A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO

3.771 visualizações

Publicada em

https://payhip.com/b/CQN9

Publicada em: Esportes
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.771
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
360
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
147
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO

  1. 1. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO BASEADO NAS COLABORAÇÕES DE PROF. JOSÉ GUILHERME OLIVEIRA, PROF. VITOR FRADE, LUIS CASTRO, VITOR MAÇÃS, EDUARDO LUIS, JOÃO EUSÉBIO, ROGÉRIO RODRIGUES, ALBERTO SILVA, JORGE AMARAL, PROF. NECA E DANIEL RAMOS.
  2. 2. RAÚL OLIVEIRA TREINADOR DE FUTEBOL PORTUGUÊS, ACTUALMENTE A TRABALHAR NO AL MESAIMEER SPORTS CLUB DE DOHA -QATAR (2014-15). LICENCIADO EM EDUCAÇÃO FISICA E DESPORTO PELA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. MESTRE EM CIÊNCIAS DO DESPORTO - ESPECIALIZAÇÃO EM JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS PELA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. LIVRO BASEADO NA TESE DE LICENCIATURA: Alterações ao Modelo de Jogo (?): A observação e análise do adversário (scouting) e a sua influência na planificação de um jogo de futebol. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2006.
  3. 3. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO Índice 1 – Introdução .................................................................................................................. 4 2.1 - Planificação conceptual do treino em futebol ......................................................... 8 2.2 - Organização do processo de treino em futebol...................................................... 15 2.2.1 - Programação em Futebol.................................................................................... 15 2.2.2 - Periodização em Futebol .................................................................................... 17 2.3 - Planificação do microciclo em futebol .................................................................. 22 2.4 - Observação em futebol........................................................................................... 36 2.5 – Análise de jogo em futebol .................................................................................... 53 2.5.1 - Objectivos da Análise de Jogo ............................................................................ 54 3 – Material e Métodos................................................................................................... 65 IV – APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS DADOS RECOLHIDOS......................... 66 4.1 – Recolher dados relativos ao adversário: a primeira fase fundamental na planificação táctico-estratégica... .................................................................................. 67 4.1.1 – O(s) observador(es) – o(s) homem(s) condicionado(s) pela realidade em que se insere(m)......................................................................................................................... 67 4.1.2 – As diferentes formas de “olhar” para o jogo e desencaixar as peças do puzzle... ........................................................................................................................................ 71 4.1.3 – Para se observar é fundamental saber o que se quer ver..., então o que procurar? ........................................................................................................................................ 74 4.1.4 – Número e data – dois aspectos relevantes, ou talvez não... (?).......................... 79
  4. 4. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 4.2 – Os dados relativos ao adversário: o tratamento, análise e transmissão de informações... ................................................................................................................. 83 4.2.1 – Passar as informações para o papel, um princípio fundamental....................... 83 4.2.2 – Fazer passar uma mensagem, um problema e uma necessidade de todos... que formas de actuar?........................................................................................................... 85 4.3 – Modelo de jogo: um conceito metodológico fundamental na construção e operacionalização do processo de treino (?) ................................................................. 91 4.3.1 – O “modelo de jogo” um conceito tantas vezes utilizado, mas afinal o que é e que importância tem “isso”?... ............................................................................................. 92 4.4 – A modelação da organização funcional da equipa perante as características especificas e únicas do adversário............................................................................... 100 4.5 – Planificação do processo de treino: uma etapa fundamental para o “sucesso” desportivo ..................................................................................................................... 111 4.6 – O microciclo de treino: a base fundamental da planificação táctico-estratégica de um jogo de futebol ........................................................................................................ 119 4.6.1 – Estruturar um microciclo – um trabalho infindável de “comos” e “quandos”... ...................................................................................................................................... 119 4.6.2 – A operacionalização do “plano táctico” semanal... ........................................ 126 4.6.3 – Intervir no jogo: a capacidade de reagir correctamente ás aleatoriedades do jogo ou, talvez, um acto fundamental de proactividade............................................... 134 5 – Conclusões.............................................................................................................. 141
  5. 5. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO I - INTRODUÇÃO AO TEMA
  6. 6. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 4 Introdução 1 – Introdução “Eu faço um estudo detalhado do adversário, fundamentalmente para ajudar os jogadores. Para mim, é imprescindível saber como o treinador adversário reage, o tipo de substituições que faz, os comportamentos padrão da equipa adversária...” José Mourinho (s.d., cit. por Oliveira et al., 2006) “Nós analisamos o adversário, procuramos prever como se pode comportar contra nós e procuramos posicionar-nos nalgumas zonas mais importantes do campo em função dos seus pontos fortes e fracos. Mas isto são detalhes posicionais. Não mexem com os nossos princípios, nem sequer com o nosso sistema. Acreditamos que o mais importante somos nós, a forma como jogamos e automatizamos o nosso modelo” José Mourinho (s.d., cit. por Oliveira et al., 2006) O futebol enquanto desporto pode-se resumir muito sinteticamente como um jogo desportivo colectivo que coloca em oposição duas equipas, com objectivos e regras similares, numa situação de oposição em que de tal confronto poderá surgir um vencedor e um vencido ou, simplesmente, um empate. Um jogo simples com regras muito próprias, mas que concentra em si os olhares, as análises, os comentários e, acima de tudo, as emoções e paixões de milhões de pessoas distribuídas ao longo dos quatro cantos do planeta. O futebol é, cada vez menos, apenas um simples jogo... é, cada vez mais, uma manifestação de cultura, de espectáculo, um fenómeno de alto rendimento desportivo que envolve milhões de
  7. 7. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 5 Introdução pessoas, interesses, “jogos de poder” e muitos, muitos milhões de euros.... Tendo em conta estes pressupostos, é fácil compreender que no futebol actual a margem de erro e de “empirismo” para os profissionais que nele trabalham é muito curta. È tendo em conta este aspecto que considero pertinente a realização deste trabalho, pela sua abrangência quanto ao fenómeno do treino em futebol e pela particularização do processo de observação e análise dos adversários e a forma como este aspecto é utilizado, ou não, no panorama dos campeonatos nacionais da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga Portuguesa de Futebol Profissional. Pretendemos constatar se o processo de scouting é, efectivamente, utilizado e qual o seu interesse e importância real ao nível da planificação do jogo e do processo de treino das equipas em questão. Na base do rendimento em futebol está a construção, ou seja, a conceptualização e operacionalização de um Modelo de Jogo perfeitamente definido em todos os seus princípios, sub-princípios, sub-princípios dos sub-princípios.... Este modelo deve estar em constante construção e optimização podendo ser, sempre que necessário, alvo de modificações pontuais que não impliquem a alteração dos grandes princípios que o norteiam mas sim com a alteração ou evolução de pequenos princípios ou sub-princípios que possam desequilibrar a organização do adversário ou favorecer o equilíbrio da nossa própria equipa. Respeitar a especificidade do jogo e ser coerente com as ideias e princípios, por nós defendidos, em todos os momentos do treino, do jogo e da vida foram os mais fortes “ensinamentos” e ideias retirados ao longo do meu percurso no Futebol. Nada acontece por magia, só a qualidade do treino e/ou exercícios do mesmo são garante de uma maior probabilidade de sucesso competitivo, apenas probabilidade pois por mais e melhor
  8. 8. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 6 Introdução que se trabalhe o futebol continua a ser um jogo, onde existe um adversário com o seu próprio valor e onde o aleatório tem o seu papel e influência. Apesar de não haver muitas pessoas dispostas a escrever sobre o futebol, a partilhar ideias e conhecimentos, já existem alguns autores de referência que nos elucidam acerca dos conceitos subjacentes à observação e o seu alcance no treino. No entanto isto não nos parece suficiente, pensamos que é fundamental a ida ao terreno investigar aquilo que os treinadores pensam e fazem de acordo com as diferentes realidades em que se inserem. Descobrir e passar para o papel as intenções e os objectivos dos treinadores é essencial para percebermos melhor este mundo que é o futebol e que está sobre a alçada das competências do treinador. Numa perspectiva global saber quais as técnicas de observação utilizadas, como são recolhidas os dados, quem os recolhe, com que propósitos, de que forma são utilizados no treino e que tipo de planificação e periodização utilizam os treinadores são as questões que tentaremos ilustrar ao longo do texto.
  9. 9. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO II - REVISÃO DE LITERATURA
  10. 10. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 8 I - Planificação conceptual do treino em futebol 2.1 - Planificação conceptual do treino em futebol “Ouvi falar de quebras físicas e logo dei por mim a pensar que a minha cruzada vai ser mesmo difícil. É que não consigo mesmo que se perceba que isso não existe. A forma não é física. A forma é muito mais que isso. O físico é o menos importante na abrangência da forma desportiva. Sem organização e talento na exploração de um modelo de jogo, as deficiências são explícitas, mas pouco têm a ver com a forma física. E os nossos comentadores/repórteres, como quase sempre, continuam a influenciar negativamente a opinião daqueles que, em suas casas, precisam de ser orientados na sua capacidade de absorção ou entendimento do jogo.” José Mourinho (2005) “O futebol pressupõe a adopção de uma filosofia por parte de quem tem responsabilidade maior na condução da equipa. Esta filosofia de jogo, e consequentemente, de treino pressupõe um encadeamento lógico da evolução de todo o processo, em que o conceito de especificidade terá que estar presente. Há necessidade que tudo esteja ligado, formando toda uma realidade muito própria que já na sua essência é complexa – Modelo de jogo” Guilherme Oliveira (1991) O futebol é um desporto com características muito especificas que o transformam num desporto cujo treino deve ser cuidadosamente programado e analisado.
  11. 11. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 9 I - Planificação conceptual do treino em futebol O jogo de Futebol decorre da natureza do confronto entre dois sistemas complexos, as equipas, e caracteriza-se pela sucessiva alternância de estados de ordem e desordem, estabilidade e instabilidade, uniformidade e variedade (Garganta, 2001). Como tal, existem uma série de etapas que um treinador deve percorrer para preparar a sua equipa para a competição da melhor forma possível (Oliveira, 2005). Quinta (2003) relativamente ao panorama desportivo nacional afirma que “treina-se pouco futebol e, quando se treina, tal realiza-se de uma forma aleatória, sem objectivos, programações ou planeamentos a curto, médio e longo prazos. O ensino/ treino do futebol, na maior parte dos casos, é efectuado sem um programa e/ou métodos definidos, não se estipulando a concretização de objectivos individuais e colectivos, ou seja, não se procurando que os jogadores e equipas atinjam determinado nível ou saibam fazer da melhor forma esta ou aquela acção táctico-técnica individual ou colectiva”. Actualmente, o Futebol reclama a especialização de diferentes funções e tarefas – do jogador ao treinador, do médico ao fisioterapeuta, do chefe de departamento ao presidente do clube – pelo que exige, cada vez mais, dos seus intervenientes, competências e conhecimentos em quantidade e qualidade adequadas (Garganta, 2001). Acompanhando a necessidade de especialização dos intervenientes no futebol têm surgido um crescente número de publicações e “ramos” do treino desportivo que visam uma especialização e uma aproximação à especificidade do jogo de futebol. Segundo Garganta (2001) sobretudo a partir dos anos oitenta, foram desenvolvidas iniciativas importantes com o intuito de sistematizar o conhecimento em futebol, que se traduziram na realização de congressos, às escalas europeia e mundial, e no aumento da produção bibliográfica.
  12. 12. A ESTRATÉGIA NO MODELO DE JOGO - DA OBSERVAÇÃO DO ADVERSÁRIO AO MICROCICLO DE TREINO 10 I - Planificação conceptual do treino em futebol Ao longo das últimas épocas tem-se especulado muito acerca das metodologias de treino vigentes nos campeonatos nacionais de futebol, muito por causa do aparecimento do “fenómeno Mourinho” que consigo trouxe para além de metodologias, para muitos inovadoras, resultados de qualidade nacional e internacional. Os modelos relativos à indivisibilidade dos factores de treino e da necessidade de uma metodologia de treino integrado defendidos por autores como Queiroz (1986), Guilherme Oliveira (1991), Garganta (1995) e Castelo (2000) voltaram assim a estar no mais elevado patamar de discussão “futebolística”. Os processos de planeamento, programação e periodização do treino são, agora, alvo de frequentes discussões e publicações no meio cientifico e, inclusive ou mesmo principalmente, na comunicação social por todo o tipo de “especialistas” apesar de nem sempre da forma mais correcta e rigorosa. Aliás, este é um termo (treino integrado) que segundo Losa, et al. (2006) está já quase desgastado de tanto uso, ainda que quase sempre, escassa, ambígua e superfluamente abordado. Escasso porque a questão não é que tenha que incluir percepção, decisão, etc., mas sim que os estímulos, podendo ser maiores ou menores, devem ser sempre específicos do jogo. Ambíguo porque uma coisa é treinar com bola e outra absolutamente distinta é treinar futebol. Por último, supérfluo porque a prática sempre surgiu e surgirá da teoria prévia e profundamente organizada, e neste caso quase sempre a proposta foi directamente prática. Para Oliveira et al. (2006) tal como é normalmente utilizado o treino integrado não rompe verdadeiramente com a lógica da “norma de treinar”. O “treinar com bola” serve apenas como um meio de simular o treino físico, e não como um imperativo para operacionalizar o modelo e os princípios de jogo que se querem para a equipa. Guilherme Oliveira (2003) afirma que antes de qualquer outra tarefa, o treinador deve fazer uma introspecção acerca das suas ideias de futebol. Dessa auto-reflexão devem ficar claras as
  13. 13. Pode adquirir a versão completa deste eBook no site: https://payhip.com/b/CQN9

×