EducaçãoEscolar eCultura(s):ConstruindoCaminhos
Educação Escolar e CulturaA educação escolar visa complementar o que em parte já ensinado em casapelos pais: o saber do ap...
Texto de :Antonio Flavio Barbosa MoreiraUniversidade Católica de Petrópolis, Mestrado emEducaçãoVera Maria CandauPontif...
Educação Escolar e CulturaIndagações importantes presentes no cotidiano escolarque servem como suporte para uma boa discus...
Educação Escolar e CulturaJustiça Curricular de Connell (1993)denominada por três princípios:(a) os interesses dos menos f...
Educação Escolar e CulturaPretensões do textoNosso texto pretende, com base em resultadosde pesquisas que coordenamos e de...
Educação Escolar e CulturaOrientação MulticulturalApoiando-nos em Sousa Santos (2001, 2003), insistimos nanecessidade de u...
Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaA importância da cultura no mundo contemporâneotem sido enfatizada por ...
Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaA centralidade da cultura é também destacadapelos autores associados ao...
Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaPara Giroux (1983), a despeito dasupervalozição das experiências vivida...
Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaHall (1997) reafirma a centralidadeda cultura no cenário contemporâneo ...
Educação Escolar e CulturaEscola e cultura(s)A escola é, sem dúvida, uma instituição cultural.Portanto, as relações entre ...
Educação Escolar e CulturaEscola e cultura(s)Essa afirmação suscita várias questões:1- Que entendemos por produções cultur...
Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoPode-se chamar de multiculturalismo crítico (Stoer & Cortesão,19...
Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoAlém da superação do daltonismo cultural, nossos(as)especialista...
Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoEm segundo lugar, pode ser relevante atentarmos para o que nospr...
Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoEm terceiro lugar, propomos que se expandam os conteúdoscurricul...
Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarAbordamos, a seguir, estratégias espe...
Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarA discriminação pode adquirir múltipl...
Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarPara se trabalhar essa problemática n...
Educação Escolar e CulturaConstruindo uma nova perspectivapara a educação escolar-Não basta acrescentar temas, autores, ce...
Educação Escolar e CulturaConstruindo uma nova perspectivapara a educação escolar-Na medida das possibilidades, outro pont...
Educação Escolar e CulturaANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA doutorou-seem Educação no Instituto de Educação da Universidade d...
Educação Escolar e CulturaVERA MARIA CANDAU doutorou-se em Educação pelaUniversidade Complutense de Madrid (Espanha). É pr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau

17.372 visualizações

Publicada em

Apresentação em slide sobre o texto : Educação Escolar e Cultura(s) Construindo Caminhos .Texto de ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA e VERA MARIA CANDAU .

5 comentários
31 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
701
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
5
Gostaram
31
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau

  1. 1. EducaçãoEscolar eCultura(s):ConstruindoCaminhos
  2. 2. Educação Escolar e CulturaA educação escolar visa complementar o que em parte já ensinado em casapelos pais: o saber do aprendizado didático. Na escola ensina-se saberes da ciência parauma vida toda, pois na verdade, a educação escolar nunca para, pois as experiências deuma pessoa é uma escola permanente. A escola orienta no que condiz a termos econhecimentos passados de um para o outro que geram conhecimentos eentendimentos adquiridos, transformando em ações positivas e aquisição de valorespróprios.A cultura representa o que há de maior valor em um povo. Passa de geraçãoem geração e cria conceitos e torna-se o eixo norteador do ensino em muitos lugares.Afinal, um bom currículo escolar deve sempre levar em conta a cultura local/nacional/.Sendo assim, as práticas pedagógicas escolares se bem direcionadas atingirão com maisêxito os objetivos propostos.no ensinoNão basta apenas ensinar ou orientar o que dever ser feito. Construircaminhos para alcançar as metas projetadas é fundamental no cotidiano escolar. Quaiscaminhos queremos construir? O que nos leva esse direcionamento? Devemos ter emmente que mais que direcionar, devemos estar juntos e interagir pensando no resultadopositivo , mesmo que isso seja lento. Porque ensinar e aprender... Exige esforço etempo.prrsoares
  3. 3. Texto de :Antonio Flavio Barbosa MoreiraUniversidade Católica de Petrópolis, Mestrado emEducaçãoVera Maria CandauPontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,Departamento de EducaçãoEducação Escolar e Cultura
  4. 4. Educação Escolar e CulturaIndagações importantes presentes no cotidiano escolarque servem como suporte para uma boa discussão emgrupo.1-Como lidar com essa criança tão “estranha”, queapresenta tantos problemas, que tem hábitos e costumestão “diferentes” dos da criança “bem educada”?2-Como “adaptá-la” às normas, condutas e valoresvigentes?3-Como ensinar-lhe os conteúdos que se encontram noslivros didáticos?4-Como prepará-la para os estudos posteriores?5-Como integrar a sua experiência de vida de modocoerente com a função especificada escola?
  5. 5. Educação Escolar e CulturaJustiça Curricular de Connell (1993)denominada por três princípios:(a) os interesses dos menos favorecidos,(b) participação e escolarização comum e(c) a produção histórica da igualdade.Para o autor, o critério da justiça curricular é ograu em que uma estratégia pedagógica produzmenos desigualdade no conjunto de relaçõessociais ao qual o sistema educacionalestá ligado.(p,157)
  6. 6. Educação Escolar e CulturaPretensões do textoNosso texto pretende, com base em resultadosde pesquisas que coordenamos e de teorizações quetemos analisado:-Oferecer subsídios para que essa tarefavenha a ser mais bem enfrentada.-Pretende ir além da intenção de dialogar com os paresda academia e- Visa apresentar princípios, exemplos e sugestõesque possam ser úteis ao professorado em seuempenho por tornar a cultura elemento central de seusplanos e suas práticas.- Não pretende oferecer prescrições.
  7. 7. Educação Escolar e CulturaOrientação MulticulturalApoiando-nos em Sousa Santos (2001, 2003), insistimos nanecessidade de uma orientação multicultural, nas escolas e noscurrículos, que se assente na tensão dinâmica e complexaentre políticas da igualdade e políticas da diferença(...)(...) Construir o currículo com base nessa tensão nãoé tarefa fácil e irá certamente requerer do professornova postura, novos saberes, novos objetivos, novosconteúdos, novas estratégias e novas formas de avaliação.Será necessário que o docente se disponha ese capacite a reformular o currículo e a prática docentecom base nas perspectivas, necessidades e identidadesde classes e grupos subalternizados.
  8. 8. Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaA importância da cultura no mundo contemporâneotem sido enfatizada por autores de diferentestendências.(p,158)Segundo Featherstone, no entanto, trata-se, na verdade,de uma recentralização da cultura, expressa no aumentoda importância atribuída ao estudo da cultura no âmbitoda vida acadêmica.No campo da educação, Michael Apple (1999),um dos mais renomados autores da teoria crítica docurrículo, sustenta que lutas e conflitos culturais nãoconstituem meros epifenômenos, mas sim eventosreais e cruciais na batalha por hegemonia.
  9. 9. Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaA centralidade da cultura é também destacadapelos autores associados ao marxismo culturalista,entre os quais se destacam Raymond Williams eEdward Thompson. Para esses teóricos, o modelobase-superestrutura, proposto pelo marxismo ortodoxo,transforma a história em um processo automáticoe a cultura em um domínio de idéias e significadosrestritos a um mero reflexo da estrutura econômicada sociedade.
  10. 10. Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaPara Giroux (1983), a despeito dasupervalozição das experiências vividas, o marxismoculturalista traz à tona os equívocos envolvidos navisão da cultura como mero reflexo da infra-estrutura,bem como propicia uma visão mais abrangente eprofunda da esfera cultural da sociedade, na qual osindivíduos atuam em meio a práticas e as conflitivasrelações de poder, produzindo, rejeitando ecompartilhando significados
  11. 11. Educação Escolar e CulturaA centralidade da culturaHall (1997) reafirma a centralidadeda cultura no cenário contemporâneo e ressalta seu papelconstitutivo em todos os aspectos da vida social. Para o autor,estamos mesmo diante de uma revolução cultural, evidenciadapela significativa expansão do domínio configurado porinstituições e práticas culturais.O autor procura esclarecer, ao mesmo tempo,que o posicionamento a favor da centralidade da cultura nãoimplica considerar que nada exista a não ser a cultura.Significa, sim, admitir que toda prática socialtem uma dimensão cultural, já que toda práticasocial depende de significados e com eles está estreitamenteassociada.
  12. 12. Educação Escolar e CulturaEscola e cultura(s)A escola é, sem dúvida, uma instituição cultural.Portanto, as relações entre escola e cultura não podemser concebidas como entre dois pólos independentes,mas sim como universos entrelaçados, como uma teiatecida no cotidiano e com fios e nós profundamentearticulados.A escola é uma instituição construída historicamenteno contexto da modernidade, considerada comomediação privilegiada para desenvolver uma funçãosocial fundamental: transmitir cultura, oferecer às novasgerações o que de mais significativo culturalmenteproduziu a humanidade.
  13. 13. Educação Escolar e CulturaEscola e cultura(s)Essa afirmação suscita várias questões:1- Que entendemos por produções culturaissignificativas?2-Quem define os aspectos da cultura, dasdiferentes culturas que devem fazer parte dos conteúdosescolares?3-Como se têm dado as mudanças e transformaçõesnessas seleções?4-Quais os aspectos que têmexercido maior influência nesses processos?5-Como se configuram em cada contexto concreto?
  14. 14. Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoPode-se chamar de multiculturalismo crítico (Stoer & Cortesão,1999), aquilo que é correspondente a uma perspectivaemancipatória que envolve, além do reconhecimento dadiversidade e das diferenças culturais, a análise e o desafio dasrelações de poder sempre implicadas em situações em queculturas distintas coexistem no mesmo espaço.Para todos(as), uma ação docente multiculturalmente orientada,que enfrente os desafios provocados pela diversidade cultural nasociedade e nas salas de aulas, requer uma postura que supere o“daltonismo cultural” usualmente presente nas escolas,responsável pela desconsideração do “arco-íris de culturas” comque se precisa trabalhar. Requer uma perspectiva que valorize eleve em conta a riqueza decorrente da existência de diferentesculturas no espaço escolar.
  15. 15. Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoAlém da superação do daltonismo cultural, nossos(as)especialistas sugerem estratégias pedagógicas que permitam lidarcom essa heterogeneidade. Destacamos algumas,sem esgotá-las,complementando-as com pontos de vista e sugestões que seencontram na literatura especializada sobre multiculturalismo.Inicialmente, ressaltamos o que uma das especialistas afirmou:Temos que reescrever o conhecimento a partir dasdiferentes raízes étnicas. Mas não é cada um fechadinhono seu canto. Eu tenho que reescrever a partir da minhaexperiência nessa raiz étnica. É a experiência vivida,inclusive no nosso caso, dos descendentes de africanos nadiáspora. O conhecimento tem que ser reescrito ereescrito a partir daí.
  16. 16. Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoEm segundo lugar, pode ser relevante atentarmos para o que nospropõe uma outra especialista entrevistada na pesquisa em pauta.Ela sugere a “ancoragem social” dos conteúdos.Ancorar socialmente o conteúdo: ver como é que elesurgiu, em que contexto social ele surgiu, quem foi quepropôs historicamente esse conceito, quais eram asideologias dominantes. E aí você vai fazendo isso comtodos os conteúdos possíveis dentro do currículo e [...]isso é uma maneira de você nem cair naquele vazio deficar só tentando entender diversas linguagens, diversasculturas, e também não cair na idéia de que o conteúdo éalgo fixo. É uma outra vertente.
  17. 17. Educação Escolar e CulturaDiversidade Cultural e CurrículoEm terceiro lugar, propomos que se expandam os conteúdoscurriculares usuais, de modo a neles incluir a crítica dosdiferentes artefatos culturais que circundam o(a) aluno(a). A idéiaé transformar a escola em um espaço de crítica cultural, de modoque cada professor(a), como intelectual que é, possadesempenhar o papel de crítico(a) cultural (Sarlo, 1999) epropiciar ao(à) estudante a compreensão de que tudo que passapor “natural” e “inevitável” precisa ser questionado e pode,conseqüentemente, ser transformado.
  18. 18. Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarAbordamos, a seguir, estratégias específicas que, segundo a visãode profissionais da educação, podem ser capazes de desestabilizaratitudes de preconceito e discriminação.Uma das questões fundamentais de serem trabalhadas nocotidiano escolar, na perspectiva da promoção de uma educaçãoatenta à diversidade cultural e à diferença, diz respeito aocombate à discriminação e ao preconceito, tão presentes na nossasociedade e nas nossas escolas. Em recente pesquisa (Candau,2003) realizada com o objetivo de identificar as diferentesmanifestações do preconceito e da discriminação nesses espaços,foram claramente evidenciados os sutis processos dediscriminação que permeiam nossas práticas sociais eeducacionais em suas diversas dimensões.
  19. 19. Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarA discriminação pode adquirir múltiplos rostos, referindo-setanto a caráter étnico e caráter social, como a gênero, orientaçãosexual, etapas da vida, regiões geográficas de origem,características físicas e relacionadas à aparência, grupos culturaisespecíficos (os funkeiros, os nerds etc.).Muitos dos relatos sobre situações de discriminação mostraram,também, que a escola é palco de manifestações de preconceitos ediscriminações de diversos tipos. No entanto, a cultura escolartende a não reconhecê-los, já que está impregnada por umarepresentação padronizadora da igualdade – “aqui todos sãoiguais”, “todos são tratados da mesma maneira”– e marcada porum caráter monocultural. Preconceitos e diferentes formas dediscriminação estão presentes no cotidiano escolar e precisam serproblematizados, desvelados, desnaturalizados.
  20. 20. Educação Escolar e CulturaO combate à discriminação e ao racismo no cotidiano escolarPara se trabalhar essa problemática na escola, os(as)professores(as) deram vários exemplos e apresentaram diferentesestratégias que incidem em diversas dimensões do cotidianoescolar.1-A primeira, ponto de partida para se caminhar na direção deuma educação multicultural e antidiscriminadora, implicareconhecer a existência dessa problemática, não silenciá-la,refletir sobre ela.2- Trabalho coletivo: A construção de práticas multiculturais enão-discriminatórias só é possível na ação conjunta.3-Outro tema: favorecer o desenvolvimento da auto-estima, dorespeito e da valorização mútuos. (Nessa perspectiva, afetar oprojeto político-pedagógico da escola se faz imprescindível)
  21. 21. Educação Escolar e CulturaConstruindo uma nova perspectivapara a educação escolar-Não basta acrescentar temas, autores, celebrações etc. Énecessária uma releitura da própria visão de educação. Éindispensável desenvolver um novo olhar, uma nova ótica, umasensibilidade diferente.-O marco contextual é fundamental para que se possa construir onovo olhar que desejamos.-Outra questão importante é favorecer uma reflexão de cadaeducador(a) sobre a sua própria identidade cultural: como écapaz de descrevê-la, como tem sido construída, que referentestêm sido privilegiados e por meio de que caminhos.-Também o aprofundamento da temática da formação culturalbrasileira se faz imprescindível-
  22. 22. Educação Escolar e CulturaConstruindo uma nova perspectivapara a educação escolar-Na medida das possibilidades, outro ponto a ser trabalhado é ainteração com diferentes grupos culturais e étnicos.-O principal propósito, acrescentamos, é que o docente venha adescobrir outra perspectiva, assentada na centralidade da cultura,no reconhecimento da diferença e na construção da igualdade. -Esperamos, assim, formar educadores que atuem como agentessociais e culturais a serviço da construção de sociedades maisdemocráticas e justas.Fonte de pesquisa :MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa e CANDAU, Vera Maria. Educaçãoescolar e cultura(s): construindo caminhos . Disponívelem<http://coordenacaoescolagestores.mec.gov.br/ufmt/file.php/1/Cursos-Ano-Base_2013/. Acesso em 14/06/2013
  23. 23. Educação Escolar e CulturaANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA doutorou-seem Educação no Instituto de Educação da Universidade de Londres.É professor da Universidade Católica de Petrópolis e PesquisadorAssociado da Faculdade de Educação da UFRJ, onde coordena oNúcleo de Estudos de Currículo. Publicou diversos artigos sobrecurrículo e formação de professores, bem como o livro Currículos eprogramas no Brasil (Papirus, 1990). Organizou Organizou asseguintes coletâneas: Conhecimento educacional e formação doprofessor (Papirus, 1994); Currículo : questões atuais (Papirus, 1999)e Currículo : políticas e práticas (Papirus, 1999). Com Tomaz Tadeuda Silva, organizou Curículo, cultura e sociedade (Cortez, 1994) eTerritórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos eculturais (Vozes, 1995). Com Ana Canen, organizou Ênfases eomissões no currículo (Papirus, 2001). E-mail :afmcju@infolink.com.br
  24. 24. Educação Escolar e CulturaVERA MARIA CANDAU doutorou-se em Educação pelaUniversidade Complutense de Madrid (Espanha). É professoratitular do Departamento de Educação da Pontifícia UniversidadeCatólica do Rio de Janeiro. Assessora diversos programassocioeducativos em diferentes países latino-americanos. Temdesenvolvido vários estudos nas áreas de didática, formação deprofessores e, mais recentemente, com o apoio do CNPq e daFAPERJ, uma linha de pesquisa sobre “Cotidiano, Educação eCultura(s)”. Algumas das últimas publicações que organizou são:Reinventar a escola (Rio de Janeiro: Vozes, 2000), Sociedade,educação e cultura(s) : questões e propostas. (Rio de Janeiro:Vozes, 2002) e Discriminación, sociedad y escuela en AméricaLatina (Bolívia: Runa, 2002). E-mail: vmfc@edu.puc-rio.br

×