Qualidade de bacia hidrográfica
ÍNDICE         1.O Projeto – das nascentes à foz das águas         limpas e abundantes               Objetivos e desdobram...
QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIAQuestões orientadoras:Qual o estado da água que o Rio Embu-Mirim entrega ao reservatórioGuar...
METODOLOGIA              QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA                             Sub-bacia do                          ...
METODOLOGIA                                         QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA  Diagrama unifilar situando os pontos  ...
METODOLOGIA                                        QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA        Secundários   CETESB, SABESP, Bas...
METODOLOGIA                                         QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA         - 2 campanhas de coleta de dado...
METODOLOGIA       Qualidade de bacia hidrográfica : questões principais    A qualidade da água no Rio Embu-Mirim, tal como...
RESULTADOS                                                     QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA    Análises de séries tempor...
Resultados                                                                   0,7Qualidade de bacia hidrográfica :         ...
Resultados  Qualidade de bacia hidrográfica : microbacias - cabeceiras        900        800                     EC (uS/cm...
ResultadosMicrobacias-cabeceiras – quantitativo coliformes
RESULTADOS                                                                   QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA  Qual o estado...
O PROJETO                                                                                    Nascentes:       Programa de ...
RESULTADOS                                                                              ÁREAS E AÇÔES PRIORITÁRIAS PARA A ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

apresentação quali bacia comite

383 visualizações

Publicada em

apres parcial

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

apresentação quali bacia comite

  1. 1. Qualidade de bacia hidrográfica
  2. 2. ÍNDICE 1.O Projeto – das nascentes à foz das águas limpas e abundantes Objetivos e desdobramentos 2.Área de Estudo Inserção Regional Problemática e Relevância 3.Metodologia e Resultados Uso e Ocupação do Solo Legislação Qualidade das Águas 4.Análise diagnóstica integrada 5.Áreas e ações prioritárias para a conservação e recuperação dos recursos hídricos na subBacia EMirim
  3. 3. QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIAQuestões orientadoras:Qual o estado da água que o Rio Embu-Mirim entrega ao reservatórioGuarapíranga ? Como varia a qualidade da água ao longo de seucurso ?Como contribuem Ressaca e Itacoaxiara ? Eles pioram ou melhoram aqualidada da água do Embu-Mirim ?Qual o estado das microbacias de cabeceiras ? Se há degradação naqualidade do ambiente aquático e da água, quais são elas,especificamente, os impactos e os vetores ?Quais seria as áreas e ações prioritárias para a conservação dos recuroshídricosna sub-bacia ?Quais seriam as características de um Programade Monitoramento para a Sub-Bacia ?
  4. 4. METODOLOGIA QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA Sub-bacia do Rio Embu-MIrim - pontos de coleta de dados e amostras
  5. 5. METODOLOGIA QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA Diagrama unifilar situando os pontos de coleta de dados e amostras ao longo dos corpos dágua amostrados
  6. 6. METODOLOGIA QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA Secundários CETESB, SABESP, Bases Cientificas e Acadêmicas Físicas e Virtuais Fisicos Temperatura, Turbidez, Condutividade, Potencial de Óxidorredução, Quimicos pH, Oxigênio Dissolvido, Nitrogênio e Fósforo Totais Biológicos Coliformes fecais e totais, macroinvertebrados bentônicos bioindicadores Sociais- Uso-ocupação do solo, cobertura vegetal, impactos pontuais econômicos
  7. 7. METODOLOGIA QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA - 2 campanhas de coleta de dados e amostras em campo (janeiro e setembro) - um total de 25 pontos analisados - interface com o Sistema de Informações Geográficas do Projeto e disponibilização de tabelas de dados associadas no BDG
  8. 8. METODOLOGIA Qualidade de bacia hidrográfica : questões principais A qualidade da água no Rio Embu-Mirim, tal como monitorada no ponto EMMI 02900 pela CETESB, foi classificada entre regular e ruim no ano de 2010. Os dados deste trabalho corroboram a classificação para este ano. . Em relação à conformidade aos limites previstos pela Res. CONAMA 357 para os corpos dágua classificados como de Classe II o Rio Embu Mirim apresentou ocorrências de desconformidades em 10 parâmetros físico- químicos e biológicos: Oxigênio Dissolvido, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Coliformes Termotolerantes e para os metais Ferro, Aluminio, Manganês, Alumínio, Chumbo, Mercúrio, Cobre e Cádmio (dados deste trabalho e da CETESB, 2009-10. Ver Anexo II)
  9. 9. RESULTADOS QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA Análises de séries temporais indicam uma progressiva perda de qualidade da água entre os anos de 2004 e 2009, caindo o IQA de 57 pontos em 2004 para 47 em 2009. No período observado o Rio Embu Mirim responde pela maior variação negativa de IQA em toda a bacia da Guarapiranga. Caiu 10 pontos nos ultimos 6 anos, tendo-se obsevado uma queda radical entre os anos de 2004 e 2005.
  10. 10. Resultados 0,7Qualidade de bacia hidrográfica : 0,6 [ ] 10,5 h incub curso Embu-Mirim 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 AEM040 AEM030 AEM020 MEM010 MEM020 BEM010 10 9 8 OD (mg/L) DBO(mg/L) 7 N kj Tot(mg/L) 6 5 4 3 2 1 0 AEM030set AEM020set AEM010jan MEM020jan MEM010jan BEM010jan AEM040 AEM030jan AEM020jan MEM020set MEM010set BEM010set 250 EC (uS/cm) 200 ORP (mV) 150 100 50 0 AEM040 AEM030s AEM030c AEM020s AEM020c AEM010c MEM020s MEM020c MEM010s MEM010c BEM010s BEM010c
  11. 11. Resultados Qualidade de bacia hidrográfica : microbacias - cabeceiras 900 800 EC (uS/cm) 700 ORP (mV) Tsecchi (cm) 600 500 400 300 200 100 0 RES040 RES050c AEM015 AEM025s AEM040 ITA025 BEM020c BEM030c CMG010c RES030 RES045 RES050s AEM025c AEM035 AEM037 ITA028 BEM020s BEM030s CMG010s 10 OD (mg/L) 9 pH 8 7 6 5 4 3 2 1 0 RES040 RES050c AEM015 AEM025s AEM040 ITA025 BEM020c BEM030c CMG010c RES030 RES045 RES050s AEM025c AEM035 AEM037 ITA028 BEM020s BEM030s CMG010s
  12. 12. ResultadosMicrobacias-cabeceiras – quantitativo coliformes
  13. 13. RESULTADOS QUALIDADE DE ÁGUA NA SUB-BACIA Qual o estado da água que o Rio Embu-Mirim entrega ao reservatório Guarapíranga ? Como varia a qualidade da água ao longo de seu curso ? O Rio Embu Mirim está piorando a água do Reservatório Guarapiranga, e está inclusive pior do que a da bacia irmã Embu Guaçu. Observada a ocorrência de desconformidades em relação a metais pesados e relatos de descargas pontuais de efluentes industriais. Não foi constatada toxicidade aguda nos pontos analisados. Como contribuem Ressaca e Itacoaxiara ? Eles pioram ou melhoram a qualidada da água do Embu-Mirim ? Os Ribeirões Ressaca e Itacoaxiara apresentam água de melhor qualidade, e contribuem sobremaneira para reduzir os efeitos da alta degrdação do Rio Embu- Mirim. . Qual o estado das microbacias de cabeceiras ? Se há degradação na qualidade do ambiente aquático e da água, quais são elas, especificamente, os impactos e os vetores ? Presença ubíqua e elevada de contaminação fecal potencialmente patogênica em todas a bacia. Foi observado contato direto de humanos com vários cursos dágua, especialmente crianças, compondo um quadro de vulnerabilidade severa. Quais seria as áreas e ações prioritárias para a conservação dos recuros hídricosna sub-bacia ?Quais seriam as características de um Programa de Monitoramento para a Sub-Bacia ? A unidade espacial que mais contribui para a degradação da bacia enquanto recurso hídrico é o Alto Embu Mirim e região central de Embu, Itapecerica da Serra e as bacias gragárias de pequeno porte próximas ao setor Baixo Embu-Mirim. As atividades industriais e o aporte de efluentes domésticos parecem ser as maiores fontes
  14. 14. O PROJETO Nascentes: Programa de monitoramento - rede heterogenea – habitantes locais, organizações, técnicos voluntários - rede basica detalhada participativa interativa de baixo custo - analises mais especificas e caras sob demanda - estrutura de absorção-aplicação dos dados - articulação com rede de fomento a projetos
  15. 15. RESULTADOS ÁREAS E AÇÔES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÂO DOS RECURSOS HÍDRICOS Categorias de áreas Usos Base diagnóstica Ações de conservação e recuperação representativos Impacto pontual severo Mineração, lixões, Alterações pontuais severas incluindo - controle ambiental (licenciamento, denuncia, fiscalização, ações civis públicas) solo exposto bacias de pequena escala, em - projetos de revegetação, em especial de matas ciliares parâmetros como condutividade, - projetos físico-químicos e ecotecnológicos de tratamento de efluentes especificos (sedimentos, chorume, etc) turbidez, demanda bioquímica de oxigênio, metais pesados Alto risco e toxicidade Indústria, rodovia Presença de metais pesados em - controle ambiental (licenciamento, denuncia, fiscalização, ações civis públicas) concentrações desconformes no Rio - monitoramento ambiental técnico e comunitário/participativo (comportamento e propriedades cursos dágua) Embu-Mirim - tratamento de efluentes industriais Contaminação fecal Chácaras Presença em níveis elevados de - educação ambiental para ocupação (APPs, Reserva Legal, planejamento ambiental) difusa coliformes fecais em setores com baixa - programas de construção de sistemas ecotecnológicos de tratamento de efluentes domésticos (canteiros densidade demográfica e ocupação biossépticos, wetlands, multisoil layering, etc) - controle (fiscalização, denúncia, ação civil pública) Águas eutróficas Ocupação intensa, Contaminação fecal em niveis - educação ambiental para ocupação (APPs, Reserva Legal, planejamento ambiental) desordenada, favelas elevadíssimos, baixíssima - programas de construção de sistemas ecotecnológicos de tratamento de efluentes domésticos (canteiros concentração de oxigênio dissolvido, biossépticos, wetlands, multisoil layering, etc) altos niveis de fósforo e nitrogênio - controle (fiscalização, denúncia, ação civil pública) - programas de urbanização, relocação, parques lineares, etc Produção hídrica Bacias de pequena Presença de bacias bem preservadas - educação ambiental para ocupação (APPs, Reserva Legal, planejamento ambiental) escala altamente produzindo água de qualidade que dilui - mobilização e advocacy para criação de Áreas Protegidas florestadas - chácaras poluentes do Embu Mirim, espacialmente no Itacoaxiara e Ressaca Várzeas campo-capoeira-mata Planícies de extravasamento do rio em - educação ambiental para ocupação (APPs, Reserva Legal, planejamento ambiental) seus cursos médio e baixoEfeito - mobilização e advocacy para criação de Áreas Protegidas autodepurativo observado

×