Apresentação1

1.979 visualizações

Publicada em

trabalho de biologia

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.979
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação1

  1. 1. ALUNOS:Rafael,Brendo,Stheffany, Wagner,Leonardo,Caio TIPOS DE RAÍZES E CAULES
  2. 2. Raízes <ul><li>A raiz é imprescindível à planta, haja vista que além de fixar ela absorve do solo os nutrientes necessários à sobrevivência do vegetal. Porém há outra função importante que é fazer reserva de nutrientes, como no caso dos tubérculos. Nos vegetais sem sementes (as pteridófitas) as raízes se desenvolvem ainda nos primeiros estágios do crescimento do esporófito. Já nos vegetais com sementes (as espermatófitas) as raízes tem origem ainda no embrião. Neste último caso, a radícula é o primeiro órgão a se desenvolver no instante em que há a germinação da semente. Porém esta radícula trilha caminhos diferentes quando trata-se de Monocotiledôneas e Dicotiledôneas. Lembrando que o grupo dos vegetais que apresentam flores pode ter um ou mais cotilédones no embrião (semente). Se possui um cotilédone denomina se Monocotiledônea, se possui mais de um denomina-se “Dicotiledônea”. A radícula se degenera e todas as raízes brotam a partir da base do caule no caso das Monocotiledôneas, já nas Dicotiledôneas a radícula se torna a raiz principal, da qual o sistema radicular se deriva.Podemos classificá-las basicamente quanto ao habitat: Subterrâneas, Aéreas e Aquáticas. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>- Raiz Axial ou Pivotante </li></ul><ul><li>Neste tipo de raiz subterrânea, típica das dicotiledôneas, é possível detectar com clareza uma raiz principal distinta das raízes secundárias </li></ul><ul><li>  Raiz Ramificada </li></ul><ul><li>No tipo de raiz subterrânea ramificada não é possível detectar tão facilmente a raiz principal das outras raízes. Pois como já diz o próprio nome há uma ramificação secundária, terciária e assim sucessivamente, sempre a partir da raiz primária </li></ul>
  4. 4. <ul><li>- Raiz Fasciculada </li></ul><ul><li>Neste caso é impossível distinguir a raiz principal das demais raízes. </li></ul><ul><li>- Raiz Tuberosa </li></ul><ul><li>A principal característica deste tipo de raiz é o acúmulo de reservas de nutrientes, sendo muito utilizada na nossa alimentação. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>- Raiz Estranguladora </li></ul><ul><li>São raízes que, de certa forma, “abraçam” outro vegetal. Na maioria dos casos onde isto ocorre há a morte do hospedeiro. </li></ul><ul><li>- Raiz Grampiforme ou Aderente </li></ul><ul><li>Essas raízes são responsáveis por fixar a planta trepadora à um suporte </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Raiz Respiratória ou Pneumatóforo </li></ul><ul><li>Esse tipo de raiz é responsável por auxiliar a respiração do vegeta </li></ul><ul><li>Raiz Suporte </li></ul><ul><li>Esta raiz auxilia no suporte do vegetal. É comum encontrarmos este tipo de raiz nos manguezais. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Raiz Sugadora </li></ul><ul><li>Este tipo de raiz adentra o corpo da planta hospedeira, de maneira a absorver todo ou parte do alimento do vegetal </li></ul><ul><li>Raiz Tubular ou Sapopema </li></ul><ul><li>São raízes grandes, bem desenvolvidas, que conferem estabilidade para planta </li></ul>
  8. 8. Caules <ul><li>O caule é uma estrutura importante para o vegetal, já que além de conduzir as seivas bruta e elaborada, num vai-e-vem entre a raiz e a copa das árvores ou arbustos, ou até as folhas no caso de vegetais mais simples. Também é responsável pela sustentação do corpo da planta. Na figura abaixo, pode-se perceber as partes em que se divide um caule: gema terminal no ápice, é responsável pelo crescimento do vegetal, nó de onde saem as folhas, ou flores, ou uma ramificação do caule, entrenó região que fica entre dois nós e gema axilar produz folhas ou ramo folioso e geralmente não se desenvolve como a gema terminal. </li></ul>
  9. 9. TIPOS DE CAULES <ul><li>caule anguloso; </li></ul><ul><li>caule achatado ou comprido; </li></ul><ul><li>caule bojudo ou barrigudo, exemplo: baobá ; </li></ul><ul><li>caule cilíndrico; </li></ul><ul><li>caule cônico; </li></ul><ul><li>caule estriado; </li></ul><ul><li>caule sulcado </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Crescimento primário </li></ul><ul><li>Dado a partir do meristema apical, desenvolve o corpo primário sentido vertical da planta. Formando gomos que darão origem a ramos e folhas. </li></ul><ul><li>Crescimento secundário </li></ul><ul><li>É quando há adição de tecidos vasculares ao corpo primário do vegetal, graças à atividade do câmbio vascular e do felogênio meristemas laterais. Esse crescimento se dá lateralmente ou na horizontal, “encorpando” a planta. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>  </li></ul><ul><li>Erva </li></ul><ul><li>Pouco desenvolvida,  pequena  consistência em razão da pouca ou nenhuma lenhificação </li></ul><ul><li>Subarbusto </li></ul><ul><li>Pequeno porte, maior que a erva, atingindo aproximadamente 1m de altura, com base lenhosa e o restante do caule é de consistência herbácea. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Arbusto </li></ul><ul><li>Acima do subarbusto, atingindo mais ou menos 5m de altura, resistente e lenhoso, ramificado a partir da base. </li></ul><ul><li>Arvoreta: </li></ul><ul><li>possui a mesma estrutura arquitetônica de uma árvore, sendo que atinge no máximo 5m de altura </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Árvore </li></ul><ul><li>Normalmente maior que 5m de altura, tronco bem definido, sem ramos na parte inferior e a parte ramificada do vegetal constitui a copa </li></ul><ul><li>Liana </li></ul><ul><li>cipó trepador que atinge muitos metros de comprimento </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Herbácea </li></ul><ul><li>Caules de consistência herbácea tem aspecto de ervas, não-lenhificado, delicado. Podendo ser rompido num apertar de unhas, ou seja, facilmente. </li></ul><ul><li>Sublenhosa </li></ul><ul><li>Resistente duro na base que é toda lenhificada, mas tem o ápice não-lenhificado </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Lenhosa </li></ul><ul><li>Consistente e resistente como um todo, lenhificado, é possível perceber um crescimento secundário significativo . </li></ul><ul><li>Aéreo   </li></ul><ul><li>Todo caule que estiver acima do solo. Ex.:  bambu , palmeiras, veideiras. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Subterrâneo </li></ul><ul><li>todo caule que estiver abaixo (dentro) do solo. Ex.: cebola, alho lírio . </li></ul><ul><li>Aquático </li></ul><ul><li>  todo caule que estiver na água. Ex.: elódea, aguapé. </li></ul>

×