Reunião com equipe gestora primeira

2.415 visualizações

Publicada em

Secretaria Municipal da Educação de Marília - SP

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.277
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reunião com equipe gestora primeira

  1. 1. F E V E R E I R O 2 0 1 5 REUNIÃO COM EQUIPE GESTORA
  2. 2. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR COORDENADOR DECRETO 7887 DE 29/11/99
  3. 3. CALENDÁRIO ESCOLAR 2015 Conselho de série será realizado no HEC
  4. 4. DATAS PARA ENTREGA DOS DOCUMENTOS A SME: • 1º bimestre: • Conselho de classe – 30/04/15 • Entrega dos documentos – 13/05/15 • 2º bimestre: • Conselho de classe – 02/07/15 • Entrega dos documentos – 08/07/15 (malote) ou 10/07/15 (em mãos)
  5. 5. DATAS PARA ENTREGA DOS DOCUMENTOS A SME: • 3º bimestre: • Conselho de classe – 24/09/15 • Entrega dos documentos – 07/10/15 • 4º bimestre: • Conselho de classe – 26/11/15 • Entrega dos documentos – 09/12/15 (malote)
  6. 6. PLANILHAS 2015 1. Necessidade de padronização, visando facilitar a consolidação dos dados; 2. Importância das escolas respeitarem os prazos para envio dos documentos a Secretaria para que a devolutiva possa ser dada dentro de um prazo que possibilite a escola refletir, rever práticas, tomar decisões, etc.
  7. 7. ORIENTAÇÕES IMPORTANTES: • Não alterar a formatação, orientação de página, tamanho de fonte; • Zelar pela veracidade e igualdade dos dados constantes nas planilhas; • Todos os alunos com adequação curricular devem constar no Conselho (mesmo que tenham obtido desempenho adequado dentro do objetivo proposto. O importante é que cada caso seja analisado e acompanhado pelo conselho. Isso é fundamental para a continuidade de estudos dessa criança).
  8. 8. CONSELHO DE CLASSE
  9. 9. CONSELHO DE CLASSE
  10. 10. APROPRIAÇÃO DA ESCRITA
  11. 11. DESCRITORES DE MATEMÁTICA
  12. 12. DESCRITORES DE MATEMÁTICA
  13. 13. RELATÓRIO DE HEC • Deve constar: 1. Tema 2. Objetivos: 3. Desenvolvimento: 4. Avaliação: 5. Anexos – todos os textos, atividades ou outro tipo de material utilizados durante o encontro Prazo para entrega: Impreterivelmente até o dia 10 de cada mês.
  14. 14. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 • Metas: Quantidade de escolas Quantidade de metas Metas não atingidas ou atingidas parcialmente 02 04 0 a 3 02 05 3 01 06 3 03 07 3 a 4 02 08 5 a 6 05 09 3 a 6 04 11 2 a 10
  15. 15. METAS: • Metas e objetivos são a mesma coisa? • Objetivo e meta são diferentes entre si. Objetivo é a descrição daquilo que se pretende alcançar. Meta é a definição em termos quantitativos, e com um prazo determinado. A meta responde a duas perguntas: quanto? e até quando?. • Como as metas estão sendo estabelecidas dentro da Unidade Escolar? Quem participa? • Essas metas são revistas no decorrer do ano? Com que periodicidade?
  16. 16. ORIENTAÇÕES PARA DEFINIÇÃO DE METAS: • Estado atual: é onde e como você se encontra hoje com relação à meta a ser atingida. • Estado desejado: é a meta que você pretende atingir. • Evidência tangível: evidência que pode ser mensurada. Muitas escolas colocaram metas em que as evidências não podem ser mensuradas e ainda assim quantificaram. Como se chegou ao percentual colocado? • Evidência não-tangível: evidência que não pode ser mensurada. Ocorreu também que muitas escolas mesmo tendo colocado metas tangíveis, não apresentou o índice atingido em 2014. Por que? • Contexto: Onde, quando e com quem participará da meta?
  17. 17. ORIENTAÇÕES PARA DEFINIÇÃO DE METAS: • Limitações: O que me impede de já ter atingido minha meta? • Alternativas: De que modo vou atingir minha meta? Quais alternativas tenho? • Lembre-se de que se a meta é muito grande, vale a pena segmentá-la em metas menores. • Recursos: Quais eu possuo? Quais eu necessito? • Critérios: O que é essencial para a escola? • Acompanhamento constante: Um dos fatores pelos quais é importante escrever metas é para termos controle delas e podermos reavaliá-las de tempos em tempos. A cada intervalo de tempo, reveja suas metas e as atualize, de acordo com o desempenho da escola.
  18. 18. ALGUNS PARADIGMAS • Todas as metas da escola devem atingir 100% • É preciso ter muitas metas • Metas são pensadas só para constar no Projeto Político Pedagógico da escola
  19. 19. PRINCIPAIS PROBLEMAS: • Equivoco na definição de metas. Exemplo: “Manter o percentual de alunos com Progressão Interrompida de 1,6%” metas pressupõe superação – só são mantidas quando já se atingiu o índice esperado. • Algumas escolas colocam as metas sem explicitar o percentual de onde estão partindo ou o percentual que pretendem atingir. Exemplo: “Elevar o índice de alunos alfabetizados ao final do segundo e terceiro ano”. Ou “Diminuir o índice de progressão interrompida ao final do 3º ano”.
  20. 20. PRINCIPAIS PROBLEMAS: • Colocar metas inatingíveis. Exemplo: “Garantir a frequência de 100% dos pais em reuniões bimestrais” • Incoerência dos dados. Exemplo: “A escola não consegue atingir 100% de alunos alfabetizados nos 3º, 4º e 5º anos, mas atinge a meta de 100% dos alunos promovidos (os alunos estão sendo promovidos sem estarem alfabetizados?). • A maioria das escolas não atingiram ou atingiram parcialmente mais de 50% das metas. Isso passa a impressão de que a escola não retoma as metas no decorrer do ano.
  21. 21. PRINCIPAIS PROBLEMAS: • Os HECs da escola não tem nenhuma relação com as metas colocadas no PPP da escola. • Atividades importantes da escola, como por exemplo o reforço escolar, não constam como meta em vários PPP das várias escolas. • A escola piora em algumas metas em relação ao ano anterior. • Metas que não ficam claras ou são muito amplas. EX: “Melhorar o nível de leitura e produção de textos”. • Há a necessidade de separar metas da equipe gestora (administrativas) e pedagógicas (relacionadas a aprendizagem dos alunos).
  22. 22. ORGANIZAÇÃO DO FAZER PEDAGÓGICO
  23. 23. ORGANIZAÇÃO DO FAZER PEDAGÓGICO
  24. 24. REFLEXÕES: • Por qual motivo os dados consolidados não condizem com o discurso cotidiano dos professores? • Os professores conhecem de fato as propostas curriculares? • As propostas curriculares são consultadas cotidianamente? • Há clareza de qual aspecto precisa melhorar, por que e como? • Tabulação dos dados aponta para muitos professores que deixaram de responder a essa questão. Por que? • Então, no que precisa melhorar? • Muitas escolas pediram: “adequar as propostas de LP e MAT com as avaliações externas”. Seria a solução?
  25. 25. LÍNGUA PORTUGUESA • “Especificar conteúdos de ortografia e gramática”. • “Apresenta aspectos generalistas (não informa quais), há a necessidade de se especificar as competências de cada ano, bem como a descrição dos princípios metodológicos a serem adotados (não deixa claro se em todas as áreas)”. • “Atualizar proposta de 1º ano” (Em que?). • “Muito ampla – especificar por ano os conteúdos e suas dimensões”. • “Especificar quais gêneros devem ser trabalhados em cada ano para que haja uniformidade na rede”.
  26. 26. LÍNGUA PORTUGUESA: • “Nem todos os gêneros se prestam bem a produção escrita. Dessa forma, especificar quais gêneros pressupõe a produção escrita”. • “Reelaborar a redação da parte do documento que tem o termo minimamente silábico”. • “Incorporar análise e reflexão sobre a escrita a proposta do 2º ano”. • “Reorganização dos conteúdos do 2º e 3º anos”. • “Dividir os conteúdos por bimestres e separá-los”.
  27. 27. MATEMÁTICA • “Adequar as Atividades Matemáticas (AM) as expectativas da Proposta Curricular”. • “Atualizar proposta de 1º ano”. • “Reestruturação da proposta das séries iniciais conforme orientações do PNAIC”. • “No bloco números e operações: ausência do conteúdo composição / decomposição / ordens e classes no 1º e 2º ano”; • “No bloco espaço / forma: os conteúdos do 3º ano não tem relação com os conteúdos dos demais anos”.
  28. 28. MATEMÁTICA: • “No bloco grandezas e medidas: 1º, 2º e 3º não aparecem os conteúdos de trocas entre cédulas e moedas do SMB”. • “No bloco tratamento da informação: no 1º ano não aparece o trabalho com gráficos”. • “Há vários descritores que se repetem em anos diferentes” (pressupõe aprofundamento não mera repetição). • “Esclarecer no documento o que esperamos dos alunos quanto ao uso do algoritmo (lembrando que quando o documento foi elaborado algoritmo se referia apenas a contas)”.
  29. 29. MATEMÁTICA: • “No 5º ano há 14 itens, que por sua vez, impossibilita a sistematização e aprofundamento de todo o conteúdo”. • “Especificar melhor os conteúdos. EX: frações – o que abordar em cada ano? • “Inserir conteúdos mais amplos na proposta”. • “Ampliar o conteúdo fração na proposta do 4º ano incluindo a fração de quantidade e a simplificação.” • “A proposta não contempla os pré requisitos necessários para a construção de determinado conceito”.
  30. 30. HISTÓRIA / GEOGRAFIA • “Geografia: detalhar melhor os conteúdos de cada ano”. • “São muito extensas e conteudistas”. • “Melhor especificação dos conteúdos evitando repetições”. • “Ênfase conteudista infelizmente encontramos poucos conceitos”. • “Adotar livro Brasil em mapas”. • “Atualizar proposta de 1º ano”. • “Escolha de livros didáticos que não abordam os conteúdos contidos na proposta”. • “Falta de embasamento teórico”.
  31. 31. HISTÓRIA / GEOGRAFIA • “Dividir os conteúdos por bimestres”. • “Especificar melhor ou ampliar o trabalho sobre a sua própria história”. • “Diminuir a quantidade de conteúdos” (não especifica porque e nem quais). • “História / geografia e ciências não estão interligadas”. • “Precisa haver mais interdisciplinaridade entre as áreas do conhecimento”.
  32. 32. CIÊNCIAS: • “Melhor especificação dos conteúdos evitando repetições”. • “Atualizar proposta de 1º ano”. • “Escolha de livros didáticos que não abordam os conteúdos contidos na proposta”. • “Falta de embasamento teórico”. • “Diminuir a quantidade de conteúdos” (não especifica porque e nem quais). • “Estar ligada as reais dúvidas surgidas, ser mais flexível, pois é muito pautada. Prestigiar experimentos”. • “Os temas são amplos e não tem direcionamento.
  33. 33. CIÊNCIAS: • “Especificar melhor e definir os conteúdos da série, pois os temas são muito gerais”. • “Os temas são amplos e não tem direcionamento”. • Apresentar os conteúdos de história / geografia e ciências de maneira contextualizada”.
  34. 34. ARTE: • “Deveria ser mais articulada com as demais áreas do conhecimento”. • “Precisa de um professor específico da área”. • “Precisamos de sugestões de atividades”. • “Melhorar as orientações didáticas”.
  35. 35. ENCONTROS / HEC
  36. 36. CAPACITAÇÃO - SME
  37. 37. PRINCIPAIS APONTAMENTOS: • “Oferecer mais reuniões com temas diferenciados para a EJA”. • “Ampliar capacitações visando o aperfeiçoamento do trabalho com alunos NEES”. • “Cursos com encontros mais condensados (dois por semana)”. • “Condensar o maior número de cursos no 1º semestre”. • “Oficinas de ortografia para todos os anos”. • “Cursos com novas dinâmicas para a sala de aula”. • “Como trabalhar com alunos não alfabetizados”. • “Cursos nas áreas de HIST / GEO / CIE / ARTE”.
  38. 38. PROJETOS: Quantidade de escolas Quantidade de projetos 01 29 01 26 01 25 01 24 02 23 01 21 01 20 02 18 01 16 05 15 01 14 01 12 01 10
  39. 39. PROJETOS: • O trabalho com todos esses projetos contribuiu de fato para o avanço na aprendizagem das crianças? Justifique. Contribuiu Contribuiu parcialmente 09 09 Projetos mais citados como dificuldades: Inglês Saúde bucal Educando para a Vida financeira – 1º ano PROERD Disciplina AEE Reforço
  40. 40. PRINCIPAIS PROBLEMAS: • Projetos específicos de determinados anos foram avaliados por todo o corpo docente. • Análise contraditória (quando a escola comenta se o trabalho com todos esses projetos contribuiu de fato para o avanço da aprendizagem das crianças). A escola responde que sim, depois elenca uma série de problemas em vários projetos desenvolvidos. • Número excessivo de projetos em algumas escolas. • Exposições e culminância dos projetos, está sendo realizada de forma positiva e harmônica?
  41. 41. PARA REFLETIR: • “Se fizermos do projeto uma camisa de força para todas as atividades escolares, estaremos engessando a prática pedagógica” (Almeida, 2001). • Na pedagogia de projetos, o aluno aprende no processo de produzir, de levantar dúvidas, de pesquisar e de criar relações, que incentivam novas buscas, descobertas, compreensões e reconstruções de conhecimento. Isso de fato tem acontecido em nossas salas de aula?
  42. 42. PARA REFLETIR: • O trabalho por projetos requer MUDANÇAS NA CONCEPÇÃO de ensino e aprendizagem e, consequentemente, na postura do professor. Hernández (1988) enfatiza que o trabalho por projeto “não deve ser visto como uma opção puramente metodológica, mas como uma maneira de repensar a função da escola” (p. 49). • Trabalhar com projetos é realmente uma escolha do professor ou faz parte da cultura da escola e mesmo sem gostar ou se sentir preparado para isso ele aceita?
  43. 43. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
  44. 44. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
  45. 45. GESTÃO DEMOCRÁTICA
  46. 46. GESTÃO DEMOCRÁTICA
  47. 47. GRÊMIO ESTUDANTIL
  48. 48. GRÊMIO ESTUDANTIL
  49. 49. CONSELHO DE CLASSE
  50. 50. CONSELHO DE CLASSE
  51. 51. CONSELHO DE CLASSE
  52. 52. CURSOS
  53. 53. CURSOS
  54. 54. REFORÇO ESCOLAR • Precisamos melhorar o reforço ou diminuir o fracasso escolar? • A trabalho dos gestores (equipe pedagógica e administrativa) deve ser no sentido de que a aprendizagem ocorra dentro da sala de aula e não o aumento de grupos de reforço escolar. • Só poderão participar do reforço os alunos que não serão atendidos pelo AEE e que constam na relação da ultima visita da equipe de EMEF (especialmente os alunos não alfabetizados). • Início a partir do mês de março, após análise e homologação dos grupos pela supervisão.
  55. 55. PLANEJAMENTO 2015 • Quarta-feira – todos juntos: • Priorizar análise de dados, metas, devolutiva das avaliações institucionais e decisões coletivas. • Se a escola iniciar uma discussão que não consiga ser finalizada neste dia, retomar o assunto com o grupo todo nos próximos HECs. • Quinta-feira – Cada professor no seu horário de trabalho. • Sugestões de atividades: • 1. Apresentação realizada pelo coordenador das propostas de cada ano – pontos principais.
  56. 56. PLANEJAMENTO 2015 • Temos clareza de quais conhecimentos nosso currículo privilegia ou secundariza? Fazemos uma análise e reflexão constante sobre esses aspectos com o coletivo da escola? Reorganizamos nosso currículo? Estudamos sobre o assunto? • Reorientar processos e critérios de avaliação implica em reorientar a organização curricular e vice-versa. Isso está suficientemente claro para todos nós?
  57. 57. PLANEJAMENTO 2015 • Possibilidades: • Apresentar as expectativas de aprendizagem de cada área do conhecimento de cada ano e realizar uma análise comparativa, observar os graus de aprofundamento, o que é específico de cada ano; • O mesmo pode ser feito com os conteúdos e orientações didáticas. • Reunir os professores por ano e solicitar a análise das propostas e o apontamento de dúvidas com justificativas apoiadas na proposta.
  58. 58. PLANEJAMENTO 2015 • Refletir: • 1. A proposta de divisão de conteúdos por bimestre é importante? Poderia ser realizada na escola? Se for realizada na SME daria conta de atender as especificidades de cada escola? Conseguiria consenso? • O que se entende por orientações didáticas? Nas propostas curriculares realmente não consta os princípios metodológicos a serem adotados pelo professor?
  59. 59. HEC • O HEC deverá ser destinado exclusivamente para estudo e reflexão sobre desempenho dos alunos e o fazer pedagógico. Não é permitida a utilização desse horário para: preparação de painel, caderneta, documentação de qualquer tipo, ensaios, reunião de pais, etc. • O professor coordenador precisa manter-se constantemente atualizado, realizando leituras específicas da sua área de atuação, bem como a respeito de assuntos da contemporaneidade social e, sobretudo, saber mediar as discussões evitando que o assunto desvie do tema do encontro.
  60. 60. HEC • Deve buscar modificar a relação ensino / aprendizagem na escola e, por isso, deve emanar das necessidades sentidas pelos próprios professores e focar as situações cotidianas que eles vivem junto aos alunos. • Preocupar-se genuinamente com o bem estar e o desenvolvimento dos alunos. • Hargreaves indica ser central recuperar a alegria de ensinar e aprender, a surpresa diante do novo, a satisfação por conseguir enfrentar novos desafios e por superar conflitos, sentimentos que foram, aparentemente, excluídos da escola, deixando em seu lugar a angústia, a ansiedade e a frustração.
  61. 61. HEC • Precisa ser considerado nesse momento que parte do grupo trabalhou durante o dia por cerca 8 ou 9 horas. As atividades escolhidas precisam ser objetivas, claras, dinâmicas, importantes e formativas. • Os temas dos HECs precisam estar em consonância com as metas que foram elencadas no Projeto Político Pedagógico da escola. • Socialização de práticas docentes nas diversas áreas do conhecimento é uma opção importante, mas deve ser preparada com antecedência pelo professor coordenador e professor apresentador da prática.
  62. 62. HEC • O professor coordenador precisa incumbir-se de garantir, orientar e auxiliar a formação, a fim de que os professores desenvolvam e aperfeiçoem suas habilidades, renovando conhecimentos, repensando a práxis educativa, buscando novas metodologias de trabalho, aliando teoria e prática, uma vez que não existe a possibilidade de dicotomia entre uma e outra. • Fazer uso dos instrumentos diagnósticos de cada classe / ano ou escola como ponto de partida para as reflexões sobre a realidade e planejamento de ações visando a melhoria da aprendizagem.
  63. 63. HEC • Outra possibilidade de trabalho é propor tarefas aos docentes, para que eles desenvolvam em sala de aula e socializem com seus pares. • O “feedback” é fundamental para a melhoria da qualidade do ensino oferecida pela escola. O HEC pode ser um importante espaço para isso. • Evitar reuniões demasiadamente expositivas. Adotar dinâmicas que envolvam os professores nos temas estudados. • Outra opção é trabalhar com grupos menores organizados segundo algum critério.
  64. 64. PPP 2015 Nome da Escola PPP Inteiro Término 2014 Américo Capelozza 2012 2015 Adendos Antonio Egéa 2012 2015 Adendos Antonio Moral 2012 2015 Adendos Antonio Ribeiro 2012 2015 Adendos Cecília Guelpa 2011 2014 Adendos Célio Corradi 2012 2015 Adendos Chico Xavier 2013 2016 Adendos Edméa Sola 2011 2014 Adendos Geralda Vilardi 2012 2015 Adendos Mário Covas 2011 2014 Adendos Isaltino de Campos 2012 2015 Adendos Myrthes Pupo 2012 2015 Adendos Nelson Gabaldi 2012 2015 Adendos Nicácia Gil 2012 2015 Adendos Nivando Mariano 2012 2015 Adendos Olímpio Cruz 2012 2015 Adendos Paulo freire 2012 2015 Adendos Reny Pereira 2012 2015 Adendos Roberto Cimino 2013 2016 Adendos
  65. 65. REFERÊNCIAS UTILIZADAS: • http://www.tracto.com.br/qual-a-diferenca-entre- meta-e-objetivo/ Acesso em 22/01/15 • http://www.etapa.com.br/noticias/pdf/not693pdf0 1.pdf Acesso em 22/01/15 • http://www.eadconsultoria.com.br/matapoio/bibli oteca/textos_pdf/texto18.pdf Acesso em 23/01/15 • http://www.psicopedagogia.com.br/opiniao/opini ao.asp?entrID=265 Acesso em 04/02/15

×