Apresentacao conexaocultura cgi

1.013 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.013
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao conexaocultura cgi

  1. 1.
  2. 2. TIC Lanhouse 2010<br />Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil<br />Conhecendo a realidade nacional da gestão do negócio das Lanhouses no Brasil<br />Fundação Padre Anchieta / TV Cultura<br />Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br<br />Núcleo de Informação e Comunicação do Ponto BR – NIC.br<br />
  3. 3. Agenda<br /><ul><li>Sobre o CGI.br
  4. 4. Sobre a Fundação Padre Anchieta / TV Cultura
  5. 5. Pesquisas TIC no Brasil
  6. 6. Iniciativas relevantes sobre as Lanhouses no Brasil
  7. 7. Pesquisa TIC Lanhouses
  8. 8. Resultados pesquisa qualitativa (Percepção dos espaços de inclusão digital)
  9. 9. Proposta pesquisa quantitativa (amostral, nacional, domiciliar)</li></li></ul><li>INTRODUÇÃO<br />Sobre o CGI e o NIC.br<br />1 – Min. da Ciência e Tecnologia<br />2 – Min. das Comunicações<br />3 – Casa Civil da Presidência da República<br />4 – Min. do Planejamento, Orçamento e Gestão<br />5 – Min. do Desenv. Indústria e Com. Exterior<br />6 – Min. da Defesa<br />7 – Agência Nacional de Telecomunicações <br />8 – Conselho Nacional de Desenv. Científico e <br />Tecnológico <br />9 – Conselho Nac. Secretários Estaduais p/ <br />Assuntos de Ciência e Tecnologia<br />10 – Notório Saber<br />11 – Provedores de acesso e conteúdo <br />12 – Provedores de infra de telecom<br />13 – Indústria TICs e software<br />14 – Empresas usuárias<br />15 – Terceiro setor<br />16 – Terceiro setor<br />17 – Terceiro setor<br />18 – Terceiro setor<br />19 – Academia<br />20 – Academia<br />21 – Academia<br />Diretoria Executiva<br />
  10. 10. INTRODUÇÃO<br />Sobre a Fundação Padre Anchieta /TV Cultura<br />A Fundação Padre Anchieta - Centro Paulista de Rádio e TV Educativas, instituída pelo governo do Estado de São Paulo em 1967, é uma entidade de direito privado que goza de autonomia intelectual, política e administrativa. Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; dois canais digitais – Multicultura e Univesp TV; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.<br />
  11. 11. Pesquisas TICs no BrasilO conceito ICT4DEV – TICs para o desenvolvimento<br /><ul><li>ICT4DEV representa o esforço em criar indicadores sobre o uso das TICs para o desenvolvimento econômico e social do Brasil:
  12. 12. Metas do Milênio (ONU-2015)
  13. 13. Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação (WSIS):</li></ul>ICT4DEV<br />Gestão Pública<br />Políticas Públicas<br />Estratégias Governamentais <br />Plano de Ações<br />
  14. 14. Pesquisas TIC no Brasil<br /><ul><li>Organizações não-governamentais (2010)
  15. 15. Urbana (2005-2009)
  16. 16. Rural (2008-2009)
  17. 17. Crianças 5a+ (2009)
  18. 18. Portadores de necessidades especiais (2010)</li></ul>Terceiro Setor<br /><ul><li>Escolas públicas - urbana (2009)
  19. 19. Estudo de caso (2010-2013)</li></ul>TIC Domicílios<br />TIC Educação<br />ICT4DEV<br />TIC Empresas<br />Urbana: Cidadãos e <br />Empresas (2010)<br /><ul><li>Educação
  20. 20. Saúde
  21. 21. Previdência social
  22. 22. Trabalho
  23. 23. Receita (Fazenda)
  24. 24. Segurança
  25. 25. Justiça
  26. 26. GPME (2005-2009)
  27. 27. ME (2007)</li></ul>TIC Governo Eletrônico<br />TIC Lanhouse<br />TIC Provedores<br /><ul><li>Perfil de gestão (2010)
  28. 28. PSI nacional (2009)</li></li></ul><li>Processo de pesquisas TIC do CGI.br<br />Grupo de especialistas:<br /><ul><li> Acadêmicos
  29. 29. Governo
  30. 30. Organizações não-governamentais
  31. 31. Institutos de pesquisas</li></ul>Governo:<br /><ul><li> Entrada para elaboração de políticas públicas
  32. 32. Monitoramento de políticas</li></ul>Academia:<br /><ul><li> Projetos de pesquisa acadêmica</li></ul>Contexto<br />Social<br />1<br />2<br />3<br />4<br />5<br />Execução da pesquisa em campo<br />(coleta de dados)<br />Apresentação de resultados<br />Consolidação, análise de dados e validação dos resultados<br />Publicação e divulgação da pesquisa (Indicadores)<br />Planejamento<br />Das Pesquisas TIC<br />(Indicadores)<br />Divulgação dos Indicadores TIC<br />Manual de Procedimentos <br />Website CETIC.br<br />Publicação<br />CD<br />Relatório Metodológico<br />Tabelas <br />de dados<br />Questionários<br />ICD <br />Questionários<br />Relatórios <br />de análise<br />preliminar<br />
  33. 33. Lanhouses: cronologia das iniciativas relevantes<br />Barra do Conexão Cultura<br /><ul><li>Conteúdos educativos, culturais e profissionalizantes
  34. 34. Informação
  35. 35. Possibilidade
  36. 36. Oportunidade</li></ul>Debate com especialistas<br /><ul><li>Acadêmicos e Pesquisadores
  37. 37. Governo
  38. 38. Organizações do Terceiro Setor</li></ul>1<br />2<br />3<br />4<br />5<br />Grupos de Especialistas<br />Pesquisa Qualitativa<br />Grupos Focais<br />Projeto Conexão Cultura<br />Pesquisa Quantitativa<br />Nacional<br />Pesquisa Lanhouse em São Paulo<br />2009<br />2010<br />2008<br />Usuários<br /><ul><li>Perfil do usuário
  39. 39. Percepções e usos, expectativas
  40. 40. Atividades desenvolvidas nas lanhouses</li></ul>Gestores de Lanhouses<br /><ul><li>Percepções e usos
  41. 41. Expectativas
  42. 42. Dificuldades da gestão
  43. 43. Grau de satisfação</li></ul>Gestores e Usuários<br /><ul><li>Percepções e usos
  44. 44. Expectativas
  45. 45. Dificuldades da gestão
  46. 46. Grau de satisfação</li></li></ul><li>Rede de colaboração da Pesquisa TIC Lanhouses<br />CGI.br<br />NIC.br<br />FPA<br />TV CULTURA<br />IBICT<br />(MCT)<br />CASA CIVIL<br />MinC<br />IPSOS<br />CULTURA DATA<br />SEBRAE<br />USP<br />USP-Leste<br />PUC-SP<br />ABCID<br />Lab. Brasileiro de Cultura Digital<br />FGV-Rio<br />FGV-SP<br />UnB<br />
  47. 47. O Projeto Conexão Cultura<br /><ul><li>Oferecer a oportunidade aos internautas de Centros de Inclusão Digital públicos e privados de acessarem conteúdos relevantes para seu crescimento pessoal e profissional.
  48. 48. Estimular a formação profissional e o desenvolvimento cultural
  49. 49. Promover a emancipação digital do usuário de Centros de Acesso públicos e privados
  50. 50. Aproximar os usuários dos conteúdos das instituições parceiras
  51. 51. Aumentar a chance de adquirir conhecimento relevante em áreas diversas
  52. 52. Contribuir para a emancipação digital e social</li></ul>Para isso, o Conexão Cultura disponibiliza aos usuários de lanhouses e telecentros um aplicativo em forma de barra que é instalado no navegador e fornece conteúdo qualificado, como cursos profissionalizantes, serviços governamentais e apoio escolar.<br />
  53. 53. 12<br />TIC Lanhouses – Pesquisa Qualitativa<br /><ul><li>Objetivo: Explorar a percepção, os usos, as expectativas, as dificuldades e o grau de satisfação relativos aos espaços de acesso digital.
  54. 54. Público alvo: Gestores e Usuários de Lanhouses / Telecentros
  55. 55. Amostra: 2 Grupos Focais
  56. 56. Praça: São Paulo
  57. 57. Data de realização: 31 de março de 2010.</li></li></ul><li>TIC Lanhouses – Principais Conclusões<br />Mudança é necessária para a sobrevivência<br /><ul><li>Comunicação surge como valor central. É através dela que o usuário obtém a sua identidade digital como passaporte para o mundo virtual.
  58. 58. Redes sociais extrapolam a função inicial e estabelece uma conexão entre todas as esferas da vida. Neste sentido adquire relevância emocional, na medida em que possibilita acesso e a sobrevivência de laços afetivos e familiares a um custo viável em pontos distantes do planeta.
  59. 59. Sobrevivência e adequação dos espaços de inclusão digital: oferecer o acesso digital pelo acesso simplesmente, não é mais suficiente; a demanda está em ajustar-se à novos parâmetros e empreender um novo modusoperandi, oferecendo serviços agregados, ampliando referências, sinalizando mais dinamismo e modernidade.
  60. 60. Adaptação do modelo de gestão: buscando benefícios claros, consistentes, e diversificados em sintonia às necessidades locais de cada comunidade onde os espaço estão localizadas.</li></li></ul><li>Lanhouses – Comunicação como valor<br /><ul><li>As principais competências do acesso digital declarados: </li></ul>Comunicação /<br />Redes social<br />Desenvolvimento e Habilidades<br />Conhecimento<br />Capacitação profissional<br />Ampliação da rede social<br />Acesso à associações<br />Estabelecimento de novas parcerias/contatos<br />Divulgação de trabalhos<br />Youtube(músicas)<br />Informação<br />Atualização <br />Pesquisas de todos os tipos<br />...<br />Trabalhos escolares<br />Email, MSN, Orkut, Skype<br />......<br />Amigos <br />Família<br />Confere identidade digital, a sensação de pertencimento ao mundo moderno...além de conforto emocional<br />Possibilidade de crescimento pessoal e realização de sonhos <br />A referência de como tudo começou.<br />
  61. 61. Lanhouses – Dificuldades na gestão<br /><ul><li>A principal dificuldade apontada pelos gestores está em manter a legalidade e regularizaçãodos equipamentos (licenças, impostos) um $$$ que pode inviabilizar o negócio
  62. 62. No plano operacional, sofrem a resistência dos usuários de lanhouses em fazer cadastro reagem com desconfiança e/ou desconforto em registrar os dados pessoais.</li></li></ul><li>Lanhouses – Imagem das Lanhouses<br /><ul><li>A imagem do ambiente das lanhouses é pouco favorável e repercute negativamente no contexto da categoria como um todo:</li></ul>- Local de jogos violentos, com muita agitação, “palavrões”, teclados quebrados;<br />- Acesso indevido da pornografia por menores e a dificuldade de controle;<br />- A ausência de contato ou ainda uma interação equivocada<br />- O incômodo e desconforto que causa em outros frequentadores.<br />Levanta a discussão sobre a questão jurídica (Juizado de Menores), das multas <br />Além da preocupação legítima em relação à formação dos jovens  segurança<br />
  63. 63. Lanhouses – Mudanças Necessárias<br /><ul><li>Estrutural – apoio governamental e continuidade para que não haja retrocesso dos projetos já em andamento.
  64. 64. Técnica – incentivo à aquisição de equipamentos, softwares e atualização de softwares, recursos para desenvolvimento de material didático.
  65. 65. Humana – incentivo à capacitação dos profissionais habilitados a atuar nestes espaços.</li></li></ul><li>Lanhouses – Mudanças Necessárias<br />A despeito do risco das generalizações, as evidências apontam para a necessidade de uma mudança fundamental: Inclusão digital para inclusão social<br /><ul><li>Capacitação dos monitores e dos donos de lanhouses</li></ul>- Conscientização do papel de facilitador e incentivador, detectando as necessidades da comunidade;<br /><ul><li>Desenvolver e incrementar atividades, que atraiam as pessoas, favorecendo o convívio a fim de tornar o espaço um pólo de atração da comunidade</li></ul>- Pressupõe sensibilidade para ouvir as necessidades locais (aulas de teatro, oficina de xadrez/campeonatos, culinária, cinema, capoeira, RPG, e outras atividades lúdicas).<br />
  66. 66. Lanhouses – Mudanças Necessárias<br />A solução que se delineia está em articular parcerias que viabilizem uma segunda era dos espaços digitais das lanhouses.<br /><ul><li>Faculdades, escolas públicas e particulares
  67. 67. SEBRAE
  68. 68. Vale
  69. 69. Iniciativa privada: bancos, empresas Telecom  projetos de qualificação e certificação profissional (informática), cursos profissionalizantes
  70. 70. Formação de cooperativas (barateamento na compra de insumos)
  71. 71. Com os próprios Telecentros sinergia (aproveitamento dos horários ociosos ou descontos no uso conjunto)</li></ul>Uma mudança de paradigma, um novo modelo de gestão<br />
  72. 72. Lanhouses – Pesquisa Quantitativa<br />Pesquisa amostral em território nacional:<br /><ul><li>400 lanhouses em todo território nacional (desenho amostral realizado pela IPSOS PublicAffairs);
  73. 73. Entrevistas pessoais com proprietários e gestores de lanhouses por meio de questionário estruturado elaborado pela Cultura Data (com base nas pesquisas realizadas e grupos focais);
  74. 74. Período de realização: Julho/2010
  75. 75. Margem de erro 5 pontos percentuais para o total Brasil, considerando nivel de confiança a 95%.</li></li></ul><li>Lanhouses – Pesquisa Quantitativa<br /><ul><li>MÓDULO 1 - CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO
  76. 76. MÓDULO 2 - GESTÃO DA LANHOUSE
  77. 77. MÓDULO 3 - INFRA-ESTRUTURA (COMP/ EQTOS/ INTERNET)
  78. 78. MÓDULO 4 - CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DA LANHOUSE
  79. 79. MÓDULO 5 - SERVIÇOS COMPLEMENTARES
  80. 80. MÓDULO 6 - CLASSIFICAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DO ENTREVISTADO</li></li></ul><li>Considerações Finais<br /><ul><li>O desafio está em reverter a imagem de um espaço improdutivo, proporcionando atividades a fim de construir um centro de convivência social/cultural.
  81. 81. A idéia chave está nas parcerias, buscando sinergias, independente da natureza ou porte das instituições parceiras com o objetivo de complementação e fortalecimento de competências.
  82. 82. A importância das parcerias como forma de sobrevivência ao progressivo acesso à internet, suprindo brechas em termos de serviços, facilidades, capacitação e troca de informações. A idéia central está em expandir os contornos de um espaço de inclusão digital para um registro de inclusão social.</li></li></ul><li>Alexandre Barbosa – NIC.BRalexandre@nic.br<br />Isabel Colucci – ConexãoCulturaisabelcolucci@tvcultura.com.br<br />Obrigado.<br />

×