18 história rafael - iluminismo e revolução francesa

408 visualizações

Publicada em

Resumão

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

18 história rafael - iluminismo e revolução francesa

  1. 1. http://historiaeatualidade.blogspot.com professor.fael@terra.com.br Material Único História e Atualidades Professor Rafael Magno Noronha =] 1
  2. 2. Revolução Francesa 2
  3. 3. ANTECEDENTES Parte 01 3
  4. 4. Os filósofos das luzes pretendiam iluminar o mundo, livrando-o das trevas em que a humanidade vivia antes que o capitalismo viesse tirar da miséria, da opressão e da ignorância. Razão: luz para a humanidade, capaz de acabar com antigos modelos, como o Absolutismo.  Lema: Igualdade, Liberdade e Fraternidade  Principais nomes: Montesquieu, Voltaire, Diderot e Rousseau. 4
  5. 5. Montesquieu (1689-1755): escreveu o Livro “O ESPÍRITO DAS LEIS”, em que defendia a divisão do poder em três órgãos: o Poder Legislativo, o Judiciário e o Executivo. 5
  6. 6. Voltaire (1694-1778): defensor da Liberdade, dizia: “posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las” 6
  7. 7. Diderot (1713-1784) e D’Alembert (1717-1783): organizadores da ENCICLOPÉDIA, em 28 volumes. Foi fundamental para difundir as novas ideias. 7
  8. 8. Rousseau (1712-1778): via na propriedade a origem da desigualdade . Sua principal obra foi “O Contrato Social”, em que colocava a ideia de um governo conforme a vontade do povo. 8
  9. 9. Influenciou o mundo, inclusive a Independência de toda a América e também a Inconfidência Mineira (1789). IluminismoIluminismo 9
  10. 10. “Na metade do século XVII, em Beauvais, na França, mais de um terço das crianças morria antes de completar 1 ano de idade, apenas 58% das pessoas chegavam aos 15 anos e a esperança média de vida era pouco superior a 20 anos” Paulo Miceli A Sociedade FrancesaA Sociedade Francesa 10
  11. 11. 1º Estado: Igreja (Clero) 10% do Território francês  propriedades do Clero, em especial, do alto Clero. Com muitos privilégios, não pagava impostos. 2º Estado: Nobreza A nobreza contava com toda sorte de privilégios e também não pagava impostos. Nobreza Palaciana Nobreza Campesina Nobreza Togada 25 milhões de pessoas,25 milhões de pessoas, divididas:divididas: 11
  12. 12. 3º Estado: Povo Pagava os impostos que sustentavam os outros Estados A) BURGUESIA Financeira Comercial Artesanal (Industrial) Liberal (líderes) B) Artesãos e Operários Corporações de Ofício Poucos Operários Sans Culottes C) Camponeses Dos 25 milhões de francês, 18 viviam no campo. Miséria Servidão Trabalho livre 12
  13. 13. 13
  14. 14. Acima dos Estados estava o REI ABSOLUTISTA . Como em todo governo, “roubava” dos pobres para dar aos ricos  no final do século XVIII não havia o que tirar do povo  início dos problemas! Absolutismo (ANTIGOAbsolutismo (ANTIGO REGIME)REGIME) 14
  15. 15. A REVOLUÇÃO Parte 02 15
  16. 16. Marco fundamental da Sociedade Capitalista. Modelo clássico de Revolução Democrático-Burguesa. Revolução FrancesaRevolução Francesa 16
  17. 17. Início: 5 de Maio de 1789. Cada ESTADO tinha direito de um voto  1º e 2º Estados unidos! 3º ESTADO  deseja o voto por cabeça, se rebela e proclama a Assembleia Nacional Constituinte em 9 de Julho. O Clero começa a mudar de lado! O Rei suspende as decisões do 3º Estado. O 3º Estado se mantêm firme decidido a conquistar uma nova constituição. A população se envolve! 1) Assembleia Nacional1) Assembleia Nacional ConstituinteConstituinte 17
  18. 18. 12 de Julho  O povo se arma 14 de Julho  A Queda da Bastilha (símbolo do poder Absolutista / Prisão política) Início da Idade Contemporânea 18
  19. 19. 4 de Agosto – Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Modelo para as democracias do mundo contemporâneo. Princípios iluministas  liberdade e igualdade perante a lei, defesa inalienável à propriedade privada e o direito de resistência à opressão. 19
  20. 20. 1790  a França continua em crise. Rei  inimigo da França, segundo o 3º Estado  foge para a Áustria 20
  21. 21. 1791  conclusão da nova Constituição. Monarquia 3 poderes Igualdade civil Confisco dos bens da Igreja Assembleia: Voto Censitário Assembleia LegislativaAssembleia Legislativa 21
  22. 22. Deputados Girondinos (alta burguesia - direita) Jacobinos (média e pequena burguesia - esquerda) Pântano (centro) 1792 – em apoio ao Rei, Áustria e Prússia invadem à França, sem sucesso. A Burguesia assume o poder. 22
  23. 23. A pressão popular fez com que a Assembleia começasse uma nova constituição. Os jacobinos proclamaram a República em 1792 Em 21/01/1793: O Rei Luís XVI foi Guilhotinado Radicalização Jacobina 3) A Convenção3) A Convenção 23
  24. 24. 24
  25. 25. 25
  26. 26. DantonDanton 26
  27. 27. MaratMarat 27
  28. 28. RobespierreRobespierre 28
  29. 29. 29
  30. 30. 1794: os Girondinos voltam ao poder! A burguesia, enfim, chegou ao poder, mesmo contrariando as grandes aspirações populares! Os girondinos instalam o Diretório (1795 – 1799): Três Consoles governavam o país. Destaque para Napoleão Bonaparte a partir de 1799 – Golpe “18 Brumário” 30
  31. 31. 1799: com apoio da Burguesia, Napoleão instaura o Consolado. Isso é um passo para ele tornar-se IMPERADOR em 1804. DiretórioDiretório 31
  32. 32. DEPOIS DA REVOLUÇÃO Parte 3 32
  33. 33. Napoleão Bonaparte dá início ao plano de expansão do território francês. Conquistou a Áustria, Holanda, Suíça, Itália e Bélgica Bloqueio continental à Inglaterra. Troca da monarquia feudal absolutista pela monarquia burguesa absolutista! Napoleão só foi derrotado em 1815. 1816: Congresso de Viena, o mapa da Europa volta como era antes das conquistas de Napoleão. 33
  34. 34. CONSIDERAÇÕES FINAIS Para pensarmos 34
  35. 35. A possibilidade da cidadania, o início da consolidação capitalista e as ideias liberais modificaram definitivamente a nossa sociedade – para o bem e para o mal. “O valor de uma coisa não reside no que por ela se alcança, mas no que por ela se paga, no que custa” Nietzsche CONSIDERAÇÕES FINAISCONSIDERAÇÕES FINAIS 35
  36. 36. Idade Contemporânea Neoclassicismo Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações dos artistas europeus. Trata-se do Neoclassicismo (neo = novo), que expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia, que assumiu a direção da Sociedade européia após a Revolução Francesa e principalmente com o Império de Napoleão. 36
  37. 37. A Morte de Sócrates, por Jacques-Louis David,1787, Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque. 37
  38. 38. A Banhista de Valpinçon, por Ingres , 1808, óleo sobre tela, 146 × 98 cm,Louvre, Paris. 38
  39. 39. A Fonte, por Ingres, 1856, óleo sobre tela, 164 × 82 cm, Louvre, Paris. 39
  40. 40. Lorenzo Bartolini: Ninfa picada por um escorpião, c. 1845. Louvre 40
  41. 41. Antonio Canova: Teseu derrotando o centauro, 1805-1819. 41
  42. 42. Panteão de Paris 42
  43. 43. Idade Contemporânea Romantismo Os artistas românticos procuraram se libertar das convenções acadêmicas em favor da livre expressão da personalidade do artista. 43
  44. 44. 44
  45. 45. 45
  46. 46. 46
  47. 47. William Holman Hunt: O pastor galante, 1851. Manchester City Art Galleries 47
  48. 48. Bierstadt: Entre as montanhas da Sierra Nevada. Smithsonian American Art Museum 48

×