Seminario ecologia

2.438 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.438
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario ecologia

  1. 1. Curso: Bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária Disciplina: Ecologia Professora: Mayahara Martins Decompositores e Detritívoros Decompositores e Detritívoros Quixadá - CE, 06 de Março de 2013
  2. 2. Equipe:Bábara MartinsPaulo SérgioRailson BulcãoRennan LimaWendhel Arnildo
  3. 3. Introdução Introdução Quando as plantas e os animais morrem, seus corpos se tornamrecursos para outros organismos.
  4. 4. Decompositores Saprófagos DetritívorosRelação existente: “Controlada pelo doador”.
  5. 5. Fonte: Google Imagens
  6. 6. Os OrganismosOs Organismos
  7. 7. Decompositores: bactérias e fungosDecompositores: bactérias e fungos• Se os detritívoros não removerem um recurso imediatamente após a sua morte, o processo de decomposição costuma iniciar com a colonização por bactérias e fungos;• As bactérias e os esporos dos fungos são onipresentes no ar e na água e, em geral, presentes sobre a matéria mesmo antes que ela esteja morta;• A medida que os recursos livres disponíveis são consumidos, essas populações entram em colapso, deixando densidades muito altas de estágios residuais.
  8. 8. • Entre os decompositores, tais populações podem ser consideradas ‘‘r-estrategistas’’, oportunistas;• Um forte componente de casualidade determina quais espécies serão as primeiras a colonizar uma matéria recém-morta, mas, em alguns ambientes, existem especialistas com atributos que aumentam suas chances de chegar em primeiro lugar;• A matéria vegetal que cai nos riachos ou açudes com frequência é colonizada por fungos aquáticos.
  9. 9. • Os organismos capazes de utilizar compostos progressivamente mais difíceis de decompor na matéria vegetal representam uma sucessão natural;• As espécies de decompositores microbianos não são bioquimicamente muito versáteis; a maioria delas pode utilizar apenas um numero limitado de substratos;• O principal fator que retarda a decomposição de resíduos orgânicos é a resistência das paredes celulares vegetais – um decompositor encontra bem menos barreiras no corpo de um animal.
  10. 10. Detritívoros e microbívoros Detritívoros e microbívoros especialistas especialistas• Os Microbívoros são animais que operam junto com os detritívoros, podendo ser difícil distinguir os dois grupos;• O nome Microbívoros é reservado para animais diminutos que se especializam em alimentar-se de microflora, sendo capazes de ingerir bactérias e fungos e excluir os detritos sobre os quais estes se desenvolvem;• Alguns especialistas consumidores de fungos possuem estiletes perfurantes, sugadores;• Quanto maior é o animal, menor é a sua capacidade para distinguir entre a microflora e o detrito vegetal ou animal sobre o qual está crescendo.
  11. 11. • Em uma escala mais localizada, a natureza e a atividade da comunidade de decompositores dependem das condições em que os organismos vivem;• A temperatura tem um papel fundamental na determinação da taxa de decomposição;• Em ecologia de água doce, o estudo dos detritívoros tem sido menos concentrado no tamanho dos organismos do que nos modos pelos quais eles obtêm seu alimento.
  12. 12. Detritívoros: Em ecologia de água doce,o estudo dos detritívoros tem sido menosconcentrado no tamanho dos organismos doque nos modos pelos quais eles obtêm seualimento.
  13. 13. Os papéis relativos dos Os papéis relativos dos decompositores e dos detritívoros decompositores e dos detritívoros• Comparação numérica -> Bactérias Fonte: Google Imagens
  14. 14. Os papéis relativos dos Os papéis relativos dos decompositores e dos detritívoros decompositores e dos detritívoros• Comparação biomassa -> Decompositores Fonte: Google Imagens
  15. 15. Os papéis relativos dos Os papéis relativos dos decompositores e dos detritívoros decompositores e dos detritívoros• Maior estabilidade -> Detritívoros Fonte: Google Imagens
  16. 16. • Mineralização -> Bactérias• Aumento de taxa de Mineralização -> Micro e Macrofauna• Interação entre micróbios e detritívoros
  17. 17. • Interação entre micróbios e detritívoros Fonte: Google Imagens
  18. 18. • Fragmentação do alimentos Fonte: Google Imagens
  19. 19. • Comparação aquática e terrestre Fonte: Google Imagens
  20. 20. • Ex.: Madeira morta; Carcaça de mamífero Fonte: Google Imagens Fonte: Google Imagens
  21. 21. Estequiometria ecológica e a Estequiometria ecológica e a composição química de composição química dedecompositores, detritívoros e seusdecompositores, detritívoros e seus recursos recursos• Estequiometria ecológica• Diferença na composição química• Decompositores (C:N) -> 10:1
  22. 22. • Decompositores (C:P) -> 100:1• Plantas terrícolas (C:N) -> 19 a 315:1• Plantas terrícolas (C:P) -> 700 a 7000:1
  23. 23. • Influência de componente inorgânicos• Interação decompositores x plantas• Tempo de decomposição
  24. 24. • Equilíbrio• Consequências da decomposição
  25. 25. Interações detritívoro-recursoInterações detritívoro-recurso
  26. 26. Consumo de detritos vegetaisConsumo de detritos vegetais
  27. 27. FOLHAS E MADEIRAS MORTAS Celulose Lignina Catabolismo Celulase
  28. 28. Ingestão de Celulase pelos DetritívorosCelulases Mutualismo Mutualismo Animais Obrigatório Facultativo Degradação da Celulose
  29. 29. Observações :Dependência de organismos exógenos; Versatilidade do processo evolutivo xExistência de organismos produtores de . celulase
  30. 30. Consumo de frutos caídos Consumo de frutos caídos• Facilmente explorados por consumidoresoportunistas;• Possuem microflora associada (Leveduras).Ex:Drosophila bydei e D. immigrans preferemmelões;D. busckii preferem hortaliças;
  31. 31. Fezes de invertebrados comoFezes de invertebrados como alimento alimento Fezes dos Vertebrados Dieta dos Detritívoros Generalistas Fornecimento de micronutrientes essencial pela reingestão Coprofagia
  32. 32. Fezes de vertebrados como alimentoFezes de vertebrados como alimento Os vertebrados carnívoros, digerem 80% do seu alimento , sendo assim, seus excrementos não são abundantes o suficiente para sustentar uma fauna detritívora.
  33. 33. Os herbívoros possuem em suas fezes umagrande quantidade de matéria orgânica. Algunsmamíferos possuem o habito de autocoprofagia.Obs: quando impedidos de reingestão, muitosanimais exibem sintomas de desnutrição ecrescem mais lentamente.
  34. 34. A remoção de excrementos ocorre comtaxas mais elevadas em solos arenosos doque em solos argilosos. Uma ampla gama de animais participadessa atividade , incluindo minhocas , cupinse em particular besouros. Excrementos de elefantes é um bomexemplo do papel predominante de besouros.
  35. 35. Os besouros utilizam as fezes deanimais para acoplar seus ovos . Nas estações secas os excrementosdemoram mais tempo a serem decompostose pode persistir por mais de dois anos , nasestações de chuva permanecem por 24horas ou menos.
  36. 36. O estrume bovino tem causado umproblema extraordinário na Austrália.Os maiores detritívoros nativos ,não podemdar conta do estrume bovino depositadossobre as pastagens. As moscas nativas e as moscas-do-búfalo.
  37. 37. Consumo de carniça Consumo de carniça• No consumo de carniça os vertebrados são de grande importância.• A atividade de carboidratases é fraca ou nula, porém a de proteases e lipases é intensa.• Muitas espécies de carnívoros de carniça oportunista. ex: raposas árticas .
  38. 38. Durante o verão e outono a taxa deeliminação de carniça é mais rápida. Os cadáveres de grandes animaisgeralmente fornecem a mais ampla variedadede recursos.
  39. 39. Os besouros enterradores e omutualismo com os ácaros.
  40. 40. Consumidores especialistas no fundo domar. São dotados de varias característicasajustadas a um tipo de vida em que osalimentos são bem-distribuidos.
  41. 41. Conclusão Conclusão As comunidades de decompositores, emsua composição e atividade, são tão ou maisdiversas do que qualquer uma dascomunidades mais comumente estudadaspelos ecólogos. Fazer generalizações sobreelas é extremamente difícil, pois a gama decondições experimentadas em suas vidas émuito variada.
  42. 42. Dificuldade estabelecidas em algumasgeneralizações:1.Os níveis de atividade2.A estrutura e a porosidade3.As atividades (Decompositores e Detritívoros)4.Especialidades5.Substâncias orgânicas6.Liberação dos Recursos Minerais7.Distribuição irregular8.Não enfatização do êxito com que ossaprótrofos explora os recursos
  43. 43. Referências ReferênciasBegon, M., C. R. Townsend e J. L. Harper 2007. Ecologia deIndivíduos a Ecossistemas. 4ªed, Artmed, Porto Alegre. (2005, 4ªed. Blackwell, Oxford ou 3aed., 1996).Townsend, C. R., M. Begon e J. L. Harper 2006. Fundamentos emEcologia. 2ªed. Artmed, Porto Alegre.

×