O papel da gestão em relação a indisciplina na escola

8.135 visualizações

Publicada em

Qual a função/papel da gestão/coordenação em relação a indisciplina na escola? Esses slide visam de forma simples responder essa pergunta.

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.135
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
502
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
238
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O papel da gestão em relação a indisciplina na escola

  1. 1. Qual o Papel (função) da Equipe Gestora em relação às indisciplinas nas escolas ?
  2. 2. Todos os dias enfrentamos situações com casos de indisciplina no contexto escolar. Brigas, xingamentos, discussões, bullying,etc. A preocupação em relação a esses fatos é uma realidade presente em toda escola, por isso cabe a equipe gestora procurar as melhores soluções em resolver tais questões.( prrsoares) Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  3. 3. Em se falando de indisciplina na escola, existe um a grande preocupação por parte de toda a comunidade escolar.Que postura devem ter os membros das equipes diretivas/gestoras escolares (Direção/Coordenação Pedagógica, Orientação Educacional, Supervisão Escolar etc, frente a esses problemas? O que fazer e qual o melhor posicionamento sobre isto? Uma coisa é certa, é preciso criar um clima de confiança, baseado numa ética e no autêntico diálogo. Por exemplo: Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  4. 4. 1- Construir participativamente uma linha comum de atuação. Um dos pontos mais enfatizados pelos professores em escolas que estão com problemas de disciplina é a falta desta linha comum: que todos tenham a "mesma linguagem". Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  5. 5. 1-Ajudar a manter uma visão de totalidade do problema. Algumas vezes, para fazer com que o professor assuma suas responsabilidades, não se fala de todo o resto, apenas questionando se ele já fez sua parte. É claro que isto vai provocar a sensação de ser o "bode expiatório" ("É sempre culpa do professor"; "Cai tudo nas costas do professor" etc.). Não deixar que se perca a visão de conjunto. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  6. 6. 3-Não designar alguém na escola só para cuidar da disciplina"; a construção da disciplina é tarefa de todos. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  7. 7. 4-Subsidiar, apoiar o professor para que possa ser o autor da ação educativa, inclusive disciplinar; orientar, ajudar a formar o professor para o diálogo com os alunos. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  8. 8. 5-Resgatar o saber docente. Reconhecer que os professores construíram um saber a partir de suas experiências. Só que geralmente é um saber fragmentado e até contraditório. Daí a importância de partilhar, fazer a crítica e sistematizar como cultura pedagógica do grupo. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  9. 9. 6-Confiar no grupo; superar o controle, a vigilância como se o professor fosse irresponsável (ex.: ficar passando pelo corredor e espiando a sala). Algo muito diferente ocorre quando, por exemplo, há um acordo para que alguém da equipe assista à aula, para depois refletir com o professor sobre sua prática. Apoiar as iniciativas de mudança dos professores; isto é sinal de vida. Dar tempo para colocarem prática e analisar. Não frustrar com rigorismo e medo do erro. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  10. 10. 7-Pesquisar mais a própria prática; ser capaz de levantar as representações dos professores. No caso aqui, o que pensam a respeito dos problemas de disciplina. Ter mais coragem de ouvir; esta é uma coisa que dificulta o trabalho de direção ou coordenação: os professores vêm com suas queixas; a equipe, com medo de que, com aqueles problemas todos, ele desanime, já começa a tentar dar explicações, justificativas, não os deixando falar até o fim. É preciso confiar mais em nossa capacidade, em nossa proposta, na força do pró rio grupo e deixá-los falar tudo o que têm para falar, e só depois disto começar a reconstruir coletivamente Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  11. 11. 8-Ser "colo" quando necessário, mas também ser firme se a situação assim o exigir. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  12. 12. 9-Num primeiro momento, trabalhar com um grupo menor, que esteja mais aberto, minimamente querendo, que revele uma base de humanidade preservada. Criar base para um trabalho maior. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  13. 13. 10-Superar o formalismo; abrir espaços para que o professor possa atender os alunos em suas necessidades, sejam de aprendizagem ou relacionamento. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  14. 14. 11- Apoiar o professor diante da comunidade. Os eventuais equívocos serão tratados internamente. Saber enfrentar pressões equivocadas dos pais. É muito desgastante quando o professor sente que seu trabalho não tem o respaldo da equipe. Vejam, isto não significa conivência, acobertar erros, mas profissionalismo, tratar as coisas na hora e local adequados. Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  15. 15. 12-Favorecer clima ético; cortar "fofocas", "diz-que- diz-que". Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  16. 16. ...Os desafios a serem enfrentados são enormes. Se não encontrarmos um clima favorável nem entre os companheiros de trabalho, fica muito difícil manter o ânimo e a esperança de que as coisas podem de fato mudar. Fonte de pesquisa: http://coordenacaoescolagestores.mec.gov.br/ufmt/f Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/
  17. 17. Só poderão alcançar os objetivos propostos aqueles que se atém a colocar em prática as metas e os princípios delimitados. prrsoares Fonte de pesquisa: http://coordenacaoescolagestores.mec.gov.br/ufmt/f Visite: http://prrsoaresamigodedeus.blogspot.com/

×