Assessoria em Comunicação Integrada - 14/4/2015

77 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Assessoria em Comunicação Integrada, do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Senac, em 14 de abril de 2015.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
77
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Assessoria em Comunicação Integrada - 14/4/2015

  1. 1. Assessoria em Comunicação Integrada 14 de abril de 2015
  2. 2. Quando ir à mídia (I) Renato Cruz – Senac2  Fortalecer a imagem e as ações de comunicação já desenvolvidas pelo assessorado, de modo a formar uma “massa crítica” favorável à imagem do cliente.  Defender o assessorado de acusações infundadas ou de problemas que de fato existem, chegaram ao conhecimento público e precisam ser esclarecidos.  Estabelecer condutas preventivas de modo a “blindar” possíveis abordagens negativas pela imprensa, em função de problemas que estão prestes a ocorrer ou suscetíveis de virem a público dada a natureza do negócio do assessorado. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  3. 3. Quando ir à mídia (II) Renato Cruz – Senac3  Reposicionar a marca da organização ou a imagem da personalidade junto à opinião pública, mostrando exatamente o que ela é, o que pretende.  Promover ações de apoio a divulgações específicas, como lançamento de produtos, de campanhas publicitárias, manifestações de ONGs, eventos em geral, inaugurações de fábrica, ou seja, de atuações com curto prazo, para uma finalidade específica.  Estabelecer práticas junto à imprensa que sustentem o posicionamento de marketing do cliente ou dos produtos no mercado. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  4. 4. Press kit Renato Cruz – Senac4  Pasta ou arquivo eletrônico contendo os textos principais sobre o assessorado, o conjunto de informações básicas sobre sua performance, sua atividade, seu histórico, inserção no segmento, índices de desempenho (faturamento, locais em que atua, setores aos quais se dedica etc.), ações de responsabilidade social e outros. São informações padronizadas para serem distribuídas à imprensa nas ocasiões de coletivas, entrevistas individuais e demais divulgações, como material de apoio. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  5. 5. Follow up Renato Cruz – Senac5  É a ação que visa obter retorno, por telefone, do envio de press releases, distribuição de material de apoio ou de convocação de coletivas junto à imprensa. Evite sempre pedir esse retorno nos horários de fechamento das edições, após as 17 horas, quando dificilmente o jornalista pode ouvi-lo. Geralmente, os jornalistas nas redações odeiam atender telefonemas de assessores que perguntam se ele recebeu o material de divulgação. Ficam ainda mais irados se o assessor, em sua inexperiência, quer saber se o material será publicado. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  6. 6. Mailing list Renato Cruz – Senac6  Trata-se de uma lista que contém a relação dos veículos e dos jornalistas contatados para divulgação, com dados básicos, como o nome completo, cargo, editoria, número de telefone, e-mail e endereço.  O melhor mailing é atualizado diariamente pelo assessor. Ele poderá, dessa forma, incluir na lista os nomes de jornalistas que têm publicado matérias sobre o assessorado ou sobre áreas de interesse. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  7. 7. Media training Renato Cruz – Senac7  Trata-se de treinamento específico oferecido pelas assessorias aos clientes, a fim de prepará-los para atender à imprensa. Durante um media training, os assessorados passam por aulas teóricas e práticas. Aprendem a lidar com microfones e câmeras, a identificar o que é notícia, a serem objetivos, claros e diretos. Enfim, aprendem a falar com o jornalista em linguagem jornalística. Esses treinamentos podem ser pontuais, realizados pela própria assessoria, ou mais elaborados e completos, ministrados por profissionais especializados na função. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  8. 8. Clipping Renato Cruz – Senac8  Reúne matérias veiculadas, de interesse do assessorado. Ajuda a avaliar a exposição dos concorrentes e do setor de atuação, evidencia a imagem do cliente na mídia, com as devidas percepções de quando e por que ela se altera.  Grandes corporações brasileiras têm usado o clipping para monitorar a exposição, de determinadas empresas que podem se tornar clientes, parceiras ou concorrentes. A partir de uma análise detalhada, é possível rever o plano de negócios e interpretar melhor as tendências do setor. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  9. 9. Mensuração de resultados Renato Cruz – Senac9  Trata-se de uma metodologia que mede continuamente os resultados do trabalho da assessoria de imprensa.  Uma boa mensuração de resultados compara as mensagens que o cliente gostaria de reforçar na mídia e se o resultado foi obtido ou não. Relata, por meio de gráficos e textos, quais veículos de comunicação retransmitiram esse discurso, que espaço concederam e que impacto causam, de acordo principalmente com o público que atingem. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  10. 10. Relatório de avaliação Renato Cruz – Senac10  É encaminhado mensalmente ao assessorado ou após um evento específico, como uma coletiva. Deve reunir o clipping do período, os gráficos da mensuração de resultados e um texto crítico sobre o desempenho da assessoria.  Não adianta querer inflacionar os resultados do trabalho.  Algumas agências de comunicação optam por encaminhar relatórios diários ou semanais de atividades. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  11. 11. Análise estratégica de mídia Renato Cruz – Senac11  Cada agência tem seu próprio modelo para analisar como a mídia está expondo determinado assunto. Geralmente, essa atividade é realizada todos os dias, com base na leitura dos veículos da grande imprensa.  A análise visa ainda identificar os diferentes tratamentos que o assunto recebe em uma mesma publicação ou em veículos diversos. Uma equipe especializada de jornalistas lê e interpreta o noticiário. O resultado é um texto conciso e objetivo. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.
  12. 12. Auditoria de imagem Renato Cruz – Senac12  Assim como muitos assessorados precisam de uma visão ampla da imprensa diária, necessitam também de uma avaliação quantitativa e qualitativa que aponte, mensalmente, como está a imagem deles na mídia.  A auditoria de imagem demanda uma metodologia específica, devidamente apoiada em preceitos estatísticos e em pesquisas de opinião. É preciso rigor na tabulação dos dados para dizer ao assessorado, de maneira segura e responsável, se a imagem dele vai bem ou mal. Fonte: MAFEI, Maristela. Assessoria de imprensa: como se relacionar com a mídia. São Paulo: Contexto, 2004.

×