Assessoria em Comunicação Integrada - 7/4/2015

79 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Assessoria em Comunicação Integrada, do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Senac, em 7 de abril de 2015.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
79
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assessoria em Comunicação Integrada - 7/4/2015

  1. 1. Assessoria em Comunicação Integrada 7 de abril de 2015
  2. 2. Bullshit Renato Cruz – Senac2 “Os reinos da publicidade e das relações públicas, e nos dias de hoje o reino estreitamente relacionado da política, são repletos de instâncias de ‘bullshit’ tão absolutas que podem ser elencadas entre os paradigmas mais indiscutíveis e clássicos do conceito.” Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  3. 3. Características Renato Cruz – Senac3  Falsificação intencional.  Especialmente com palavras e atos pretensiosos.  Próxima da mentira.  Falsificação dos próprios pensamentos, sentimentos ou atitudes. Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  4. 4. Diferente de mentira Renato Cruz – Senac4 “Nosso país grande e abençoado, cujos Pais Fundadores, sob a orientação divina, criaram um novo começo para a raça humana.” – Discurso de 4 de Julho “Me sinto como um cão atropelado” – Fania Pascal Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  5. 5. Causas Renato Cruz – Senac5 “A ‘bullshit’ é inevitável nas circunstâncias que exigem que alguém fale sem conhecer a respeito daquilo que está falando.” “A proliferação contemporânea de ‘bullshit’ também tem fontes mais profundas, nas várias formas de ceticismo que negam que possamos ter qualquer acesso confiável a uma realidade objetiva e que, dessa forma, rejeitam a possibilidade de se saber como as coisas realmente são.” Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  6. 6. Pseudoevento Renato Cruz – Senac6  Acontecimento planejado com “o propósito imediato de ser transmitido e reproduzido”.  Um acidente de trem é um acontecimento real, mas uma entrevista é um pseudoevento.  O termo foi sugerido em 1961, pelo historiador Daniel Boorstin.  “Enquanto a propaganda substitui opiniões por fatos, os pseudoeventos são fatos sintéticos que influenciam indiretamente as pessoas, fornecendo base ‘factual’ sobre a qual elas supostamente compõem suas mentes.” Fonte: DUARTE, Jorge (org.) Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. 3.ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  7. 7. Pesquisa e diagnóstico Renato Cruz7 É preciso conhecer: Missão, visão e valores; Planejamento estratégico da organização – como a empresa busca se posicionar e quais seus planos e metas futuras; O setor de atuação – concorrentes, históricos e tendências; O ambiente setorial – grupos de pressão, regulações; Fonte: DUARTE, Jorge (org.) Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. 3.ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  8. 8. Pesquisa e diagnóstico Renato Cruz – Senac8 É preciso conhecer (cont.): A comunicação – como é feita a comunicação da organização junto aos seus diversos públicos, quais ferramentas são utilizadas, se a organização já realizou pesquisas para conhecer como sua marca e produtos são percebidos; A comunicação da concorrência – como ela tem se dado, tanto do ponto de vista de posicionamento como de ferramentas; A organização na mídia – qual o histórico da relação organização/mídia. Fonte: DUARTE, Jorge (org.) Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. 3.ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  9. 9. Análise e interpretação Renato Cruz – Senac9 É preciso definir: A partir dos pontos fortes, as mensagens que o trabalho junto à imprensa deve reforçar para manter esses pontos; A partir dos pontos fracos, o que precisa ser corrigido para minimizá-los e não deixar que eles comprometam o todo; A partir das oportunidades, as ações que podem gerar espaços de divulgação na imprensa; A partir das ameaças, como atuar para evitar que se concretizem e quais as contraofensivas que poderiam ser implementadas. Fonte: DUARTE, Jorge (org.) Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. 3.ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.
  10. 10. Relações com a imprensa Renato Cruz – Senac10 O planejamento deve conter: Mensagens-chave – quais são as mensagens que vão contribuir para que a empresa tenha o posicionamento buscado e que devem ser sempre disseminadas; Veículos estratégicos – listar os veículos que têm coerência com o posicionamento e objetivos buscados e com os quais a organização deve estreitar relacionamento; Preparação de porta-vozes – preparar as pessoas que vão falar em nome da organização. Fonte: DUARTE, Jorge (org.) Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. 3.ª ed. São Paulo: Atlas, 2010.

×