Tatuagem como um Gênero Textual

772 visualizações

Publicada em

Apresentação para elucidar o Plano de Aula sobre "Tatuagem como um Gênero Textual".

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
772
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Tribais, porque vêm das tribos, e.g. Borneo, Maori, Celtas, Hawaii, Haida e Timucua, dentre muitas outras.
  • Tatuagem como um Gênero Textual

    1. 1. TATUAGEM Como um Gênero Textual
    2. 2. HISTÓRIA DA TATUAGEM
    3. 3. Provas apontam que as primeiras tatuagens foram feitas no Egito entre 4000 e 2000 a.C. e também por nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia (maori). O termo tatuagem, pelo francês tatouage e, por sua vez, do inglês tattoo, tem sua origem em línguas polinésias (taitiano) na palavra tatau e supõe-se que todos os povos circunvizinhos ao Oceano Pacífico possuíam a tradição da tatuagem além das dos Mares do Sul.
    4. 4. O pai da palavra "tattoo" que conhecemos atualmente foi o capitão James Cook (também descobridor do surf), que escreveu em seu diário a palavra "tattow", também conhecida como "tatau"(era o som feito durante a execução da tatuagem,em que se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele). Com a circulação dos marinheiros ingleses a tatuagem e a palavra Tattoo entraram em contato com diversas outras civilizações pelo mundo novamente.Porém o Governo da Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos em 1879, a partir daí a tatuagem ganhou uma conotação fora-da-lei no Ocidente.
    5. 5. Em 1891, Samuel O'Reilly desenvolveu um aparelho elétrico para fazer tatuagens, baseado em outro aparelho extremamente parecido que havia sido criado e patenteado pelo próprio Thomas Edison. Durante a Segunda Guerra Mundial, a tatuagem foi muito utilizada por soldados e marinheiros, que gravavam o nome da pessoa amada nos seus corpos.
    6. 6. TATUAGEM E SIMBOLOGIA
    7. 7. Tribais e Maori
    8. 8. Símbolos Tradicionais
    9. 9. TATUAGENS DA MODA Existem ainda tatuagens que podem variar os significados de acordo com o contexto sócio-cultural do indivíduo. Algumas são comuns em determinado grupo, ou ‘tribo’. Ou ainda podem seguir uma espécie de moda, de acordo com o contexto social.
    10. 10. Tatuagens da Moda
    11. 11. MUNDO DO CRIME Existem também as tatuagens que são feitas pelos indivíduos envolvidos no meio do crime, inclusive os presidiários. Esta esfera é muito abrangente e existem diversos significados para variados tipos de desenhos.
    12. 12. Mundo do Crime
    13. 13. ARTE PARA EXPRESSAR A ARTE
    14. 14. Dentre todos os tipos de tatuagem, há aquelas que fazem homenagem as artes em si. Isso pode se dar através de desenhos com alusão à Literatura, ao Cinema, à Música e ao Teatro. Podem ser expressadas por meio de textos, passagens de livros, desenhos retratando personagens ou autores, tanto de livros quando de músicas ou filmes. Símbolos contidos nas obras; um simples desenho que faça qualquer alusão a qualquer elemento contido na obra ou a seu criador.
    15. 15. Tatuagens Literárias I
    16. 16. Tatuagens Literárias II
    17. 17. Tatuagens ‘Cinematográficas’
    18. 18. Tatuagens ‘Musicais’
    19. 19. Conclusão De acordo com Bakhtin, cada signo ideológico não é apenas um reflexo, uma sombra da realidade, mas também um fragmento material dessa realidade. Assim, cada fenômeno que funciona como signo ideológico tem uma encarnação material, seja como som, como massa física, como cor, como movimento do corpo ou como qualquer outra forma de materialidade. Nesse sentido, introduz a tatuagem como um signo de escrita ou de inscrição, cuja materialização está no corpo, constituindo parte intrínseca desse signo. É a junção de traços, tintas e pele que faz com que aquela determinada região corpórea, antes “limpa” ou “vazia”, passe a simbolizar semanticamente outra coisa. Essa outra coisa, seja desenho, grafismo, aforismo, passará a refletir e refratar toda carga ideológica que esse signo agrega. Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S15186322009000100007&script=sci_arttext

    ×