Novas atualidades no uso de podas

490 visualizações

Publicada em

Procafé

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
76
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novas atualidades no uso de podas

  1. 1. Novas atualidades no uso de Podas Gabriel Reis Lacerda - Eng Agr. Fundação Procafé André Luíz A. Garcia – Eng Agr. Fundação Procafé
  2. 2. Influência da área vertical das plantas após podas O uso de podas cíclicas deve ser programado com aplicação de técnicas que potencialize a melhor combinação técnico/ econômica para cada situação 1º ponto: A época da poda é determinante na bienalidade de produção pós poda; Poda julho: Poda dezembro:
  3. 3. Influência da área vertical das plantas após podas O uso de podas cíclicas deve ser programado com aplicação de técnicas que potencialize a melhor combinação técnico/ econômica para cada situação 2º ponto: A altura do decote é determinante nas primeiras safras após a poda; Decote alto: Decote baixo: Obs. Com poda julho / ag
  4. 4. DECOTE a 1,4 m Julho 2009 DECOTE a 2,0 m Julho 2009 -28% em três safras
  5. 5. Influência da área vertical das plantas após podas O uso de podas cíclicas deve ser programado com aplicação de técnicas que potencialize a melhor combinação técnico/ econômica para cada situação 3º ponto: Quando interagimos altura de decote x época da poda outros cenários e respostas começam a surgir; X • espaçamento entre linhas • espaçamento entre plantas • arquitetura da plantas • vigor (responsividade a poda) •Clima • Manejo Fitossanitário As tendências de cenários variam e ficam confusas podendo frustrar um planejamento
  6. 6. Influência da área vertical das plantas após podas O uso de podas cíclicas deve ser programado com aplicação de técnicas que potencialize a melhor combinação técnico/ econômica para cada situação 3º ponto: Quando interagimos altura de decote x época da poda outros cenários e respostas começam a surgir; X • espaçamento entre linhas • espaçamento entre plantas • arquitetura da plantas • vigor (responsividade a poda) • Clima • Manejo Fitossanitário Porém, a oportunidade de conhecermos estes fatores reduz a chance de erro em um planejamento
  7. 7. Desbrota após o esqueletamento Os resultados aplicados nos experimentos que dão base para os manuais de recomendações técnicas indicam melhores respostas produtivas mantendo-se de 7 a 10 mil hastes por hectare Ex: 4 m x 1 m = 2500 plantas 3 brotos = 7500 hastes / ha 4 brotos = 10000 hastes/ ha 3,5 m x 0,6 m = 4760 plantas 2 brotos = 9500 hastes / ha Resultados de pesquisas e práticos com variações e contradições de casos
  8. 8. Desbrota após o esqueletamento Maior dificuldade encontrada na operação da poda é o custo e a disponibilidade de mão de obra Em torno de 20 centados por planta por operação (300 plantas homem / dia em lavoura 3x1) Em torno de dez serviços/ dia / ha Rendimento operacional é muito variável em função da arquitetura da planta e da quantidade de brotos a ser eliminada Ex: Lavoura antiga em espaçamento 3 x 1 m
  9. 9. Experimento colhido em 2014  Mundo Novo IAC 379/19Mundo Novo IAC 379/19  Espaçamento 4,0 x 1,0mEspaçamento 4,0 x 1,0m  2.500 plantas por hectare2.500 plantas por hectare  Delineamento experimental DICDelineamento experimental DIC  6 Tratamentos6 Tratamentos  4 Repetições4 Repetições  Lavoura podada em setembro 2012Lavoura podada em setembro 2012  Decotada a 1,7m de alturaDecotada a 1,7m de altura  Manejo nutricional e fitossanitário semelhante paraManejo nutricional e fitossanitário semelhante para todos os tratamentostodos os tratamentos
  10. 10. Experimento colhido em 2014 TRATAMENTOS hastes / ha sacas / ha Desbrota total 0 66 Condução c/ 2 hastes 5.000 65 Condução com 4 hastes 10.000 69 Condução com 8 hastes 20.000 50 Sem desbrota - 44 C/ desbrota química - 47
  11. 11. Experimento colhido em 2014 DESBOTA TOTAL • Ramos mais grossos; • Rosetas mais cheias; • Saia mais bem vegetada;
  12. 12. Experimento colhido em 2014 Tratamentos com desbrota 5.000 a 10.000 hastes por hectare • Produção significativa na brotação • Rosetas cheias, incidência de insolação • Saia bem desenvolvida
  13. 13. Experimento colhido em 2014 Tratamentos com desbrota 5.000 a 10.000 hastes por hectare
  14. 14. Experimento colhido em 2014 Tratamentos com 20.000 hastes e sem desbrota • Excesso de brotos na parte superior ao corte •Perda de produção nas brotações superiores • Rosetas ralas • Saia com pouca vegetação
  15. 15. Como estão as plantas para 2015? Tratamento conduzido com desbrota total Área vertical das próximas safras limitada Decote mais alto possível Safra zero a cada dois anos
  16. 16. Como estão as plantas para 2015? Tratamentos conduzidos com 5.000 a 10.000 hastes por hectare
  17. 17. Como estão as plantas para 2015? Tratamentos conduzidos com 20.000 hastes por hectare e sem desbrota
  18. 18. E se não fizer o decote? TRATAMENTOS Produção sacas / ha 2012 2013 2014 MÉDIA Esqueletamento com decote 55,9 17,4 28,0 33,8 Esqueletamento sem decote 80,6 4,3 52,6 45,8 Somente decote 62,5 25,3 36,2 41,3 Tetemunha 87,2 10,5 64,1 53,9 Condição da planta: • Plantas saindo de carga alta • Baixa estatura das plantas (em torno 2,2 m) • tronco ortotrópico fino na região do decote = brotações mais sensíveis e fracas
  19. 19. CONTATO gabriel@fundacaoprocafe.com.br andre@fundacaoprocafe.com.br (35)3214 1411 Agradecimentos Pesquisadores, Produtores, Técnicos e Auxiliares de campo envolvidos nas atividades Quando achamos que já chegamos paramos de avançar. (Mark W. Baker)

×