Negócios em Cinema e Audiovisual - 31/8/15

113 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Negócios em Cinema e Audiovisual, do curso de Audiovisual do Centro Universitário Senac, em 31 de agosto de 2015.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
113
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Negócios em Cinema e Audiovisual - 31/8/15

  1. 1. Negócios em cinema e audiovisual 31 de agosto de 2015
  2. 2. Não valem para cumprimento de cotas Renato Cruz – Senac2  Canais de distribuição obrigatória, ainda que veiculados em localidade distinta daquela em que é distribuído o pacote;  Canais que retransmitirem canais de geradoras detentoras de outorga de radiodifusão de sons e imagens em qualquer localidade;  Canais operados sob a responsabilidade do poder público;  Canais cuja grade de programação não tenha passado por qualquer modificação para se adaptar ao público brasileiro;  Canais dedicados precipuamente à veiculação de conteúdos de cunho erótico;  Canais ofertados na modalidade avulsa de programação;  Canais ofertados em modalidade avulsa de conteúdo programado.
  3. 3. As regras da Ancine Renato Cruz – Senac3 Horário Nobre  Nos canais para crianças e adolescentes: as 7 horas diárias, das 11h às 14h e das 17h às 21h;  Nos demais canais, 6 horas diárias, das 18h às 24h. Espaço qualificado  Obras audiovisuais seriadas ou não seriadas dos tipos ficção, documentário, animação, reality show, videomusical e de variedades.
  4. 4. Canais ‘superbrasileiros’ Renato Cruz – Senac4  Dos canais brasileiros, ao menos dois devem veicular no mínimo 12 horas diárias de produção independente, sendo três no horário nobre, e que pelo menos um desses canais não pode ser programado por empresa coligada, controlada ou controladora de concessionária de TV.  CineBrasilTV, da distribuidora Conceito A; Prime Box Brazil (e sua versão HD), da Box Brazil; e Curta! O Canal Independente, da distribuidora carioca Synapse.  Está de acordo no que diz respeito à programação, mas pertence à Globosat: Canal Brasil.
  5. 5. Cotas do VOD fora do Brasil Renato Cruz – Senac5 Fonte: Ancine/Veja País Conteúdo obrigatório Outras exigências Holanda Não há Não há Polônia Não há Tributação de 1,5% da receita Itália Não há Investimento de 5% da receita em obras europeias Eslováqui a 20% das horas de programação em obras europeias Não há Bélgica Não há Tributação de 2% da receita e destaque para obras europeias Espanha 30% de obras europeias Investimento de 5% da receita em obras europeias França 60% de obras europeias e 40% faladas em francês Investimento de 15% da receita em obras europeias, sendo 12% faladas em francês
  6. 6. Zero-TV Renato Cruz – Senac6 Fonte: Nielsen 2.010.000 de residências em 2007 5.010.000 de residências em 2013  Menos de 5% das residências americanas  75% dessas casas têm pelo menos um televisor
  7. 7. Onde eles consomem vídeo? Renato Cruz – Senac7  67% usam outros equipamentos • 37% via computador • 8% via smartphones • 6% via tablets  48% assinam serviços pagos de vídeo  44% têm menos de 35 anos  Somente 18% pensam em assinar TV paga
  8. 8. TV conectada no mundo Renato Cruz – Senac8 Ano Vendas Participação 2011 52 milhões 21% 2012 66 milhões 25% 2015 141 milhões 55% 2016 173 milhões 66% Fonte: IHS Screen Digest, Feb. 2013
  9. 9. OTT nos EUA Renato Cruz – Senac9  19% dos aparelhos de HDTV estão conectados diretamente à internet.  29% estão conectados por meio de outros dispositivos.  58% dos espectadores consomem vídeo OTT regularmente.
  10. 10. Arthur C. Clarke Renato Cruz – Senac10 “Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível de mágica”
  11. 11. Origami de DNA Renato Cruz – Senac11 Nanorrobô que combate células cancerígenas, desenvolvido pelo pesquisador Shawn Douglas, em Harvard
  12. 12. Bioimpressão Renato Cruz – Senac12 Tecido de fígado humano criado pela Organovo
  13. 13. A (segunda fase da) revolução começou Renato Cruz – Senac13 Fonte: Wired 2.10, Oct. 1994, em http://archive.wired.com/wired/archive/2.10/mosaic.html
  14. 14. Segunda Lei da Termodinâmica Renato Cruz – Senac14  A quantidade de entropia de qualquer sistema isolado termodinamicamente tende a incrementar-se com o tempo, até alcançar um valor máximo.  É impossível a construção de um dispositivo que, por si só, isto é, sem intervenção do meio exterior, consiga transferir calor de um corpo para outro de temperatura mais elevada.
  15. 15. Sistema de comunicação Renato Cruz – Senac15 Fonte: Claude Shannon – Uma teoria matemática da comunicação, 1948
  16. 16. O que é informação? Renato Cruz – Senac16  A quantidade de informação equivale ao grau de imprevisibilidade de um sinal, que é o mesmo que entropia.  Uma mensagem com grande redundância tem um nível baixo de informação.
  17. 17. Rede de pacotes Renato Cruz – Senac17 Fonte: Paul Baran – Sobre a comunicação distribuiída, 1964
  18. 18. Um pouco de história Renato Cruz – Senac18  1965 – Ted Nelson, Uma Estrutura de Arquivos para o Complexo, o Mutável e o Indeterminado, Association for Computing Machinery.  1974 – Vint Cerf e Robert Kahn, da Darpa, desenvolvem o TCP/IP, para conectar redes de tecnologias diferentes.  1989 – Tim Berners-Lee, Gerenciamento de Informações: Uma Proposta, Laboratório Europeu de Física de Partículas (Cern).
  19. 19. A morte da web Renato Cruz – Senac19 Fonte: Wired 17 Aug. 2010

×