade mutável se encontra nas tradições asiáticas há mais de vinte e cinco séculos, na base do pensamento grego pré-socrático e na filosofia e ciência modernas (com os quânticos e, atualmente, com os biólogos). Em nosso entendimento, uma contribuição que merece destaque foi desenvolvida pelo filósofo pré-socrático Heráclito de Éfeso. Esta concepção propôs que não conseguimos ver a mesma coisa por duas vezes, pois, se por um lado, a própria coisa se transforma a todo o momento, por outro, estamos nós mesmos nos transformando eternamente. “Um homem não entra no mesmo rio duas vezes...”. Assim, Heráclito proclamou a eterna mutabilidade do ser. Ao longo da história, a proposição heraclitiana foi duramente combatida na filosofia, sendo resgatada somente na modernidade. Seu contemporâneo, Parmênides, fundador da escola de Eléia, desenvolveu sua filosofia em contraponto direto a Heráclito. Parmênides, a partir da lógica racional, sustenta que o registro sensível (que nos possibilita a noção do eterno devir da realidade) nos conduz ao engano, inevitavelmente. Critica a idéia de transformação, sustentando a impossibilidade de nos mantermos tão próximos dos dados dos sentidos. De forma muito resumida, pode-se dizer que, a partir deste ponto, a filosofia embrenhou-se na via pela qual caminhou desde então: aquela que conduzia a um mundo “supra-sensível”. Era, portanto, através das “puras idéias” que o mundo devia ser explicado. A base desta noção foi tão poderosa que direcionou o rumo da filosofia, marcando o pensamento filosófico no qual permanecemos até os dias atuais. É possível dizer que a idéia central de Parmênides foi passada de mão em mão, por Platão (em sua metáfora do Mito da Caverna), por toda filosofia clássica, chegou a Descartes e está na base da tese de que não é pelo registro da experiência sensível que podemos chegar ao conhecimento verdadeiro. A busca pela verdade é guiada por uma certa neutralidade, ou seja, saímos do registro sensível na medida em que ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  3. 3. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 3 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ chegamos ao plano das idéias. O pensamento racionalista traz embutido o idealismo das formas puras. Com isso, perdemos o toque, o cheiro, a libido, justamente aquilo que compõe e constitui o mundano, o mundo das coisas. Pode-se dizer, neste sentido, que o racionalismo instalou a neutralidade sensorial. Quanto mais se mergulha na experiência puramente sensível, mais tocamos naquilo que nos é mais subjetivo. Vemos, portanto, na filosofia, dos antigos aos modernos, uma substituição do percepto pelo conceito. Todos estes filósofos, de uma forma ou de outra, mostram como nossa consciência e nossos sentidos são insuficientes, apelando às faculdades de abstração, de generalização ou de raciocínio. Enquanto a metafísica clássica caminha no sentido da invariância, da estabilidade do ser, Bergson trilha o caminho oposto, valorizando a idéia de mudança nas coisas, estendendo-a à própria ontologia do ser. O ser é duração, mudança, variação. O ser é a própria mutação, variabilidade temporal. Além de apostar na variação no âmago do ser, Bergson resgata a concepção heraclitiana do fluir da realidade, vista como a “lei fundamental da vida”. A faculdade de percepção quando expandida, segundo Bergson, seria capaz de perceber a mudança e a duração. Assim, a incapacidade humana de perceber a mudança e de comportar-se e pensar de forma livre seria fruto de uma rigidez mecânica não só do corpo como de seu pensamento também. Em “O Riso”, estudo escrito em 1899, Bergson enfatiza que esta rigidez impede o homem de agir em uníssono com o continuum da vida, que pulsa, que dura. Aqui, a noção de rigidez assume o mesmo sentido que na teoria de Reich. Fundamental para a compreensão da percepção da mudança é o conceito de intuição. Bergson confere estatuto de seriedade ao conceito de intuição, distinguindo-o do senso comum. No senso comum, a intuição pode ser entendida como algo místico, transcendente, ou uma espécie de afeto premonitório. Enquanto para Bergson, intuição seria um método de conhecimento tão rigoroso quanto o método da inteligência. Bergson diz que a intuição é uma espécie de experiência que nos possibilita perceber as coisas diretamente, sem mediações. Contrapõem-se, portanto, intuição e inteligência, as duas faculdades através das quais ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  4. 4. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 4 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ podemos conhecer as coisas. Pela inteligência, percebemos o mundo através de representações construídas, ou seja, percorremos um “caminho” já percorrido e ficamos impossibilitados de entrar em contato com a variância das coisas. Assim, podemos nos relacionar com as coisas por presença (intuição) ou por representações mentais e conceitos (inteligência). O modo de entrarmos em contato direto, sem mediações, com as coisas do mundo, difere muito da maneira habitual de vivermos. Há uma diferença entre a percepção cotidiana, da vida prática, e a percepção voltada para mergulhar nos objetos e conhecê-los direta e profundamente. Como já foi dito, Reich e Bergson encontram-se no rol dos pensadores que resgataram a importância do plano sensível na experiência do indivíduo. Assim como na teoria bergsoniana, a questão da percepção esteve sempre presente nos esforços intelectuais de Reich. O entendimento dos processos perceptivos assumiram um lugar central em toda a sua trajetória teórica. A noção de contato, sem dúvida considerada um ponto central na teoria reichiana, passa pela questão do funcionamento da percepção. O entendimento da percepção passou por transformações e aprimoramentos ao longo do tempo. Segundo Konia (1984), as contribuições sobre esta função podem ser divididas em três fases principais: a primeira, psicanalítica, uma segunda, após a descoberta de uma energia especificamente biológica, e a última fase, a partir dos estudos sobre a energia orgone cósmica. A descoberta da energia orgone presente na atmosfera que vai dar uma base física à idéia de mutabilidade das coisas. Como em Bergson, a teoria reichiana não aceita a idéia de uma realidade estática. Reich desenvolveu um método de pensamento próprio nos últimos anos de sua vida, conhecido como funcionalismo orgonômico ou pensamento funcional. Resumidamente, o pensamento funcional é um método capaz de apreender a complexidade da Natureza. Valoriza-se nele, sobretudo, a qualidade do contato do observador com as suas próprias sensações energéticas, bem como com o meio onde se encontra. Reich enfatiza que o próprio mecanicismo presente nas ciências, seria fruto de uma percepção mecânica do próprio pesquisador: por conta da sua ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  5. 5. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 5 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ incapacidade de sentir o fluxo energético, dentro e fora de si, há uma percepção concomitante de imutabilidade na natureza. No capítulo VIII, “O enraizamento da razão na natureza” de “A Superposição Cósmica”, Reich sustenta que as funções superiores do sistema vital, como o intelecto e o raciocínio, emergem a partir do funcionamento básico da energia dentro do sistema orgonótico. Reich pressupõe que num organismo desencouraçado há uma harmonia entre as correntes bioenergéticas e a função intelectual. Não há oposição, mas uma colaboração mútua, uma relação de causalidade recíproca entre as diferentes funções, onde o bom funcionamento de um requer a fluidez do outro. Segundo o pensamento funcional, a estrutura do observador não seria neutra no estudo de uma determinada função da natureza. Não há a possibilidade de se excluir a estrutura caracterológica do observador de seu estudo. Reich enfatiza a importância de este estar atento ao mau funcionamento de seu aparelho biopsíquico, que poderia levá-lo a uma distorção da realidade. Por exemplo, seguindo este raciocínio, um cientista ávido por um “perfeccionismo”, ao não se dar conta deste fato, procuraria enxergar da mesma forma um perfeccionismo na Natureza. Assim, Reich enfatiza que o mecanicismo da ciência decorre de uma percepção mecanicista da vida. As abstrações teóricas que um pesquisador faz estão intimamente ligadas à função de percepção, que, por sua vez, está enraizada em suas funções bioenergéticas, podendo variar qualitativamente, de acordo com o seu grau de encouraçamento. Bergson e Reich enfatizaram a relevância de um método de conhecimento além de uma faculdade meramente intelectual. Neste sentido, a intuição de Bergson se aproxima do método do pensamento funcional, já que o valor subjetivo da experiência, o plano sensível, não é descartado, mas assume valor de extrema importância. Há uma ressonância entre o conceito bergsoniano de intuição (capaz de separar os verdadeiros dos falsos problemas, de perceber o fluxo da vida) e o método de pensamento funcional elaborado por Reich, onde a sensação e o contato se fazem indispensáveis. Intuição e sensação - de órgão e de campo - são faculdades imanentes, deste ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  6. 6. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 6 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ mundo, capazes de sondar a realidade das coisas. Dentro da teoria reichiana é válido, neste sentido, falarmos de uma sensação intuitiva, assim como na filosofia de Bergson falamos de uma intuição sensível. Expandir a consciência, mais do que uma maneira de conhecer, se torna uma forma indispensável de dar sentido à vida. REFERÊNCIAS BERGSON, H. Matéria e Memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1939), 2006a. BERGSON, H. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1934), 2006b. BERGSON, H. A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1907), 2006c. BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1899), 2007. KONIA, C. For the Record: Interdependence Between Consciousness and Self- Perception. Journal of Orgonomy. v.15, n.2, p. 250-262, 1981. KONIA, C. The Perceptual Function. Journal of Orgonomy. v.18, n. 1, p. 80- 98, 1984. MORENTE, M. G. Fundamentos de filosofia, lições preliminares. São Paulo: Mestre Jou, 1967. PLATÃO. A República. Diálogos: Clássicos de Ouro. Rio de Janeiro: Ed. Globo (Edições de Ouro), s/d. REICH, W. Éter, Deus e o Diabo: superposição cósmica. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1951), 2005. REICH, W. A função do orgasmo. São Paulo: Brasiliense. (Publicado originalmente em 1942), 2004. REICH, W. Análise do Caráter. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado originalmente em 1933), 2004. REICH, W. Éter, Deus e o Diabo. Mimeografado. Traduzido da edição francesa L’Éter, Dieu et Le Diable. Paris: Payot, 1973, 1992. ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br
  7. 7. COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 7 VILARINHO, Yuri Coutinho. Expansão da consciência? Sobre as noções de intuição, sensação e percepção e o funcionalismo orgonômico. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOTERAPIAS CORPORAIS, XIV, IX, 2009. Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2009. CD-ROM. [ISBN – 978-85-87691-16-3]. Disponível em: www.centroreichiano.com.br/artigos. Acesso em: ____/____/____. _________________________________ AUTOR Yuri Coutinho Vilarinho/RJ - Graduando em Psicologia (UFRJ / 9º período). Terapeuta reichiano (Núcleo de Psicoterapia Reichiana-RJ). Formação em Ecologia do Parto e Nascimento (Primal Health Research Center), Massagem Biodinâmica (EFAPO/CEBRAFAPO-RJ), Hipnose Natural Ericksoniana (Instituto Milton H. Erickson de Petrópolis/Centro Ericksoniano do México), Pranic Healing (Institute for Inner Studies). E-mail: yyurii@hotmail.com ____________________________________________________ CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL LTDA Av. Pref. Omar Sabbag, 628 – Jd. Botânico – Curitiba/PR – Brasil - CEP: 80210-000 (41) 3263-4895 - www.centroreichiano.com.br - centroreichiano@centroreichiano.com.br

×