Como Produzir seu Conteúdo com Incentivos Fiscais

2.659 visualizações

Publicada em

Conteúdo apresentado no ebseminário "Como Produzir seu Conteúdo com Incentivos Fiscais" ministrado no dia 10/07/2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Produzir seu Conteúdo com Incentivos Fiscais

  1. 1. O  QUE  A  NOVA  LEI  12.485/2001  TEM  PARA  AS   PRODUTORAS  INDEPENDENTES  Lei  Audiovisual  12.485/11  Nova  lei  de  TV  Paga  que  beneficia  o  conteúdo  nacional  De  1º  a  12  de  setembro  –  1h10  minutos    A  parHr  do  dia  12  –  2h20  minutos  semanais  O  volume  de  programação  brasileira  nos  canais  pagos  deverá  crescer  gradualmente,  nos  primeiros  três  anos  de  vigência  da  lei,  até  chegar  ao  mínimo  de  3h30  minutos  semanais  veiculados  em  horário  nobre.  Intervalo  de  tempo  considerado  horário  nobre:  18h  às  24h  Tire  suas  dúvidas:  hUp://www.ancine.gov.br/nova-­‐lei-­‐da-­‐tv-­‐paga  
  2. 2. ELEMENTOS  IMPORTANTES  PARA  UM  PROJETO   CULTURAL  PARA  INVESTIDORES  Um  projeto  cultural  tem  que  agregar  valores  como:  •  ransformar  o  MarkeHng  Cultural  em  um  negócio  de  sucesso  para  seu   TinvesHmento.  •  onectar  marcas  e  consumidores  através  das  ações  de  MarkeHng  Cultural.   C•  romover  a  diversidade  cultural  brasileira.   P•  sHmular  a  transformação  da  sociedade  por  meio  de  projeto.   E•  esenvolver  projetos  inovadores,  que  aHnjam  o  estado  da  arte.   DLEMBRE-­‐SE:  A  produção  do  projeto  pode  ser  uma  REALIZAÇÃO  para  você,  mas  DEVE  OBRIGATORIAMENTE  ser  um  NEGÓCIO    para  os  invesHdores.      
  3. 3. OS  DIFERENTES  PONTOS  DE  VISTA  DE  UM  PROJETO   PARA  CADA  UM  DOS  PÚBLICOS  Para  a  captação  e  viabilização  de  um  projeto,  é  necessário  ter  no  planejamento  três  diferentes  pontos  de  vista:    -­‐ NVESTIDOR  (por  que  um  invesHdor  deve  invesHr  em  seu  projeto?)   I-­‐  ALOR  CULTURAL  (por  que  o  Estado  deve  invesHr  em  seu  projeto?)   V-­‐  TRAÇÃO  DO  PÚBLICO    (por  que  o  público  deve  assisHr  seu  projeto?)     A    
  4. 4. QUAL  É  A  OPORTUNIDADE  DE  NEGÓCIO  PARA  O   INVESTIDOR?  Projetos  culturais  devem  aproveitar  a  oportunidade  de  invesHr  em  ações  de  markeHng  socioculturais,  de  conteúdo  educaHvo,  através  das  leis  de  incenHvo  fiscais  à  cultura  brasileira.    
  5. 5. QUAIS  AS  VANTAGENS  DE  INVESTIR  EM  AÇÕES   CULTURAIS?      VALORIZAÇÃO  DA  MARCA:  as  suas  ações  consolidarão  posiHvamente  a  sua  imagem  insHtucional  como  empresa  socialmente  aHva  e  responsável  em  relação  aos  consumidores  e  as  demais  marcas  concorrentes  do  seu  mercado  de  atuação.      
  6. 6. QUAIS  AS  VANTAGENS  DE  INVESTIR  EM  AÇÕES   CULTURAIS?      RESPONSABILIDADE  SOCIAL:  consideradas  iniciaHvas  de  desenvolvimento  humano,  as  empresas  patrocinadoras  podem  vincular  ações  socioculturais  a  sua  área  de  responsabilidade  social.      
  7. 7. QUAIS  AS  VANTAGENS  DE  INVESTIR  EM  AÇÕES   CULTURAIS?      CONSUMIDORES  CONSCIENTES:  além  de  conectar  a  consumidores  já  conscientes,  ações  socioculturais  são  ferramentas  de  transformação  social  e  podem  esHmular  outros  consumidores  a  serem  mais  conscientes,  criando  comunidades  de  fãs,  advogados,  defensores  e  admiradores  da  sua  marca.    
  8. 8. QUAIS  AS  VANTAGENS  DE  INVESTIR  EM  AÇÕES   CULTURAIS?      MÍDIA  ESPONTÂNEA:  ações  socioculturais,  de  conteúdo  educaHvo,  sempre  repercuHrão  de  forma  posiHva  na  sociedade,  gerando  mídia  gratuita.      
  9. 9. QUAIS  AS  VANTAGENS  DE  INVESTIR  EM  AÇÕES   CULTURAIS?      RENÚNCIA  FISCAL:  valores  invesHdos  em  projetos  aprovados  pelas  leis  de  incenHvo  fiscal  à  cultura  podem  ser  100%  abaHdo  nos  impostos  devido.      
  10. 10. ETAPAS  DO  PROCESSO  DE  PRODUÇÃO  VIA     INCENTIVOS  FISCAIS  1-­‐  empresa  consHtuída  como  Produtora  cultural  2-­‐  inscrição  na  Ancine  e  Proac  3-­‐  Envio  de  projeto  4  -­‐  Captação  5-­‐  Produção  do  projeto  6  -­‐  Prestação  de  contra    
  11. 11. LEIS  DE  INCENTIVO  FISCAL:     PROAC/SP  –  12.268    Criada  em  2006,  de  âmbito  estadual,  o  PROAC  –  Programa  de  Ação  Cultural  do  Governo  de  São  Paulo  viabiliza  empresas  contribuintes  de  ICMS  a  oportunidade  a  patrocinarem  projetos  culturais  aprovados  pela  Secretaria  da  Cultura  do  Estado  de  São  Paulo.      Até  3%  do  imposto  ICMS  devido  e  abater  100%  do  valor  do  patrocínio.      
  12. 12. PROAC/SP  –  12.268   PASSO  A  PASSO  -­‐  PRODUTORAS  A  –  Passo  a  passo  da  aprovação  do  projeto:      1  –  Enviar  o  projeto  para  a  SEC  -­‐  Secretária  de  Estado  da  Cultura,  para  avaliação  do    CAP  –  Comissão  de  Análise  de  Projetos  (via  sistema  ou  via  correio).      2  –  Aprovado  o  projeto,  o  CAP  encaminha  para  publicação  no  Diário  Oficial  do  Estado.        3  –  Secretaria  da  Cultura  emite  o  CerHficado  de  IncenHvo  a  Cultural    com  os  seguintes  dados:    • A  denominação  do  projeto    • Segmento  cultural    • Data  da  aprovação    • Valor  autorizado  para  captação.            
  13. 13. PROAC/SP  –  12.268   PASSO-­‐A-­‐PASSO  -­‐  PRODUTORAS  4  –  Ao  receber  o  cerHficado,  você  deve  criar  duas  contas  correntes  no  Banco  do  Brasil  S/A.  Uma  para  captação  onde  os  invesHdores  farão  o  deposito  e  outra  para  movimentação.      A  parHr  deste  momento  você  pode  receber  os  invesHmentos  dos  patrocinadores  contribuintes  do  ICMS.      
  14. 14. PROAC/SP  –  12.268   PASSO-­‐A-­‐PASSO  -­‐  PATROCINADORES  B  –  Passo  a  passo  da  empresa  patrocinadora:      Todo  o  procedimento  para  as  empresas  interessadas  em  patrocinarem    projetos  culturais,  é  feito  de  forma  eletrônica,  dentro  de  um  sistema  da  Secretária  da  Fazenda  do  Estado  de  São  Paulo  (SEFAZ).      Podem  ser  patrocinadores  do  projeto  cultural,  empresas  em  situação  regular  perante  o  SEFAZ,  e  que  tenha  apurado  imposto  a  recolher  no  ano  anterior.  O  acesso  ao  sistema  é  feito  através  do  site  do  PFE  -­‐  Posto  Fiscal  Eletrônico    (hUp://pfe.fazenda.sp.gov.br).  O  boleto  do  valor  do  patrocínio  é  emiHdo    no  PFE/SEFAZ  e  efeHvamente  pago,  sendo  creditada  sua  totalidade    na  apuração  do  imposto  ICMS  devido  naquele  mês.          
  15. 15. PROAC/SP  –  12.268   COMO  SE  CADASTRAR  PARA  SER  UM  INVESTIDOR  1-­‐  Credenciamento      A  empresa  interessada  em  parHcipar  se  credencia  no  PFE  -­‐  Posto  Fiscal  Eletrônico  (hUp://pfe.fazenda.sp.gov.br).        É  necessário  que  a  empresa  esteja  enquadrada  no  Regime  Periódico  de  Apuração  –  RPA  -­‐    e  em  situação  regular  perante  o  SEFAZ,  e  que  tenha  apurado  imposto  a  recolher  no  ano  anterior.      -­‐  missão  do  boleto   EA  empresa  agora  está  habilitado  para  emiHr  o  boleto  até  o  final  do  mês    em  que  patrocinará  o  projeto  cultural.      A  roHna  de  habilitação  dos  contribuintes  tem  periodicidade  mensal.  TODO  MÊS  a  empresa  tem  que  se  habiliar  no  site,  ou  gerar  o  boleto      
  16. 16. PROAC/SP  –  12.268   COMO  SE  CADASTRAR  PARA  SER  UM  INVESTIDOR  2  -­‐  Dados  do  Boleto      A  empresa  pode  consultar  ao  “Aviso  de  Habilitação  de  Patrocinador”,  que  confirma  a  condição  de  habilitado  e  informa:      •  imite  individual  da  empresa,  em  percentual;   L•  alor  máximo  autorizado  para  ser  uHlizado  como  crédito  de  ICMS  (bene•cio  fiscal);     V•  ês  de  validade  da  habilitação.   M    Para  isso,  o  usuário  acessará  o  link,  conforme  descrito  no  link  de  Credenciamento,  "Aviso  de  Habilitação  /  DesHnação  (boleto)".      
  17. 17. PROAC/SP  –  12.268   COMO  SE  CADASTRAR  PARA  SER  UM  INVESTIDOR  3  –  Escrituração  do  incenHvo  fiscal  (lançamento  do  crédito  de  ICMS)      A  empresa  fará  o  lançamento  do  crédito  correspondente  ao  boleto  pago  no  mês  de  referência.  É  pré-­‐requisito  para  o  lançamento  do  crédito  que  o  boleto  emiHdo  tenha  sido  pago  até  o  úlHmo  dia  úHl  do  mesmo  mês  da  emissão.      A  empresa  lançará  o  crédito  de  ICMS,  no  quadro    “Crédito  do  Imposto  –  Outros  Créditos”  do  livro  Registro  de  Apuração  do  ICMS  –  RAICMS.      O  crédito  ficará  limitado  ao  valor  máximo  autorizado  ao  mês  da  habilitação.  
  18. 18. LEIS  DE  INCENTIVO  FISCAL:     ROUANET  –  8.313/91  Orçamento  para  2012:  R$  R$  1.192.534.925,00      Criada  em  1991,  de  âmbito  federal,  a  Lei  Rouanet  viabiliza  a  oportunidade  das  Pessoas    Jurídicas,  tributadas  no  Lucro  Real,  e  Pessoas  Físicas  a  patrocinarem  projetos  aprovados  pelo  Ministério  da  Cultura,  uHlizando  o  IR  -­‐  Imposto  de  Renda  devido.      A  i9  Entretenimento  desenvolve  seus  projetos  culturais  baseado  no  ArHgo  18  da  Lei,    onde  as  empresas  serão  patrocinadoras  do  projeto.  Pelo  ArHgo  18,  as  empresas    patrocinadoras  poderão  abater  100%  do  valor  invesHdo  do  IR  devido.        O  limite  de  abaHmento  no  IR  devido  é  de  4%  para  Pessoas  Jurídicas  e  6%  para  Pessoas  Físicas.      
  19. 19. ROUANET  –  8.313/91   PASSO  A  PASSO    1  –  Inscreva  a  proposta  (curta,  média  metragem  e  longa  metragem)  no  sistema  informaHzado  do  Ministério  da  Cultura,  SalicWeb  para  análise  pela  Secretaria  de  Fomento  e  IncenHvo  à  Cultura  –  SECIF,  que  promoverá  a  verificação  documental  e  o  exame  preliminar  de  admissibilidade  da  proposta.      2  -­‐  É  possível    acompanhar  o  processo  de  aprovação  pelo  sistema  SalicWeb.      3  –  Aprovado  a  proposta  pela  SECIF,  a  decisão  é  oficializada  com  a  publicação  no  Diário    Oficial  da  União.  Após  05  dias  a  você  será  informado  da  decisão  pelo  sistema  SalicWeb.      4  –  O  MinC  –  Ministério  da  Cultura  -­‐  abrirá  uma  Conta  Corrente  de    Captação  no    Banco  do  Brasil,  para  gerenciamento  dos  valores    captados  para  o  projeto  cultural.  
  20. 20. ROUANET  –  8.313/91   PASSO  A  PASSO  A  parHr  desta  momento  a  seu  projeto  pode  receber  o  invesHmentos  dos  patrocinadores  .      Os  recursos  serão  depositados  na  C/C  de  Captação  por  meio  de  depósito  idenHficado,  com  a  informação  obrigatória  do  CPF  ou  do  CNPJ  dos  depositantes,  ou,  alternaHvamente,  por  Transferência  Eletrônica  Disponível  –  TED,  ou  Documento  de  Operação  de  Crédito  –  DOC.      5  -­‐  Quando  a  captação  alcançar  20%  do  orçamento  global  do  projeto,  seu  projeto    estará  autorizado  a  movimentação  da  C/C  de  Captação  para  desenvolvimento  do  projeto  cultural.      A  liberação  da  movimentação  dos  recursos  captados  se  dará  automaHcamente  pelo  Banco  do  Brasil  por  meio  de  transferência  para  conta  de  livre  movimentação,  denominada  Conta  Movimento.      As  empresas  interessadas  em  patrocinarem  seus  projetos  culturais    descontarão  o  valor  invesHdo  no  projeto  cultural  diretamente  do    IR  devido.  
  21. 21. LEIS  DE  INCENTIVO  FISCAL:     LEI  DO  AUDIOVISUAL  –  8.685/93    Criada  em  1993,  de  âmbito  federal,  a  Lei  do  Audiovisual  viabiliza  a  oportunidade  das  Pessoas  Jurídicas,  tributadas  no  Lucro  Real,  e  Pessoas  Físicas  a  patrocinarem  projetos  aprovados  pela  Agência  Nacional  do  Cinema  –  ANCINE,  uHlizando  o  IR  -­‐  Imposto  de  Renda  devido.      Pelo  ArHgo  1º  -­‐  A  da  Lei  o  limite  do  abaHmento  é  de  4%  do  imposto  de  renda  devido  para    Pessoas  Jurídicas  e  6%  para  Pessoas  Físicas.  A  empresa  patrocinadora  poderá  abater  100%  do  valor  invesHdo  do  Imposto  de  Renda  devido.          
  22. 22. AUDIOVISUAL  –  8.685/93   PASSO  A  PASSO    1  –  Encaminhe  seu  projeto  para  a  ANCINE,  para  análise  e  dados  da  agência  Banco  do  Brasil  de  nossa  preferência  para  abertura  da  C/C  -­‐  Conta  Corrente  de  Captação.  1A  –  A  parHr  do  dia  18  de  junho  de  2012,  os  projetos  podem  ser  enviados  via  internet.  Para  ver  o  passo  a  passo  do  sistema,  baixe  o  manual  hUp://ancine.gov.br/sites/default/files/instrucoes-­‐normaHvas/passoapassoapresentacaodeprojetos.pdf        2  –  Aprovado  o  projeto,  a  ANCINE  solicita  abertura  da  C/C  de  Captação  na  agência  Banco  do  Brasil.  A  ANCINE  oficializa  o  processo  publicando  no  Diário  Oficial  da  União.      3  –  Você  comparece  à  agência  com  a  publicação  no  DOU  e  documentos    solicitados  pela  agência  do  Bando  do  Brasil  para  finalizar  o  processo    de  regularização  da  C/C  de  Captação.      A  parHr  desta  momento  seu  projeto  pode  receber  o  invesHmentos    dos  patrocinadores  contribuintes  do  IR.      
  23. 23. AUDIOVISUAL  –  8.685/93   PASSO  A  PASSO  4  –  Empresas  interessadas  em  patrocinarem  o  projeto,  depositarão  o  dinheiro  diretamente  na  C/C  de  Captação.  5  –  Após  o  deposito  do  dinheiro,  você,  através  do  Banco  do  Brasil  emite  recibo  em  três  vias  onde:  um  fica  com  a  você,  outro  é  entregue  ao  patrocinador  e  a  terceira  será  enviada  à  ANCINE  em  até  10  dias  após  o  deposito.      Para  movimentação  dos  recursos  na  C/C  de  Captação,  será  necessário  comprovar  a  integralização  de  50%  do  orçamento  global  do  projeto  cultural,  sendo  que  25%  estejam  depositados  em  conta  de  captação  e  25%  através  da  apresentação  de  documentos,  como  contratos  de  patrocínios,  onde  os  valores    serão    depositados  posteriormente.  O  recibo  do  depósito  é  o  comprovante    do  patrocinador  a  ser  usado  para  abater  os  valores  do  imposto  de    renda  devido.      
  24. 24. QUESTÕES  IMPORTANTES  SOBRE  O  PROCESSO   COMPLETO  DE  CAPTAÇÃO  DE  RECURSOS  E   PATROCINADORES  •  ual  o  custo  inicial  de  projetos  recomendados  para  novas  produtoras?   Q•  xiste  a  possibilidade  de  um  projeto  ser  recusado  por  um  orçamento  de  valor  alto   Epara  novas  produtoras?  •  ue  fazer  quando  o  valor  liberado  para  seu  projeto  é  inferior  ao  orçamento  da  sua   Q•  rodução?   P•  omo  administrar  o  dinheiro  da  produção  durante  a  produção  do  projeto?   C•  uidado  com  alguns  captadores   C•  elhores  medidas  adotadas  durante  a  produção  do  projeto  após  sua  finalização   M•  uantos  projetos  posso  fazer  através  de  incenHvos  fiscais?   Q•  u  preciso  devolver  o  dinheiro  invesHdo  no  projeto?             E
  25. 25. COMO  DIVULGAR  O  PROJETO  PARA     OS  INVESTIDORES  Entenda  e  estude  o  perfil  do  patrocinador      Para  elaborar  um  projeto  de  sucesso,  um  grande  fator  que  contribui  para  alcançar  esse  objeHvo  é  o  bom  relacionamento  com  as  empresas  patrocinadoras.  Por  isso,  é  recomendado  adequar  o  plano  de  mídia  e  as  ações  de  markeHng  do  projeto    sociocultural  de  acordo  com  o  perfil  da  empresa  patrocinadora.  O  melhor:  CUSTO  ZERO.    Vivemos  em  uma  época  onde  a  marca  carrega  consigo  VALORES.  As  pessoas  não  consomem  mais  os  produtos,  elas  interagem,  elas  são  fãs,  elas  se  tornam  advogadas  da  marca,  por  isso,  é  preciso  ter  não  só  um  projeto    CONSISTENTE,  mas  a  apresentação  do  projeto  para  um  invesHdor    deve  legar  consigo  todas  as  suas  caracterísHcas,  acompanhando    seu  posicionamento,  missão.  Esses  valores  precisam  estar    INTEGRADOS,  EMBUTIDOS  implícita  e  explicitamente.  Um    invesHdor  precisa  senHr  que  você  realmente  entende  sua  marca,    Facilitando  o  processo  de  aceitação  e  adesão  ao  seu  projeto.                          
  26. 26. COMO  ENCONTRAR  E  PERSUARDIR  UM  INVESTIDOR   PARA  QUE  ELE  INVISTA  EM  SEU  PROJETO?  -­‐     Como  e  onde  encontrar  invesHdores?  -­‐     Deixe  claro  para  todos  que  você  tem  um  bom  projeto  e  que  busca  invesHdores.  A  indicação  é  uma  óHma  ferramenta  de  vendas;  -­‐     Faça  uma  lista  e  analise  quem  são  os  patrocinadores  dos  principais  invesHdores  atuais.  Conhecer  os  movimentos  do  cenário  audiovisual  é  importante;    -­‐     Entenda  as  parHcularidades  de  seu  conteúdo:  dança,  teatro,  filme,  documentários,  cada  um  tem  suas  diferentes  formas  na  hora  da  captação.    -­‐     Durante  a  apresentação  de  seu  projeto  a  um  invesHdor,  deixe  claro  que  você  é  inHmo  de  sua  marca,  produto/serviço.  Essa  dedicação  e  conhecimento  trará    segurança  do  invesHdor  com  relação  ao  seu  trabalho  e  ele  terá  a  certeza  de  que  seu  maior  patrimônio  estará  nas  mãos  de  quem  realmente    entende  do  negócio.  -­‐     Seja  CRIATIVO  e  DIRETO  em  sua  apresentação.        
  27. 27. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   O  QUE  É?  A  QUEM  SE  DESTINA?  O  Fundo  Setorial  do  Audiovisual  (FSA)  é  um  fundo  desHnado  ao  desenvolvimento  arHculado  de  toda  a  cadeia  produHva  da  aHvidade  audiovisual  no  Brasil.  Criado  pela  Lei  Nº  11.437,  de  28  de  dezembro  de  2006,  e  regulamentado  pelo  Decreto  nº  6.299,  de  12  de  dezembro  de  2007,  o  FSA  é  uma  categoria  de  programação  específica  do  Fundo  Nacional  de  Cultura  (FNC).  Para  parHcipar  do  FSA  é  preciso  ter  uma  produtora  consHtuida.  
  28. 28. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   DIRETRIZES  Seu  projeto  precisa  apresentar  algumas  diretrizes  gerais,  o  que  facilita  a  aprovação  por  seu  Comitê  Gestor.    Melhorar  a  posição  compeHHva  das  empresas  brasileiras  independentes  de  cinema  e  de  audiovisual  nos  mercados  interno  e  externo;  -­‐   Atuar  em  gargalos  existentes  no  setor  audiovisual;  -­‐   Ampliar  o  consumo  dos  produtos  brasileiros  do  cinema  e  do  audiovisual;  -­‐   EsHmular  modelos  de  negócios  menos  dependentes  de  recursos  públicos  e  comparHlhar  os  riscos  inerentes  da  aHvidade  audiovisual  entre  os  agentes  públicos  e  privados;  -­‐   Aperfeiçoar  a  competência  ar…sHca,  técnica,  gerencial  e  financeira  das  empresas  brasileiras  do  cinema  e  do  audiovisual;  -­‐   EsHmular  a  produção  de  conteúdo  cinematográfico  e  audiovisual  com  alto    grau  de  compeHHvidade  nos  mercados  domésHco  e  internacional;  -­‐   Aperfeiçoar  a  capacitação  profissional  do  setor  audiovisual.  
  29. 29. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  –  Longa  Metragem  Existem  4  linhas  de  atuação  para  o  FSA:  Linha  de  ação  A  -­‐  Produção  Cinematográfica  de  Longa-­‐Metragem  Dedicada  às  operações  de  invesHmento  em  produção  independente  de  obras  cinematográficas  de  longa-­‐metragem  brasileiras,  incluindo  projetos  de  coprodução  internacional:  
  30. 30. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  A  –  Longa  Metragem  A)    Modalidade  Aporte  Generos:  projetos  de  ficção,  documentário  ou  animação.    A  seleção  dos  projetos  ocorrerá  mediante  concurso  público  e  será  necessária  a  apresentação  do  contrato  de  distribuição  da  obra  cinematográfica  para  a  contratação  do  invesHmento.    Nesse  caso,  a  obra  já  deve  ter  um  contrato  de  veiculação.  Sem  o  contrato,  o  projeto  não  pode  concorrer  nessa  linha  de  modalidade.  Outra  coisa  importante  é,  por  ser  uma  mdalidade  de  Aporte,  é  necessário  fazer  do  FSA  um  dos  beneficiados  nos  lucros  do  projeto,  diferente  das  outras  leis.    Valor  Modalidade  Aporte:  R$  50  milhões  
  31. 31. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  A  –  Longa  Metragem  B)  Modalidade  Complementação  Esta  modalidade  vai  complementar  o  orçamento  de  produção  de  obras  de  ficção  e  animação.    A  operação  da  linha  será  em  fluxo  con…nuo,  assim,  as  proponentes  poderão  enviar  seus  projetos  até  o  dia  30  de  novembro,  caso  ainda  haja  recursos  disponíveis.      Será  necessária  a  apresentação  do  contrato  de  distribuição  da  obra  cinematográfica  no  momento  da  inscrição  do  projeto.    Assim  como  no  caso  anterior,  a  obra  já  deve  ter  um  contrato  de  veiculação.  A  produtora  pode,  por  exemplo,  ter  captado  20%  do  valor  total  na  lei  do  Audiovisual,  por  exemplo,  e  pedir  os  80%  restante  nessa  modalidade.  Nesse  caso,    a  escolha  não  é  feita  através  de  edital,  mas  é  preciso  inscrever  o    projeto  no  FSA.    Valor  Modalidade  Complementação:  R$  40  milhões  
  32. 32. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  B  –  Produção  Independente  de   Obras  Audiovisuais  para  a  Televisão  Longa  Metragem  Voltada  para  operações  de  invesHmento  em  produção  independente  de  obras  audiovisuais  brasileiras  para  televisão,  privada  ou  pública,  aberta  ou  por  assinatura,  incluindo  projetos  de  coprodução  internacional.    A  operação  da  linha  será  em  fluxo  con…nuo,  assim,  as  proponentes  poderão  enviar  seus  projetos  até  o  dia  30  de  novembro,  caso  ainda  haja  recursos  disponíveis.    Será  necessária  a  apresentação  do  contrato  de  primeira  licença  de  exploração  comercial  com  a  emissora  ou  programadora  de  TV.        Valor:        R$  50  milhões  –  para  obras  seriadas  e  minisséries  do  Hpo  ficção,  documentário  e  animação;                              R$  5  milhões  –  para  documentários  com  mais  de  52  minutos    de  duração.    
  33. 33. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  C  –  Aquisição  de  Direitos  de   Distribuição  de  Obras  Cinematográficas  de  Longa    Dedicada  às  operações  de  invesHmento  em  aquisição  de  direitos  de  distribuição  de  obras  cinematográficas  brasileiras  de  longa-­‐metragem,  de  produção  independente,  com  uHlização  dos  recursos  na  produção  da  obra,  para  exploração  comercial  em  todos  os  segmentos  de  mercado.    A  operação  da  linha  será  em  fluxo  con…nuo,  assim,  as  proponentes  poderão  enviar  seus  projetos  até  o  dia  30  de  novembro,  caso  ainda  haja  recursos  disponíveis.  Serão  aceitos  projetos  de  aquisição  de  direitos  de  distribuição  cujas  obras  cinematográficas  encontrem-­‐se  em  qualquer  etapa  da  produção,  excetuando-­‐se  aquelas  concluídas  ou  que  ainda  estejam  em  estágio  de  desenvolvimento.  Valor:  R$  50  milhões    
  34. 34. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   LINHAS  DE  ATUAÇÃO  D  –  Comercialização  de  Obras   Cinematográficas  Brasileiras  de  Longa  no  Cinema  Comercialização  de  Obras  Cinematográficas  Brasileiras  de  Longa-­‐Metragem  no  Mercado  de  salas  de  cinema:    Linha  voltada  para  operações  de  invesHmento  em  comercialização  de  obras  cinematográficas  brasileiras  de  longa-­‐metragem,  de  produção  independente,  para  exibição  em  salas  de  cinema  no  país.    A  operação  da  linha  será  em  fluxo  con…nuo,  assim,  as  proponentes  poderão  enviar  seus  projetos  até  o  dia  30  de  novembro,  caso  ainda  haja  recursos  disponíveis.    Serão  aceitos  apenas  projetos  de  comercialização  de  obras  cinematográficas  já  concluídas.    A  distribuidora  ainda  deverá  apresentar  o  contrato  de  distribuição  da    obra  cinematográfica  no  momento  da  inscrição  do  projeto.    Valor:  R$  10  milhões  
  35. 35. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   COMO  PARTICIPAR  Os  editais  do  FSA  são  publicados  no  portal  do  Banco  Regional  de  Desenvolvimento  do  Extremo  Sul  –  BRDE.  O  editais  são  indicados  para  a  Linha  de  Atução  A  –  Modalidade  A.  Para  as  demais  linhas,  é  preciso  inscrever  os  projetos  até  o  dia  30  de  Novembro.  Criado  em  1961,  em  ação  conjunta  dos  estados  do  Paraná,  Santa  Catarina  e  Rio  Grande  do  Sul,  o  Banco  Regional  de  Desenvolvimento  do  Extremo  Sul  (BRDE)  tem  apoiado  o  desenvolvimento  de  projetos  para  aumento  da  compeHHvidade  de  empreendimentos  de  todos  os  portes  e  transformado  projetos  em  realidades.  Em  2010  a  carteira  de  financiamentos  do  banco  era  composta  por  mais  de  42  mil  operações  aHvas  de  crédito  de  longo  prazo,  abrangendo  mais  de  88%  dos  municípios  da  região  sul.  Em  2012  o  BRDE  foi  credenciado  pelo  Comitê  Gestor  do  FSA,  passando  a    ser  novo  agente  financeiro  a  operacionalizar  as  linhas  de  ação  do  Fundo.    
  36. 36. FUNDO  SETORIAL  DO  AUDIOVISUAL  –  FSA   DIFERENCIAIS  Alguns  diferenciais  importantes  do  FSA  com  relação  às  demais  leis  de  incenHvo  fiscal:  -­‐   FSA  é  um  fundo  que  busca  invesHr  em  projetos  que  tragam  lucro/retorno  do   Odinheiro  invesHdo.    -­‐ No  FSA  eles  INVESTEM  o  dinheiro  necessário  para  fazer  a  obra  em  diferentes    estágios  do  projeto;  -­‐   projeto  obrigatoriamente  deve  ter  um  contrato  de  veiculação  quando  para  TV   Opor  exemplo,  diferente  das  outras  linhas;  -­‐  m  todos  as  modalidades,  o  FSA  deve  fazer  do  lucro  do  projeto;   E-­‐ Isso  pode  complementar  a  captação  de  projetos  jogados  em      outras  leis.  
  37. 37. OBRIGADO  facebook.com/raquel.espigado  @raquelespigado  transmidializar.com.br  facebook.com/transmidializar  rea@transmidializar.com.br  

×