As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design.

741 visualizações

Publicada em

O presente trabalho apresenta uma avaliação sobre a relação entre design e inovação a partir de modelos de trabalho em rede focados na mediação do designer. Esses modelos foram estudados analisando-se a forma das geometrias de trabalho em rede, o papel do designer, a sua posição nestas geometrias e o grau de permeabilidade requerido às empresas para o alcance da inovação. Com isso, o objetivo deste artigo é descrever as geometrias das redes de inovação que o designer articula durante a sua mediação com os diversos atores envolvidos diretamente ou indiretamente nos processos projetuais.

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
741
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
170
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design.

  1. 1. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. Patricia Hartmann; Mestranda; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. patricia@design4sense.com Gustavo Severo De Borba; PhD; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. gborba@unisinos.br Carlo Franzato; PhD; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. cfranzato@unisinos.br1
  2. 2. O presente trabalho apresenta uma avaliação sobre a relação entre design e inovação a partir de geometrias de trabalho em rede focados na mediação do designer. Com isso, o objetivo deste artigo é descrever as geometrias das redes de inovação que o designer articula durante a sua mediação com os diversos atores envolvidos diretamente ou indiretamente nos processos projetuais.As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 2
  3. 3. IntroduçãoNos anos 90, uma permeabilidade inédita das fronteiras e as novaspossibilidades oferecidas pelo desenvolvimento das tecnologias dainformação e da comunicação, geraram um aumento na trocatransnacional de mercadorias e na circulação dos homens e dassuas ideias (FARRELL et al., 1999).FARRELL, G. et al. A competitividade territorial. Conceber uma estratégia de desenvolvimento territorial àluz da experiência LEADER. Inovação em meio rural, v. 6, n. 1. 1999. Disponível em: http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leader2/rural-pt/biblio/compet/contents.htm, acessado em: 01/02/2012. 3
  4. 4. 2. Design e interdisciplinaridadeO designer é tradicionalmente considerado como um mediador dasempresas. Maldonado (1976), por exemplo, evidencia que o designpode ser entendido como um sistema de mediação entre os sistemasde produção e de consumo.MALDONADO, T. Disegno Industriale: um riesame. Milano: Feltrinelli, 1976. 4
  5. 5. 2. Modelos de projeto em rede focadosna mediação do designerA partir de uma revisão da literatura foram selecionados três modelos detrabalho em rede focados na mediação do designer e voltados para a inovação(BERTOLA, TEIXEIRA, 2003; VERGANTI, 2009; BROWN e KATZ, 2010).Estes modelos foram analisados buscando avaliar a forma das geometrias detrabalho em rede, o papel do designer, a sua posição nestas geometrias e ograu de permeabilidade requerido às empresas para o alcance da inovação.As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 5
  6. 6. 2.1. Rede de mediação aos limites daempresa (Bertola, Teixeira, 2003)No contexto das empresas multinacionais, o design atua como umintegrador de conhecimentos (knowledge integrator), promovendo anegociação de critérios e conceitos através da codificação doconhecimento interno às organizações.Nas empresas com operações locais, o design atua como intermediador(knowledge broker) sendo responsável pela captura e representação deum conhecimento informal e descentralizado fora da organização.BERTOLA, Paola; TEIXEIRA, Carlos. Design as a knowledge agent. How design as a knowledge processesembedded into organizations to foster innovation. Design Studies, v. 24, n. 2, 2002, p. 181-194. 6
  7. 7. 2.2. Rede de mediação no sistema dodesign (Verganti, 2009)A inovação resulta de um processo de pesquisa em rede, onde asempresas e os intérpretes externos compartilham e desenvolvemcoletivamente o conhecimento sobre a linguagem e o significado denovos produtos e serviços.O processo de inovação dirigido pelo design caracteriza-se pordiálogos entre a empresa e a sua rede de intérpretes.VERGANTI, R. Design Driven Innovation: Changing the Rules of Competition by Radically Innovating WhatThings Mean. Boston: Harvard Business Press.2009 7
  8. 8. 2.3. Rede de mediação entre equipescolaborativas (Brown, Katz, 2010)As pessoas com a capacidade de trabalhar em ambientesinterdisciplinares precisam apresentar pontos fortes em duas dimensões,cruzando a especialização de sua área de atuação com ageneralização de outras disciplinas de interesse (design thinkers).A transversalidade presente nesse modelo subtrai a figura do facilitadorou do mediador, pois é na horizontalidade que a rede está contida.BROWN, T.; KATZ, B. Design Thinking: uma Metodologia Poderosa para decretar o fim das velhas ideias.Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. 8
  9. 9. 3. DiscussãoAs características apontadas pelos autores (BERTOLA, TEIXEIRA, 2003;VERGANTI, 2009; BROWN, KATZ, 2010;) foram analisadas e sintetizadasem quatro possíveis geometrias, evidenciando os domínios doconhecimento descritos por Bertola e Teixeira (2003):• o conhecimento organizacional (interno),• o conhecimento da comunidade de usuários e o conhecimento darede (externo).As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 9
  10. 10. Rede de mediação aos limites da empresa (Bertola, Teixeira, 2003) O conhecimento construído internamente flui para o exterior da organização ao apresentar novas propostas de significados para a sociedade (inovação radical).Knowledge Integrator (elaboração nossa)As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 10
  11. 11. Rede de mediação aos limites da empresa (Bertola, Teixeira, 2003) Essa rede também se estrutura através de um movimento centralizador (captação de sinais) e em seguida um movimento vertical (internalização do conhecimento), mas a ocorrência se dá no sentido inverso.Knowledge Broker (elaboração nossa)As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 11
  12. 12. Rede de mediação no sistema do design (Verganti, 2009) Trata-se de um movimento que busca a centralização do conhecimento na rede, para posterior interpretação e difusão, configurando um formato radial de captação dos fluxos de conhecimento.Rede de Intérpretes (elaboração nossa)As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 12
  13. 13. Rede de mediação entre equipes colaborativas (Brown, Katz, 2010) A transversalidade é a característica principal da rede que atua a partir das relações horizontais entre os atores. Com relação à sua forma, esta rede considera sistemas de sistemas através de uma geometria expressa em múltiplas células de trabalho.Equipes de Equipes (elaboração nossa)As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 13
  14. 14. Este artigo buscou indicar possíveis caminhos para a atuação dos designers contemporâneos nas redes. Rede de Rede de mediação aos Rede de mediação entre mediação no sistema limites da empresa equipes colaborativas do designPapel do Integrador Intermediador Centralizador DifusoDesignerForma da Árvore Radial CélulasGeometriaPosição do Na interface entre a organização Central TransversalDesigner e o ambiente externoGrau de Baixo Médio Médio AltoPermeabilidadeAs geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 14
  15. 15. Considerações FinaisFinalmente, cabe salientar que nessas descrições de inovação atravésdo design a existência de uma força motriz para o deslocamentoda rede é uma característica recorrente nos quatro modelos. Deacordo com a dimensão e a complexidade dos processos, essa tarefapode ser executada por um ou vários agentes na posiçãopredominante, ou talvez até mesmo organizações inteiras.As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 15
  16. 16. www.redesdeprojeto.comAs geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. HARTMANN; BORBA; FRANZATO 16
  17. 17. As geometrias das redes de inovação dirigidas pelo design. Patricia Hartmann; Mestranda; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. patricia@design4sense.com Gustavo Severo De Borba; PhD; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. gborba@unisinos.br Carlo Franzato; PhD; Universidade do Vale do Rio dos Sinos. cfranzato@unisinos.br17

×