Financiamento Audiovisual - AULA 4 (Parte I)| Capital de Risco | Ricardo Rozzino

488 visualizações

Publicada em

AULA 4 | Capital de Risco | Ricardo Rozzino | BNDES / Procult, Recebíveis e Capital de Giro de Operação

Nos últimos anos, temos acompanhado o crescimento acelerado do mercado audiovisual, em resposta principalmente às mudanças trazidas pela Lei 12.485/2011, e ao volume de recursos disponíveis para o desenvolvimento do setor.

Diante deste cenário otimista de grandes oportunidades, torna-se indispensável uma atenção e preparação cada vez maiores por parte daqueles que trabalham com projetos nesta área. Os mecanismos de financiamento disponíveis mudaram, assim como a própria dinâmica de produção e distribuição audiovisual.

Para oferecer suporte aos produtores, distribuidores, agentes e players do mercado, o curso Financiamento Audiovisual funcionará como um espaço de reflexão e conhecimento, reunindo o olhar de especialistas do mercado audiovisual sobre as ferramentas de negócio, os instrumentos de financiamento público e privado, e as oportunidades de circulação comercial dos filmes e séries.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A BNDESPAR é uma importante fonte de apoio financeiro às empresas através de valores mobiliários e mantém seus investimentos por um prazo médio de cinco anos, raramente detendo mais do que 33% do capital total de uma empresa. Apesar de serem transitórios por natureza, alguns dos investimentos da BNDESPAR são feitos por períodos mais longos, dependendo essencialmente do tempo de maturação dos investimentos realizados.
    O principal ativo da BNDESPAR está representado pela carteira de ações que, em 31/12/10, totalizou R$ 102.890 milhões. Esta carteira encontra-se dividida de dois grupos: (i) investimentos em coligadas, avaliados pelo método de equivalência patrimonial, no total de R$ 13.641 milhões em 31/12/10; e (ii) investimentos em não-coligadas, classificados como “TVM disponível para venda” e avaliados pelo valor justo, no total R$ 89.249 milhões na mesma data. O segundo maior ativo da BNDESPAR está representado pela carteira de debêntures no total de R$ 13.102 milhões em 31/12/10.
  • 1995 – Início da atuação do BNDES
    Instrumentos: Lei Rouanet e Lei do Audiovisual
    Visão: PATROCÍNIO E RETORNO DE IMAGEM
    Apoio específico para:
    Restauro de patrimônio histórico
    Produção audiovisual (Edital de Cinema)
    2006 - Criação do Departamento de Cultura
    Instrumentos:
    Lei Rouanet
    Lei do Audiovisual
    PROCULT (Programa de financiamento ao setor audiovisual)
    Custo mais baixo
    Garantias alternativas
    Não sujeito às regras de risco do BNDES
    FUNCINEs
    Visão: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (não mais patrocínio!)
    2006 - Criação do Departamento de Cultura
    Apoio a:
    Restauro de patrimônio histórico e preservação de acervos
    Audiovisual (Cinema e TV)
    Edital de Cinema, sob novos critérios
    Implantação de Salas de exibição
    Séries de animação para TV
    Livrarias e editoras
    2009 O Novo Programa BNDES de Economia da Cultura(BNDES PROCULT)
    Instrumentos:
    Não reembolsável:
    Lei Rouanet,
    Lei do Audiovisual
    FUNDO CULTURAL DO BNDES
    Financiamento
    Custos ainda mais baixos
    Participação acionária
    Participação em fundos específicos (FUNCINEs, FICARTs).
    2009 O Novo Programa BNDES de Economia da Cultura(BNDES PROCULT)
    Visão : utilizar ARTICULADAMENTE os instrumentos de apoio financeiro para o fortalecimento dos DIVERSOS SEGMENTOS da economia da cultura e de suas CADEIAS PRODUTIVAS
    Objetivo: ampliar a utilização do crédito de longo prazo no financiamento ao setor cultural
    2009- O Programa BNDES de Economia da Cultura (BNDES PROCULT)
    Inclusão de outros segmentos, além do audiovisual:
    Apoio ao restauro de patrimônio histórico vinculado à revitalização do espaço urbano e ao turismo
    Editorial
    Jogos eletrônicos
    Fonográfico
    Espetáculos ao vivo
  • BNDES atuou em todos os elos da cadeia
    Produção (baixo market share da produção nacional – 12%): Séries de TV (animação e ficção, combinando recuros reeembolsáveis e não-reeembolsáveis); filmes (desconto de contrato); edital de cinema (antes era lógica de patrocinio e passou a ser de fortalecimento da cadeia, mas o instrumento é indadequado à lógica de fortalecimento da cadeia produtiva); FUNCINES (gap financing, adequado por correr risco)
    Distribuição (alto risco nos investimentos, e baixo share 27%): só foi possível estruturar um FUNCINE para corrigir assimetria em relação às majors (Art. 3º). Downtown hoje é a principal distribuidora de filmes nacionais
    BNDES criou mecanismo de cessão e vinculação de recebíveis de bilheteria (auditado pelo FilmeB), e se tornou o grande financiador da expansão do parque. Atualmente opera a linha PCPV com recursos do FSA e PROCULT
    . Baixo índice de inadimplência do Procult.
  • Financiamento Audiovisual - AULA 4 (Parte I)| Capital de Risco | Ricardo Rozzino

    1. 1. Fontes de Financiamento • Leis de Incentivo Federais, Estaduais e Municipais • Políticas Públicas como Riofilme e SPFilme • Fundo Setorial do Audiovisual • BNDES - Procult
    2. 2. BNDES – O que é • Banco de Desenvolvimento, controlado pela União • Fundado em 1952 • Principal Instrumento de Financiamento de Longo Prazo no Brasil • Recursos do FAT e outras fontes • Foco no Financiamento do Investimento
    3. 3. 2013 • Ativo Total em 2013 – R$ 780 bilhões • 1.144.262 operações de financiamento • 97% Micro, Pequenas e Médias Empresas • R$ 190,4 bilhões • 33% para MPMs Empresas
    4. 4. Condições Básicas • Capacidade de pagamento • Cadastro comercial satisfatório • Em dia com as obrigações fiscais e previdenciárias • Não estar inadimplente com o BNDES nem em regime de recuperação de crédito • Dispor de garantias para cobrir o risco da operação • Cumprir a legislação ambiental
    5. 5. BNDESPar  Fortalecimento do Mercado de Capitais  Apoio ao desenvolvimento da indústria de Fundos de Investimento  Estímulo à adesão a níveis crescentes de Governança Corporativa Distribuição Setorial (Ativos) Agronegócio 13,1% Inovação BNDESPAR´s Equity Portfolio on Dec. 31st, 2013: US$ 20 billion (US$ 4 billion through Investment Funds Nº COMPANIES ON BNDESPAR´S PORTFOLIO 175 Nº COMPANIES ON EQUITY INTEREST 142 Nº INVESTMENT FUNDS 40 Educação 4,1% Regional 1,7% Alimentos 1,1% Meio ambiente 16,5% Audiovisual 0,5% Governança 4,5% 10,6% Infraestrutura 47,9%
    6. 6. O Apoio ddoo BBNNDDEESS aaoo SSeettoorr AAuuddiioovviissuuaall Agosto de 2009
    7. 7. Evolução do BNDES na Economia da Cultura 1995/97 2006 2009 2013  Foco na cadeia produtiva  Introduzir lógica de mercado no setor (ao invés de patrocínio)  Estimular busca por rentabilidade  Induzir maior profissionalização, governança
    8. 8. BNDES no Setor Audiovisual Patrocínios • Eventos (festivais, mercados) • Produção cinematográfica (Edital de Cinema) Crédito • Linhas de Crédito de Longo Prazo (PROCULT) Grants (Lei do Audiovisual, art.1ºA) • Associado a linhas de crédito de longo prazo (séries, docs etc) Investimentos • Capitalização de empresas via Private Equity & Venture Capital • Fundos de Investimento => Foco na empresa (business plan) mais do que no projeto
    9. 9. BNDES no Setor Audiovisual 1995–2013 = R$ 491 milhões (US$ 197 MM) US$ 8 MM US$ 94 MM US$ 9 MM US$ 86 MM
    10. 10. Séries de TV e Filmes: R$ 186 milhões Via FUNCINES: R$ 29 milhões FUNCINE para Distribuição cinematográfica: apoio a 16 filmes R$ 15 MM PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO EXIBIÇÃO 259 novas salas de cinema: R$ 235 MM BNDES no Setor Audiovisual

    ×