Ed55janeiro11

325 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
325
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed55janeiro11

  1. 1. 1 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  3. 3. 3 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  4. 4. Editorial 4 Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Cristiane Barão – MTb 31.814 Jornalista Responsável: Carla Rossini - MTb 39.788 Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Marília F. Palaveri Rafael H. Mermejo A Capa: foto e produção: Rafael H. Mermejo e Daniel Pelanda Comercial e Publicidade: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br atendimento@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Ltda Tiragem: 11.500 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 - (ramal 2190) www.revistacanavieiros.com.br “Esperança de um E sse é o título do artigo de Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura, que assina o Ponto de Vista desta edição da Canavieiros. Seu primoroso texto foi publicado no jornal Folha de S. Paulo e merece ser reproduzido. Ele escreve sobre a esperança de mudanças toda vez que um ano se inicia, e como o agricultor brasileiro lida com essa questão de forma sintética. A entrevista deste mês é com o secretário João Sampaio, que esteve à frente da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento nos quatro anos da gestão de José Serra e foi convidado pelo novo governador Geraldo Alckmin a permanecer. Segundo Sampaio, as diretrizes para esses próximos quatro anos privilegiam os investimentos em pesquisa e desenvolvimento e também a informatização dos serviços prestados ao produtor. A Reportagem de Capa, que recebeu o título “Agronegócio: perspectivas de crescimento em 2011”, tem por base estudo divulgado pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil) sobre as perspectivas do agronegócio para este ano, que aponta que o setor deverá manter sua curva de crescimento. Segundo a CNA, os preços devem ser mantidos em patamares superiores ao do ano passado, resultado do aquecimento da demanda interna e das exportações. O cenário também é válido para a cana. Nas páginas da Copercana está o resultado da campanha promocional de final de ano que recebeu o nome de “Copercana Premiada – Fim de ano com o carro cheio”. Os sorteios finais foram realizados no último dia 10 e RC www.twitter.com/canavieiros Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 redacao@revistacanavieiros.com.br bom ano” contemplaram com os principais prêmios mais de 30 clientes dos supermercados, postos de combustíveis e lojas de ferragens e magazines da rede Copercana. Além disso, milhares de prêmios instantâneos que podiam ser conferidos na hora da compra também fizeram parte da campanha. O Destaque do mês é a Feicana Feibio 2011, Feira de Negócios do Setor de Energia, evento de destaque dentro do circuito nacional de mostras do agronegócio da cana. Neste ano, a Feicana FeiBio acontece entre os dias 15 e 17 de fevereiro, no Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado, em Araçatuba. Para os três dias do evento são esperados cerca de 20 mil visitantes, que buscam conferir as novidades e as tendências de mercado para o decorrer do ano, uma vez que, a feira abre o calendário de eventos do setor. O leitor também poderá conferir o resultado do terceiro levantamento da safra 2010/11 de cana-de-açúcar, divulgado pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) no início do mês. O levantamento mostra que a produção nacional de cana moída pela indústria em 2010 chegou a 624,99 milhões de toneladas. O número é recorde nacional e representa um aumento de 3,4% na produção total em relação ao ciclo 2009/10, com uma redução de 4% sobre a pesquisa de setembro. Além disso, a Canavieiros de janeiro de 2011 traz as Informações Setoriais com o assessor técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, os Assuntos Legais com o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti e mais: agende-se, classificados e cultura. Boa leitura! Conselho Editorial
  5. 5. 5 Ano V - Edição 55 - Janeiro de 2011 Índice: Capa - 20 Agronegócio: perspectivas de crescimento em 2011 Preços devem ser mantidos em patamares superiores ao do ano passado, resultado do aquecimento da demanda interna e das exportações. Cenário também é válido para a cana 06 - Entrevista João Sampaio Secretário da Agricultura de São Paulo A tática de jogo para o agronegócio paulista 08 - Ponto de Vista Roberto Rodrigues presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp Esperança de um bom ano 10 - Notícias Copercana E mais: Circular Consecana .................página 14 Safra .................página 16 Destaque .................página 24 Informações Setoriais .................página 26 - Copercana finaliza campanha promocional 12 - Notícias Canaoeste - Requerimentos de Autorização de Queima Controlada da Palha de Cana 18 - Notícias Sicoob Cocred - Balancete Mensal Assuntos Legais .................página 30 Cultura 28 - Informações de Safra Safra Sucroenergética 2010/2011 Região Centro Sul Adaptações: Oswaldo Alonso Assessor Técnico CANAOESTE .................página 32 Agende-se .................página 33 Classificados .................página 34 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  6. 6. 6 Entrevista com: João Sampaio Cristiane Barão Na composição do novo governo estadual, o comando da política para o fortalecimento do agronegócio não mudou. O secretário João Sampaio, que esteve à frente da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento nos quatro anos da gestão de José Serra foi convidado a permanecer. Nas palavras do novo governador Geraldo Alckmin, Sampaio é uma grife, uma espécie de Ronaldo, atacante do Corinthians, para o agronegócio paulista. Segundo o craque - o do agronegócio -, as diretrizes para esses próximos quatro anos privilegiam os investimentos em pesquisa e desenvolvimento e também a informatização dos serviços prestados ao produtor. A intenção é dar velocidade no meio do campo, partir para o ataque e garantir um bom placar para o setor e para as economias paulista e brasileira. Leia a seguir, a entrevista que ele concedeu à Canavieiros A tática de jogo para o agronegócio paulista O senhor foi convidado pelo governador Alckmin a continuar à frente da Secretaria de Agricultura. Haverá alguma alteração nos rumos da política para o setor? João Sampaio - O foco continua o mesmo: investimentos em pesquisa e desenvolvimento, de acordo com as diretrizes repassadas pelo governador Geraldo Alckmin. Nesta gestão, também vamos trabalhar na otimização dos processos dentro da Secretaria, na informatização dos procedimentos internos e no acesso de serviços ao produtor rural. O agronegócio paulista e brasileiro é dinâmico e, por isso, o papel do Estado é agilizar para o agricultor todos os processos. Esta informati- “No caso da cana-deaçúcar, os preços devem continuar em alta por conta do aquecimento do mercado de etanol e assim e da expansão do mercado internacional.” necessários para a garantia de renda ao produtor. Então, continuaremos com as linhas de crédito do FEAP, os projetos de financiamento do Pro-trator com tratores a juro zero; o nosso projeto de subvenção do seguro rural contra intempéries climáticas e no caso da laranja o projeto de seguro sanitário de citros contra o greening e cancro. Esses são instrumentos essenciais para a garantia de renda ao produtor. zação, começamos na gestão anterior e não aconteceu na velocidade que gostaríamos. Portanto, agora é prioridade total a excelência no atendimento ao produtor. O governador nos orientou que o foco é oferecer os instrumentos As perspectivas para a agricultura paulista neste ano são positivas? Sampaio – Sim. O setor deverá ter neste ano um desempenho melhor do que em 2010. No caso da cana-deaçúcar, os preços devem continuar em Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  7. 7. 7 agropecuária alta por conta do tudo o que foi proaquecimento do “. No ranking dos das mercado de etanol produtos, a cana re- duzido dentropaupropriedades ed a expanpresentou mais de listas - em torno são do mercado internacional. 35% do valor total e de R$ 49 bilhões, um crescimento de Os preços da laranja também continua a ser o nosso cerca de 14% em devem continuar principal produto.” relação ao ano anterior. No ranking remuneradores, as madeiras de eucalipto ainda estão dos produtos, a cana representou mais em alta. No caso dos grãos - apesar de de 35% do valor total e continua a ser São Paulo não ser um grande produtor o nosso principal produto. Em segun– milho e soja devem ter preços melho- do lugar vem a carne bovina, seguida res. Na pecuária, também continuare- pelo eucalipto. Não houve alteração mos nestes preços agora mais estáveis. nesta ordem em relação a 2009. Já o No cenário econômico, a perspectiva é quarto e quinto lugares se alteraram de não termos muito percalços e espe- principalmente devido ao aumento de ramos um câmbio mais favorável para preços da laranja para indústria – que continuarmos crescendo e proporcio- registrou variação positiva de 75%, e ultrapassou a carne de frango. Outro nando mais renda ao nosso produtor. destaque é o café, que também devido A secretaria divulgou estudo pre- ao aumento de preços, mudou de poliminar sobre o valor da produção sição e passou de décimo para sétimo agropecuária em 2010. Qual análise o lugar no ranking. senhor faz em comparação a 2009? Quais culturas enfrentaram maioSampaio - O estudo preliminar aponta para o valor total da produção res dificuldades? Sampaio - O ano passado de uma forma geral foi muito bom para as nossas principais culturas. A cana teve boa rentabilidade, assim como a pecuária bovina, com o preço do boi gordo atingindo preços recordes. A laranja para a indústria, depois de anos de preços ruins, conseguiu se recuperar em 2009. O que observamos é que não houve uma cultura com grandes prejuízos. Houve sim algumas frustrações como nos preços de alguns grãos e o trigo, em particular. Mas no geral, foi um ano positivo para as culturas e para a remuneração dos produtores. Que fatores atrapalharam mais o setor? Sampaio - Algumas culturas, principalmente aquelas mais voltadas à exportação, sofrem com o câmbio. É o caso do café, por exemplo. No entanto, outros fatores contribuíram positivamente. A quebra na safra de açúcar e de alguns grãos em outros países ajudou na rentabilidade do setor e a demanda interna aquecida também contribuiu para o equilíbrio dos preços para o produtor. RC Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  8. 8. 8 Ponto de Vista Roberto Rodrigues* Esperança de um bom ano A esperança de dias mais risonhos é o combustível da vida; o agricultor sintetiza essa atitude E screve-se muito sobre este interessante e recorrente fenômeno que é a renovação de esperanças, propósitos e projetos em cada ano novo. A simples virada de uma página no calendário provoca nas pessoas até mesmo a revisão dos valores e dos objetivos, como se tudo fosse começar do zero. O que alimenta essa curiosa atitude é a esperança. Sempre comento com meus alunos na universidade que a esperança é o grande combustível da vida. Para que seguir se não houver a expectativa de que as coisas vão melhorar, o futuro é promissor e tudo vai dar certo? Se não há esperança de dias mais risonhos, a vida não faz sentido. É esse fantástico mecanismo que empurra a humanidade para a frente; os casais querem gerar filhos, sonham com a formação escolar deles, com o casamento deles, com os netos, os bisnetos e assim segue o trem da história: com a esperança de que os pósteros terão boa sorte. E para isso lutamos, trabalhamos e nos comprometemos com a construção de um mundo melhor. Mas, sem dúvida, a mais perfeita síntese dessa maravilha é o agricultor: ele é alimentado pela esperança todo o tempo, além até da virada do ano. A maior demonstração disso é o próprio ato que simboliza sua profissão: plantar uma semente. Só pode ser um ato de esperança e também de fé: ele acredita que haverá calor e umidade suficientes para que no interior daquele grãozinho vá acontecer um extraordinário processo fisiológico que provocará a emissão de raízes e de uma futura parte aérea. O agricultor acredita que essa se- gunda parte atravessará a camada de terra que está sobre a semente, enfrentará seca, geada, granizo, pragas e doenças; que no solo haverá nutrientes; que a colheita será boa; que os preços remunerarão a tal ponto que será possível pagar os bancos, os impostos e demais custos, e ainda sobrará recursos para reformar as máquinas e equipamentos e tocar para a frente. É essa esperança lastreada na confiança que o agricultor tem em si e em seu trabalho que o move e o anima e que, a cada final de ciclo agrícola, faz com que ele repita, ano após ano (porque nunca tudo acontece positivamente, sempre tem algum problema pelo caminho), que “o ano que vem será melhor”. Mas, desta vez, o homem do campo tem boas razões para achar que 2011 será mesmo um bom ano. Vem chovendo dentro do esperado (é claro que um país tão grande como o nosso tem regiões onde sobra ou falta água) e os preços estão, em geral, acima das médias históricas. Além dos preços dos grãos, café e laranja têm as cotações mais altas dos últimos anos e o açúcar, as carnes e o algodão estão com oferta menor do que a demanda. Não há indicação de queda brusca desses preços, mesmo sabendo que parte deles se deve à especulação, o que é um risco; há equilíbrio mundial entre produção e consumo, e este vem se aquecendo sobretudo nos países emergentes onde a crise financeira fez menos estragos. Além disso, temos governo novo em Brasília, nos Estados, um Congresso renovado, e está todo mundo querendo acertar. E também temos o horizonte desenhado pela OCDE, segundo a qual o Brasil precisa aumen- Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 tar em 40% a produção de alimentos, em dez anos, para que o mundo todo aumente sua própria capacidade produtiva em 20% nesse período e possa atender a explosiva demanda global. Há, portanto, uma conjugação de vários fatores favoráveis para que o produtor brasileiro espere mesmo um bom ano em 2011. Vai sempre ser preciso que o governo não atrapalhe, que resolva logo a questão do Código Florestal, que reforme as leis obsoletas, que faça investimentos substanciais em logística e em infraestrutura (um dos nossos maiores gargalos), coloque recursos abundantes e tempestivos à disposição dos produtores e monte uma boa estratégia integrando todos os ministérios e os órgãos afins. Se isso acontecer, a agricultura irá bem e empurrará o país todo para um futuro também melhor. E há fundadas esperanças de que isso aconteça! RC Roberto Rodrigues, 67, coordenador do Centro de Agronegócio da FGV, presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp e professor do Depto. de Economia Rural da Unesp - Jaboticabal, foi ministro da Agricultura (governo Lula). Artigo publicado no Jornal Folha de S.Paulo, em 31/12/2010.
  9. 9. 9 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  10. 10. 10 Notícias Copercana Copercana finaliza campanha promocional Carla Rossini A Mais de 30 clientes foram contemplados com os principais prêmios; milhares de prêmios instantâneos ajudaram no sucesso da promoção Copercana realizou uma campanha promocional de final de ano que recebeu o nome de “Copercana Premiada – Fim de ano com o carro cheio”. Os sorteios finais foram realizados no último dia 10 e contemplaram com os principais prêmios mais de 30 clientes dos supermercados, postos de combustíveis e lojas de ferragens e magazines da rede Copercana. Além disso, milhares de prêmios instantâneos que podiam ser conferidos na hora da compra também fizeram parte da campanha. Estavam entre os principais prêmios 15 televisores de 32’ LCD, três motos zero quilômetro Honda Fan e dois carros Ford Ka 1.0, zero quilômetro, lotados de compras. Nos postos de combustíveis, foram sorteados três clientes que ganharam um ano de abastecimento no valor de R$ 100,00 mensais e nos supermercados, quatro sorteados foram contemplados com um ano de compras grátis no valor de R$ 200,00 mensais. Segundo a diretoria da Copercana, a campanha foi um sucesso e as metas de vendas foram alcançadas. A campanha foi realizada como incentivo aos clientes que consomem os produtos e serviços da cooperativa durante o ano todo. Os resultados foram muito satisfatórios. Confiram os ganhadores: SORTEIO realizado em 21/12/2010 UM ANO DE SUPERMERCADO Júlia Maria Guidugli Sverzut – Sertãozinho/SP Adelino José Micheleto – Pontal/SP Márcia Regina Santos Casadei – Pitangueiras/SP Iris Rodrigues de Abreu - Serrana/SP SORTEIO realizado em 21/12/2010 UM ANO DE ABASTECIMENTO Ricardo Stefaneli – Sertãozinho/SP Igor Tidetti – Pontal/SP Márcio Giovane Alves – Pitangueiras/SP Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 SORTEIOS REALIZADOS EM 10/01/2011 15 TV’s 32’’ LCD José Danilo Chiaratti Canesin – Sertãozinho / SP Larissa Raquel Mastrange - Pontal Maria de Fátima Serrão Oliveira - Pitangueiras Diva Aparecida dos Santos Caravazo - Serrana Eduardo L. Cacharo - Cravinhos Donizete Arcanjo Lima - Severínia Luis Alberto Guidastre – Frutal / MG Edgar Bittencourt de Melo – Uberaba / MG Cimone Ferreira do Carmo - Campo Florido / MG Paulo G. Hoffmann - Descalvado / SP Sandra Lima Leite Azevedo - Porto Ferreira / SP Abilio Milanes - Santa Cruz das Palmeiras / SP Nilton Naitzel - Santa Rita do Passa Quatro /SP Aparecido Antonio Canossa - Santa Rosa de Viterbo / SP Débora da Silva Reis – Sertãozinho / SP
  11. 11. 11 3 Motos Honda Moacir Robert Gárcia, Pedro Esrael Bighetti e Antonio Eduardo Tonielo 2 Carros 0KM Altair Gomides da Silva Sertãozinho Manoel Ortolan faz a entrega a Maria Cláudia Pignata da Silva - Sertãozinho Frank Daniel Rizzi Dumont Luiz Carlos de Lima e Márcio Zeviani entregam a moto ao ganhador Renato Simões Estima de Pitangueiras Francisco Urenha entrega a chave do carro a Antonio Cardoso - Sertãozinho Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  12. 12. 12 Notícias Canaoeste COMUNICADO Plano de eliminação gradativa da queima da palha de cana-de-açúcar e protocolo agroambiental do setor sucroalcooleiro SAFRA 2011/2012 Prezado (a) Fornecedor (a)Associado (a), Comunicamos a Vossa Senhoria que, a CANAOESTE, estará executando novamente este ano a elaboração dos obrigatórios Requerimentos de Autorização de Queima Controlada da Palha de Canade-Açúcar para seus Associados. Os Escritórios da Canaoeste estarão realizando, a partir do dia 01 de Fevereiro de 2011, os Requerimentos de Autorização da Queima da Palha de Cana-deAçúcar para a Safra 2011/2012. Os Fornecedores(as) Associados(as) que tiveram expansões ou reformas em seus canaviais, aquisições de propriedades por compra ou arrendamento, dentre outras situações, nas quais a área total ou soma das áreas contíguas à serem colhidas na Safra 2011/2012 sejam iguais ou superiores a 150 ha cultivadas com cana-de-açúcar, deverão procurar nossos Escritórios à partir de 17 de janeiro de 2011 até o dia 07 de março de 2011, para que possam ser agendadas visitas dos topógrafos para efetuarem as medições necessárias das áreas. Lembrando que o prazo para indicação, nos mapas, das áreas que serão colhidas com ou sem queima, na Safra 2011/2012, deverá ser feita até o dia 18 de março de 2011. Na Safra 2010/2011, por perda de prazo, muitos Fornecedores(as) Associados(as) não fizeram o Requerimento de Autorização da Queima da Palha de Cana-de-Açúcar, exigindo que a colheita da cana-de-açúcar tivesse que ser totalmente crua, mesmo em áreas não mecanizáveis. Portanto, solicita-se que, para o cumprimento da legislação vigente, do início de Fevereiro até o dia 25 de março de 2011 para que sejam feitos os Requerimentos de Autorização da Queima da Palha de Cana-de-Açúcar, em prazo hábil. Os Fornecedores (as) Associados (as), devem estar munidos das documentações necessárias para a realização do pedido de autorização de queima da palha de cana-de-açúcar, dentre elas, o CNPJ e a Inscrição Estadual de cada imóvel rural. Pede-se acompanhar sempre na revista Canavieiros da CANAOESTE ou entrar em contato com os Escritórios da CANAOESTE, para obter informações complementares sobre o Plano de Eliminação Gradativa da Queima da Palha de Cana-de-Açúcar da Safra 2011/2012. Aproveitando o momento os Fornecedores(as) Associados(as) deverão, por recomendação da CANAOESTE, aderir ou renovar o Protocolo Agroambiental do Setor Sucroalcooleiro. Para maiores informações sobre o Protocolo e documentações necessárias, favor procurar uma de nossas Filiais abaixo relacionadas. VALORIZE SUA ASSOCIAÇÃO, PARTICIPANDO DELA. Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 RC
  13. 13. 13 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  14. 14. 14 Notícias Canaoeste Consecana A CIRCULAR Nº 14/10 DATA: 30 de dezembro de 2010 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de DEZEMBRO de 2010 e ajuste parcial da safra 2010/2011. O preço médio do kg de ATR para o mês de DEZEMBRO, referente à Safra 2010/2011, é de R$ 0,3766. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril a dezembro e acumulados até DEZEMBRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à industria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril a dezembro e acumulados até DEZEMBRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/10, são os seguintes: Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  15. 15. 15 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  16. 16. 16 Safra Conab divulga os números da safra de cana 2010/2011 Da redação A Segundo o levantamento, produção foi recorde, de 624,99 milhões de toneladas Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) divulgou no início do mês o resultado do terceiro levantamento da safra 2010/11 de cana-de-açúcar. O levantamento mostra que a produção nacional de cana moída pela indústria em 2010 chegou a 624,99 milhões de toneladas. O número é recorde nacional e representa um aumento de 3,4% na produção total em relação ao ciclo 2009/10, com uma redução de 4% sobre a pesquisa de setembro. O aumento da produção se deve ao crescimento de área e de operação de novas usinas em alguns Estados do Centro-Sul, além do bom regime de chuvas no ano passado. Por outro lado, a produtividade média caiu 4,6% sobre a safra anterior, passando a 77,8 toneladas por hectare. O motivo é a estiagem nas áreas produtivas da região Centro-Sul, de abril a novembro de 2010. Em dezembro, a colheita foi encerrada no Centro-Sul, continuando até abril próximo, nas regiões Norte e Nordeste. bilhões de litros são do tipo hidratado e 8,1 bilhões do anidro. Os 46,2% (288,7 milhões de toneladas) restantes vão para a produção de 38,7 milhões de toneladas de açúcar, bem acima da safra passada, quando foram produzidas 33 milhões/t. Já o consumo interno deve chegar a 11,11 milhões de toneladas, distribuído entre consumo direto e produtos industrializados. Do total de cana a ser esmagada, 53,8% (336,2 milhões de toneladas) são destinados à produção de 27,7 bilhões de litros de etanol. Deste volume, 19,6 Área – No que se refere à área destinada ao setor, a pesquisa chega a 8 milhões de hectares ou ao equivalente a 8,4% a mais que a da safra anterior. O Estado de São Paulo ocupa a maior parte, com 4,4 milhões ha ou 54,28% do total nacional. Em seguida, vêm Minas Gerais (695 mil ha), Goiás (599,3 mil ha), Paraná (582,3 mil ha), Alagoas (438,6 mil ha), Mato Grosso do Sul (396,1 ha) e Pernambuco (346,8). A pesquisa de campo foi realizada por 42 técnicos, que visitaram 411 usinas entre os dias 29 e 12 de dezembro, além de contatos com representantes de entidades de classe, associações e cooperativas em todos os estados produtores. Fonte: Conab Produção de grãos A Conab também divulgou no início de janeiro os números da safra de grãos do ciclo 2010/2011, que deve chegar a 149,4 milhões de toneladas, com um aumento recorde de 0,1% ou cerca de 212 mil/t sobre a safra passada (149,2 milhões de t). Com relação ao último levantamento, realizado em dezembro, a produção cresceu 0,22% ou o equivalente a 329,6 toneladas. A área destinada ao cultivo deve atingir 48 milhões de hectares, com 1,3% a mais que a cultivada no período anterior. A área semeada com soja atingiu 24 milhões de hectares, com uma previsão de colheita de 68,6 milhões de toneladas e um crescimento de 0,2% sobre o último ciclo. O produ- Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 to começou a ser colhido agora no Mato Grosso, com uma estimativa de boa produtividade. Nos demais estados, predomina o desenvolvimento vegetativo. RC
  17. 17. 17 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  18. 18. 18 Notícias Sicoob Cocred Balancete Patrimonial 2010 COOP.CRÉDITO PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA Valores em Reais Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  19. 19. 19 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  20. 20. 20 Agronegócio: perspectivas de crescimento em 2011 Da Redação Preços devem ser mantidos em patamares superiores ao do ano passado, resultado do aquecimento da demanda interna e das exportações. Cenário também é válido para a cana E studo divulgado pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil) sobre as perspectivas do agronegócio para este ano aponta que o setor deverá manter sua curva de crescimento. O PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio, estimado neste mês pela CNA e pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Pesquisa Aplicada), da USP, deve crescer entre 3,5% e 4% em 2011, previsão que, se confirmada, consolida a recuperação da atividade após queda de 5,51% do PIB em 2009, quando o resultado foi influenciado pela crise financeira internacional. Em 2010, as projeções indicam crescimento de 7% do PIB do setor, previsão que considera o resultado acumulado até outubro, que mostra crescimento de 4,67%. Os preços tendem a se manter em patamares superiores aos praticados em 2010. Segundo a CNA, a melhoria da rentabilidade em 2010 e a expectativa de novo aumento em 2011, além da demanda interna e exportações aquecidas, sinalizam que o agronegócio retoma a curva de crescimento observada antes da crise de 2008. O VBP (Valor Bruto da Produção) do setor agropecuário, que é a produ- ção dentro da porteira, deverá atingir R$ 261,17 bilhões em 2011, com crescimento de 3,65% em relação a 2010, que deverá encerrar o ano com um valor de R$ 251,96 bilhões. O resultado do VBP da agricultura em 2010 foi garantido principalmente pelas culturas de café, cana-de-açúcar, milho e soja. Em 2011, essa tendência irá se repetir. O VBP da agricultura deverá crescer 4,07% em 2011, passando de R$ 156,95 bilhões, em 2010, para R$ 163,35 bilhões em 2011. Já o VBP da pecuária deverá crescer 2,96% em 2011, atingindo um valor de R$ 97,82 bilhões, enquanto 2010 deverá fechar com valor de R$ 95,01 bilhões. lar, impactando na formação dos preços das commodities; Consumo interno: o consumo doméstico foi o responsável em grande parte pela sustentação dos preços em 2010, em especial no segundo semestre. Neste ano, o consumo interno não deverá ser tão vigoroso como em 2010, mas ainda existe a tendência de alta, sinalizando que o cenário de preços deverá permanecer sustentado; Os fatores que são o pano de fundo desse crescimento: Clima: Os efeitos do fenômeno La Niña devem durar até o outono de 2011. Como as lavouras de grãos e fibras estão em desenvolvimento, os efeitos do clima poderão impactar a produtividade das lavouras. O risco clima na América do Sul tem sido um dos fatores de pressão de alta os preços, em especial com o atraso do início do plantio no Brasil. Economia mundial em 2011: apesar da expectativa de desaceleração da economia neste ano, os estoques mundiais ainda estão baixos e a tendência de aumento do consumo, em especial dos países asiáticos, o que pode manter os preços em alta. As alterações na política econômica dos países emergentes podem influenciar a volatilidade do dó- Câmbio: A expectativa é que para 2011, na média do ano, o câmbio permaneça na faixa de R$ 1,75, e que encerre 2011 com um valor de R$ 1,77. No entanto, as alterações da política econômica, em especial dos países emergentes, como a China, em razão da pressão inflacionária neste ano, podem trazer mais volatilidade às cotações do dólar. Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  21. 21. 21 Reportagem de Capa Cana: maior rentabilidade e melhores preços De acordo com o estudo da CNA, os preços pagos ao produtor pela cana-deaçúcar na safra 2010/2011 deverão continuar com tendência de alta, resultado dos valores de seus produtos finais: açúcar e álcool. A demanda por parte da China, a desvalorização do dólar frente ao real, os baixos estoques no mercado internacional e as adversidades climáticas que reduziram a expectativa de produção dos principais produtores mundiais justificam essa previsão. Esse quadro resultará em maior rentabilidade da matéria-prima para a próxima safra, garantindo melhores preços para cobrir os custos totais de produção. Segundo a CNA, a expectativa é que os valores do açúcar no mercado internacional fiquem na casa de US$ 30,00 cents/ libra-peso durante o ano de 2011, patamar de preços que depende da confirmação de vários fatores. O principal é a demanda por açúcar por parte da Índia. O país exportou grandes quantidades do produto no passado, mas tornou-se importador por causa da quebra da safra local. De acordo com informações do governo indiano, a produção deverá ser suficiente para garantir a exportação de 3,5 milhões de toneladas de açúcar em 2011, divulgação que não interferiu no ritmo dos preços praticados no mercado internacional. Para os grandes negociadores, o país não re- compôs os estoques necessários para suprir a demanda local por açúcar, estimada em 23 milhões de toneladas, o que exigirá a manutenção do ritmo de importações. Outro país importante no processo de formação dos preços de açúcar é a China. O país ampliou sua produção, mas não para níveis necessários para suprir a demanda que cresce cerca de 3% ao ano. O país deverá ser um grande comprador neste ano. Os países da União Européia também terão grande influência no ritmo das cotações. De acordo com o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o bloco deverá ser o principal importador mundial de açúcar, com compras de 3,5 milhões de toneladas. Produtores independentes de cana: A CNA estima que para os produtores independentes de cana a expectativa é de preços remunerativos na 2011/2012, o que dará fôlego ao setor depois de mais de três safras de preços inferiores ao custo de produção. Apesar de os valores do açúcar terem atingido níveis recordes nos mercados internacionais na safra 2010/2011, os produtores independentes de cana, recebem preços baixos pela tonelada do produto. Essa situação tem se repetido nas últimas safras. De acordo com o levantamento de custos de produção do projeto Campo Futuro, da CNA, os valores foram 2,85% inferiores aos custos totais de produção. Essa situação foi recorrente em todas as regiões. Análise Cepea avalia comportamento dos preços em 2010 Os pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, analisaram o comportamento dos preços do açúcar e etanol no ano passado, assim como os aspectos que influenciaram a formação dos valores. A seguir, os textos disponibilizados no site do centro – www.cepea.esalq.usp.br Açúcar: Em 2010, o mercado de açúcar foi marcado por fortes altas de preços, tanto no mercado doméstico como no internacional. Segundo pesquisadores do Cepea, uma das principais causas das reações expressivas foi a redução dos estoques mundiais, que têm baixado desde 2008, quando houve déficit expressivo. No ano seguinte, um novo déficit agravou a situação dos estoques e os preços internacionais começaram a reagir com altas acentuadas que atraíram especuladores. Em resposta aos preços favoráveis, grandes produtores aumentaram a área plantada, de forma que a expectativa era de que, em 2010, o mercado voltasse a ter algum equilíbrio entre oferta e demanda, em termos agregados. No entanto, quebra de safra em produtores importantes por fatores climáticos (excesso de chuva em alguns casos e estiagem em outros) trouxe de volta a instabilidade. Outros fatores, não menos importantes, que agitaram os preços foram as condições macroeconômicas que provocaram oscilação do dólar, levando investidores a alternar sua participação no mercado e acarretando incremento geral nos preços de commodities, não apenas do açúcar. A produção e as exportações brasileiras evidenciaram o papel de destaque do Brasil no mercado mundial de açúcar. A safra brasileira de cana, apesar de superior à passada, ficou abaixo da expectativa inicial do setor, acentuando os aumentos de preços internacionais praticamente a cada divulgação de safra feita pela Unica. Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  22. 22. 22 Reportagem de Capa As expectativas com relação à safra da Índia, que começou a ser colhida em outubro, são de recuperação do equilíbrio interno, podendo resultar até mesmo em pequeno superávit. Assim, a participação indiana no mercado internacional não deve ser suficientemente expressiva para alterar a situação que se configurou. A conjunção de escassez da commodity com baixos estoques e dificuldade em prever quando o mercado poderá voltar à normalidade fizeram com que o ano de 2010 ficasse marcado por novas e fortes altas de preços, batendo recordes nos mercados internos e externos. No Brasil, conforme dados do Cepea, o ano começou com preços bem elevados, acima dos R$ 70,00/saca de 50 kg, próximos aos praticados em dezembro. Com a desvalorização das bolsas internacionais e início da colheita 2010/11 na região Centro-Sul, usinas não conseguiram manter tais patamares e voltaram a vender açúcar cristal de boa qualidade na casa dos R$ 40,00 (o menor valor do ano, de R$ 39,99/ sc, foi observado no dia 6 de julho). Entre maio e agosto, pico de safra, os preços ficaram entre R$ 40,00 e R$ 50,00, porém já revertendo a tendência baixista. Segundo pesquisadores do Cepea, neste período, o setor açucareiro se deparou com problemas logísticos e filas enormes para embarque de açúcar devido à forte demanda internacional, além do consumo interno também aquecido. A disputa entre consumidores internos e externos inflacionou os preços da commodity, que também tiveram ajuda da forte valorização das cotações futuras – impulsionadas pela oferta baixa no curto e médio prazo, alta demanda e crescimento da safra brasileira abaixo do esperado. A partir de setembro, os preços avançaram em direção à máxima de R$ 76,20 em 22 de dezembro, também valor recorde (termos nominais). Do menor valor (início de julho) para o maior (final de dezembro), houve valorização de expressivos 90,55%. Em termos reais (IGP-M), a média de fevereiro/10, R$ 75,94/sc, é a maior do histórico Cepea, iniciado em 1996. Batendo recordes de trinta anos, a Bolsa de Nova York (ICE Futures), principal referência internacional para o mercado de açúcar, chegou a 33,98 centavos de dólar por libra-peso no dia 23 de dezembro. No início do ano, a cotação até chegou ao redor de 29 centavos de dólar, mas foi a partir de novembro que ela rompeu a barreira dos 30 centavos e seguiu avançando até o patamar atual. Bem diferente das previsões iniciais sobre a safra da região Centro-Sul brasileira, que chegavam a 570-590 milhões de toneladas de cana moída, de acordo com a Unica, a safra 2010/11 não deve chegar a 560 milhões. De 1º de abril a 1º de dezembro, a moagem somava 543,68 milhões de toneladas de cana (aumento de 8,86% sobre 2009/10), resultando em produção de 33,02 milhões de toneladas de açúcar (elevação de 24,61%). Segundo dados da Secex, as exportações de açúcar bruto (VHP) totalizaram 17,7 milhões de toneladas de abril a dezembro de 2010, 37% a mais que no mesmo período de 2009 (12,9 milhões). Paralelamente às exportações aquecidas, o ritmo da economia brasileira também estimulou a demanda interna. Nesse contexto, mesmo com a produção nacional crescendo, compradores tiveram dificuldade de adquirir açúcar, a menos que aceitassem os fortes reajustes que se sucedem. Ao longo de 2010, a remuneração proporcionada pelo açúcar esteve sempre acima da obtida com o etanol, segundo cálculos do Cepea. A menor vantagem do açúcar frente tanto ao anidro como ao hidratado foi vista na primeira quinzena de julho, época em que o açúcar estava nos menores níveis de preço da safra. Naquele período, o açúcar cristal considerado para o Indicador CEPEA/ESALQ remunerou em média 32% a mais que o etanol anidro Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 e 43% a mais que o hidratado – Indicadores CEPEA/ESALQ, todos referentes ao estado de SP. Do final de março até final de abril, no entanto, a vantagem do açúcar sobre o anidro havia chegado a 130% e, em relação ao hidratado, a 155%. Analisando-se a comercialização do açúcar no mercado doméstico (estado de SP) e no exterior (referência Euronext Liffe – contrato no. 5), em 32 semanas de um total de 50, a venda doméstica remunerou mais que a exportação, com a vantagem variando de 1% a 67%. No dia 30 de dezembro, o Indicador do Açúcar Cristal CEPEA/ESALQ (estado de São Paulo) fechou a R$ 76,32/saca de 50 kg, ligeira alta de 1,01% no acumulado do mês. Etanol: Em 2010, os preços de etanol, tanto anidro quanto hidratado, tiveram um comportamento sazonal menos acentuado que no ano-safra anterior. Em maio de 2009, o preço do hidratado atingiu o valor mínimo de R$ 0,6419/litro e o do anidro, de R$ 0,7426/l (valores deflacionados pelo IGP-M de novembro/10). Em 2010, os mínimos foram observados em junho, sendo de R$ 0,7535/l no caso do hidratado e de R$ 0,8654/l no do anidro – todos os valores são líquidos de impostos e de frete, referentes ao mercado paulista – dados do Cepea. Comparando-se a média de preços dos meses de abril a novembro de 2010 com a do mesmo período de 2009, constata-se aumento de 7% para o hidratado e de 8,7% no caso do anidro, em termos reais, conforme dados do Cepea. Para o hidratado, as médias do período de abril a novembro foram de R$ 0,81543/l e de R$ 0,87278/l em 2009 e em 2010, respectivamente. O valor de R$ 0,87278/litro está entre as cinco menores médias dos últimos 11 anos (série deflacionada), apesar do aumento observado sobre o ano anterior. No caso do anidro, a média de 2010, de R$ 1,01553/l, também ficou entre as cinco menores médias dos últimos 11 anos. No ano-safra 2010/11, 55% da cana da região Centro-Sul foi utilizada na fabricação de etanol, percentual ligeiramente inferior aos 56,3% de 2009/10 – posição até primeiro de dezembro divulgada pela Unica (União da Indústria
  23. 23. 23 de Cana-de-Açúcar). Apesar da rentabilidade do açúcar ter sido, durante todo o ano-safra, superior à do etanol (independente do tipo), a alocação da cana entre os dois produtos mudou pouco em relação à prevista no início do ano-safra 2010/11 (56,7% para etanol). Segundo a Unica, a produção de etanol anidro e hidratado cresceu 24,61 e 10,19%, respectivamente, em relação ao período correspondente do ano-safra anterior (abril a novembro). A produção total de etanol atingiu 24,72 milhões de m3, sendo que, deste montante, 17,51 milhões de m3 referem-se a hidratado e 7,21 milhões de m3 a anidro. As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul, do início de abril ao final de novembro, somaram 17,75 milhões de m3 também segundo dados da Unica, o que representa diminuição de 3,86% no comparativo com o mesmo período do ano passado. Essa queda deveu-se, principalmente, ao menor volume exportado – redução de 40,42%. Só não foi maior porque houve aumento tanto do consumo de etanol anidro, puxado pelo crescimento das vendas de gasolina C, quanto do mercado de “outros fins”, incluindo o uso do produto na indústria petroquímica. Neste contexto, citam-se os casos do eteno e do polietileno verde, os quais têm sido cada vez mais olhados sob a ótica de sustentabilidade. A Unica estima que as vendas de etanol “outros fins” deve fechar a safra com crescimento superior a 50% relativamente ao último ano. Do montante de etanol (total) direcionado ao mercado doméstico, 11,84 milhões de m3 referem-se ao hidratado e 7,21 milhões de m3 ao anidro. As exportações totalizaram apenas 1,5 milhão de m3. Mostrando grande capacidade de gerenciamento da produção, as usinas, durante o correr da safra, desidrataram o hidratado, visando garantir regularidade no abastecimento no mercado de gasolina C. Segundo pesquisadores do Cepea, o incremento na produção e a queda nas exportações de etanol permitiram que um volume maior do produto fosse direcionado para o atendimento do mercado interno. Segundo a Anfavea, no período de janeiro a novembro de 2010, as vendas de automóveis e comerciais leves no Brasil foram de 3,037 milhões de unidades, aumento de 7,71% em relação ao mesmo período de 2009; desse total, as de flex representaram 87%. Em 2009, no mesmo período, as vendas de flex representaram 89%. As vendas de flex aumentaram em 5,27%, relativamente ao ano de 2009, enquanto às de veículos movidos a gasolina aumentaram 25% e a de movidos a diesel, 30%. Em termos absolutos, as variações foram de 49.182 unidades a mais a gasolina, 36.694 a mais a diesel e acréscimo de 131.634 no total de veículos flex. A Unica estima, com dados da Anfavea, que a frota de flex representa atualmente cerca de 46% do total de veículos e comerciais leves. Segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), de abril a outubro de 2010 foram vendidos nos postos da região Centro-Sul 8,33 milhões de m3 de etanol hidratado. No mesmo período de 2009, haviam sido 8,77 milhões de m3, observando-se, assim, queda de 5%. Já no caso da gasolina C, foram comercializados, de abril a outubro, 11,25 milhões de m3 em 2009 e 12,7 milhões de m3 em 2010, aumento de 12,94%. Quando se olham os dados das subregiões do Centro-Sul (Centro-Oeste, Sudeste e Sul) divulgados pela Agência, observa-se que houve aumento nas vendas de gasolina C e queda nas de etanol hidratado combustível em todas elas. Por sua vez, focando-se a análise em estados do Centro-Sul, tem-se aumento de consumo de etanol hidratado no Paraná (20,5%), Goiás (13,6%) e Mato Grosso (6,9%), e queda em todos os demais estados (MG, SP, RJ, ES, MS, SC, RS) – os preços maiores neste ano, relativamente ao anterior, levaram à perda de competitividade do etanol frente à gasolina em alguns estados do Centro-Sul ao longo da safra. À medida que a frota flex cresce, também aumenta o grau de substituibilidade entre o combustível fóssil e o renovável. Curiosamente, no estado de São Paulo, maior produtor nacional, houve uma pequena redução do consumo de etanol hidratado (-1%) relativamente ao ano anterior, considerando-se o período de abril a novembro. Isso ocorreu mesmo com o preço competitivo em relação ao da gasolina ao longo de toda a safra – toma-se como base o diferencial de rendimento de 70% – e de ter havido aumento da frota flex. Diante desses dados, algumas questões são suscitadas: os maiores preços do etanol neste ano, relativamente ao passado, poderiam ter levado a um menor uso da mistura “rabo de galo”, motivando a queda do consumo de hidratado e aumento do consumo de gasolina C? Se isso ocorreu, o efeito é suficientemente grande para compensar o crescimento esperado em função do aumento da frota flex? Outros fatores poderiam estar contribuindo para a queda do consumo de etanol, como o aumento do uso do GNV (muito freqüente em táxis) pela queda de seu preço? Por último, questiona-se se o diferencial de rendimento da gasolina e etanol hidratado tido em consideração pelos proprietários dos carros flex na hora de abastecer é mesmo 70%. O ano se encerra com recuperação dos preços para o segmento de etanol – no comparativo com os três anos-safra anteriores – e com perspectivas de que a variação sazonal continue diminuindo, o que reflete a reestruturação do setor em curso nos últimos anos. Com isso, deve ser garantida também a remuneração da atividade. Em dezembro, o Indicador CEPEA/ESALQ mensal do anidro foi de R$ 1,2018/litro, ligeiro aumento de 1,4% sobre o de novembro. Para o hidratado, a média foi de R$ 1,0751/ litro, alta de 7,4% frente ao período anterior. RC Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  24. 24. 24 Destaque Feicana/Feibio Araçatuba espera 20 mil visitantes Da Redação H Consolidada, feira abre o calendário de eventos do setor Para os três dias do evento são esperados cerca de 20 mil visitantes dos quatro cantos do Brasil e de algumas partes do mundo, que buscam conferir as novidades e as tendências de mercado para o decorrer do ano, uma vez que, a feira abre o calendário de eventos do setor. Referência em tecnologia industrial, agrícola, e intercâmbio de conhecimentos, a Feicana FeiBio representa o movimento de um mercado que enfrentou crises e buscou oportunidades nos últimos anos, mas que continua se expandindo. Foto: Assessoria de Imprensa Safra Eventos á nove anos, Araçatuba, um dos principais pólos brasileiros na produção de bioenergia, é sede da Feicana/FeiBio - Feira de Negócios do Setor de Energia, evento de destaque dentro do circuito nacional de mostras do agronegócio da cana. Neste ano, a Feicana FeiBio acontece entre os dias 15 e 17 de fevereiro, no Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado. A exposição das últimas tecnologias da indústria bioenergética ficará por conta de aproximadamente 150 empresas, distribuídas dentro de pavilhão climatizado de 6.000 m² e na área externa de 12 mil m², destinada a máquinas e implementos agrícolas. Simpósios com palestrantes renomados completam a programação da feira. Homenagens Há quatro anos a Safra Eventos criou uma noite especialmente voltada às feras do setor da bioenergia: o Prêmio CanaSauro, que reconhece profissionais que, por mais de 30 anos contribuíram para evolução da agroindústria da cana-deaçúcar. Ao todo já foram entregues mais de 200 troféus para esses personagens da história do setor bioenergético no Brasil. A noite de gala dos CanaSauros está marcada para 14 de fevereiro, um dia antes do início da Feicana FeiBio Araçatuba. A cerimônia será realizada no Vívere Eventi, um dos espaços mais requintados da cidade. Foto: Ronaldo Gomes. A exemplo das edições anteriores, o CanaSauro reconhece diversos profissionais e, entre eles, elege o CanaSauro Rex, prêmio master da categoria. Em sua primeira edição, no ano de 2008, o grande homenageado foi Roberto Rodrigues, ex ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No ano seguinte, foi a vez do empresário Cícero Junqueira, um dos pais do Proálcool. Pedro Izamu Mizutani, presidente da Cosan Açúcar e Álcool, foi o destaque de 2010, edição que ainda premiou a primeira mulher CanaSauro, Mariza Tonello Peres. Em 2011 o grande homenageado será o presidente da Datagro, Plínio Nastari, especialista de renome em assuntos relacionados a etanol e açúcar. RC Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  25. 25. 25 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  26. 26. 26 Informações Setoriais CHUV AS DE dezEMBRO e Prognósticos Climáticos As chuvas do mês de DEZEMBRO de 2010 são apresentadas no quadro a seguir. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste A média das observações do mês de DEZEMBRO (230mm) “ficaram” pouco abaixo da média das normais climáticas (253mm). A soma de chuvas significativamente superior às normais não ocorreu neste mês. Notou-se, sim, ocorrências de chuvas próximas a abaixo das respectivas médias históricas em todos os locais observados. O Mapa 1 abaixo, mostra que em meados de DEZEMBRO (16 a 19) as condições hídricas do solo ainda se mostravam entre médias a desfavoráveis na metade Oeste do Esta- do de São Paulo. O Mapa 3 - ao final de DEZEMBRO de 2010 - mostra que, além da grande semelhança com meados do mês (Mapa Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 16 a 19 de DEZEMBRO de 2010. Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 1), as chuvas mais intensas e freqüentes que ocorreram durante este DEZEMBRO, na área Sucroenergética paulista, concentraram-se na “faixa metade” Nordeste-Sudoeste para o Sul do Estado. Mapa 2:- Água Disponível no Solo
  27. 27. 27 A faixa “meio oeste” apresentou-se com baixa a crítica Disponibilidade de Água no Solo durante o mês todo. Ao final de DEZEMBRO de 2009 – Mapa 2, nota-se que quase no Centro e extremos Oeste e Sudoeste do Estado as Disponibilidades de Água no Solo estiveram, também, baixas a críticas. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume e cita abaixo o prognóstico climático de consenso entre INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) e INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para os meses de janeiro a março de 2011: • As temperaturas médias poderão ser próximas a ligeiramente acima das normais climáticas em toda Região CentroSul do Brasil; • Como ilustrada no Mapa 4, a previsão de chuvas para os meses de janeiro a março mostra que serão próximas às normais climáticas em quase toda área sucroenergética da Região Centro-Sul do Brasil, excetuando-se os Estados da Região Sul, onde as chuvas “ficariam” abaixo das respectivas médias históricas; • Como referência, as normais climáticas de chuvas para Ribeirão Pre- o ao final de DEZEMBRO de 2009. to e municípios vizinhos, pelo CentroCana e Apta-IAC, são de 280mm em janeiro, 220mm em fevereiro e 165mm em março. e indispensáveis controles das cigarrinhas quando recomendados, visando às certas e crescentes demandas por cana na(s) próxima(s) safra(s). Porém, a SOMAR Meteorologia prePersistindo dúvidas, consultem os vê que as chuvas poderão ficar acima Técnicos mais próximos ou através do das respectivas médias climáticas nos Fale Conosco CANAOESTE. RC meses de janeiro Mapa 4:- Prognóstico de Consenso entre INMET e INPE para a e fevereiro. En- Região Centro-Sul durante o trimestre janeiro a março de 2011. quanto que, em Adaptado pela CANAOESTE toda região de abrangência CANAOESTE, há grande probabilidade de que as chuvas possam “ficar” abaixo da normalidade climática nos meses de março e abril. Quanto aos impactos das condições climáticas previstas para estes meses, a CANAOESTE propõe aos produtores que continuem atentos aos monitoramentos das infestações Mapa 3:- Água Disponível no Solo, 50cm de profundidade, ao final de DEZEMBRO de 2010. RC Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  28. 28. 28 Informações de Safra Safra Sucroenergética 2010/2011 Região Centro Sul Adaptações: Oswaldo Alonso Assessor Técnico CANAOESTE N a Região Centro Sul, apenas 21 Unidades Produtoras continuam operando após dezembro de 2010 (UNICA). Os dados comparativos das safras 2009/2010 e 2010/2011, ao final de dezembro são apresentados na Tabela 1. Pelos dados da Tabela 1 e ao final de dezembro de 2010, pode-se notar que, na Região Centro Sul, houve acréscimo de quase 30 milhões de toneladas de cana esmagadas na safra 2010/2011 em relação à safra 2009/2010; enquanto que, no Estado de São Paulo este acréscimo foi de pouco mais de 7 milhões de toneladas, evidenciando o maior crescimento em moagem e produção de açúcar e etanol nos demais Estados da Região Centro Sul que no Estado de São Paulo, embora o mix de produção das Unidades Produtoras do Centro Sul tenha sido maior em etanol que as paulistas. Entretanto, ao se observar os dados finais da safra 2009/2010 e os (quase) finais da de 2010/2011, apresentados na Tabela 2 abaixo, os aumentos de moagens e produções de açúcar e etanol na atual safra da Região Centro Sul foi de apenas 13 milhões de toneladas de cana (2,4% superior). Entretanto, a conjugação dos (principais)fatores: melhores aproveitamento de tempo de moagem, qualidade tecnológica da matéria prima e remuneração pelo açúcar, conduziu ao mix de produção mais açucareiro. Guardadas as proporções, vide Tabela 3, as observações acima são as mesmas para o Estado de São Paulo. Os estoques brasileiros de passagem de açúcar e etanol, face às produções equilibradas pelos preços ao consumidor, deverão ser justos, mas sem desabastecimento. (UNICA e DATAGRO). Em razão dos expostos acima, os preços de açúcar, etanol e de cana serão mais remuneradores, cobrindo, mesmo que tangente (pela pressão da menor produtividade), o custo pleno de produção de cana. A produção de matéria prima para a safra vindoura (2011/2012), sob a ótica de “hoje”, não será muito diferente do da safra 2010/2011. Com demandas crescentes de açúcar e do mercado interno de etanol, pode-se prever que seus preços médios deverão ser, mesmo com as volatilidades do açúcar de mercado externo, ligeiramente superior ao que se projeta de “fechamento” para esta safra. Face aos valores em R$/kg ATR de “fechamento” desta safra e o da próxi- ma-futura, a CANAOESTE tem a propor aos produtores de cana que procedam aos monitoramentos e controles (quando recomendados) da cigarrinha das raízes, esmeradas operações de plantios, colheita, tratos culturais das soqueiras, renovações de canaviais, visando obter as Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 melhores produtividades. Uma vez que, boas produtividades e qualidades sempre foram garantias de maiores receitas brutas e líquidas. RC ÚNICA - União da Indústria da Cana de Açúcar; DATAGRO - Cana, açúcar e álcool.
  29. 29. 29 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  30. 30. 30 Assuntos Legais Licenciamento Ambiental de Atividades Agropecuárias em São Paulo – um “Cobertor Curto” Em 23 de dezembro de 2010, as Secretarias de Meio Ambiente e de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, fizeram publicar no Diário Oficial do Estado, a Resolução Conjunta SMA/SAA nº 06, que dispõe sobre o licenciamento ambiental de atividades agropecuárias. Esta norma, ao revisar os critérios utilizados no licenciamento ambiental estadual, de acordo com as peculiaridades dos produtores de São Paulo, vem simplificar alguns tipos de procedimentos de licenciamento, almejando com isso dar agilidade aos processos e recolocar os produtores em condições de respeitar a legislação pertinente. Porém, apenas alguns empreendimentos agropecuários que possuem reduzido potencial poluidor/pagador serão passíveis de procedimento simplificado de Dispensa de Licenciamento Ambiental, desde que atendam, também, a legislação pertinente, a de uso e conservação do solo, a de agrotóxicos, além de adotar boas práticas de produção agropecuária e, ainda, desde que não suprimam vegetação nativa ou intervenham em áreas de preservação permanente. Segue abaixo a relação dos empreendimentos listados na resolução: I. Cultivo de espécies de interesse agrícola temporárias, semi-perenes e perenes; II. Reflorestamento econômico; III. Criação de animais domésticos de interesse econômico, exceto as atividades de avicultura, suinocultura e aquicultura; IV. Apicultura em geral; V. Aquisição de máquinas, implementos e insumos agrícolas; VI. Limpeza de pastagens quando a vegetação a ser removida seja constituída apenas por estágio pioneiro de regeneração de acordo com a legislação vigente; VII. Limpeza de drenos artificiais e reservatórios de água para irrigação em áreas rurais contemplando remoção de sedimentos (solo) acumulados, da vegetação aquática e matéria orgânica que estejam prejudicando a finalidade original do dreno, nos casos em que tal limpeza não implicar em nova intervenção em APP, e desde que dada destinação adequada ao material oriundo da limpeza; VIII. Construção de reservatórios d´água para atividades agropecuárias até 50.000 m², desde que os reservatórios sejam construídos por escavação, fora de APP e não resultantes do barramento de cursos d´água; IX. Manutenção e recuperação de aterro de açude, quando tais operações não implicarem em aumento da ocupação já existente em APP; X. Manutenção de estradas e carreadores internos; XI. Recuperação e reforma de pontes, quando tais operações não implicarem em aumento da ocupação já existente em área de preservação permanente; XII. Construção, reforma ou ampliação de barracão para atividades agropecuárias; XIII. Construção, reforma ou ampliação de centros de atendimento ao turismo rural e comercialização de produtos artesanais, e XIV. Reforma de imóveis, sem ampliação de área construída, e ligações de energia elétrica em Área de Proteção dos Mananciais da Região Metropolitana de São Paulo. Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 Em todos estes casos, caberá à Secretaria de Agricultura e Abastecimento a emissão da Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária, que deverá ser emitida em duas vias, sendo uma entregue ao interessado e a outra encaminhada à SMA/Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), após o requerimento do interessado. Já nos projetos agropecuários, cuja implantação ocorra em áreas acima de 1.000 hectares, deverão, independentemente de sua natureza, ser licenciados pela Cetesb, podendo a SMA e a SAA estabelecer procedimentos específicos nestes casos. Já as atividades agrosilvopastoris não abrangidas pela norma, continuarão a ser objeto de licenciamento junto à CETESB. Pelo visto, referida norma visa amenizar um pouco a angústia por que passa o produtor agropecuário em São Paulo para licenciar suas atividades mais corriqueiras, mas não resolve o problema por completo, pois o próprio Estado exige a averbação da Reserva Florestal Legal (mínimo de 20% de cada propriedade rural) de todos os demais empreendimentos agropecuários (irrigação com intervenção em APP, corte de árvores isoladas, regularização de represas, etc.), o que inviabiliza mais de 90% das propriedades rurais paulistas, na medida em que as atividades agropecuárias do Estado se encontram consolidadas em muito antes desta limitação ambiental (Reserva Legal), tanto que levantamento do próprio governo aponta que, observando o atual Código Florestal (Lei nº 4.771/65), haveria a necessidade de substituir cerca de 3,7 milhões de hectares de terras produtivas por áreas de vegetação nativa.
  31. 31. 31 Mistificadores aproveitam a tragédia do Rio para impor a sua pauta ideológica: a mentira absurda sobre o novo Código Florestal Por Reinaldo Azevedo, colunista da Veja Não bastasse a tragédia do Rio de Janeiro ceifar centenas de vidas, uma outra vai se desenhando, esta contra a inteligência e os fatos. Lobbies organizados os mais variados aproveitam os desastres que colhem a população para tentar impor a sua agenda. Há coisa de dois dias, os devotos da Igreja dos Santos do Aquecimento Global dos Últimos Dias, desmoralizados pelo frio de trincar catedrais do Hemisfério Norte (pelo terceiro anjo consecutivo), resolveram dirigir a sua litania para as chuvas do Hemisfério Sul, efeito, asseguram, do que chamam agora de “desordem climática”. Para eles, “desordem climática” são os eventos da natureza contra os quais se construiu a civilização humana. Muitos podem não acreditar, mas a Terra já foi um lugar mais inóspito - especialmente quando havia menos tecnologia para domá-la. Os tontos, ao ler comentários como este, imaginam que o mundo se divide em dois grupos: o deles, que quer preservar a natureza, e dos “outros”, que querem destruí-la. Adivinhem quem costuma contar com os milhões das ONGs… Com o devido respeito aos profissionais, que certamente buscaram fazer um trabalho sério, asseguro que o lobby ambientalista conseguiu emplacar a manchete da Folha deste domingo com uma cascata formidável, que atenta de modo brutal contra os fatos e contra a lógica. Lemos na primeira página, em letras que antigamente se chamavam “garrafais”: “Novo Código Florestal amplia risco de desastre”. No texto, escrevem Vanessa Correa e Evandro Spinelli: “As mudanças propostas pelo projeto de alteração do Código Florestal - pensadas para o ambiente rural e florestas - ampliam as ocupações de áreas sujeitas a tragédias em zonas urbanas. O texto em tramitação no Congresso deixa de considerar topos de morros como áreas de preservação permanente e libera a construção de habitações em encostas. Locais como esses foram os mais afetados por deslizamentos de terra na semana passada na região serrana do Rio, que mataram mais de cinco centenas de pessoas. O projeto ainda reduz a faixa de preservação ambiental nas margens de rios, o que criaria brecha, por exemplo, para que parte da região do Jardim Pantanal, área alagada no extremo leste de São Paulo, seja legalizada. A legislação atual proíbe a ocupação em áreas de encostas a partir de 45 de inclinação, em topo de morro e 30 metros a partir das margens dos rios - a distância varia de acordo com a largura do rio.” Eu realmente não sei como os repórteres chegaram a essa conclusão. Ou melhor: sei. Eles resolveram endossar a leitura enviesada de Marcio Ackermann, geógrafo e consultor ambiental, autor do livro “A Cidade e o Código Florestal”, que fala à reportagem. A propósito: ELE É CONSULTOR DE QUEM? A íntegra do relatório do deputado Aldo Rebelo (PC do B) está aqui. Como assegura o próprio parlamentar à Folha, seu texto trata do código em face da agricultura e da pecuária; não procura arbitrar sobre áreas urbanas. Ele deu a devida explicação ao jornal. Ela bastava para que se concluísse: “Essa reportagem não existe”. Não adiantou nada! Ela foi publicada, os repórteres asseveraram que o texto diz o que ele não diz, e a coisa virou manchete. Leiam vocês mesmos. Rebelo nem sequer menciona “construção de habitação em encostas”. Todas as vezes que o texto se refere a “inclinação”, trata de atividade rural. IMPORTANTÍSSIMO: a proposta não “libera” área nenhuma, limitando-se a legalizar aquelas de cultura já consolidada. E o mesmo vale para as parcas referências às áreas urbanas. O Inciso IV do Artigo 2º das Disposições gerais (página 245 do texto) define o que o é uma “área urbana consolidada”: IV. área integrante do perímetro urbano, definido pelo plano diretor municipal referido no art. 182, § 1°, da Constituição Federal ou pela lei municipal que estabelecer o zoneamento urbano, que, além de malha viária implantada, tenha, no mínimo, três dos seguintes elementos de infraestrutura urbana implantados: a) drenagem de águas pluviais urbanas; b) esgotamento sanitário; c) abastecimento de água potável; d) distribuição de energia elétrica; ou e) limpeza urbana, coleta e manejo de resíduos sólidos. Esse mesmo Artigo 2º, na página 246, estabelece, no Inciso VIII, os itens que compõem o chamado “Interesse social”. Na alínea “d”, lê-se: “d) a regularização fundiária de assentamentos humanos ocupados predominantemente por população de baixa renda em áreas urbanas consolidadas, observadas as condições estabelecidas na Lei 11.977, de 7 de julho de 2009;” Sabem o que é a Lei 11.977? É a do programa “Minha Casa, Minha Vida”. Só nessas circunstâncias Aldo Rebelo tratou da questão urbana. Outro lado e outro-ladismo Ouvir o “outro lado”, quando isso não é simples maneirismo, é essencial no jornalismo. Praticar “outro-ladismo” é um desastre para a inteligência. A proposta de Rebelo para o novo Código Florestal NÃO TEM QUALQUER RELAÇÃO, NEM A MAIS REMOTA, COM ÁREAS URBANAS. A Folha ouve o tal geógrafo, que vende seu peixe - exposto na vitrine - e depois ouve Rebelo, que, evidentemente, nega que uma coisa tenha relação com a outra. O jornal compra a versão errada. “Versão errada?” Sim! Não se trata de questão de gosto. Desafia-se aqui alguém a demonstrar por que meios, SEGUNDO O QUE HÁ NO TEXTO, “as mudanças propostas pelo projeto de alteração do Código Florestal ampliam as ocupações de áreas sujeitas a tragédias em zonas urbanas”. Pode-se gostar ou não da proposta de Aldo Rebelo - eu, por exemplo, a considero sensata. Insensato é mandar reflorestar áreas que dedicadas à agricultura há 100 anos, por exemplo… Mas que se desgoste do texto segundo o que nele vai, sem delírio militante. Parte do que foi destruído no Rio era, sim, “área urbana já consolidada”, segundo o que vai definido no texto, mas outra parte não: não reunia os requisitos ali dispostos. Vênia máxima, a manchete da Folha não existe porque o problema que ela denuncia também não existe. Basta ler o relatório de Aldo Rebelo, entendendo o que nele vai escrito, para constatá-lo. Ou será que é impossível combater o novo Código Florestal dizendo só a verdade? RC (Texto retirado do Blog de Reinaldo Azevedo - http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/) Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  32. 32. 32 32 “General Álvaro Tavares Carmo” Do álcool ao etanol: trajetória única Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português. “ Penso em ficar só, mas minha natureza pede diálogo e afeto” - Lya Luft Prezado amigo leitor: Seja bem-vindo o Ano Novo com ares de novo ano!!! Agradeço por tê-lo como meu leitor amigo! Esclareço o pedido: as dúvidas/respostas elaboradas e explicadas por mim são utilizadas em todas as esferas profissionais desde que o leitor faça a devida “analogia” para a sua área de trabalho. Opto por um exemplo... deixo para empregar a regra exposta conforme você necessite na oralidade e/ou escrita. A Língua Portuguesa agradece! A história, o sucesso e a crescente importância global da indústria brasileira de etanol de canade-açúcar são os destaques do livro “Do álcool ao etanol: trajetória única,” lançado hoje pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA). A obra mostra em detalhes o surgimento, o desenvolvimento e a consolidação do inovador projeto brasileiro de substituição da gasolina por etanol, hoje exemplo para o mundo de como viabilizar o encontro da geração de energia com a preservação ambiental. A obra, de autoria de Margarida Cintra Gordinho, conta como o Brasil se converteu no maior laboratório de desenvolvimento de motores bicombustíveis do planeta e em um dos protagonistas no esforço global de redução dos gases de efeito estufa, que causam o aquecimento do planeta. Enriquecem o texto diversas entrevistas com personagens marcantes da indústria da cana, realizadas nos últimos anos, a pedido da UNICA, pelo jornalista Mário de Almeida. Conforme explica Marcos Sawaya Jank, presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA), o livro trata de “uma alternativa renovável que colocou o Brasil na vanguarda do planeta no campo da substituição de petróleo e do combate às mudanças do clima. Já vivemos a era da tração animal, a era do carvão e agora estamos começando a sair da era do petróleo. A era da energia feita com carbono reciclado via fotossíntese faz muito mais sentido!”. Fonte: UNICA – União da Agroindústria da Cana-de-açúcar Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone : (16)3946-3300 - Ramal 2016 1) - Dor de dente? Pedro procurou um “cirurgião dentista”. ...mas não o encontrou por causa do hífen! O correto é: cirurgião-dentista (usar o hífen na expressão) O plural: cirurgiões-dentista e cirurgiões-dentistas (segundo o Novo Acordo Ortográfico-5 edição-VOLP) 2) Maria está aproveitando a “liquidação” realizada no Shopping Center... Muito bem, Maria! Boas compras! Segundo o Novo Acordo Ortográfico, a regra geral: o trema não é mais usado. 3) Em virtude das últimas notícias na mídia o verbo doar precisa ser “conjugado na prática”... - Maria disse: Eu “doo” sempre. Sinto-me bem em poder ajudar... ...e a Língua Portuguesa agradece o gesto também. O Novo Acordo Ortográfico: o hiato “ ôo” deixa de receber acento nas palavras paroxítonas. O correto é “oo”. ( correto doo) PARA VOCÊ PENSAR: ...muitos disseram sobre o poder que a música tem de nos fazer lembrar pessoas, passagens na nossa vida. Assim, faço menção de alguns trechos musicais. Espero que gostem... “Resposta - Skank (Os versos que se fizeram e não se responderam)” “Paciência - Lenine (mesmo quando tudo pede... a vida não pára)” “Deixa a vida me levar” - Zeca Pagodinho (sou feliz e agradeço por tudo) Dicas e sugestões, entre em contato: renatacs@convex.com.br * Advogada,Profa. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. Revista Canavieiros - Janeiro de 2011
  33. 33. 33 Eventos em Fevereiro 2011 Feicana Feibio 2011 Empresa Promotora: Safra Eventos Tipo de Evento: Feira Início do Evento: 15/02/2011 Fim do Evento: 17/02/2011 Estado: SP Cidade: Araçatuba Localização do Evento: Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado Rua Dr. Alcides Fagundes Chagas, 600 - Aviação Site: www.feicana.com.br Telefone: (18) 3624 9655 ShowTec 2011 Empresa Promotora: Fundação MS Tipo de Evento: Encontro / Simpósio Início do Evento: 01/02/2011 Fim do Evento: 03/02/2011 Estado: MS Cidade: Maracaju Localização do Evento: Fundação MS - Estrada da Usina Velha, km 2 Informações com: Fundação MS Site: www.fundacaoms.org.br Telefone: (67) 3454-2631 E-mail: fundacaoms@fundacaoms.org.br Site: www.showrural.com.br Telefone: (45) 3225-6885 E-mail: showrural@coopavel.com.br XXXIV Congresso Paulista de Fitopatologia Empresa Promotora: ITAL, IAC e APF Tipo de Evento: Congresso Início do Evento: 15/02/2011 Fim do Evento: 17/02/2011 Estado: SP Cidade: Campinas Localização do Evento: Av. Barão de Itapura, 1481 - Botafogo Informações com: Eliane Site: eventos.fundepag.br:81/pagina.php?link=043a177306 3d0775526101390a37 Telefone: (19) 3743.1758 E-mail: eventos@ital.sp.gov.br Show Rural Coopavel 2011 Empresa Promotora: Coopavel Cooperativa Agroindustrial Tipo de Evento: Exposição / Feira Início do Evento: 07/02/2011 Fim do Evento: 11/02/2011 Estado: PR Cidade: Cascavel Localização do Evento: Show Rural Coopavel Informações com: Coopavel Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  34. 34. 34 VENDE-SE Colhedora de soja SLC 6200, ano 1990, com cabine e ar condicionado. Tratar com Julio Cesar Lovato pelo telefone (16) 9196 5852 gaiola de planta (está trabalhando), cambio 16S, cor azul. Tratar com Verguinha pelos telefones (16) 9205 4136 ou (16) 9139 8301 ou pelo email: juniorsarneiro@hotmail.com Vagas Temos 3 vagas para treminhão ou plataforma no transporte de cana inteira, em Usina da região de Jaguariúna, na safra 2011. Os interessados deverão ligar para o Leonardo no telefone (19) 9284-2216 ou através do email transportedecana@hotmail.com Vende-se Carreta de cana inteira de 4 eixos, Rondon, rodoviária, cor vermelha, toda reformada. Tratar com Macedo pelo telefone (16) 8152 7322 ou pelo email: macedo@wurth.com.br. Vendem-se • Caminhão MB L 2325 cor verde, diferencial curto, pneus novos, motor com 5000 km rodados, ano 94. • Caminhão MB L 2325 ano 91 com Vende-se Plantadeira de cana automática, sulca, aduba, distribui os toletes, aplica inseticida, cobre. Trator 180cv, com quatro pneus alta flutuação e sistema Tanden. Tratar com Cristian pelo telefone Revista Canavieiros - Janeiro de 2011 (65) 8155 4268 ou pelo email: cristian_ pasqualli@hotmail.com. Vende-se Caminhão MB 2217, traçado, pronto para o plantio. Ano 79, pneus bons! Tratar com Reinaldo pelo telefone (17) 9705 2387 ou pelo email: reinal08@hotmail.com. Vende-se Fabrica de aguardente completa, com capacidade de 1000 lts/hora. Tratar com Marcio Viana pelo telefone (31) 9965 4709 ou pelo email: aguardenteurucania@bol.com.br. Vende-se Varredura de adubo; Tratar com Valter pelo telefone (16) 9184-3385
  35. 35. 35 Revista Canavieiros - Janeiro 2011
  36. 36. 36 Revista Canavieiros - Janeiro de 2011

×