Comunicação Organizacional e Gestão de Conteúdo - 28/9/2013

42 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Comunicação Organizacional e Gestão de Conteúdo, do curso de Gestão da Comunicação em Mídias Digitais do Senac Lapa Scipião, em 28 de setembro de 2013

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comunicação Organizacional e Gestão de Conteúdo - 28/9/2013

  1. 1. Comunicação organizacional e gestão de conteúdo 28 de setembro de 2013
  2. 2. Bullshit Renato Cruz – Senac – 28/9/20132 “Os reinos da publicidade e das relações públicas, e nos dias de hoje o reino estreitamente relacionado da política, são repletos de instâncias de „bullshit‟ tão absolutas que podem ser elencadas entre os paradigmas mais indiscutíveis e clássicos do conceito.” Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  3. 3. Características Renato Cruz – Senac – 28/9/20133  Falsificação intencional.  Especialmente com palavras e atos pretensiosos.  Próxima da mentira.  Falsificação dos próprios pensamentos, sentimentos ou atitudes. Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  4. 4. Diferente de mentira Renato Cruz – Senac – 28/9/20134 “Nosso país grande e abençoado, cujos Pais Fundadores, sob a orientação divina, criaram um novo começo para a raça humana.” – Discurso de 4 de Julho “Me sinto como um cão atropelado” – Fania Pascal Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.
  5. 5. Causas Renato Cruz – Senac – 28/9/20135 “A „bullshit‟ é inevitável nas circunstâncias que exigem que alguém fale sem conhecer a respeito daquilo que está falando.” “A proliferação contemporânea de „bullshit‟ também tem fontes mais profundas, nas várias formas de ceticismo que negam que possamos ter qualquer acesso confiável a uma realidade objetiva e que, dessa forma, rejeitam a possibilidade de se saber como as coisas realmente são.” Fonte: FRANKFURT, Harrry G. On bullshit. Princeton: Princeton University Press, 2005.

×