UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIROINSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAISIH 439 – Introdução à Filosofia das Ciê...
2UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRODepartamento de Ciências Humanas e SociaisSeropédica, 30 de Setembro de 2011....
3são os belos volumes das traduções dos clássicos produzidos nas tipografias venezianas que constituemos grandes sucessos ...
4ser colocado o monumento em bronze, desapareceu sem deixar rastros sob a ação conjunta da chuva edas flechas dos soldados...
514ª Questão: Qual é a importância de Leonardo da Vinci para a história do pensamento humano?Resposta: Graças a ele e atra...
6atitude científica do grande florentino e, por isso mesmo, consegue não só projetar uma luzsingularmente penetrante sobre...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de introdução à filosofia das ciências biológicas renata pontes araújo (201103535-8)

1.861 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.861
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de introdução à filosofia das ciências biológicas renata pontes araújo (201103535-8)

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIROINSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAISIH 439 – Introdução à Filosofia das Ciências BiológicasRenata Pontes AraújoEngenharia Florestal201103535-8Turma: T03Professor Manoel Barros da MottaSeropédica, 30 de Setembro de 2011.
  2. 2. 2UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRODepartamento de Ciências Humanas e SociaisSeropédica, 30 de Setembro de 2011.Disciplina: Introdução às Ciências Biológicas – Professor: Manoel Barros da MottaAluna: Renata Pontes Araújo – Curso: Engenharia Florestal – Matrícula: 201103535-8Trabalho: Formular um questionário com 20 perguntas e respostas sobre o livro “Estudos de História doPensamento Científico” (3ª Edição) do autor Alexandre Koyré.1ª Questão: Verdadeiro ou falso: ”Os Tempos Modernos começavam após o fim da Idade Média,exatamente em 1453; e o pensamento moderno começava com bacon, que, enfim, opusera aoraciocínio escolástico os direitos à experiência e à sadia razão humana.” ? Justifique.Resposta: A história não opera através de saltos bruscos; e as divisões nítidas em períodos e épocas sóexistem nos manuais escolares. Desde que se comece a examinar as coisas um pouco mais perto,desaparecem as fronteiras que se acreditava perceber anteriormente.2ª Questão: Explique o termo “Moderno”.Resposta: Somos sempre modernos, em qualquer época, quando pensamos mais ou menos comonossos contemporâneos e de modo um pouco diferente do dos nossos mestres.3ª Questão: Explique a seguinte afirmativa: “Nicolau Cusa permanece fiel ao ideal do conhecimento.”Resposta: Não substitui por uma doutrina da ação. Quer provar, e não persuadir. Sua lógica não é umalógica retórica. Ele não é, absolutamente, cético – a despeito do que se diga – e a Douta Ignorância émuito mais douta o que ignorante, pois Deus melius SCITUR nasciendo. Sua obra se apresenta como umareação. Mas os movimentos progressistas e as reformas sempre se apresentam como renascimentos,como recuos ao passado. E, apesar de seu desejo ardente e sincero de só refazer o antigo, o CardealNicolau de Cusa constrói uma obra singularmente nova e ousada.4ª Questão: Verdadeiro ou falso: “A época da Renascença foi uma das épocas menos dotadas deespírito crítico que o mundo conheceu.”? Justifique.Resposta: Trata-se da época da mais grosseira e mais profunda superstição, da época em que a crençana magia e na feitiçaria se expandiu de modo prodigioso, infinitamente mais do que na Idade Média. Ebem se sabe que, nessa época, a astrologia desempenha um papel muito maior do que a astronomia –parente pobre, como disse Kepler – e que os astrólogos desfrutam de posições oficiais nas cidades ejunto aos potentados. E, se examinarmos a produção literária dessa época, tornar-se-á evidente que não
  3. 3. 3são os belos volumes das traduções dos clássicos produzidos nas tipografias venezianas que constituemos grandes sucessos de livraria; são as demonologias e os livros de magia. Cardano e, mais tarde, Portasão grandes autores, lidos em toda parte.5ª Questão: Em que consiste o que se chamou de “O Naturalismo” da Renascença?Resposta: Resumindo em uma frase: “Tudo é possível”. A única questão é saber se “tudo é possível” emvirtude de intervenções de forças sobrenaturais, para afirmar que tudo é natural e que mesmo os fatosmiraculosos se explicam por uma ação da natureza. É nessa naturalização mágica do sobrenatural queconsiste o que se chamou de “o naturalismo” da Renascença.6ª Questão: “Kepler não consegue conceber a Lei da Inércia.” Por quê?Resposta: Para Kepler, que, nessa questão, permanece como um bom aristotélico, o repouso nãoprecisa ser explicado. O movimento, pelo contrário, precisa de uma explicação e de uma força. Oinsucesso de Kepler certamente se explica pelo fato de que, dominado pela idéia de um mundo bemordenado, não pode admitir a idéia de um Universo infinito.7ª Questão: Kepler pode estar ligado à Renascença. Com Galileu, saímos segura e definitivamente dessaépoca. Sendo assim, trace o perfil de Kepler e Galileu, diferenciando-os.Resposta: Kepler não admite a possibilidade de um espaço que se estenda mais além, nem a de umespaço cheio, isto é, povoando de outras estrelas, de estrelas que não vemos – isto seria, pensa ele, umaconcepção gratuita e anticientífica -, nem a de um espaço vazio: um espaço vazio seria nada, ou seria umnada existente. Ele se acha sempre dominado pela idéia de um mundo expressão do Criador, e mesmoda Trindade divina. Assim, vê no Sol a expressão do Deus-Pai; no mundo estelar, a do Deus-Filho; e naluz e na força que circulam entre os dois no espaço, a expressão do Espírito. E é justamente essafidelidade à concepção de um mundo limitado e finito que não permitiu a Kepler ultrapassar os limitesda dinâmica aristotélica. Galileu é antimágico no mais elevado grau. Não sente nenhuma alegria ante avariedade das coisas. Pelo contrário, o que o anima é grande idéia – arquimediana – da físicamatemática, da redução do real ao geométrico. Assim, ele geometriza o Universo, isto é, identifica oespaço físico com o da geometria euclidiana.8ª Questão: Por que Leonardo da Vinci poderia ser considerado um homem público ou “homemexterior” e ao mesmo tempo uma “figura trágica”?Resposta: Homem público ou “homem exterior”, pois considera com admiração o maior representantede seu tempo, o artista e o artesão incomparável, exemplo perfeito do individualismo livre e criador,afirmando-se em obras de uma perfeição e de uma beleza imperecíveis. Figura trágica, pois o destino foiduro para este homem e suas obras. Certos retratos foram perdidos. Perdidos também foram osfamosos desenhos de A Batalha de Anghiari. A Ceia se deteriora. A grande estátua de Francesco Sforza,II Cavallo, nunca foi moldada: não havia dinheiro para pagar o metal; ou então o metal era necessáriopara a fabricação de armas. Quanto ao modelo de argila erigido em 1493 sobre o pedestal onde devia
  4. 4. 4ser colocado o monumento em bronze, desapareceu sem deixar rastros sob a ação conjunta da chuva edas flechas dos soldados do marechal Tribulzio, que utilizaram como alvo para seus arremessos.9ª Questão: “O livro de Duhem é o ponto de partida de toda a pesquisa moderna.” Sobre o que setratava o livro?Resposta: O grande sábio e erudito francês Pierre Duhem, a quem devemos a redescoberta da ciênciamedieval, publicou sua famosa obra Léonard de Vinci, ceux qu’il a lus et ceux qui l’ont lu (1906-1913), naqual tenta destruir aquela imagem mítica de Leonardo, substituindo-a por outra estritamente histórica.10ª Questão: Descreva Leonardo da Vinci de acordo com a concepção de Pierre Duhem.Resposta: A imagem de um Leonardo que não era apenas um homem de ciência, mas também um sábiotão grande quanto o próprio Duhem: um Leonardo, último fruto da tradição medieval, sobretudo a dosnominalistas parisienses, que havia cuidadosamente estudado e que havia preservado e transmitidomediante seus manuscritos aos homens de ciência do século XVII. Daí se seguiu que Leonardo não maisapareceu como um gênio único como havia visto os historiadores do século XIX. Muito pelo contrário,na concepção de Duhem, ele se tornou um elo – o elo mais importante – entre a Idade Média e osTempos Modernos, restabelecendo, assim, a unidade e a continuidade do desenvolvimento dopensamento científico.11ª Questão: Por que Alexandre Koyré afirma que Leonardo da Vinci é um homem da Renascença?Resposta: Alexandre Koyré afirma que Leonardo da Vinci é um homem da Renascença pela vigorosaafirmação de sua personalidade, pelo universalismo de seu pensamento e por sua curiosidade, por suapercepção direta e aguda do mundo visível, sua maravilhosa intuição do espaço, seu sentido do aspectodinâmico do ser. Poderia dizer-se até que, sob certos aspectos, em seu humanismo – se bem que eleseja moderno, por sua rejeição da autoridade e do saber livresco -, em sua evidente indiferença pelaconcepção cristã do Universo, algumas das mais profundas tendências da Renascença encontram suaafirmação no espírito de Leonardo.12ª Questão: Há um campo do conhecimento no qual a maneira concreta de pensar de Leonardo nãoera uma desvantagem. Qual campo era esse? Justifique.Resposta: É o da Geometria. Com efeito, Leonardo é um geômetra nato e possui, no mais elevado grau,o dom extremamente raro da intuição no espaço. Esse dom lhe permite contornar sua falta de formaçãoteórica. Não só ele trata de todo tipo de problemas relativos às lúnulas e à transformação das figuras edos corpos uns nos outros, à construção de figuras regulares e à determinação de centros de gravidade,fabricando compassos para traçar as seções cônicas, como também, conforme já assinalei, conseguefazer algumas verdadeiras descobertas.13ª Questão: Por que Leonardo da Vinci não desenvolveu a ciência que sonhou?Resposta: Porque era cedo demais e ele tinha muito pouca influência sobre o pensamento científico deseus contemporâneos e de seus sucessores imediatos.
  5. 5. 514ª Questão: Qual é a importância de Leonardo da Vinci para a história do pensamento humano?Resposta: Graças a ele e através dele, a técnica tornou-se tecnologia e o espírito humano elevou-se aoideal de conhecimento, no qual, um século mais tarde, se inspiraram Galileu e seus amigos, os Membrosda Accademia dei Lincei, que rejeitaram a autoridade e a tradição e quiseram ver as coisas tal comoeram.15ª Questão: Diferencie o “homem moderno” do “homem medieval”.Resposta: O homem moderno procura dominar a natureza, enquanto o homem medieval ou antigo seesforça, principalmente, por contemplá-la.16ª Questão: Caracterize a atitude mental ou intelectual da ciência moderna através de dois traços quese completam um ao outro.Resposta: 1º) A destruição do Cosmo e, conseqüentemente, o desaparecimento, na ciência, de todas asconsiderações baseadas nessa noção; 2º) A geometrização do espaço, isto é, a substituição, pelo espaçohomogêneo e abstrato da geometria euclidiana, da concepção de um espaço cósmico qualitativamentediferenciado e concreto, o espaço da física pré-galileana.17ª Questão: O que é a dissolução do Cosmo?Resposta: A dissolução do Cosmo significa a destruição de uma idéia, a idéia de um mundo de estruturafinita, hierarquicamente ordenado, de um mundo qualitativamente diferenciado do ponto de vistaontológico. Essa idéia é substituída pela idéia de um Universo aberto, indefinido e até infinito, unificadoe governado pelas mesmas leis universais, um universo no qual todas as coisas pertencem ao mesmonível do Ser, contrariamente à concepção tradicional que distinguia e opunha os dois mundos do céu eda Terra. Doravante, as leis do Céu e as leis da Terra se fundem. A astronomia e a física tornam-seinterdependentes, unificadas e unidas. Isso implica o desaparecimento, da perspectiva científica, detodas as considerações baseadas no valor, na perfeição, na harmonia, na significação e no desígnio. Taisconsiderações desaparecem no espaço infinito do novo Universo.18ª Questão: Caracterize os estudos físicos de Aristóteles.Respostas: A física de Aristóteles, bem entendido, é falsa e completamente caduca. Não obstante, éuma “física”, isto é, uma ciência altamente elaborada, embora não o seja matematicamente. Não setrata de imaginação pueril, nem de grosseiro enunciado logomáquico de senso comum, mas de umateoria, ou seja, uma doutrina que, partindo naturalmente dos dados do senso comum, os submete a umtratamento extremamente coerente e sistemático.19ª Questão: “Galileu como crítico das artes” é o título de um estudo do Sr. Panofsky. Explique sobre doque tratava este estudo.Resposta: Panofsky não se limita a nos informar sobre os gostos, as preferências, os julgamentos deGalileu em matéria de literatura e de artes plásticas; não se restringe a nos proporcionar uma análise –extremamente penetrante e profunda – da atitude estética de Galileu para demonstrar-lhe a unidade ea coerência perfeitas. Faz muito mais. Mostra-nos a rigorosa concordância entre a atitude estética e a
  6. 6. 6atitude científica do grande florentino e, por isso mesmo, consegue não só projetar uma luzsingularmente penetrante sobre a personalidade e a obra de Galileu, mas também adiantar a solução daquaestio vexata de suas relações pessoais e científicas com Kepler.20ª Questão: Caracterize o pensamento humano de acordo com o livro “Estudos de História doPensamento Científico”.Resposta: Os caminhos do pensamento humano são curiosos, imprevisíveis, ilógicos. À via direita,parecem preferir os desvios, a sinuosidade.

×