Ed29novembro08

419 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed29novembro08

  1. 1. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 1
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  3. 3. Editorial Crise e seus reflexos A crise financeira, que se agravou a partir de setembro nos Estados Unidos, contaminou mercados de todo o mundo e já fez o agronegócio brasileiro sentir seus primeiros sintomas, como a escassez e encarecimento do crédito. O setor sucroalcooleiro, que vinha embalado em um forte processo de expansão, tirou o pé do acelerador, as vendas de máquinas e equipamentos foram reduzidas nos últimos dois meses e o produtor de cana também já sente dificuldades na hora de buscar crédito. Mas a tendência é de melhora nos preços, o que pode dar um alento ao setor e ao produtor de cana que, no entanto, tem de otimizar seus investimentos. Esse é o assunto da reportagem de capa da edição de novembro. Attílio Balbo Netto, diretor industrial da Usina Santo Antônio, de Sertãozinho, foi o entrevistado desta edição. Membro da diretoria do grupo Balbo - pioneiro em cogeração no Brasil -, Balbo Netto expõe sua opinião sobre as fontes de energia e afirma que nenhuma delas pode ser “desconsiderada”. Ele também aponta fatores relevantes para que a bioeletricidade ganhe evidência na matriz energética nacional. O fortalecimento das entidades representativas é tema do artigo assinado pelo presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan. E o diretor da Copercana, Canaoeste e Cocred, Francisco César Urenha, faz uma alerta aos fornecedores de cana sobre os benefícios que a colheita mecanizada pode oferecer se realizada com os devidos cuidados. Esses são os artigos do Ponto de Vista deste mês. Nas páginas da Copercana, você saberá a respeito do “Dia de Campo” realizado pela Copercana e Tatu Marchesan, que juntos apresentaram a plantadeira COP CA, para grãos graúdos. O evento foi realizado na Fazenda Bananal, em Sertãozinho, e contou com a participação de cooperados e diretores da Copercana. Também nestas páginas, a bióloga e coordenadora do projeto Biocoop, Priscila de Oliveira, fala sobre a importância da reciclagem e os problemas ambientais que o Brasil enfrenta pela falta de conscientização da população. Já as páginas da Canaoeste trazem a Circular do Consecana de Outubro e a participação do presidente da associação na oitava edição da Conferência da Datagro, que reuniu, nos dias 27 e 28 de outubro, representantes de todos os elos do agronegócio da cana e especialistas brasileiros e estrangeiros para discutir a situação dos mercados de açúcar e álcool. O destaque deste mês é aquisição pela Monsanto da Aly Participações, que controla as empresas de melhoramento genético e biotecnologia de cana-de-açúcar, CanaVialis S.A. e Alellyx S.A., ambas integrantes do Grupo Votorantim. O negócio foi fechado em US$ 290 milhões (R$ 616 milhões). A seção “Legislação”, assinada pelo advogado Juliano Bortoloti, trata do tema “Brasil – Unidade de Conservação Mundial! A Quem Interessa?”. O assuntou foi abordado pelo chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda, em palestra no auditório da Canaoeste. Em sua apresentação, Miranda mostrou aos presentes o resultado de um trabalho sobre o impacto da legislação ambiental no território nacional. Além de tudo isso, a revista também traz todas as notícias factuais e informações importantes sobre o mundo agrícola nas editorias: Informações Setoriais; Artigo Técnico; Culturas de Rotação e Pragas e Doenças. Boa leitura. Conselho Editorial Revista Canavieiros Novembro de 2008 Revista Canavieiros -- Novembro de 2008 3
  4. 4. Indice EXPEDIENTE Capa CONSELHO EDITORIAL: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson A crise vai alcançar o setor? Turbulência, que começou nos Estados Unidos, provocou alguns respingos como redução na oferta de crédito e queda nas vendas de equipamentos; no entanto, otimismo prevalece Pag. Pag. 22 EDITORA: Cristiane Barão – MTb 31.814 JORNALISTA RESPONSÁVEL: Carla Rossini – MTb 39.788 DESTA DESTA QUES OUTRAS Entrevista CONSECANA DIAGRAMAÇÃO: Rafael H. Mermejo LEGISLAÇÃO FOTOS: Carla Rossini Rafael H. Mermejo Pag. Attílio Balbo Netto 12 Diretor Industrial da Usina Santo Antonio Pag. "Energia: Nenhuma fonte deve ser desconsiderada" Pag. Pag. 05 16 DESTAQUE COMERCIAL E PUBLICIDADE: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br INFORMAÇÕES SETORIAIS DEPARTAMENTO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO: Ana Carolina Paro, Carla Rodrigues, Carla Rossini, Daniel Pelanda, Janaina Bisson, Letícia Pignata, Rafael H. Mermejo, Roberta Faria da Silva. 24 Pag. 26 Pag. Ponto de vista Pag. 32 Pag. 34 Pag. 35 Francisco César Urenha Diretor da Copercana, Canaoeste e Cocred Colheita de cana crua mecanizada (Porque você vai aderir) Pag. Pag. Notícias 08 08 Pag. Copercana - Biocoop: Reciclar.... Por quê? - Copercana e Tatu Marchesan realizam "dia de campo" Notícias 10 Cocred - Balancete Mensal REPERCUTIU AGENDE-SE A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Pag. 37 Pag. 38 CLASSIFICADOS 18 ENDEREÇO DA REDAÇÃO: Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 Artigo Técnico Sistematização de área para a colheita mecanizada da cana-de-açúcar. O sucesso na colheita mecanizada depende de vários fatores, confira no artigo deste mês 4 4 TIRAGEM: 10.500 exemplares ISSN: 1982-1530 36 Pag. Pag. PRAGAS E DOENÇAS IMPRESSÃO: Empresa Jornalística, Editora e Gráfica Sertãozinho CULTURA Pag. 14 Canaoeste - Datagro discute situação dos mercados de Açúcar e Álcool Notícias CULTURAS DE ROTAÇÃO Revista Canavieiros - Novembro de 2008 Pag. Pag. 28 www.revistacanavieiros.com.br revistacanavieiros@revistacanavieiros.com.br
  5. 5. Entrevista Attílio Balbo Netto Diretor Industrial da Usina Santo Antonio "Energia: Nenhuma fonte deve ser desconsiderada" Carla Rossini P ara fazer frente ao crescimento da economia, todas as fontes de energia devem ser consideradas importantes. Essa é a opinião de Attílio Balbo Netto, diretor industrial da Usina Santo Antonio, de Sertãozinho. “Para cada 1% de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), a demanda por energia aumenta 1,2%”, diz. Engenheiro civil, Attílo chegou a trabalhar em sua área fora do grupo, mas em 1978 iniciou suas atividades nos negócios da família e em 1985 se tornou diretor industrial da unidade. Attílio conta que o grupo Balbo foi pioneiro em co-geração já em 1978. Segundo ele, em 1987, a Usina Santo Antonio tornou-se auto-suficiente em energia e, em 2001, com a instalação de uma caldeira de alta pressão, passou a comercializar o excedente. A Usina Santo Antonio produz energia na ordem de 24,5MW por hora dos quais 8,5MW são para o próprio consumo e 16MW são exportados para concessionárias. A perspectiva é de crescimento. Novos projetos estão em desenvolvimento pelo grupo Balbo. Para que a bioeletricidade ganhe destaque na matriz energética nacional, Attílio aponta alguns fatores. “O principal é que a estratégia de inserção da bioeletricidade em nossa matriz energética continue ocupando lugar de destaque junto aos órgãos governamentais de forma que haja disponibilidade de recursos financeiros e políticas que facilitem a comercialização desta energia de acordo com as suas características, já que a co-geração é responsável pela maior parte da bioeletricidade e traz intrínsecas a sazonalidade e a interrupitibilidade”. Leia, a seguir, a entrevista completa que Attílio concedeu à Canavieiros: Revista Canavieiros - Novembro de 2008 5
  6. 6. Entrevista Revista Canavieiros: De forma resumida, como podemos definir co-geração de energia? Attílio Balbo Netto: Podemos dizer que é a geração simultânea de diferentes formas de energia a partir de uma mesma fonte primária. No caso das usinas de açúcar, a partir da energia química do bagaço (queimado nas caldeiras), ocorre a geração simultânea de energia mecânica (turbinas), elétrica (geradores) e térmica (processo). ses projetos consolidados, a exportação de energia elétrica pelo grupo Balbo deverá ser equivalente a uma demanda na ordem de 80MW/hora. Attílio Balbo Netto: Sem dúvida! Sobretudo pelos aspectos de diversificação de fonte e de geração distribuída incorporadas pela bioeletricidade. Revista Canavieiros: É possível saber a quantidade de energia excedente gerada pelas usinas da região de Ribeirão Preto? Balbo Netto: Certamente as usinas da região de Ribeirão Preto exportam energia equivalente a uma demanda de cerca de 150MW/hora Revista Canavieiros: As usinas já têm potencial para gerar 1.800 megawatts médios em excedentes de eletricidade, o que equivalente a 3% do total necessário para abastecer o Brasil, segundo a Única. O que falta para que essa energia seja efetivamente disponibilizada para as redes distribuidoras? Revista Canavieiros: É Attílio Balbo Netto: possível obtermos energia “...teremos que seguir o exemplo de países Todo negócio novo reatravés da co-geração duquer assimilação dos dicomo a França, Inglaterra e Estados rante o período de entre versos segmentos da soUnidos e incluir a energia nuclear em ciedade e de órgãos gosafra? Balbo Netto: A usina vernamentais responsánossa matriz energética.” pode gerar energia na enveis pela regulação. Muitressafra, porém, através de um ciclo Revista Canavieiros: A energia ta coisa está sendo resolvida e prode condensação aproveitando as so- proveniente da cana é competitiva em blemas importantes, como a conexão, bras de bagaço que possam ocorrer termos econômicos? estão na ordem do dia. Nosso sentino período de safra. Entretanto, coAttílio Balbo Netto: A competitivi- mento é de que nunca foi dada tanta geração, na acepção da palavra, so- dade da energia não pode estar resu- atenção à bioeletricidade e, por certo, mente pode ocorrer no período em que mida somente a termos econômicos. em breve, todo este potencial estará estamos produzindo açúcar ou álcool Aspectos como sustentabilidade, po- disponível para a sociedade. porque há necessidade do processo luição evitada, proximidade dos grancomo consumidor de energia térmica. des centros consumidores e, sobretuRevista Canavieiros: O ministro do, a diversificação da fonte em um sis- das Minas e Energia anunciou a consRevista Canavieiros: Quanto o tema com elevada concentração de ge- trução de Angra 3 e mais outras três grupo Balbo produz de bioeletricida- ração hidráulica é que tornam a bioele- usinas nucleares. Não seria mais viáde? Há planos de expansão? tricidade bastante atrativa. vel investir na bioeletricidade? Balbo Netto: O grupo Balbo proAttílio Balbo Netto: Existe espaço e duz energia equivalente a uma demanRevista Canavieiros: Quais são as necessidade para todas as formas de da de cerca de 20MW/hora, o que equi- perspectivas de mercado para a co-gera- energia. A bioeletricidade representa não vale a uma produção durante o perío- ção para as usinas de cana-de-açúcar? mais do que 5% das nossas necessidado de safra de 90.000MW. Nos planos Attílio Balbo Netto: Inevitavelmente des, as fontes hidráulicas estão cada vez de expansão está prevista a implemen- a bioeletricidade será incorporada ao core mais distantes dos centros de carga. Astação de duas novas centrais térmicas, business das usinas de açúcar e álcool sim, teremos que seguir o exemplo de uma das quais já em implantação na como um terceiro produto. No futuro to- países como a França, Inglaterra e EstaUsina São Francisco e outra ainda em das as usinas deverão ser produtoras de dos Unidos e incluir a energia nuclear fase de projeto na Usina Uberaba. Tam- excedentes de energia elétrica. em nossa matriz energética. O importanbém temos planos para aumentar a gete é entender que cada segmento das ração de energia na Usina Santo AntoRevista Canavieiros: A co-geração fontes de energia tem uma contribuição nio através da implementação de um de energia representa segurança ener- a dar e que nenhuma delas deve ser desciclo de condensação. Com todos es- gética para o país? considerada. “ Usina Santo Antônio: pioneirismo em co-geração 6 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  7. 7. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 7
  8. 8. Ponto de Vista Colheita de cana crua Colheita de cana crua mecanizada mecanizada (Porque você vai aderir) (Porque você vai aderir) Francisco César Urenha* O resultado da safra 2008 não foi o esperado: no geral, a região teve quebra em torno de 5% (TCH); o preço atual da tonelada de cana também está defasado em aproximadamente 30% e o custo de produção está nas alturas. Não bastasse tudo isso, nos vemos às voltas com grave crise financeira internacional, que nos pune com crédito restrito. Eu sei que no atual momento o fornecedor de cana pensa somente no equilíbrio de suas contas, mas terá, queira ou não, de pensar no manejo conservacionista na sua atividade. Esse manejo é proporcionado pela colheita mecânica crua, que está cada vez mais presente no sistema de produção da cana-de-açúcar no Brasil. Por imposição legal, (ambiental e trabalhista) e por fatores econômicos, como redução no custo da colheita, temos que pensar mais seriamente em como dar este importante passo e alguns caminhos a seguir, já para o próximo plantio de cana: 1. Planejamento das áreas com potencial para colheita mecânica crua: a colheita mecanizada de cana crua requer terreno de boa topografia, com declividade de até 10 %. 2. Linhas compridas e espaçamento de 1.40/1.50 m. 3. Sulcação não profunda para posterior quebra do lombo, eliminação de pedras e formigueiros. 4. Devem ser usadas variedades eretas, que tombem pouco e que rebrotem bem sob a camada de palha. 5. Eliminar barrancos, facilitando o acesso da colhedora e manobra dos transbordos. Esta prática direciona o pisoteio para os caminhos e não para os talhões. 8 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 Dado o primeiro passo, a preocupação passa a ser maior, pois as máquinas existentes no momento foram desenvolvidas para atender aos grandes produtores e tem custo elevado (em torno de R$ 800 mil) e aí seria necessária atuação em conjunto com a formação de consórcio entre fornecedores ou alguma coisa nesse sentido. Feito isso, que é o passo mais difícil, a preocupação passa a ser com a colheita. Alguns passos a seguir: 1. Temos que ter operadores e equipe bem sincronizados entre a colhedora e os transbordos. A operação é simples: 1 colhedora, 2 tratores de 140 cv, com transbordos de 8 ton. /cada caixa, sendo 2 caixas por trator e um veículo bombeiro. Estes equipamentos lhe conferem capacidade de colheita entre 80 e 100 mil toneladas de cana por safra em 2 turnos de 10 horas. Para esta quantidade de cana serão necessárias 8 pessoas na frente de colheita, 2 das quais para operação do veículo bombeiro, equipamento de prevenção a incêndio essencial na frente de colheita. 2. Evitar pisoteio das soqueiras. 3. Não colher em solos úmidos. 4. Regulagem do corte de base para evitar o arranque das soqueiras. Superado a etapa da colheita, vem a preocupação com os tratos culturais na palha: 1. O adubo pode ser distribuído sobre a palha, pois há retenção maior de umidade, que favorece a absorção. 2. Duas pragas são bastante comuns no sistema de colheita de cana crua. Uma de maneira benéfica, a lagarta elasmo, que diminui significativamente seus ataques e prejuízos no sistema de cana crua. A outra é a cigarrinha-da-raíz que na implantação do sistema de colheita de cana crua pode causar problemas, porém, com bom controle biológico com o fungo Metarhizium anisopliae, existe uma sensível redução na utilização de herbicida químico. A conclusão a que chegamos é que a colheita de cana mecânica crua nos traz inúmeros benefícios, como: a presença de maior atividade biológica e microbiana no solo, melhorando a infiltração de água; a palha remanescente da colheita, além de possibilitar a diminuição significativa do consumo de herbicidas, protege a superfície do solo quanto ao processo erosivo, sendo fator decisivo na implantação de sistemas não convencionais e integrados de conservação do solo, possibilitando eliminar os terraços em áreas de canaviais com declividade inferior a 6% em determinadas condições. No entanto, o maior dos benefícios é econômico, com a redução do custo da tonelada colhida, que pode ser 30% mais barato que o corte convencional queimado. *diretor da Copercana, Canaoeste e Cocred
  9. 9. Ponto de Vista O fortalecimento das entidades representativas Manoel Carlos de Azevedo Ortolan* A pesar da importância adquirida pela sua contribuição ao PIB nacional - acima de 30% - e participação na balança comercial - 36% das exportações totais brasileiras -, o agronegócio precisa fortalecer sua imagem e demonstrar personalidade no debate de questões que lhe dizem respeito. A impressão que se tem é que o setor é desestruturado, desunido e que, por conta disso, é sempre voto vencido nas discussões que enfrenta. Há de se dar um desconto, se considerarmos que o Brasil é um país de dimensões continentais, com Estados de realidades e aptidões distintas. Assim, com tantas distâncias e diversidades, é difícil agregar todo o setor para lutar por interesses comuns. Mas também são por esses motivos que existem as entidades, criadas para representar, defender os interesses e falar em nome de todo um setor ou de elos da cadeia produtiva. O que observamos ao longo do tempo e das negociações, é que o agronegócio nacional não consegue se impor. Está sempre arcando com os prejuízos e assumindo culpas, mesmo não tendo cometido tais pecados. É um grande corpo, mas sem linguagem articulada e por isso não é levado em conta ou ouvido nas discussões. As legislações draconianas e surreais aplicadas sobre o setor são um grande exemplo disso. Uma mudança de postura passa pelo fortalecimento das entida- des. É preciso que elas sejam as grandes motivadoras do setor, que defendam os interesses e verdadeiramente expressem os anseios daqueles que representam e que sirvam para eles de guarida e fortaleza. Sem entidades fortes, o produtor torna-se refém daqueles que são mais articulados e habilidosos e que acabam impondo as regras do jogo. Principalmente nos momentos de crise, como esse que estamos enfrentando, e que exigem firmeza nas discussões, o setor precisa estar articulado e fortalecido. Nesse mês a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), a mais importante entidade dos produtores de todo o país, elegeu como presidente a senadora Kátia Abreu. Ela sucederá o doutor Fábio Meirelles, que cumpriu um mandato-tampão depois da morte de Antônio Ernesto de Salvo, em julho de 2007. Será a primeira mulher a presidir a CNA, demonstra muita disposição e, pela sua história de vida, determinação. Psicóloga e mãe de três filhos, tornouse agricultora aos 25 anos, depois da morte de seu marido. Tornou-se uma liderança no meio. Foi eleita presidente da Federação da Agricultura do Tocantins, deputada federal mais votada em seu Estado, e senadora em 2006. No Congresso, integra a bancada rural e demonstra profundo conhecimento sobre a realidade do campo. Já anunciou que pretende acabar com a enxurrada de autuações sobre o produtor rural, fruto de legislações criadas nas cidades e adaptadas da pior forma possível para o campo. Segundo ela, nos seis anos deste governo, 15.258 autos de infração foram lavrados por fiscais do Ministério do Trabalho em 1.217 fazendas em todo o País, média de quase 13 autos de infração por fazenda. E isso será feito, segundo ela, por meio da conscientização dos produtores e diálogo com o governo. Trazendo novas idéias para a CNA, a nova presidente deve dar uma oxigenada na representatividade do setor e tem todas as condições de iniciar uma nova fase, marcada por entidades fortalecidas e ligadas estreitamente com as necessidades e anseios do produtor. *presidente da Canaoeste (Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo) Revista Canavieiros - Novembro de 2008 9
  10. 10. Notícias Copercana BIOCOOP: Reciclar.... Por quê? Projeto implantado pela Copercana para reciclagem vem conseguindo excelentes resultados D esde 2005, o Biocoop, departamento responsável pela separação de materiais recicláveis do sistema Copercana, Canaoeste e Cocred, vem sendo ampliado e estruturado para atender toda a demanda das cooperativas e associação. Por meio de triagem de papéis, plásticos e caixas de madeira que são descartados nos outros setores do sistema, o Biocoop realiza a logística para transportar e vender os materiais. Segundo a coordenadora do Biocoop, a bióloga Priscila de Oliveira, além da separação do material, o mais importante trabalho realizado pelo departamento, “é a conscientização dos colaboradores e da população para a reciclagem”, esclarece Priscila. Atualmente o Brasil se depara com um sério problema ambiental. O lixo produzido é uma ameaça à saúde, visto que atrai animais vetores de doenças e ameaça a natureza, poluindo o solo e a água. É necessário, então, um direcionamento correto dos resíduos descartados pelas empresas, indústrias, usinas, locais que prestam serviço à saúde e residências. É isso que a Copercana está pondo em prática. MAS, SERÁ QUE HÁ VANTAGEM EM RECICLAR? CONSIDERE OS SEGUINTES DADOS: • Cinqüenta quilos de papel usado, transformados em papel novo, evitam que uma árvore seja cortada. • Com um quilo de vidro quebrado faz-se exatamente um quilo de vidro novo, que pode ser reciclado muitas vezes. • Cinqüenta quilos de alumínio usado e reciclado evitam que sejam extraídos do solo cerca de cinco mil quilos de minério, a bauxita. • Uma tonelada de plástico reciclado economiza 130 quilos de petróleo. Priscila Oliveira - Biocoop Conseguiu notar a importância? Agora imagine a quantidade desses materiais que estão em aterros por não terem sidos enviados para a reciclagem. A consciência de cuidar do nosso meio tem que ser de cada cidadão. Um simples papel de bala pode parecer insignificante, mas quando lançado ao meio ambiente pode causar impactos irreversíveis. Abaixo segue uma lista de materiais que não podem ou podem ser recicláveis: Materiais recicláveis Papel: Jornais, revistas, cadernos, formulários, caixas em geral, fotocópias (xérox), envelopes, papel de fax, cartazes, cartolinas, aparas de papel. Metal: Latas de alumínio, panelas, utensílios de ferro, arames, pregos. Vidro: Recipientes em geral, garrafas e copos. Plástico: Embalagens de refrigerantes, de produtos de limpeza e de higiene, de margarina, de leite, canos e tubos, sacos plásticos em geral. 10 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 Materiais não-recicláveis Papel: Etiquetas adesivas, papel carbono, papel higiênico, metalizados, parafinados, plastificados ou sujos, guardanapos, tocos de cigarro, lenços, fotografias. Metal: Clips, ganchos, canos, recipientes de produtos tóxicos ou de restos de produtos gordurosos. Vidro: Espelhos, lâmpadas, cerâmica, porcelana, recipientes de produtos tóxicos ou de restos de produtos gordurosos, mistura de vidro de diferentes cores. Plástico: Tomadas, misturas de papel, plásticos e metais, recipientes de produtos tóxicos ou de restos de produtos gordurosos. Outros produtos que podem ser reciclados são as pilhas, os tôners, os cartuchos das impressoras, os disquetes de computador, os pneus usados e o óleo do motor, óleo de cozinha. Convém contatar a prefeitura ou associação de bairro para esclarecimentos sobre o local onde colocar estes produtos. Eles devem ser depositados em recipientes próprios. Atenção às falsas rotulagens, muitos produtos rotulados como reciclados ou “amigos do meio ambiente” não o são na realidade. Informe-se junto às autoridades competentes.
  11. 11. Notícias Copercana Copercana e Tatu Marchesan realizam "dia de campo" Carla Rossini O evento foi realizado na Fazenda Bananal, em Sertãozinho A Copercana e a Tatu Marchesan realizaram, no último dia 15, um “Dia de Campo” para apresentação da Plantadeira COP CA. O evento foi realizado na Fazenda Bananal (de propriedade da família Bighetti), em Sertãozinho, e contou com a participação de mais de 80 cooperados do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. Segundo Leonildo Mondini, gerente comercial da Tatu Marchesan, a plantadeira, que está no mercado desde o início de 2008, foi desenvolvida para trabalhar com sementes graúdas como milho, soja e amendoim. “A máquina foi desenvolvida para atender as necessidades dos produtores na hora do plantio e suas características demonstram que ela consegue trabalhar sem formar montes de palhas, que são uma dificuldade que os produtores enfrentam”, explica Mondini. A COP CA apresenta as seguintes características: disco de corte de 24"; pantográfica (adubo e semente) e 9 linhas (espaçamento entre linhas de 50cm). A máquina foi desenvolvida para trabalhar na reforma dos canaviais direto na palhada e consegue colocar o adubo na terra numa profundidade de 18 cm. “São essas características que o produtor pôde conhecer nesse dia de campo, já que até então não existia no mercado uma plantadeira que trabalha sem juntar palhas e realiza o plantio com perfeição. Plantamos nesse ano, 1.200 hectares na Usina Guaíra, muitas vezes plantamos durante a noite e com a palha úmida e mesmo assim, ela não juntou palhas”, concluiu Leonildo. Para o diretor do sistema Copercana, Pedro Esrael Bighetti, essas demonstrações são excelentes para os cooperados se informarem de como está o desenvolvimento de novos equipamentos para a lavoura. “Temos Antônio Bighetti, Lelo Bighetti (diretor da Copercana), Léo Mondini (gerente comercial da Tato Marchesan) que começar a utilizar toda a tecnologia que já está disponível aos produtores. Com a proibição das queimadas, o plantio direto é uma realidade cada vez mais próxima da gente e essa máquina é uma excelente opção para atender nossas necessidades”, afirma Bighetti. A COP CA já está disponível no mercado e custa para o produtor em torno de R$ 110 mil. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 11
  12. 12. Notícias Canaoeste Consecana CIRCULAR Nº 10/08 DATA: 31 de outubro de 2008 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de OUTUBRO de 2008. O preço médio do kg de ATR para o mês de OUTUBRO, referente à Safra 2008/2009, é de R$ 0,2566. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de ABRIL a OUTUBRO e acumulados até OUTUBRO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) e os do etanol anidro e hidratado destinado à industria (AAI e AHI), incluem impostos até setembro e líquidos a partir de outubro*, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (AAC e AHC) destinados ao mercado externo (AAE e AHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de ABRIL a OUTUBRO e acumulados até OUTUBRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/07, são os seguintes:
  13. 13. Notícias Canaoeste Datagro discute situação dos mercados de Açúcar e Álcool Cristiane Barão Ortolan coordenou painel de abertura e elencou desafios e dificuldades do setor A oitava edição da Conferência da Datagro reuniu, nos dias 27 e 28 de outubro, representantes de todos os elos do agronegócio da cana e especialistas brasileiros e estrangeiros para discutir a situação dos mercados de açúcar e álcool. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, coordenou o painel que abriu a conferência e que teve como palestrantes o presidente da Datagro, Plínio Nastari, e o superintendente de Abastecimento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Edson Menezes da Silva. Em sua participação, Ortolan elencou os principais desafios e dificuldades a serem enfrentados pelo setor. Segundo ele, faz-se necessária a definição de regras claras por parte do setor público, capazes de nortear os investimentos do setor privado em energias renováveis. “O estabelecimento de marcos regulatórios deve ser um dos principais papéis do Estado para estimular a produção e o uso de biocombustíveis”, disse. O presidente da Canaoeste também destacou a necessidade de se buscar a uniformização das alíquotas de ICMS, que hoje variam de 12% a 30%; a intensificação das pesquisas para a produção de etanol de segunda geração, ações de promoção dos biocombustíveis, investimento em infra-estrutura e logística e, especialmente, na formação e re-qualificação de mão-de-obra. “São inúmeros os desafios, mas gostaria de ressaltar um deles, que é o de buscar uma relação mais justa, transparente e equânime entre os elos da cadeia”, disse. De acordo com ele, o fornecedor de cana dá capilaridade ao setor, contribui para a distribuição de renda e é o que mais sente os reflexos das crises. “Esses produtores esperam que o setor rompa com o tradicionalismo e inaugure uma nova fase, em que as relações sejam mais equilibradas e justas”, ressaltou. Cana em pé – De acordo com Nastari, 40 milhões de toneladas de cana ficarão em pé em 2008/09. Segundo ele, o clima mais úmido do que o previsto e o atraso da entrada em operação de algumas usinas vão deixar um volume superior à metade da safra do Nordeste em pé. A previsão anterior era de que 34 milhões de toneladas seriam deixadas sem colher na safra 2008/09.
  14. 14. 14 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  15. 15. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 15
  16. 16. Legislação Brasil - unidade de conservação mundial! A quem interessa? N o dia 16 de outubro de 2008, o chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda, fez uma palestra singular no auditório da CANAOESTE - Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo, em Sertãozinho, evento este que fazia parte de um ciclo de debates organizado pela ABAGRP (Associação Brasileira do Agronegócio, regional de Ribeirão Preto-SP.), onde pôde contemplar os presentes com o resultado de um trabalho sobre o im- pacto da legislação ambiental brasileira no território nacional. O trabalho, elaborado a pedido do Governo Federal, denominado “Alcance Territorial da Legislação Ambiental – Impacto Sobre a Agricultura”, teve como missão analisar a gestão territorial da agricultura brasileira, além de servir de subsídio, segundo o seu apresentador, para a defesa do Governo Brasileiro contra as diversas acusações de desrespeito ao meio ambiente, propagadas por alguns governos, entidades e organizações internacionais. Neste trabalho foram encontrados dados interessantes, mas, principalmente, chamou a atenção pelo comprovado descompasso das políticas ambientais brasileiras com a gestão territorial. Juliano Bortoloti - Advogado Departamento Jurídico Canaoeste Florestas no Brasil e no mundo Com relação à primeira parte do que foi apresentado, restou demonstrado a (in)evolução das florestas primárias ao longo dos últimos 8.000 anos. Concluiu-se que o Brasil, há oito mil anos, representava cerca de 9% das florestas primárias mundiais, percentual que, em 2005, passou a 28%, diferentemente do que ocorreu nos demais países e continentes. A Europa, que representava 7% das florestas primárias mundiais, passou para 0,1%, em 2005. Já a Ásia, que abrigava 23% dessas florestas, caiu para 5,5%. Além disso, ao longo desses 8.000 anos, o Brasil manteve 69% de sua floresta original, enquanto a Europa preservou 0,3% e a Ásia, 5,6%. Evaristo Miranda - chefe geral da Embrapa Emissão de gases do efeito estufa Com relação à emissão de gases que geram o efeito estufa (aquecimento global), o trabalho fez um quadro comparativo de emissão de CO² (gás carbônico), onde constatou que apenas quatro países – EUA, China, Rússia e Japão - representam 50,39% da emissão mundial (mais da metade) e que o Brasil responde por apenas 1,28%, apesar da sua dimensão continental. Dessa forma, o Brasil está na 103ª posição entre todos os países do planeta, emitindo cerca de 42 ton./km². Só para exemplificar a irrisória participação do Brasil em emissões de gás carbônico: para igualar a emissão acumulada de CO² de 1995 a 2005, dos paises industrializados (OCDE), do G8 (EUA, Japão, Rússia, Franca, Reino Unido, Alemanha, Canadá e Itália) e dos EUA, o Brasil Unidades de conservação e terras indígenas No que tange ao tema principal de seu trabalho, o pesquisador, juntamente com sua equipe, concluiu que somando as unidades de conservação federais e estaduais (Lei nº 9.985/2000) mais os territórios indígenas decretados pelo Governo, descontando-se as sobreposições entre um e outro, a área por eles ocupada corresponde a 26,94% do território nacional, chamando atenção para alguns Estados, onde somente tal área ultrapassa 50% de seu território (Amapá, Pará, Roraima, Distrito Federal). 16 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 levaria respectivamente 433,29 anos, 392,09 e 190,75 anos. Demonstrou também que a matriz energética brasileira é composta por 46,3% de energia renovável, enquanto que na matriz energética mundial, as energias renováveis participam em 13,9% e, portanto, 56,10% das energias utilizadas são não- renováveis (petróleo, gás natural, nuclear, carvão mineral, etc.).
  17. 17. Legislação Áreas de preservação permanente Com relação às áreas de preservação permanente existentes no Brasil (de relevo e de hidrografia), assim estipuladas pelo artigo 2º, da Lei nº 4.771/65 e Resoluções Conama nºs 302 e 303, ambas de 2002, excetuando aquelas existentes nas unidades de conservação e nas terras indígenas, tal limitação ambiental ocupa 17,56% do território nacional, chamando-nos atenção o caso dos Estados do Espírito Santo e Santa Catarina, onde somente as áreas de preservação permanente de relevo (topos de morro, altitude acima de 1800 metros, declividade com mais de 25%, etc.) perfazem 20,46% e 19,26%, respectivamente, de seus territórios. Demonstrou que, levando-se em consideração apenas as áreas de preservação permanente (APPs), poderiam ser consideradas atividades irre- gulares aquelas praticadas pelos pequenos produtores da pecuária leiteira e da olericultura do Rio de Janeiro, os cafeicultores da região montanhosa de Alfenas e Guaxupé, em Minas Gerais, os cafeicultores das regiões acidentadas do Estado de São Paulo, os vinhedos do Rio Grande do Sul, as lavouras de maçã e as granjas de Santa Catarina, os ribeirinhos do Acre, os pequenos agricultores que margeiam o Rio São Francisco, a pequena agricultura e oleri- cultura do Espírito Santo, os ribeirinhos do Pará, a agricultura de várzea de Santa Catarina, a banana do Vale do Ribeira, em São Paulo, a pecuária leiteira em Minas Gerais, a cana-deaçúcar do nordeste, dentre diversas outras atividades agropastoris. Brasil - "unidade de conservação mundial" Somando as unidades de conservação, as terras indígenas e as áreas de preservação permanente no Brasil, excetuadas as sobreposições entre uma e outra, teríamos limitação de 44,5% de todo território nacional. Isso sem contar com a área de reserva florestal legal. Portanto, o Brasil é, atualmente, uma imensa unidade de conservação ambiental mundial. Levando-se em consideração a Reserva Florestal Legal (RFL)_ instituto ambiental que obriga todo proprietário de imóvel rural a manter e/ou reconstituir uma área de vegetação nativa em sua propriedade que varia de 20% a 80% da área total do imóvel, índice este que depende da localização geográfica do imóvel no território nacional_, o estudo concluiu que, somadas às demais limitações ambientais (unidades de conservação, terras indígenas e área de preservação permanente) restariam disponíveis no Brasil para exploração pecuária, agrícola, silvicultura, industrial, urbana, etc., 33,14% do território nacional, ressalvando-se, ainda, que tal porcentagem varia de Estado para Estado, conforme o estudo apresentado, nos chamando atenção que o Estado do Pará teria disponível para explora- ção apenas 5,54% de seu território e, na outra ponta, estaria o Estado de Sergipe, que teria 72,31% disponível. Verifica-se aqui, portanto, a falta de tratamento isonômico entre os Estados, criando limitações ambientais exageradas sem considerar as suas peculiaridades e necessidades regionais, sem citar, também, o descompasso entre a legislação ambiental nacional com o interesse governamental de transformar o Brasil no grande produtor mundial de alimentos, já que, observada a legislação atual, não temos área suficiente para realizar esta pretensão. CONCLUSÕES Do trabalho acima citado, podemos tirar algumas conclusões: que o Brasil manteve suas florestas primárias, enquanto os países ditos desenvolvidos as dizimaram; que o Brasil está se transformando numa imensa unidade de conservação ambiental mundial; que o Brasil, mesmo ante sua área continental e população volumosas, contribui muito pouco para o aquecimento global, sendo um exemplo em termos de utilização de energia renovável; que a legislação ambiental territorial brasileira (unidades de conservação, área de preservação permanente e reserva florestal legal) atual, não contemplou o histórico da ocupação de terras no Brasil, reduzindo drasticamente a área destinada à agricultura, pecuária e silvicultura, o que inviabiliza a sustentabilidade nacional, bem como não se preocupou com as peculiaridades de cada região/Estado da Federação, e, tampouco, com o impacto criado com sua plena implantação, padecendo, ainda, de base técnica que a sustente. Diante desse quadro, deve haver uma urgente revi- são da legislação ambiental territorial brasileira, adequando-a às peculiaridades de cada Estado da Federação, observandose, ainda, o histórico da ocupação das terras e a otimização do conjunto unidades de conservação/ áreas de reserva florestal legal/áreas de preservação permanente, pois, sem isso, o Brasil não chegará à sustentabilidade pretendida e, ainda, será equivocadamente alçado à condição de vilão ambiental, posto que certamente não lhe cabe. Fonte:www.cnpm.embrapa.br Revista Canavieiros - Novembro de 2008 17
  18. 18. Notícias Cocred Balancete Mensal Cooperativa de Crédito dos Plantadores de Cana de Sertãozinho BALANCETE - SETEMBRO/2008 Valores em Reais 18 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  19. 19. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 19
  20. 20. 20 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  21. 21. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 21
  22. 22. Reportagem de Capa A crise vai alcançar o A crise vai alcançar o setor? setor? Da Redação Turbulência, que começou nos Estados Unidos, provocou alguns respingos como redução na oferta de crédito e queda nas vendas de equipamentos; no entanto, otimismo prevalece A crise econômica, que começou no setor imobiliário norte-ame ricano e contaminou os mercados de todo o mundo, deu os primeiros respingos no setor sucroalcooleiro. O primeiro sinal, também sentido no agronegócio como um todo, foi a escassez de crédito. próprios e vem repassando para os seus cooperados. Porém, quando ela depende de um repasse de fora, isso fica mais complicado. A escassez é com os recursos do crédito rural, a juros de 6,75% ao ano: esse dinheiro não está chegando para a cooperativa e quando vem, está ficando mais caro”, disse. Há falta de confiança no mercado e como as instituições financeiras não sabem quais setores serão atingidos pela crise e temem que haja elevação na inadimplência, estão segurando os recursos para empréstimos ou elevando a taxa de juros. A falta de crédito também retraiu as vendas de máquinas e equipamentos. De acordo com a Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), as vendas caíram pelo menos 50% nos últimos dois meses na região, sendo mais visível no setor canavieiro. De acordo com o superintendente da Cocred, Márcio Fernando Meloni, as cooperativas também já sentem dificuldades em obter repasses para o crédito rural. “A Cocred trabalha com recursos 22 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 E em relação às usinas, grande parte em processo de expansão de suas atividades, também sentiram o aperto no crédito e desaceleram os investimentos. Das 32 usinas planejadas para entrar em operação nesta safra, três ficaram para o próximo ciclo, segundo a Unica. Outro fato que chamou a atenção foi o pedido de recuperação judicial por parte da Companhia Albertina, de Sertãozinho. Em comunicado, a empresa informou que entrou com o pedido para tornar viável a concretização do acordo de repactuação da dívida financeira, em linha com as negociações que vêm se desenrolando ao longo dos últimos três meses com os seus credores. A recuperação judicial permitirá que as atividades da empresa sigam normalmente, bem como possibilitará o equacionamento dos problemas de
  23. 23. Reportagem de Capa liquidez pontuais ocorridos durante esta safra. Ao mesmo tempo, a empresa e seus principais credores continuarão a trabalhar em um acordo que permitirá o alongamento das obrigações, de forma a adequar o vencimento da dívida à capacidade de geração de caixa. “A falta de crédito afeta todos os setores e no caso do setor sucroalcooleiro, esse corte ocorreu no momento em que as usinas estavam alavancadas. Consequentemente, o impacto foi significativo e isso certamente provocou impacto na indústria de base”, afirma Mário Garrefa, presidente do Ceise Br (Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroalcooleiro e Energético). A preocupação com a normalização do mercado levou o Ceise a Brasília para mostrar a importância dessas indústrias de base no ramo sucroalcooleiro. “Saímos de lá com a certeza de liberação de crédito para o capital de giro, o que já aconteceu, visto que o BNDES está liberando para o setor multisetorial, que inclui o sucroalcooleiro, R$ 3 bilhões para financiamentos, inclusive para o capital de giro.” Segundo Garrefa, com essa medida, os empregos continuam garantidos até o final do ano e as demissões ficam para segundo plano, aguardando a normalidade do mercado. Para ele as demissões estão em ritmo normal, já que a cidade está no final de safra em várias usinas e destilarias. Ele cita levantamento do Ciesp em que Sertãozinho está posicionado em segundo lugar no ranking das contratações dos últimos 12 meses e na primeira posição no período de janeiro a outubro. Dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, indicam que em outubro deste ano foram admitidos, em Sertãozinho, 1.784 trabalhadores e dispensados 2.086, um saldo negativo de 302. A indústria de transformação, que foi a que mais contratou_ 640_, também foi a que mais demitiu: 754. No mesmo período de 2007, o saldo foi positivo: as admissões chegaram a 2.190 e as demissões, 1977. Segundo o presidente do Ceise Br, o momento é também de criar oportunidades. “Hoje o setor sucroalcooleiro tem o grande desafio de sair fortalecido da crise mundial e isso não nos assusta, visto que Sertãozinho já enfrentou períodos piores em que o etanol não era acreditado. Hoje, somos as meninas dos olhos do mundo”, disse. E, diante desse cenário, quais devem ser as precauções do produtor de cana? De acordo com o presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, o fornecedor tem concentrar os esforços para manter a produção, que é sua fonte de renda. “Em momentos de crise, o produtor deve otimizar os investimentos em tecnologia e insumos e, para isso, deve procurar orientação dos nossos técnicos”, disse. Segundo ele, a perspectiva é que haja uma recuperação nos preços, principalmente no caso do açúcar, já que as estimativas indicam que a produção açucareira deverá ser inferior à demanda. O produtor Teodoro Rodrigues Sobrinho, apesar de já ter sentido o aperto na disponibilidade de crédito, não perdeu o otimismo. Ele acredita que nos próximos dois anos a situação deverá estar melhor. “Caso contrário, toda a cadeia sofrerá mais fortemente os efeitos dessa crise”, disse. Ele disse que ainda não teve de adiar investimentos, mas se a crise continuar, terá de deixar de trocar suas máquinas e equipamentos e reduzir os custos com produtos como herbicidas e adubos. “A falta de crédito já é uma realidade, estamos com dificuldades de acesso aos recursos”. Crise não reduz oportunidades de trabalho, diz Unica As oportunidades profissionais oferecidas pelo setor sucroenergético não serão abaladas pela crise financeira internacional, segundo o assessor econômico da Única, Luciano Rodrigues. "A crise financeira não atingirá os fundamentos do setor no médio prazo, portanto, oportunidades continuarão a surgir para aqueles que quiserem investir profissionalmente dentro do setor sucroenergético", complementou Rodrigues. Em palestra a alunos da Faculdade de Tecnologia de Piracicaba ele explicou que, além das perspectivas para o etanol no cenário internacional, devido à busca por alternativas para reduzir a dependência do petróleo e mitigar os efeitos do aquecimento global, o mercado doméstico se mostrou o ponto principal da indústria brasileira, alavancado principalmente pelo crescimento das vendas de veículos flex. Os veículos flex, introduzidos no mercado em março de 2003, são responsáveis por cerca de 90% das vendas de automóveis leves no País, o que resultou num considerável aumento das vendas de etanol hidratado, chegando hoje a mais de 1 bilhão de litros por mês, um aumento superior a 400% ao longo de cinco anos. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 23
  24. 24. Destaque Monsanto anuncia compra Monsanto anuncia compra da Canavialis e Alellyx da Canavialis e Alellyx Da Redação Negócio foi fechado em US$ 290 milhões; gigante do setor de sementes e herbicida entra na cana A Monsanto anunciou, no início do mês, a aquisição da Aly Participações, que controla as empresas de melhoramento genético e biotecnologia de cana-de-açúcar, CanaVialis S.A. e Alellyx S.A., ambas integrantes do Grupo Votorantim. O negócio foi fechado em US$ 290 milhões (R$ 616 milhões). Foto divulgação “As demandas mundiais por açúcar e biocombustíveis estão começando a crescer em um ritmo mais rápido do que os níveis de produção de canade-açúcar, uma cultura que é essencial para atender a estas necessidades”, afirma André Dias, presidente da Monsanto do Brasil. André Dias, presidente da Monsanto do Brasil. A CanaVialis é a maior empresa privada de melhoramento de cana-deaçúcar do mundo. Por meio de suas pesquisas de melhoramento, está desenvolvendo variedades de cana geneticamente superiores e patenteadas, que devem proporcionar rendimentos significativos sobre as variedades atualmente disponíveis. Tem contratos com 46 usinas de cana-de-açúcar, cuja área de produção soma 1,1 milhão de hectares, ou aproximadamente 15% do mercado. A Alellyx é uma empresa de genômica aplicada que se dedica ao desenvolvimento de pesquisas com biotecnologia, principalmente para a canade-açúcar. Os pesquisadores da Alellyx estão envolvidos, entre outros projetos, no seqüenciamento do genoma da Xyllela fastidiosa, bactéria que causa o amarelinho nos laranjais. 24 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 Como a aquisição representa um investimento de longo prazo em pesquisa e desenvolvimento e em melhoramento genético, a Monsanto não prevê um incremento no seu faturamento até a metade da próxima década. A Monsanto havia estabelecido uma parceria tecnológica com a CanaVialis e a Alellyx, em 2007, para desenvolver e comercializar as tecnologias de tolerância a herbicidas (Roundup Ready) e resistência a insetospraga (Bt). O acordo para aquisição da CanaVialis e da Alellyx é o terceiro grande investimento da Monsanto no Brasil, no último ano. No segundo semestre de 2007, a companhia adquiriu a Agroeste e anunciou um investimento de US$ 60 milhões na expansão de pesquisa e produção de sementes. De acordo como presidente da Unica, Marcos Jank, a aquisição feita pela Monsanto é um fato de grande relevância. “É uma decisão que acrescenta a cana-de-açúcar à linha de produtos da maior produtora de sementes do mundo e estabelece o etanol de cana-de-açúcar como um produto com futuro garantido, pois a Monsanto só espera resultados concretos desse investimento a partir de 2016”, comentou Jank. Com 19 mil funcionários em 61 países e faturamento de US$ 8,3 bilhões em 2007, a Monsanto busca desenvolver tecnologias que proporcionem aos agricultores melhor produtividade das lavouras, menores custos de produção e alimentos mais saudáveis. Em um futuro próximo, essas plantas enriquecerão as dietas alimentares e até poderão ser meios de transmissão de vacinas.
  25. 25. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 25
  26. 26. Informações Setoriais CHUVAS DE SETEMBRO e Prognósticos Climáticos e Prognósticos Climáticos S ão apresentadas no quadro abaixo as chuvas que ocorreram durante o mês de OUTUBRO de 2008, em vários locais da região de abrangência da CANAOESTE. Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste Nota-se que as chuvas que ocorreram durante este mês de OUTUBRO e em todos os locais observados na região de abrangência da CANAOESTE “ficaram” aquém das respectivas médias históricas, com uma única exceção, a da Usina Ibirá. Mapa 1: Água Disponível no Solo entre 16 a 19 de OUTUBRO de 2008. O Mapa 1, ao lado, mostra que o índice de Água Disponível no Solo, no período de 16 a 19 de OUTUBRO, apresentava-se como baixo a crítico em quase toda área sucroenergética do Estado de São Paulo, excetuando-se a Região Central e Sul do Estado. 26 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 ÁGUA, usar s ÁGUA, usar s Protejam e preservem as n Protejam e preservem as n
  27. 27. Informações Setoriais Mapa 2: Água Disponível no Solo ao final de OUTUBRO de 2007. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de novembro e dezembro. O monitoramento das temperaturas da superfície do mar (TSM), ao longo da faixa equatorial no Oceano Pacífico Oeste, mostra que este parâmetro encontra-se em ligeira elevação, mas sem manifestação do Fenômeno El Niño, que para a América do Sul indica neutralidade climática para os meses de primavera (setembro/outubro a final de dezembro). Logo, para as áreas sucroenergéticas da Região Centro Sul do Brasil, tem-se: Mapa 3: Água Disponível no Solo ao final de OUTUBRO de 2008. · A temperatura média ficará próxima da normalidade climática; · Quanto às chuvas, a previsão é que serão próximas das respectivas médias históricas nas Regiões Centro Oeste e Sudeste, enquanto que para o Estado do Paraná poderá ser entre normal a abaixo da normalidade climática; · Como referência, as médias históricas das chuvas, pelo Centro Apta-IAC - Ribeirão Preto e municípios próximos são próximas de 170mm em novembro e de 270mm em dezembro. · A previsão elaborada pela SOMAR Meteorologia e interpretadas para a região de abrangência da CANAOESTE, mostra que, durante o mês de novembro, a temperatura média será ligeiramente acima e as chuvas ainda abaixo das médias históricas; enquanto que em dezembro serão bem próximas das normais climáticas. O Mapa 2 acima, mostra que ao final de OUTUBRO de 2007, com pequenas exceções, o índice de Água Disponível no Solo encontrava-se baixo a crítico em toda área canavieira Centro Norte do Estado. Situação um tanto semelhante foi observada ao final deste mês de OUTUBRO de 2008, quando mostrou que aquele índice também se apresentava como baixo a crítico em expressiva faixa Centro Norte do Estado e no “corredor” Araraquara-Piracicaba a Sorocaba, acentuando a deficiência hídrica que vinha ocorrendo na Grande Região Ribeirão Preto (ABAG RP). sem abusar ! sem abusar ! Face a essas previsões, a CANAOESTE recomenda que fiquem atentos às condições de umidade do solo durante as derradeiras operações de colheita (carregamento) e transporte da cana nesta safra, visando evitar ou, pelo menos, atenuar pisoteios sobre as soqueiras. Persistindo dúvidas quanto às operações de colheita e as de cultivos mecânicos ou químicos (herbicidas para os matocontroles), bem como o monitoramento e atenções com a cigarrinha das raízes, consultem os Técnicos CANAOESTE mais próximos. nascentes e cursos d’água. nascentes e cursos d’água. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 27
  28. 28. Artigo Técnico Sistematização de área Sistematização de área para a colheita mecanizada para a colheita mecanizada da cana-de-açúcar. da cana-de-açúcar. Mauro Sampaio Benedini e Armene José Conde Gerentes Regionais de Produto Centro de Tecnologia Canavieira 1 – Introdução: O sucesso na co lheita mecanizada depende de vários fatores como: nivelamento do solo, formato e comprimento dos talhões, produtividade, homogeneidade do canavial, características varietais, qualidade da operação, treinamento do pessoal, etc. Ao trabalho de nivelamento, retirada de paus, tocos, pedras, restos de materiais estranhos e locação de estradas e carreadores dá-se o nome de sistematização. Hoje o termo sistematização tem um sentido mais amplo; referindo-se também ao sistema conservacionista e planejamento da sulcação. 2 – Planejamento da Base Física: Para um melhor aproveitamento da área há necessidade de um planejamento, considerando o formato dos talhões e o traçado dos carreadores, de acordo com o relevo e o solo da área de reforma. a) Tamanho de talhões - Os talhões deverão ter comprimento de sulco em torno de 500 a 700 metros. A largura deverá ser de 150 a 400 m, dependendo da declividade, pois cada terraço deve ter um carreador. Deve-se racionalizar os carreadores, sendo que a área utilizada para o sistema viário deve ficar entre 2,5 a 4,0%. b) Largura de carreadores e estradas – Recomenda-se fazer carreadores secundários com largura de 5,0 m, pois o transbordo tem 3,7m de largura e carreadores principais igual a 7,0/8,0 m. O planejamento antecipado das estradas é importante para definir a malha viária e conseqüentemente, o formato de talhões e posição de sulcação. c) Pátios de transferência de carga - Pátios de transferência de carga para áreas variando de 30 a 80 ha devem ser demarcados com tamanho variável, mas em torno de 20m x 80m. O pátio de trans28 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 ferência protege as margens do canavial de pisoteio, evitando perdas maiores por área danificada. Evitar áreas em desnível para demarcar os pátios. Pontos de manobras dos transbordos também devem ser planejados durante a atividade de colheita. 3 - Conservação do solo (cobertura vegetal): O sistema conservacionista tradicional da cana-de-açúcar, apesar de ser eficiente no controle de erosões, prejudica todas as operações mecanizadas, devido à construção de terraços. Como não existe paralelismo entre os terraços e estes são guias da sulcação; as linhas de cana tornam-se descontínuas, necessitando de manobras em máquinas e equipamentos e originando as ruas mortas que prejudicam o sistema operacional. O revolvimento exagerado do solo no preparo tradicional também prejudica o controle das águas da chuva, pois dificulta a infiltração, aumentando o escoamento superficial. O processo erosivo é causado basicamente pelo impacto direto das gotas de chuvas contra a superfície do solo descoberto. As partículas desagregadas selam a porosidade superficial, reduzindo a infiltração de água. Na medida em que a taxa de infiltração se reduz, começa a segunda fase do processo que é a erosão. Por outro lado, os sistemas de produção que priorizam a manutenção da estabilidade do solo, como o plantio direto, o cultivo mínimo e o preparo reduzido, entre outros; foram iniciados há mais de quarenta anos por produtores de cereais do centro-sul e atualmente é o sistema predominante nessas áreas. Estudos desenvolvidos no CTC têm mostrado as inúmeras vantagens da adoção dessas diferentes técnicas conservacionistas também no plantio de cana-de-açúcar. Dessa maneira, os sistemas de controle de erosão podem ser modificados, sendo possível até a eliminação de terraços em áreas menos declivosas desde que o solo esteja sendo mantido protegido através de algum tipo de cobertura vegetal por ocasião da reforma, no preparo de solo para o plantio. A colheita de cana sem queimar (cana crua) e o preparo reduzido do solo, são práticas que possibilitam esse redimensionamento das estruturas de conservação e melhor planejamento da sulcação. Deixam sobre o solo uma cobertura morta, permitindo assim uma maior segurança na decisão de eliminação de terraços (Figura 1). O objetivo principal é diminuir o terraceamento e racionalizar a sulcação da área, diminuindo ao máximo o número de manobras dos equipamentos, sem perder a segurança no controle de erosão. Quando necessário, o terraço recomendado é o embutido, deixandose um espaço em cima do terraço de 1,0 metro, para a passagem da colhedora e uma relação de 1/1,2 para o talude do terraço. Não puxar as pontas dos terraços nos carreadores (vírgula + lombada = bigode). Figura 1 - Camada de palha sobre o solo na colheita mecanizada de cana crua.
  29. 29. Artigo Técnico 4 - Preparo de solo: O CTC estudou a taxa de infiltração de água em três tipos de preparo de solo, 60 dias após o plantio da cana-de-açúcar. Convencional, convencional com plantio de Crotalaria juncea e reduzido. A Tabela 1 apresenta os dados da infiltração em mm/h. A taxa de infiltração de água é muito maior, tanto na entrelinha quanto na linha, no solo que foi menos revolvido (preparo reduzido) seguido pelo que recebeu uma cobertura vegetal e esta infiltração está diretamente relacionada com o controle da erosão. Um dos fatores que influenciam a erosão é a baixa infiltração de água no solo. Quanto maior o volume de água infiltrado no solo, menor será o volume de enxurrada a ser administrado. Taxa de infiltração de água em mm/h em três tipos de manejo de solo. A erradicação química da soqueira através de herbicida também é uma opção, além das vantagens como permitir observar por mais tempo e facilitar a decisão de reformar ou não os canaviais e melhor controle de plantas daninhas perenes como tiririca, grama seda, colonião e braquiária, devido à menor disseminação destas pelas operações motomecanizadas e ao emprego do glifosate (Figura 2). 1,40m faz com que a colhedora pise na linha de cana a ser colhida e também que o transbordo trafegue sobre a linha já colhida. São apenas 10 cm a mais entre linhas que representam 30 cm a mais de espaço para a operação de colheita, pois a colhedora caminha três ruas espaçadas do reboque. 6 – Sulcação: A colheita mecânica é prejudicada pelo antigo sistema no qual a sulcação é iniciada nos terraços e em um determinado momento termina dentro do próprio talhão (sulcos mortos) pelo fato de não existir paralelismo entre as curvas de nível, aumentando o número de manobras das máquinas, provocando redução da eficiência operacional e maior compactação do solo (Figuras 4 e 5). Figura 2 - Plantio direto da cana na entrelinha da soqueira erradicada com herbicida, em área com planejamento de sulcação para colheita mecânica. Avaliações feitas pelo CTC em trincheiras mostram que a camada compactada é totalmente eliminada pela passagem do único implemento utilizado no preparo reduzido (subssolador). A aplicação do herbicida (glifosate) deve ser feita antes da passagem do implemento de subsolagem. A utilização de grade não é recomendada no sistema proposto, pois deixa a área muito vul- Figura 3 – Área preparada sem utilização de grade, somente subsolador. nerável à erosão com a incorporação dos restos vegetais (palha). Quando necessário revolver e eliminar a soca de cana por problemas com pragas de solo, utilizar o erradicador mecânico de soqueiras, desenvolvido a mais de duas décadas pelo CTC que movimenta pouco o solo e erradica 100% da soqueira. O arado também deve ser evitado neste sistema de preparo de solo, por não apresentar vantagens, revolver muito o solo e ser quase duas vezes mais onerosa a sua utilização. Recomenda-se, portanto, somente eliminação química ou erradicador mecânico, subssolador quando constatada a compactação e em seguida, sulcação (Figura 3). 5 – Espaçamento de plantio: A principal causa da compactação do solo é o uso intensivo de máquinas, implementos e veículos, nas diferentes fases da cultura. O passo inicial para se evitar o tráfego sobre as linhas de cana é o plantio no espaçamento de 1,50 m, ideal para a colheita mecanizada, possibilitando maior longevidade ao canavial pelo menor pisoteio nas linhas de cana. Espaçamento de Figuras 4 e 5 - Sulcação tradicional com ruas mortas não são viáveis para a colheita mecanizada. Com a adoção das práticas de preparo conservacionista (preparo reduzido) é possível melhorar o planejamento de sulcação, uma vez que pode-se dispensar a construção de terraços muitas vezes até a declividade de 4%, aumentando a capacidade operacional da mecanização agrícola pela redução de “sulcos mortos”, pontas de sulcos e “bicos”. Praticamente todas as operações no canavial seguem as linhas de plantio da cultura. Quanto mais linhas (sulcos) houver, mais manobras serão necessárias. No caso da colheita mecânica, se gasta em torno de 1,5 a 2,0 minutos por Revista Canavieiros - Novembro de 2008 29
  30. 30. Artigo Técnico manobra da colhedora e veículo de transbordo ou caminhão. Maior será o tempo para realizar as operações. É fundamental que seja feito o planejamento de sulcação da área a ser plantada. O layout de sulcação depende em grande parte do tipo de solo, declividade, sistema conservacionista, estruturas de conservação e tipo de preparo de solo. Fazer a concordância na sulcação nos diversos talhões, sulcando direto entre os talhões, atravessando o plantio entre os diversos carreadores. Isso facilitará a colheita em todo o comprimento da área. a) Carreadores em nível – com este sistema o planejamento da sulcação é mais fácil, porém, a área utilizada com carreadores é maior. b) Estradas principais - construindo-se estradas retas consegue-se planejar melhor a sulcação, utilizando-as como base para início da sulcação. c) Sulcação reta - Em locais mais planos, utilizando-se práticas conservacionistas, será possível planejar a sulcação reta e com isto ganhar na capacidade operacional de todas as tarefas mecânicas, desde o início da implantação da lavoura de cana (Figuras 6 e 7). A eliminação dos terraços, portanto, é o ideal para que o planejamento de sulcação seja facilitado. Quando não é possível recomendase que a sulcação seja com 10 sulcos a partir da sua base (“boca”). Em seguida parte-se de sua “crista”, (parte de cima) e vai descendo com sulcos até o carreador dei- Figura 8 – Exemplo de sulcação correta que inicia no terraço e termina no carreador. xado pelos “10 sulcos” do terraço de baixo (Figura 8). O inverso também pode ser feito. Este carreador deve ter no mínimo 5 m de largura. A utilização de piloto automático garante o paralelismo entre as linhas de plantio e o acabamento sem “ruas mortas”. O uso deste equipamento tem mostrado um maior aproveitamento de 5 a 6% de área e aumento da capacidade operacional de máquinas. A antiga e tradicional prática de “sulcos mortos” “mata” todo o sistema proposto. 7 - Exemplo prático: A Figura 9 mostra uma área com o sistema conservacionista “antigo”. Existiam 10.733 sulcos com comprimento médio de 248 metros. Fez-se a sistematização na reforma do canavial, com eliminação de alguns terraços. Com o novo sistema (Figura 10) a quantidade de sulcos foi reduzida para 3.280, apresentando uma redução de 7.453 sulcos na mesma área representando aproximadamente menos 15.000 manobras das colhedoras e veículos de transporte. O comprimento médio dos sulcos passou para 808,9 m (três vezes maior). Considerando que em cada manobra uma colhedora utiliza 1,5 minutos, tem-se uma redução de 375 horas de trabalho nesta área de 401,2 ha, quase uma hora a menos por hectare A Figura 11 exemplifica a necessidade de um bom planejamento, demonstrando que se não houver um pré-estudo da área, falhas grotescas poderão ocorrer. 8 – Conclusões: O manejo conservacionista nas áreas de cana sem queimar mantendo algum tipo de cobertura, seja viva ou morta, deixando a superfície do solo protegida e sem uso de gradagem; permite melhor planejamento da sulcação para a mecanização e reduz a susceptibilidade do solo à erosão. O preparo reduzido aumenta a capacidade de infiltração de água, reduzindo os riscos com erosão laminar e ainda propicia redução de custos da ordem de 30% quando comparado ao uso de grade e aração convencional. Figuras 6 e 7 - Construção de estrada principal e sulcação para plantio da cana com base na estrada. 30 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 O planejamento de sulcação reduz os custos a partir da instalação da lavoura e durante todos os cortes do canavial. Na operação de colheita mecânica, unidades não planejadas colhem em média 350 t/ dia máquina. Unidades com traçado planejado colhem em média 600 t/dia máquina, diminuindo quase que pela metade a necessidade Figura 11 – Exemplo de dois tipos de sulcação em um terreno hipotético plano. total de colhedoras.
  31. 31. Artigo Técnico Figuras 9 e 10 – Demonstrativo gráfico de sistemas conservacionista antigo e novo. Recomenda-se, portanto, de maneira geral, fazer a sulcação reta em áreas com declividades até 3%, sem construção de terraços e sem considerar o nível da área, especialmente em solos argilosos. Em terrenos com declividade entre 3% e 5%, a sulcação deve seguir o nível do terreno, podendo ou não ter necessidade de algum terraço do tipo embutido. Declive acima de 5% fazer sulcação em nível com construção de terraços embutidos, com carreadores acima do terraço, deixando em torno de 10 linhas de cana entre o carreador e o terraço. O objetivo final é a canteirização do canavial, termo já bastante difundido que nada mais é que permitir que o canavial mantenha a produtividade em um número elevado de cortes. As empresas tecnificadas já estão no estágio 2 do desafio (Figuras 12 e 13), que é deixar o maior espaço possível da linha de cana sem pisoteio de máquinas e os resultados do CTC mostram que compensam a dificuldade na introdução da tecnologia. É importante ressaltar que esta tecnologia só é viável de ser implantada em espaçamentos de 1,50m. Figuras 12 e 13 – Desafios 1 e 2. Aumentar espaço sem compactação na linha de cana para o melhor desenvolvimento do canavial. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 31
  32. 32. Cultura de Rotação Amendoim: depois da boa safra em 2008, o quê esperar em 2009? Renata Martins - Pesquisadora Científica renata@iea.sp.gov.br N a safra brasileira 2007/08 de amendoim foram produzidas 287 mil toneladas, volume próximo ao alcançado nas safras 2004/05 e 2005/06. Em relação à safra anterior, 2006/ 07, registra-se aumento em torno de 27% na produção e de 12% na área plantada1. O Estado de São Paulo, maior produtor nacional do grão, em 2008 respondeu por cerca de 80% da produção nacional e 70% do total da área plantada. Segundo as previsões e estimativas de safra do Instituto de Economia Agrícola (IEA)2, em 2008, a safra paulista de amendoim foi caracterizada pelo aumento de produtividade (Figura 1). A produção do amendoim das águas, que representou 88% do total, foi 28% superior ao volume produzido em 2007. Esse percentual de aumento é composto pelo incremento na produção das principais regionais agrícolas produtoras. Já para a safra da seca o aumento da produção foi de 32,5%, porém reflete uma elevação concentrada nas regionais agrícolas de Presidente Prudente, Marília, Lins e Dracena. Por outro lado, somando-se as duas safras, a área plantada foi 10% superior em relação a 2007. Se o mercado externo sinaliza a valorização do produto, no mercado interno o movimento dos produtos derivados de amendoim está estimado em torno de R$1,1 bilhão ao ano. Em 2007 foram vendidas 55 mil toneladas de paçocas e pés-de-moleque, numa evolução média de 8,5% nos últimos cinco anos. Esse aquecimento em parte é reflexo da inserção de produtos do chamado consumo on-the-go, trabalhados pela indústria confeiteira, que envolve embalagens individuais e porções fracionadas4, bem como o estabelecimento de um novo patamar tecnológico e de qualidade presente em todos os elos da cadeia de produção do amendoim paulista. 32 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 As estratégias do setor de processamento industrial e o comportamento do consumidor nacional, assim como as condições do mercado externo, têm influenciado a produção agrícola e os preços praticados no mercado interno. Em setembro de 2007, quando se iniciaram os preparativos para a safra 2007/08, os preços recebidos pelos produtores registravam alta de 15,76%, permanecendo em alta até fevereiro de 2008, com variação mensal entre 5,15% e 14,60%. Março de 2008, mês de colheita do amendoim das águas, registrou queda de 21,01% e tendência de elevação nos meses seguintes, encerrando setembro com alta de 0,83%5. Esse panorama mostra que os estoques de passagem do amendoim encontram-se mais elevados em comparação aos níveis existentes no início do plantio da safra 2007/08. Outra variável importante, o custo de produção, para a safra 2008/09, está estimado6 em R$ 2.812,94/ha para as variedades eretas e em R$ 3.027,51/ha para as variedades rasteiras. Em comparação à safra anterior houve aumento impulsionado principalmente pelos preços das sementes e dos fertilizantes, além do custo com as operações de máquinas puxado pelo óleo diesel.
  33. 33. Cultura de Rotação Considerando o contexto acima tratado, as perspectivas para a safra paulista 2008/09 de amendoim são animadoras e com possibilidade de que seus resultados sejam próximos aos alcançados na safra 2007/08, porém a dinâmica de produção do grão responde também a outras variáveis, dentre elas a disponibilidade de terras atrelada à renovação dos canaviais e de pastagens, bem como a oferta de financiamento aos produtores e não mais importante, mas fundamental, às condições climáticas favoráveis especialmente nas etapas de plantio e colheita. ¹Conforme estimativa de safra 2007/08, novo levantamento. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Disponível em: <http://www.conab.gov.br>. Acesso em: 3 nov. 2008. ²Previsão de safras IEA/CATI, levantamento abril/08 e junho/08. INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA - IEA. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br>. Acesso em: 3 nov. 2008. 4 SILVA, L. H. Lenha na fogueira, pode soltar foguete. Doce Revista, São Paulo, mar. 2008. Disponível em: http://www.docerevista.com.br. Acesso em: 3 nov. 2008. 5 INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA - IEA. Quadrissemana. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/ arquivoAN.php?codTipo=1. Acesso em: 3 nov. 2008. 6 ³Amendoim em casca, amendoim descascado, amendoim preparado, óleo bruto de amendoim e outros óleos de amendoim. Estimativa elaborada com base na metodologia de custos de produção do Instituto de Economia Agrícola (IEA), a partir de coeficientes técnicos fornecidos pela Coplana. Valor da produção agropecuária chega a R$ 37,7 bi, segundo estimativa do IEA Da redação A estimativa preliminar do valor da produção agropecuária do Estado de São Paulo em 2008 é de R$ 37,7 bilhões, o que corresponde a um incremento de 18,4% em relação a 2007, em termos correntes, e de 11,6% em valores reais, quando descontada a inflação, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O aumento estimado do valor total paulista em 2008 deve-se principalmente à elevação dos preços da maioria dos produtos, conclui o estudo realizado pelos pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEA) e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), ambos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento paulista. Estima-se que, sem a cana-de-açúcar, o valor da produção paulista, em 2008, contabilize R$ 24,9 bilhões, o que significará um volume 22% maior em valor corrente e 15% em valor deflacionado, em relação a 2007. Os mercados de grãos e das carnes prosseguiram em condições satisfatórias para os produtores, com elevação de preços da maioria dos produtos. A produção de cana mantém a tendência de crescimento, bem como a do café, cuja safra se encontra na fase de bienalidade positiva. Dos 50 produtos pesquisados, 13 apresentam queda de preço, 36 aumento e um (cana) se mantém estável em relação ao ano precedente. No tocante à produção, 22 produtos têm queda e, 28, crescimento. Dessa forma, verificase crescimento do valor de produção de 34 produtos e diminuição de 16, em 2008. Entre os produtos que mais tiveram acréscimo, em termos de valor, destacam-se trigo (174,8%), feijão (110,6%), sorgo (97,6%), abacaxi (62,6%), amendoim (53,0%), café (49,6%), cebola (49,5%), banana (45,1%) e borracha (43,7%). Os produtos que apresentam quedas mais expressivas no valor da produção são pimentão (38,6%), tomate para indústria (34,5%), repolho (28,5%), manga (28,2%) e batata doce (28,1%). Entre os líderes no ranking de valor de produção de 2008, os quatro primeiros - cana, carne bovina, laranja para indústria e carne de frango, mantêm suas posições e o share acumulado (60,2%). O milho, graças ao expressivo crescimento de seu valor (32%), troca de posição com a laranja para mesa, passando a ocupar a quinta posição na lista dos produtos em 2008. O valor da produção por região administrativa, em 2008, não apresentou mudança do principal produto nas 15 regiões; a cana permanece como o produto de maior valor em nove regiões. Nas demais, o principal produto em cada uma delas também permanece o mesmo de 2007, ou seja, milho em Sorocaba, carne bovina em Presidente Prudente e São José dos Campos, banana em Registro e Baixada Santista e caqui em São Paulo. As regiões de agropecuária concentrada em determinado produto são Registro e Baixada Santista, com a banana representando 93,2% e 85,9%, respectivamente, do valor total regional, e regiões de Franca e Ribeirão Preto, com a cana respondendo por 62,7% e 66,4%. As regiões de agropecuária mais diversificada, ou pelo menos de menor participação do principal produto no valor total regional, são Sorocaba, Campinas e São Paulo, onde o principal produto representa 12,9%, 27,3% e 28,0% do VP, pela ordem. Fonte: Instituto de Economia Agrícola Revista Canavieiros - Novembro de 2008 33
  34. 34. Repercutiu “O mundo precisa passar por uma transição da economia do carbono para a economia do pós-carbono, talvez para a economia do hidrogênio. Mas, neste momento, é fundamental que cresça a importância dos biocombustíveis na matriz energética de transportes”. Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, durante Conferência Internacional sobre Biocombustíveis em São Paulo. “O Brasil está muito bem posicionado para tirar proveito da economia de baixos níveis de carbono, especialmente com o primeiro passo já dado através da indústria do etanol.” Lorde Nicholas Stern, professor da London School of Economics, durante palestra na FIESP “O etanol pode ser uma das únicas iniciativas brasileiras que realmente reduz as emissões de gases de efeito estufa.” Paulo Adário, diretor da Campanha Amazônia do Greenpeace, durante palestra na FIESP em São Paulo. “Esse é um momento delicado, o de final de safra. As usinas precisam de recursos para pagar fornecedores e reformar canaviais. O importante é que esses recursos possam sair rápido e o governo vem se mostrando favorável em apoiar a indústria.” Marcos Jank, presidente da Unica, durante a conferência “A União, os Estados e os municípios não precisam da reforma tributária. Quem precisa da reforma é a sociedade, para que os tributos sejam mais leves, mais eficientes, menos penosos para as empresas e, com isso, dêem mais competitividade à economia nacional”. Antonio Palocci, presidente da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a reforma tributária. 34 Revista Canavieiros - Novembro de 2008
  35. 35. Pragas e Doenças Cigarrinha-das-raízes: Época de controlar essa praga Carla Rossini Se não houver controle, perda no canavial pode ser total A colheita mecanizada e sem queima é uma realidade que cresce cada vez mais no Brasil e, principalmente, no Estado de São Paulo. Até por exigência da legislação e do compromisso assumido pelo setor (Protocolo Agroambiental) com o governo do Estado no início de 2008, que pretende eliminar as queimadas até 2014, a pratica da colheita mecanizada vem aumentando. Essa evolução é ótima, mas algumas precauções são fundamentais. cana, extraindo grande quantidade de água e nutrientes. Já os adultos sugam a seiva e as folhas. Nogueira explica que, tanto as ninfas quanto os adultos, para sugar, injetam toxinas na planta, causando necrose nos tecidos foliares e radiculares. “Com o ataque dessa praga, o processo de fotossíntese é reduzido e, como não ocorre a formação de açúcares nas folhas, não há acúmulo nos colmos tornando-os menores, mais finos e curtos”, afirma. Uma das observações já constatada na colheita mecanizada é o aumento de pragas que podem afetar os canaviais. O ataque da cigarrinha-das-raízes, por exemplo, tem ocasionado prejuízos aos produtores canavieiros. Cada vez mais freqüente e intensa, se não for controlada, essa praga pode destruir 100% dos canaviais, alerta o engenheiro agrônomo e gerente do Departamento Técnico da Canaoeste, Gustavo de Almeida Nogueira. “Dependendo da variedade e das populações de cigarrinha, pode ocorrer perda total da área, mas, geralmente, as reduções são da ordem de 8 a 10% da produtividade de açúcar para canaviais colhidos em início de safra (abril-maio) e de 50% para canaviais colhidos em final de safra (novembro)”, explica o agrônomo. Além da cana-de-açúcar, a cigarrinha-das-raízes é freqüentemente encontrada em diversos capins e gramas. Para identificar um canavial infestado é preciso observar se durante a estação chuvosa (essa época do ano), há presença de “espumas” no pé da cana. “Essa “espuma” é produzida pelas ninfas para proteção e é um sinal de presença de cigarrinhas na lavoura”, alerta Nogueira. Os primeiros focos de cigarrinha no Estado de São Paulo foram encontrados em áreas de colheita de cana crua, local onde a palha deixada no campo favorece o crescimento populacional porque propicia melhores condições de umidade. Atualmente, a cigarrinha é encontrada em altas populações no Estado e causa problemas em áreas de cana queimada e até de cana planta. A cigarrinha-da-raízes é um inseto sugador que ataca os canaviais em duas fases. As ninfas sugam as raízes da Em condições de ataque severo, os colmos apresentam-se desnutridos e desidratados, secando do topo para a base, as folhas tornam-se, de início, amareladas e, posteriormente secas, cau- sando a morte da planta. O canavial fica completamente seco, com aspecto queimado. Segundo o agrônomo da Canaoeste, esses sintomas, que podem ser confundidos com seca, podem aparecer mesmo durante a estação chuvosa. Para controlar a praga há métodos bastante eficientes, porém não existe prevenção. As recomendações, segundo Nogueira, incluem levantamentos populacionais, que devem iniciar cerca de 15 a 20 dias depois das primeiras chuvas da primavera, quando as ninfas começam a eclodir dos ovos. A recomendação do IAC (Instituto Agronômico), por exemplo, para manejo de áreas com problemas de cigarrinha é o uso do fungo Metarhizium anisopliae em áreas com pouca incidência de insetos. No entanto, se as populações estiverem muito elevadas (superiores a 4 insetos por metro quadrado em cana colhida a partir de agosto e maiores de 10 insetos em cana colhida de abril a julho), a recomendação é fazer o uso de aplicações de inseticidas químicos. Ciclo de vida da Cigarrinha-das-Raízes Segundo pesquisadores, os adultos têm hábitos crepusculares, ou seja, são mais ativos no final do dia. Após acasalamento, as fêmeas ovipositam na palhada e, principalmente, na superfície do solo próxima à base das touceiras. Uma fêmea põe entre 310 a 380 ovos. Em condições de temperatura e umidade elevadas, as ninfas emergem dos ovos cerca de 15 a 20 dias após a postura, dirigem-se às raízes, de onde sugam grande volume da seiva. Essas ninfas passam por cinco mudanças de pele, num período de 30 a 45 dias, e estão sempre envolvidas por uma espuma densa, bastante característica, que as protegem da dissecação. O ciclo evolutivo completo é de 45 a 60 dias. O nome vulgar, cigarrinha-das-raízes, está relacionado ao local de alimentação e desenvolvimento das ninfas, as raízes. Os insetos adultos medem aproximadamente 13 mm de comprimento por 6,5mm de largura. Os machos são avermelhados com asas orladas de castanho escuro e com uma faixa longitudinal da mesma cor. As fêmeas normalmente são mais escuras, marrons avermelhadas, com faixas das asas quase pretas.da Cigarrinha-dasRaízesCiclo de vida destruir 100% do CANAVIAL. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 35
  36. 36. Cultura Cultivando a Língua Portuguesa Biblioteca “GENERAL ÁLVARO TAVARES CARMO” PLANTAS INFESTANTES E NOCIVAS Kurt Gottfried Kissmann Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português Queridos amigos leitores: Chegou(e para ficar) o Novo Acordo Ortográfico. Com certeza, irei elaborar as devidas mudanças, alterações feitas em alguns tópicos gramaticais. Renata Carone Nesta coluna as dúvidas esclarecidas não constam como siSborgia* tuações do Novo Acordo. Assim sendo, são dúvidas do cotidiano com o devido esclarecimento. Quando eu for trabalhar o Novo Acordo nas colunas de Português,com certeza, colocarei a observação devida para os meus queridos leitores. 1) Pedro disse após os últimos noticiários na mídia: — É preciso que “REDESCOBRIMOS” os valores morais, éticos, humanos... Concordo em redescobrir todos os valores fundamentais do verdadeiro ser humano...mas vamos analisar a verdadeira conjugação do verbo REDESCOBRIR. É uma oração (subordinada) que exige o verbo no subjuntivo. Exemplificando: É preciso que nós façamos... ( e não fazemos) É preciso que nós viajemos... ( e não viajamos) O Presente do Subjuntivo de REDESCOBRIR é que eu REDESCUBRA( que tu redescubras, que ele redescubra, que nós redescubramos...) 2) “CAPTADA” a atenção dos presentes, o palestrante terminou a explanação com palavras afáveis!!! Afável o palestrante com a Língua Portuguesa também!!! Prezado amigo leitor, há uma confusão na hora de empregar os verbos CAPTAR e CAPTURAR,cujos significados são diferentes, apesar de origem comum. Assim CAPTURAR quer dizer prender (capturar animais na selva, capturar assaltantes em fuga) ou mesmo apreender ( capturar mercadorias roubadas). O verbo CAPTAR quer dizer atrair ( captar a atenção da platéia), granjear para si ( captar o olhar das pessoas), apoderar-se de (captar a opinião dos eleitores)... 3) DUPLICIDADE... sério problema ou poderá causar um grande problema... Veja , prezado amigo leitor, a frase abaixo: “O chefe falou com o funcionário parado na sala” Quem estava parado na sala??? O chefe ou o funcionário??? A duplicidade decorre da má construção sintática desse enunciado. Ela surge quando algo que está sendo dito e/ou escrito admite mais de um sentido comprometendo a compreensão do conteúdo. Pode acarretar duplo sentindo, comprometendo a clareza do texto. No exemplo acima: a solução é colocar “parado na sala” logo ao lado do termo a que se refere: Parado na sala, o chefe falou com o funcionário. Ou o chefe falou com o funcionário ,que estava parado na sala. * Advogada e Prof.ª de Português e Inglês Mestra—USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Consultora de Português, MBA em Direito e Gestão Educacional, escreveu a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras) com Miriam M. Grisolia 36 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 E sse mês vamos ressaltar uma obra do autor brasileiro Kurt Gottfried Kissmann, “Plantas Infestantes e Nocivas” – Tomo I. O livro foi escrito por agrônomos na preocupação com o crescimento da população do mundo, aumentando o uso de produtos de origem vegetal. Com isso, a vida do homem passa a ter uma alta produtividade, deixando a tecnologia aflorar em sua existência. Por esse motivo o autor procura passar em sua obra a preocupação que devemos ter com o meio ambiente, uma vez que a tecnologia pode ser nociva à natureza, prejudicando nossas futuras gerações. Kurt nos ajuda a entender essas plantas e até que ponto elas são bem vindas em nosso meio. Uma leitura acessível e de interesse a todos principalmente àqueles do ramo agrícola. Apesar de ter feito uma grande pesquisa bibliográfica para melhor escrever o seu livro, o autor também conta suas experiências pessoais tanto em campo quanto em laboratório, tendo uma intimidade maior com o seu leitor. A sua investigação rendeu uma extensão de obra bem significativa, o que levou a dividir o seu estudo em 3 partes: Volume I – Plantas inferiores e monocotiledôneas; Volume II – Plantas dicotiledôneas, de Acanthaceae a Fabaceae; Volume III – Plantas dicotiledôneas, de Geraniaceae a Verbenaceae. Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone (16)3946-3300 - Ramal 2016
  37. 37. Agende-se Dezembro de 2008 10ªJORNADA DE ATUALIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO Data: 08/12/2008 a 12/12/2008 Cidade: Piracicaba Local: ESALQ/USP Temática A Agricultura de Precisão tende a deixar cada vez mais de ser um tema pouco discutido entre os profissionais do segmento para passar a ser um instrumento necessário. É por isso que a ESALQ/USP, juntamente com seu Departamento de Engenharia Rural vem a oferecer este seminário a todos os interessados da área. Durante os encontros, o tema principal abordado será a apresentação desta cultura como um conjunto de técnicas que veio para facilitar a vida rural. Informações: Maria Eugênia - FEALQ - (19) 3417-6604 CURSO DE ANÁLISE FUNDAMENTAL E INTRODUÇÃO À COMERCIALIZAÇÃO DE SOJA Data: 10/12/2008 Cidade: São Paulo Localização: Auditório CMA - Rua Filadelfo de Azevedo, 712 - Vila Nova Conceição Temática: A empresa "Safras e Mercado" promove este curso para dar aos profissionais do campo uma base como introdução até a área de comercialização da soja no Brasil. Tudo isto será passado para os agricultores através de uma avaliação bem detalhada desde quando a soja sai das mãos do seu agricultor até o momento em que é comercializada no mercado. O foco da apresentação estará na parte comercial da soja, visando o aprendizado básico da atuação desta cultura dentro do mercado brasileiro. Informações Claudia - (51) 3224-7039 - eventos@safras.com.br www.safras.com.br CURSO MESTRE ALAMBIQUEIRO Data: 11 a 13 de dezembro de 2008 ou 09 a 15 de dezembro de 2008 Local: Fábrica Escola - Fazenda Taverna Real - Itaverava MG Temática: Como conseqüência da grande produção de cana-deaçúcar que o Brasil tem, a cachaça está presente no dia-a-dia de muitos brasileiros. Por esse e outros motivos o curso de alambiqueiro foi criado, para assim poder ensinar aos bons degustadores de uma cachaça todas as etapas de sua produção, tanto na teoria quanto na prática. Informações: Grupo Cana Brasil - Centro de Tecnologia em Cachaça - CTC Tel.: (31) 3413-0621 / (31) 2535-2228 canabrasil@canabrasil.com. www.canabrasil.com.br Revista Canavieiros - -Agosto de 20082008 Revista Canavieiros Novembro de 37
  38. 38. Vende-se Vende-se Trator Valmet 1380-S 4x4. Ano 97 com * Curral aroeira e ipê roxo + brete + bakit de lâmina, pá e guincho de big-beg. lança + seringa + etc., completo. Próximo Tratar com Marco (16) 9166-0333. a Jaú – R$ 45.000,00 * Sulcador/cultivador para 3 linhas. TriVende-se plece operação R$1 8.000,00 caminhão Scania, plataforma P420, 6x4, * Cobridor de cana com tanque aplica2008, no chassi, com 22000km, ar condici- dor de inseticida para 3 linhas. R$ 7.500,00 onado, banco com ajuste de altura, com- * Rolo faca “icma” 10 facas R$ 28.000,00 putador de bordo, direção hidráulica, vi- * Carreta para plantio de cana eixo dros elétricos, volante ajustável. Tratar pneus 1.000x20 R$5.500,00 com Rodrigo Almeida (14) 8119 4227 ou Tratar com João Ferreira pelo e-mail-rodrigounivem@hotmail.com (14) 9792 1571 Vende-se 01 caixa d’água tipo taça de 5000 lts, semi-nova Tijolos antigos e telhas 01 transformador de 15 KVA 01 transformador de 45 KVA 01 transformador de 75 KVA Lascas, palanques e mourões de aroeira 01 sulcador de 2 linhas DMB 01 canoa de 6 metros - borda média Tratar com Wilson – (17) 9739 2000 – Viradouro-SP Vende-se · Chevrolet D-60, ano 78, toco, azul, com carroceria; · Guincho Santal, Vamelt 85 id, ano 80, bom estado de conservação Tratar com Alexandre (16) 8118 9190 Vende-se * MF 297/4 ano 1994, R$ 40.000,00. * NH TM 120/4 ano 1999, trator com 3000 horas, R$ 40.000,00. * W7B totalmente reformada, R$ 40.000,00. * Ford 8830/4 ano 2000 cabinado, trator em excelente estado, R$ 75.000,00. Tratar com ZP Tratores - José Paulo Prado (019) 3541 5318 ou (019) 9154 8674 Compra-se Retroescavadeira agricola “tatu” rta6, usada. Tratar com João Ferreira (14) 9792 1571 38 Revista Canavieiros - Novembro de 2008 Vende-se * 303 alq. na região de Lins-SP, reserva de 20%, topografia plana e semi-ondulada, solo misto, pastagem, seringueira e plantação de mandioca, nascentes, rios e represas, casa sede, sala de festas, área de lazer, canil, poço artesiano, georeferenciamento em fase de finalização, ideal para construção de hotel fazenda ou SPA, R$ 15.000.000,00 - condições a combinar; * 1104 alqueires, na região de Bandeirantes-MS, plana, 55 divisões de pasto sendo 70% de pasto brizanta, 20% de decumbens, 10% de MG5, todas as cercas de itauba com 5 fios, 5 aguadas, 3 represas, 1 represa com roda d´água, represa com reservatório de 200 mil litros, 1 casa sede, 3 casas de empregados, 1 barracão para maquinários, 1 barracão para sal, 1 curral completo, R$ 10.000.000,00; * 485 alq. na região de Espírito Santo do Turvo-SP, fazenda na beira da pista, 8 casas de empregados, 2 casas sedes, 5 poços artesianos-1 deles possui o volume de 10.000 litros/hora, 6 galpões que alojam ao total 200.000 aves gerando em torno de 6 toneladas de esterco/dia, 6 transformadores, barracão para implementos com enfermaria, refeitório, escritório, almoxarifado, mais ou menos a fazenda possui 40 polegadas de água para irrigação, R$ 16.000.000,00; Tratar com Terra Verde Imóveis Rurais - José Paulo Prado (019) 3541 5318 ou (019) 9154 8674
  39. 39. Revista Canavieiros - Novembro de 2008 39
  40. 40. 40 Revista Canavieiros - Novembro de 2008

×