Novas Tecnologias e as mudanças no mercado

16.291 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
173
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novas Tecnologias e as mudanças no mercado

  1. 1. Novas Tecnologias e as mudanças no mercado
  2. 2. NTIC <ul><li>Chamam-se de Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs) as tecnologias e métodos para comunicar surgidas no contexto da Revolução Informacional , &quot;Revolução Telemática&quot; ou Terceira Revolução Industrial , desenvolvidas gradativamente desde a segunda metade da década de 1970 e, principalmente, nos anos 1990. A imensa maioria delas se caracteriza por agilizar, horizontalizar e tornar menos palpável (fisicamente manipulável) o conteúdo da comunicação, por meio da digitalização e da comunicação em redes (mediada ou não por computadores ) para a captação, transmissão e distribuição das informações ( texto , imagem estática, vídeo e som ). Considera-se que o advento destas novas tecnologias (e a forma como foram utilizadas por governos, empresas, indivíduos e setores sociais) possibilitou o surgimento da &quot; sociedade da informação &quot;. </li></ul>
  3. 3. Quais são as NTIC? <ul><li>os computadores pessoais (PCs, personal computers ) </li></ul><ul><ul><li>a impressão por impressoras domésticas </li></ul></ul><ul><ul><li>as câmeras de vídeo e foto para computador ou webcams </li></ul></ul><ul><ul><li>a gravação doméstica de CDs e DVDs </li></ul></ul><ul><ul><li>os diversos suportes para guardar e portar dados como os disquetes (com os tamanhos mais variados), discos rígidos ou hds , cartões de memória , pendrives , zipdrives e assemelhados </li></ul></ul><ul><li>a telefonia móvel (telemóveis ou telefones celulares) </li></ul><ul><li>a TV por assinatura </li></ul><ul><ul><li>TV a cabo </li></ul></ul><ul><ul><li>TV por antena parabólica </li></ul></ul><ul><li>o correio eletrônico ( e-mail ) </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>as listas de discussão ( mailing lists ) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>a internet </li></ul><ul><ul><li>a world wide web (principal interface gráfica da internet) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>os websites e home pages </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>os quadros de discussão ( message boards ) </li></ul></ul></ul>
  4. 4. Quais são as NTIC? <ul><ul><li>o streaming (fluxo contínuo de áudio e vídeo via internet) </li></ul></ul><ul><ul><li>o podcasting (transmissão sob demanda de áudio e vídeo via internet) </li></ul></ul><ul><ul><li>esta enciclopédia colaborativa, a wikipedia , possível graças à Internet , à www e à invenção do wiki </li></ul></ul><ul><li>as tecnologias digitais de captação e tratamento de imagens e sons </li></ul><ul><ul><li>a captura eletrônica ou digitalização de imagens ( scanners ) </li></ul></ul><ul><ul><li>a fotografia digital </li></ul></ul><ul><ul><li>o vídeo digital </li></ul></ul><ul><ul><li>o cinema digital (da captação à exibição) </li></ul></ul><ul><ul><li>o som digital </li></ul></ul><ul><ul><li>a TV digital e o rádio digital </li></ul></ul><ul><li>as tecnologias de acesso remoto (sem fio ou wireless ) </li></ul><ul><ul><li>Wi-Fi </li></ul></ul><ul><ul><li>Bluetooth </li></ul></ul>
  5. 5. As novas tecnologias e a Comunicação <ul><li>É difícil prever o impacto que terá nelas, embora já se possam antever alguns contornos: maior facilidade e rapidez de acesso à informação, melhor coordenação de colaboradores dispersos geograficamente, por exemplo, integração e automatização dos processos de negócio a montante (fornecedores) e a jusante (clientes), incremento da possibilidade de participação dos colaboradores nas actividades de gestão dos seus superiores hierárquicos, etc. </li></ul><ul><li>As novas tecnologias parecem favorecer a tendência para as empresas terem fronteiras cada vez menos demarcadas em relação ao seu meio ambiente, a trabalharem cada vez mais &quot;em rede&quot; com outras empresas e, dentro delas, os seus colaboradores também trabalharem cada vez mais &quot;em rede&quot;. </li></ul><ul><li>As novas tecnologia de comunicação levam a educação a uma nova dimensão. Esta nova dimensão é a capacidade de encontrar uma lógica dentro do caos de informações que muitas vezes possuímos, organizar numa síntese coerente das informações dentro de uma área de conhecimento. </li></ul>
  6. 6. CGM <ul><li>Consumer-Generated Media ( CGM ) ou mídia gerada pelo consumidor é um termo utilizado para descrever o conteúdo que é criado e divulgado pelo próprio consumidor. Com o surgimento da Internet e o avanço das tecnologias digitais, da mesma maneira que o acesso dos consumidores à informação teve um aumento significativo, aumentou também a facilidade dos consumidores em expressar suas opiniões. </li></ul><ul><li>Na Internet o CGM está presente em comentários, fóruns, lista de discussões, blogs e fotologs, comunidades, grupos, sites participativos, no YouTube , na própria Wikipedia . Os consumidores utilizam todas as ferramentas disponíveis (Messenger, sites, blogs, e-mails, mensagens, celulares, etc.) para divulgar, sobretudo, suas experiências pessoais e opiniões em relação a produtos, serviços, marcas, empresas, notícias. </li></ul><ul><li>Assim como acontecia com o boca-a-boca, o CGM tende a ter um maior poder de influência sobre outros consumidores do que as mídias tradicionais (TV, rádio, jornais impressos), pois tendem a passar mais credibilidade. A diferença é que, com a tecnologia disponível, o impacto do CGM é muito maior que o “boca-a-boca”. </li></ul><ul><li>Algumas empresas já estão incentivando a prática do CGM junto aos seus consumidores. Outras estão contratando empresas especializadas para pesquisar o que os consumidores estão comentando sobre a sua marca, produto ou serviço. </li></ul>
  7. 7. Novas formas de lucrar <ul><li>Surgem novas formas de ganhar dinheiro com a internet. Uma delas se chama LongTail. Uma loja virtual pode ter um catalogo muito grande, cheio de itens que vendem pouco e não valem à pena para lojas comuns que têm um custo de manutenção alto para manter o produto na prateleira. Mas justamente por serem difíceis de se encontrar em lojas comuns que estes itens são os mais preciosos para quem gosta deles. </li></ul><ul><li>Por isso, o modelo de vendas na web 2.0 deve ter um sistema para fazer as pessoas descobrirem estes itens únicos do catálogo - por exemplo: “pessoas que compram este CD também compram…”. A venda de muitos itens que individualmente vendem pouco traz muito mais retorno financeiro que as vendas de produtos que individualmente vendem muito. </li></ul><ul><li>Outra forma de monetização da nova internet são os softwares como serviços. São programas que funcionam através da internet e são pagos mensalmente. Além destas duas, há outras como a venda do conteúdo de um site que foi gerado pelos usuários, a venda de informações usadas para fazer um programa (ex. as fotos aéreas que são usadas no Google Maps) e venda de espaço para publicidade onde se paga somente quando o usuário clica no anúncio. </li></ul>
  8. 8. Marketing e publicidade <ul><li>O marketing e a publicidade online também mudaram muito com a web 2.0. Agora a empresa já não pode comunicar, ela deve aprender a interagir. A publicidade deixou de ser uma via de mão única, onde a empresa emite uma mensagem que o consumidor recebe. Como a Internet é feita de gente, a publicidade se tornou o relacionamento entre pessoas da empresa e pessoas que são consumidores. </li></ul><ul><li>Isso inclui o um novo conceito chamado marketing de performance. Neste novo conceito, você contrata o serviço de marketing e só paga pelos resultados que recebe. Nada de estar na Internet só para não ficar fora dela, agora toda ação online deve ser interessante do ponto de vista do retorno sobre o investimento. </li></ul><ul><li>Além disso, as antigas formas de publicidade online deram lugar a campanhas onde você só paga pelos cliques que seu banner recebe, marketing através de links patrocinados em sites de busca, otimização de sites para sites de busca e marketing viral. </li></ul>
  9. 9. Conteúdo colaborativo e/ou participativo <ul><li>Os blogs e a própria Wikipedia são frequentemente mencionados como ícones da Web 2.0. Entretanto interfaces colaborativas e participativas sempre existiram desde que a Internet dava seus primeiros passos (no berço das universidades). Listas e fóruns de discussão - até mesmo a Usenet - são exemplos antigos de colaboração e participação. Em 1995 o GeoCities (atualmente pertencente ao Yahoo!) oferecia espaço e ferramentas para que qualquer usuário relativamente leigo construísse seu website e publicasse suas idéias na Internet. </li></ul><ul><li>A loja virtual Amazon desde o seu lançamento (em 1995) permite que seus clientes e visitantes postem comentários e informações diversas sobre livros que são vendidos na loja. A Amazon também já sugeria produtos correlatos (“ pessoas que compram este CD também compram… ”) como forma de monetizar ainda mais a operação. Em 1998 o Yahoo ! lançava o MyYahoo!, permitindo que a página de entrada do site fosse customizada e personalizada (com notícias, cores e afins) individualmente. Desta forma Conteúdo participativo e/ou colaborativo não seria uma idéia nova e revolucionária, surgida na Web 2.0. Ao contrário, estes seriam um dos pilares mais antigos da Internet, permitindo que virtualmente qualquer indivíduo ou empresa, publique e compartilhe informações na rede. </li></ul>
  10. 10. Mudanças em marketing <ul><li>Os críticos argumentam que não houve uma mudança significativa no marketing praticado pela Internet. Segundo eles, o dinheiro de ações de marketing continua sendo gerado da mesma maneira: via publicidade. Como exemplo: a maior parte dos lucros do Google vêm de anúncios vinculados às suas buscas e sites que utilizam seus serviços. </li></ul><ul><li>Conceitos como o de marketing viral são bastante antigos, sendo que seu vínculo com a Internet alvo de um livro ( Idea Virus ) de Seth Godin ainda em 2001. Empresas de publicidade na Web (ex. DoubleClick ) já empregavam o pagamento por retorno antes do advento do termo Web 2.0. O próprio Google AdSense e AdWords não são serviços novos, derivam de empresas que já atuavam na Internet antes do Google (Applied Semantics - comprada pelo Google em 2003 e Goto/Overture, adquirida pelo Yahoo!). </li></ul>
  11. 11. Marketing Viral <ul><li>O marketing viral e a publicidade viral referem-se a técnicas de marketing que tentam explorar redes sociais pré-existentes para produzir aumentos exponenciais em conhecimento de marca , com processos similares a extensão de uma epidemia . A definição de marketing viral foi cunhada originalmente para descrever a prática de vários serviços livres de email de adicionar sua publicidade ao email que sai de seus usuários . O que se assume é que se tal anuncio alcança um usuario &quot;susceptivel&quot;, esse usuario &quot;será infectado&quot; (ou seja, se ativará uma conta) e pode então seguir infectando a outros usuários susceptiveis. Enquanto cada usuario infectado envía o email a mais de um usuário susceptível por média (ou seja, a taxa reprodutiva básica é maior que um), Os resultados &quot;standard&quot; em epidemiología implicam que o número de usuários infectados crescerá segundo uma curva logística , cujo segmento inicial é exponencial. </li></ul><ul><li>De forma mais geral, o marketing viral se utiliza as vezes para descrever algumas classes de campanhas de marketing baseadas na internet , incluindo o uso de blogues , de sites aparentemente amadores, e de outras formas de astroturfing para criar o rumor de um novo produto ou serviço. O termo &quot;publicidade viral&quot; se refere a idéia que as pessoas passarão e compartilharão conteúdos divertidos. Esta técnica muitas vezes está patrocinada por uma marca, que busca construir conhecimento de um produto ou serviço. Os anúncios virais tomam muitas vezes a forma de divertidos videoclipes ou jogos Flash interativos, imagens, e inclusive textos. </li></ul>
  12. 12. Ler para a próxima aula <ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/01/13/quando-a-publicidade-funciona-mas-o-site-nao/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/07/26/a-marca-longa-das-marcas-de-massa-para-o-nicho/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/07/22/a-diferenca-entre-o-e-mail-marketing-e-o-spam/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/07/15/mas-o-que-e-branding-afinal/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/06/30/espalhe-disponibiliza-enciclopedia-sobre-marketing-de-guerrilha/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/06/30/regionalize-sua-mensagens-e-fale-com-seus-publicos/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/06/08/para-o-pequena-empresa-interessada-em-marketing-online/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index . php /2008/03/05/ estrategias-e-precaucoes-na-utilizacao-comercial-do-orkut / </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Computa%C3%A7%C3%A3o_gr%C3%A1fica </li></ul><ul><li>http://imasters.uol.com.br/artigo/5200/webmarketing/marketing_viral_na_web/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2007/10/24/comercio-eletronico-vai-alem-da-simples-venda/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index . php /2007/06/05/ marketing-online-para-pequenas-empresas / </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2008/02/07/dicas-de-design-para-sua-empresa-sem-designer/ </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index . php /2007/06/05/ midia-social-nao-e-mais-uma-simples-tendencia / </li></ul><ul><li>http://webinsider.uol.com.br/index.php/2007/10/24/comercio-eletronico-vai-alem-da-simples-venda/ </li></ul>

×