msrenataguedes@gmail.com
www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes
1
Neurodidática, uma Nova Perspectiva para A...
msrenataguedes@gmail.com
www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes
2
Em 2006, o Dr. Ralph Schumacher (doutor em...
msrenataguedes@gmail.com
www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes
3
envolvidos na aprendizagem. Ele conclui af...
msrenataguedes@gmail.com
www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes
4
BLAKEMORE, Sarah J., BUNGE, Silvia. A. At ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.

1.333 visualizações

Publicada em

O artigo discute a relevância da Neurodidática para a aprendizagem no Brasil e no mundo e como estão sendo desenvolvidas as pesquisas nessa área tão nova e promissora.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem.

  1. 1. msrenataguedes@gmail.com www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes 1 Neurodidática, uma Nova Perspectiva para Aprendizagem. Renata de Moura Guedes O termo neurodidática foi criado por Gerhard Preiss (professor de didática da matemática) na década de 80, na Alemanha. Nos anos 90, Gerhard Friedrich (doutor em pedagogia) adaptou o conceito de “neurodidática” para questões mais amplas em educação. Em um artigo publicado na revista Mente e Cérebro em 2003, Friedrich e Preiss afirmam serem muitas as áreas que discutem o papel e eficácia das escolas no processo de aprendizagem dos estudantes, entre elas, pedagogia, filosofia, psicologia, sociologia, entre tantas outras e que as neurociências têm se posicionado fora dessas discussões, no entanto, isso lhes parece um paradoxo, já que o “aprendizado se dá na cabeça e todo o processo é acompanhado de alterações no cérebro”. Dessa forma, seria responsabilidade da neurociência “fornecer a base científica sobre a qual se poderiam erigir teorias didáticas modernas”. Foi a partir dessa ideia que, há alguns anos, os dois neuroeducadores fundaram essa nova ciência: a neurodidática. Eles a definiram como a ciência que “procura configurar o aprendizado da melhor maneira que o cérebro é capaz de aprender”. Na Europa, berço da Neurodidática, podem-se encontrar alguns dos mais relevantes debates acerca do papel da Neurociência para a aprendizagem. Em Berlim (2005), os autores Elsbeth Stern, Roland Grabner, Ralph Schumacher em colaboração com Christa Neuper e Henrik Saalbach publicaram o 13º Volume da revista Reforma Educacional com o tema “Pesquisa Educacional e Neurociências – Expectativas, Evidências e Perspectivas de Pesquisas” com diversos artigos. Neste volume podemos encontrar o artigo “Processos de aprendizagem no cérebro – uma perspectiva fascinante”. Nele os autores discursam sobre como é fascinante ver, por meio de métodos de neuroimagem, como o cérebro responde a certas informações, e assim novas constatações neurocientíficas estão sendo reafirmadas na medida em que transmitem uma imagem otimista quanto à flexibilidade e plasticidade do cérebro durante toda a vida. Lesões cerebrais devido a doenças ou trauma, por exemplo, não envolvem necessariamente incapacidades permanentes e irreversíveis no funcionamento cognitivo.
  2. 2. msrenataguedes@gmail.com www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes 2 Em 2006, o Dr. Ralph Schumacher (doutor em Filosofia e responsável pelo projeto do centro de aprendizagem MINT no Instituto de Ciências Comportamentais em Zurique) publicou, na revista Mente e Cérebro, um artigo chamado “Neurodidática: os pedagogos e políticos esperam das investigações cerebrais indicações práticas para melhorar o ensino nas escolas. O que pode nos trazer essa linha de investigação?”. Nesse artigo, ele fala sobre as grandes expectativas depositadas nos métodos dos neurologistas (PET, RM) e em suas contribuições para a aprendizagem. “Se algum dia pudermos decifrar as bases biológicas do pensar, aprender e esquecer, poderemos pensar, então, no próximo passo, curar as dificuldades de aprendizagem das crianças em geral e reestruturar com mais eficiência as aulas” (Schumacher, 2006). Em 2007, a revista americana Newsweek (edição de 22/10/2007) descreve a chamada neurociência educacional e afirma que a mesma “avança a passos largos” com o respaldo do recém-criado programa MBE - Mind, Brain and Education (Mente, Cérebro e Educação), da Universidade de Harvard. Mais recentemente, duas autoras em especial têm se destacado nesse cenário, Sarah - Jayne Blakemore (estudou Psicologia Experimental na Universidade de Oxford, é Doutora em Neurociência e responsável pelo Grupo de Desenvolvimento em Neurociência Cognitiva no Instituto de Neurociência Cognitiva) e Uta Frith (concluiu o curso de Psicologia Experimental na Alemanha e fez seu doutorado em autismo em Londres, atua no Instituto de Neurociência Cognitiva na Universidade de Londres). Elas são as autoras do livro Learning Brain: lessons for education (O cérebro que aprende: lições para a educação) e de inúmeros artigos que contribuem para as pesquisas de como o cérebro pode influenciar na aprendizagem. A Neurodidática tem sido aplicada em diversas áreas, como, por exemplo, na aprendizagem de música, computação, línguas. Na Espanha, em 2004, o Dr. Wilfried Gruhn apresentou em uma Conferência Internacional, seu artigo denominado: “Neurodidática - uma nova tendência científica na aprendizagem de música?”. Em seu artigo ele fala sobre como a aprendizagem de música afeta o cérebro, como a neurociência tem mostrado pelas tecnologias de imagem cerebral diferenças funcionais do cérebro, tais como diferenças de volume de substância cinzenta em regiões cerebrais motoras e auditivas. Este é um passo importante para uma melhor compreensão da aprendizagem e mais uma documentação objetiva dos processos
  3. 3. msrenataguedes@gmail.com www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes 3 envolvidos na aprendizagem. Ele conclui afirmando que “em vista disso, as investigações sobre respostas neurais para tarefas de aprendizagem são cruciais”. É difícil escrever sobre a Neurodidática no Brasil porque infelizmente são poucos os estudiosos dessa ciência por aqui. Os pioneiros nessa árdua jornada são os responsáveis pelo primeiro laboratório de Neurodidática no Brasil, que está situado em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, na Universidade Federal de Pernambuco, e teve início em janeiro de 2007. De acordo com Cordeiro e Flor (2007), ele “vem reunindo educadores fundamentalmente comprometidos com a prática pedagógica neurodidática dispostos a investir em observação, estudos, pesquisas e sistematização com a finalidade de construir seu acervo de cooperação para a mudança induzida na organização escolar exigida pelos novos tempos”. Os autores destacam três dificuldades que encontraram no desenvolvimento dessa nova ciência. Em primeiro lugar, eles apontam para a dificuldade em reunir cientistas da educação; em segundo lugar, “as dificuldades estão ligadas à complexidade da neurodidática que se fundamenta nas neurociências” e, em terceiro lugar, “a configuração metodológica da própria escola, que segundo especialistas em neurociências têm quase todos os seus métodos contrários ao funcionamento do cérebro” (Cordeiro e Flor, 2007). Apesar das dificuldades encontradas, da complexidade da neurociência, sua contribuição para o crescimento e aplicação prática da neurodidática é importantíssima. Dessa forma, faz-se necessário que os profissionais da educação se tornem estudantes da neurociência, porque só assim será possível a transformação de nosso sistema educacional, só assim a tão discutida inclusão poderá ser feita verdadeiramente.
  4. 4. msrenataguedes@gmail.com www.facebook.com/consultoriodepsicologiarenataguedes 4 BLAKEMORE, Sarah J., BUNGE, Silvia. A. At the nexus of neuroscience and education. Developmental Cognitive Neuroscience. Elsevier, 2012. Disponível em: ˂http:www.elsevier.com/locate/dcn˃ Acesso em 6 set. 2013. BLAKEMORE, Sarah J., FRITH, Uta. The Learning Brain: Lessons for Education. Oxford: Blackwell, 2005. CORDEIRO, Luiz G., FLOR, Damaris. O Pioneirismo do Laboratório de Neurodidática (2007). Disponível em: ˂http:www. http://blogdedamarisflor.blogspot.com.br˃ Acesso em 6 set. 2013. FRIEDRCH, Gehard, PREISS, Gehard. Neurodidáctica. Revista Mente y Cerebro. Espanha: n. 4, p. 39-45, 2003. GRABNER, Roland, SCHUMACHER, Ralph, STERN, Elsbeth. Educational Research and Neurosciences – Expectations, Evidence, Research Prospects. Education Reform. Berlim: v. 13, p. 17-19, 2005. GRUHN, Wilfried. Neurodidatics – A new scientific trend in music education? 2004. Artigo apresentado ao XXVIth ISME International Conference, Espanha, 2004. OECD/CERI INTERNATIONAL CONFERENCE “LEARNING IN THE 21ST CENTURY: RESEARCH, INNOVATION AND POLICY”, 4, 2007, Paris. SCHUMACHER, Ralph. Neurodidáctica. Revista Mente y Cerebro. Espanha: n. 20, p. 89- 91, 2006. Sobre a autora: Mestre em Psicologia (Análise do Comportamento) pela PUC- GO e fez Extensão em Neuropsicologia (UFRJ). Atualmente trabalha como psicóloga clínica e neuropsicóloga em Goiânia. Ministra a disciplina Tópicos Especiais em Neurodidática no curso de Especialização em Neuropedagogia pelo Instituto de Ensino e Pesquisa em Saúde e Educação (IEPSE). Foi professora visitante no Departamento de Psicologia da PUC-GO.

×