Drone: monitoramento feito das alturas

468 visualizações

Publicada em

70 anos da Canaoeste e as novas tecnologias


A Canaoeste prevê uma série de ações para comemorar seus 70 anos de história, no próximo dia 22 de julho. Entre elas, reportagens até o final de 2015 sobre a trajetória da associação e perspectivas para os próximos anos, a serem publicadas na Revista Canavieiros e veiculadas na TV Canaoeste. Um vídeo comemorativo, com depoimentos de pais que ajudaram a construir a força da Canaoeste e filhos que perseveraram no segmento agrícola, será lançado no evento que vai marcar o aniversário: um seminário de mecanização que está sendo planejado em parceria com a STAB (Sociedade dos Técnicos Açucareiros e Alcooleiros do Brasil).

Este é um dos destaques desta edição, que irá trazer, também, uma entrevista com o presidente da associação, Manoel Ortolan, que completa, neste ano, 40 anos de Canaoeste e 15 à frente da entidade. Ele analisa o trabalho de todo esse período, faz projeções e convoca os produtores a fortalecerem o associativismo, por meio de uma aproximação maior com a esfera governamental.

Já a matéria de capa mostra que o uso dos VANTs/drones para gestão e levantamento de propriedades agrícolas avança cada vez e usinas como as do Grupo Raízen e fornecedores, como a Agropastoril Paschoal Campanelli S/A apostaram na nova tecnologia com investimentos feitos no último ano. A edição de junho traz ainda um especial sobre irrigação e cobertura de eventos como o Clube Plantar, do CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) e 14º Herbishow, entre outros.

Entrevistas com o presidente da Copercana, Antonio Eduardo Tonielo, sobre a 11ª edição da feira Agronegócios Copercana também podem ser conferidas nesta edição. Além da Coluna Caipirinha, assinada pelo professor Marcos Fava Neves opinam no “Ponto de Vista”, Antonio César Salibe, presidente executivo da UDOP; Alexandre Enrico S. Figliolino, diretor de Agronegócios do Itaú BBA; Erotildes Gil Bosshard, especialista em Direção de Recursos Humanos e Antonio Carlos de Oliveira Freitas, advogado, especialista em Processo Civil.

As notícias do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred, assuntos legais, informações setoriais, classificados e dicas de leitura e de português também podem ser conferidos na revista de junho.

Boa leitura!!!

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Drone: monitoramento feito das alturas

  1. 1. Revista Canavieiros - Junho de 2015 1
  2. 2. Revista Canavieiros - Junho de 2015 2
  3. 3. Revista Canavieiros - Junho de 2015 3 Editorial A Canaoeste prevê uma série de ações para comemorar seus 70 anos de história, no próximo dia 22 de julho. Entre elas, reportagens até o final de 2015 sobre a trajetória da associação e perspectivas para os próximos anos, a serem publicadas na Revista Canavieiros e veicula- das na TV Canaoeste. Um vídeo comemorativo, com depoimentos de pais que ajudaram a construir a força da Canaoeste e filhos que perseveraram no segmento agrícola, será lançado no evento que vai marcar o aniversário: um seminário de mecanização que está sendo planejado em parceria com a STAB (Sociedade dos Técnicos Açucareiros e Alcooleiros do Brasil). Este é um dos destaques desta edição, que irá trazer, tam- bém, uma entrevista com o presidente da associação, Manoel Ortolan, que completa, neste ano, 40 anos de Canaoeste e 15 à frente da entidade. Ele analisa o trabalho de todo esse perí- odo, faz projeções e convoca os produtores a fortalecerem o associativismo, por meio de uma aproximação maior com a esfera governamental. Já a reportagem de capa mostra que o uso dos VANTs/ drones para gestão e levantamento de propriedades agrícolas avança cada vez e usinas como as do Grupo Raízen e forne- cedores, como a Agropastoril Paschoal Campanelli S/A apos- taram na nova tecnologia com investimentos feitos no último ano. A edição de junho traz ainda um especial sobre irrigação e cobertura de eventos como o Clube Plantar, do CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) e 14º Herbishow, entre outros. Entrevistas com o presidente da Copercana,Antonio Eduardo Tonielo, sobre a 11ª edição doAgronegócios Copercana.Afeira será realizada entre os dias 23 e 26 de junho e mais uma vez irá propor- cionar aos cooperados e associados a possibilidade de realizar bons ne- gócios através do acesso a produtos, serviços, condições de pagamentos facilitados, linhas de financiamen- tos, dentre outros serviços, criando condições para que o produtor possa investir em sua lavoura. "Estamos trabalhando para conseguir um volume de recur- sos que possa atender todos os nossos cooperados. Sabemos que o aumento dos juros anunciado recentemente pelo Governo, não foi bom. Porém, a Copercana trabalhará para ajudar os coope- rados no que for preciso", disse o diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti. Além da Coluna Caipirinha, assinada pelo professor Mar- cos Fava Neves opinam no “Ponto de Vista”, Antonio César Salibe, presidente executivo da UDOP; Alexandre Enrico S. Figliolino, diretor de Agronegócios do Itaú BBA; Erotildes Gil Bosshard, especialista em Direção de Recursos Humanos e Antonio Carlos de Oliveira Freitas, advogado, especialista em Processo Civil. As notícias do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred, assuntos legais, informações setoriais, classificados e dicas de leitura e de português também podem ser conferi- dos na revista de junho. 70 anos da Canaoeste e o 11º Agronegócios Copercana Boa leitura! Conselho Editorial RC Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Carla Rossini - MTb 39.788 Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Andréia Vital, Fernanda Clariano, Igor Saven- hago e Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: Marília F. Palaveri (16) 3946-3300 - Ramal: 2208 atendimento@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Revisão: Lueli Vedovato Tiragem DESTA EDIçÃO: 22.000 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matérias assinadas e informes publicitários são de responsabilidade de seus autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Augusto Zanini, 1591 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-550 Fone: (16) 3946.3300 - (ramal 2008) redacao@revistacanavieiros.com.br www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros www.facebook.com/RevistaCanavieiros Boa leitura! Conselho Editorial RC
  4. 4. Revista Canavieiros - Junho de 2015 4 Ano IX - Edição 108 - Junho de 2015 - Circulação: Mensal Índice: E mais: Capa - 38 Drones: Monitoramento feito das alturas O uso dos VANTs para gestão e le- vantamento de propriedades agrí- colas avança cada vez mais 26 - Notícias Copercana - Reuniões técnicas Copercana 34 - Notícias Sicoob Cocred 70 - Artigo Técnico 74 - Irrigação - Jovem Agricultor do Futuro recebe doação de ferramentas da Sicoob Cocred - Balancete Mensal Plantas Daninhas: Controlar no período seco? Área irrigada no Brasil pode crescer em até 10 vezes Pontos de Vista Alexandre Enrico S. Figliolino .....................página 14 Antonio Cesar Salibe .....................página 16 Erotides Gil Bosshard .....................página 18 Antonio C. de Oliveira Freitas .....................página 20 Coluna Caipirinha .....................página 22 Informações Setoriais .....................página 42 Eventos: Agronegócios Copercana .....................página 45 Destaque: Ajuste fiscal e o futuro do setor sucroenergético .....................página 52 Clube Plantar - CTC .....................página 54 Toque feminino no universo canavieiro .....................página 56 Biocana passa por mudanças .....................página 59 Seminário Tereos/Guarani .....................página 60 Pragas e Doenças: II Simpósio STAB - Plantas Daninhas .....................página 66 14º Herbishow .....................página 68 Controle da Ferrugem Alaranjada .....................página 72 Assuntos Legais .....................página 84 Acompanhamento de Safra .....................página 88 Classificados .....................página 90 Cultura ....................página 94 Foto:IgorSavenhago 05 - Canaoeste 70 Anos Canaoeste prepara série de ações para comemorar 70 anos de história Revista Canavieiros e TV Canaoeste farão reportagens até o fi- nal deste ano; vídeo terá depoimentos de pais e filhos que man- têm a força da associação por diferentes gerações - Canaoeste e LL Cultivar promovem reunião técnica sobre nutrição de cana - Presidente da Canaoeste e Orplana participa de reunião com Secretaria do Meio Ambiente - Gestor da Canaoeste terá artigo apresentado em congresso de Economia 28 - Notícias Canaoeste Foto: Samuel Vasconcelos
  5. 5. Revista Canavieiros - Junho de 2015 5 Canaoeste 70 Anos Especial Canaoeste prepara série de ações para comemorar 70 anos de história P ara marcar seus 70 anos de história, a serem completados no próximo dia 22 de julho, a Canaoeste prepara uma série de ações co- memorativas. Reportagens especiais, eventos e um vídeo institucional irão mostrar como a associação se tornou uma das mais respeitadas do País no setor sucroenergético e destacar o trabalho de produtores que entenderam o espí- rito do associativismo e, por meio dele, incenti- varam novas gerações. A Revista Canavieiros e a TV Canaoeste farão matérias especiais até dezembro, com temas variados: desde aspectos históricos da atuação da associação, passando por depoimentos de gestores, colaboradores e fornecedores associados, até pro- jeções para as próximas décadas. Serão elaborados, ainda, informes publicitários para veiculação em jornais de Sertão- zinho-SP, onde está localizada a matriz, e outros municípios ou regiões com filiais da Canaoeste. Um vídeo comemorativo está em fase final de edição e deve ser divulgado já no início de julho. Além de um breve histórico da associação – surgimento e trajetória –, o foco será a transmis- são, a uma nova geração de agricultores, dos valores que nortea- ram a criação da Canaoeste, em 1945, e o seu desenvolvimento. Pais que contribuíram para o fortalecimento da cadeia produtiva da cana-de-açúcar foram entrevistados ao lado de filhos que seguiram na atividade. Aproduçãotraráumdepoimentodopresidente da associação, Manoel Ortolan, para quem 2015 também é um ano significativo, já que completa 40 anos de Canaoeste – entrou em 1975 no depar- tamento técnico – e está há 15 à frente da entidade. Atuação que rendeu a ele, em 2001, o comando da Orplana(OrganizaçãodosPlantadoresdeCana da Região Centro-Sul), que congrega 33 asso- ciações de produtores. A divulgação de imagens e trechos de algumas entrevistas será feita nos estandes da Revista Canavieiros e da Canaoeste (que será personalizado com o tema 70 anos), durante oAgrone- gócios Copercana, feira realizada de 23 a 26 de junho no Centro de Eventos Copercana. O vídeo completo será divulgado nos sites e nas fanpages da Canaoeste e da Revista Canavieiros, além de ser apresentado, oficialmente, no evento que marcará o aniversário da associação. A exibição será feita justamente em 22 de julho, no auditório da Canaoeste, durante um seminário de mecanização que está sendo planejado em parceria com a STAB (Sociedade dos Técnicos Açucareiros e Alcooleiros do Brasil) e cuja abertura será feita por Manoel Ortolan. Igor Savenhago Carla Rossini Revista Canavieiros e TV Canaoeste farão reportagens até o final deste ano; vídeo terá depoimentos de pais e filhos que mantêm a força da associação por diferentes gerações Em defesa dos produtores A ideia de montar a Associação dos Fornecedores e Lavradores de Cana de Sertãozinho, antigo nome da Cana- oeste, surgiu em maio de 1945. Dois meses depois, o ideal associativista dos sócios-fundadores viraria realida- de. Eram eles: Alexandre Balbo, João Mendes, Attílio Magon, Orestes Mói, Antônio Bombonato, Hércules Bono- ni, João Batista Sverzut, José Paulino Simões, Florindo Storto, Jaime Gomes Duarte, José P. Martinez, José Rodri- gues Valente, Francisco Lopes Ortiz, Antônio Zambiano, Emílio Belezzini, Olívio Rossanez, Eugênio Mazzer, José Dandaro, TicianoVanzela e Edgar Sil- veira Pagnano. Vinte destemidos, que apostaram na união para defender direi- tos e interesses dos produtores junto às indústrias e ao Governo. O “Documentário Histórico de Ser- tãozinho 1896/1956”, editado pelo saudoso Antônio Furlan Júnior, aponta que, 11 anos depois da fundação da Ca- naoeste, a cana-de-açúcar já predomi- nava nesta região, que, em outros tem- pos, havia se destacado pelas lavouras do café, cultura que entrou em decadên- cia com a quebra da Bolsa de Valores de Nova York, no final da década de 1920. Em 1956, a cana ocupava 49,3% da área plantada em Sertãozinho, ten- do sido responsável, naquele ano, pela produção de mais de 600 mil sacas de açúcar e quase três milhões de litros de álcool. No ano seguinte, os números saltaram para 1,2 milhão de sacas de açúcar, 5,3 milhões de litros de álcool e 914 mil litros de aguardente. O primeiro presidente da nova asso- ciação, de 1945 a 1950, foi Alexandre Balbo, que se desligou para se dedicar a atividades da família. Em 1947, o pai de Alexandre, Attílio, havia fundado a Usina SantoAntônio, que cresceu e exi- giu maior envolvimento na administra- ção. Com o sucesso do empreendimen- to, a família Balbo comprou, também, em 1956, a Usina São Francisco.
  6. 6. Revista Canavieiros - Junho de 2015 6 JOSÉ DANDARO JOSÉ P. MARTINEZ ANTÔNIO ZAMBIANCO ATTÍLIO MAGON JAIME GOMES DUARTE ALEXANDRE BALBO EMÍLIO BELEZINIHÉRCULES BONONI EUGÊNIO MAZZER EDGAR SILVEIRA PAGNANO TICIANO VANZELA OLÍVIO ROSSANEZ ORESTES MÓI JOÃO BATISTA SVERZUT ANTÔNIO BOMBONATO FLORINDO STORTO JOSÉ RODRIGUES VALENTE JOÃO MENDES FUNDADORES Canaoeste 70 Anos Especial
  7. 7. Revista Canavieiros - Junho de 2015 7 Quem assumiu a associação foi Eugênio Mazzer, um dos sócios- -fundadores, que ficou no comando até 1954. Foi durante a gestão dele que a entidade obteve, em 10 de dezembro de 1951, sua per- sonalidade jurídica. Naquele ano, surgiu, ainda, a ideia de construir um hospital, tarefa que ficou nas mãos dos diretores João Mendes e Clóvis Magon. A pedra fundamental fora lançada em 28 de agosto. Em 10 de maio de 1953, a associação alterou sua razão social para Associação Regional dos Fornecedores e Lavradores de Cana, ampliando sua área de atuação. Em janeiro de 1955, o Hospital dos Fornecedores, como era conhecido, entrou em operação e passou a se chamar Netto Campello – em homenagem a um ex-presidente do IAA (Instituto do Açúcar e do Álcool). A unidade teve, como primei- ro diretor clínico, o médico Olidair Ambrósio. Expansão Em 1956, chegou a Sertãozinho, vin- do do Rio de Janeiro, José Gabriel Pinto, até então fiscal do IAA. O instituto, que foi extinto na gestão de Fernando Collor de Mello, era o braço de intervenção do Governo Federal no setor sucroenergéti- co. Gabriel, que tinha a missão de ser os olhos do IAA na administração do Net- to Campello, acabou virando secretário executivo da associação, incentivando mais fornecedores de cana a aderir à prá- tica do associativismo. Foi em 1957, sob a presidência de José Marchesi, que a associação passou a ter a razão social que conserva até hoje: Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo. Dois anos mais tarde, já com Pedro Strini como presidente, foi definida a compra do terreno para a construção da sede, na Rua Dr. Pio Dufles, área que pertencia à Igreja Matriz de Sertãozinho. A primeira assembleia na nova casa elegeu Silvio Borsari, que presidiu a associação até meados de 1964, quando, por motivos particulares, deixou o cargo para o vice em exercício, Oswaldo Ortolan, até que Arlindo Sicchieri assumisse em 1965. Três anos depois começaria o manda- to mais longo da história da Canaoeste. A presidência passou a ser ocupada por Fernandes dos Reis, em meio a uma grave crise no setor, que havia começa- do em 1964. Reeleito várias vezes, ele ficou no cargo por 31 anos, até sua mor- te, em 25 de fevereiro de 1999. Tinha, como companheiros na diretoria, Pedro Canesin Filho, Antonio Eduardo Tonielo e Décio Rosa. Já em 1969, a Canaoeste colaborou para a fundação da Cocred (cooperativa de crédito), com a finalidade de assegu- rar recursos importantes para a lavoura, por meio de financiamentos para custeio e investimento. Em 6 de fevereiro de 1972, Fernan- des falou, pela primeira vez, sobre sua ideia de implantar uma biblioteca vol- tada para os associados e suas famílias, bem como para estudantes de Sertãozi- nho e região. No mesmo ano, em 14 de dezembro, foi inaugurada a Biblioteca da Canaoeste, batizada com o nome do presidente do IAA na época, General Álvaro Tavares do Carmo. Em 1974 e 75, nova crise. A queda de US$ 9,3 no valor da tonelada de açúcar para exportação, ocasionada pelo choque internacional do petróleo, em 73, deixou o setor canavieiro sob o risco de se tor- nar insustentável. Pressionado pelos se- tores da economia produtiva, o Governo Federal lançou um programa de recursos subsidiados, visando a um crescimento da demanda interna, sobretudo para o ál- cool hidratado: o Pro-álcool. Na virada da década de 80, os resul- tados da iniciativa já podiam ser notados no volume de carros em circulação com o chamado “combustível verde”. Com o aumento da procura, a produção de cana-de-açúcar teve um salto explosivo, passando de 9,6 milhões de toneladas no país no triênio 74-76 para 23,5 milhões uma década mais tarde. Em 1986, o Bra- sil respondia por 25% da oferta mundial de cana, contra 14% no início do progra- ma. Nesse período, a Canaoeste partici- pou ativamente de todos os projetos de melhoramento genético. A gestão de Fernandes dos Reis pro- moveu, também, a modernização do Hospital Netto Campello, com a am- pliação do número de leitos para 100 Atual sede da Biblioteca da Canaoeste Hospital Netto Campello
  8. 8. Revista Canavieiros - Junho de 2015 8 Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste Fernandes dos Reis e da área de serviços e a instalação de aparelhos de última geração. A sede da Canaoeste passou por reforma e amplia- ção, principalmente da área técnica, para melhorar a assistência aos associados. Um laboratório de análises foi adequa- damente equipado, por exigência da implantação do sistema de remuneração da cana pelo teor de sacarose, defendido pela associação como um benefício e um direito dos produtores. Em 1984, a Canaoeste, ao lado de seus associados, atuou decisivamente em movimentos que exigiam o cumpri- mento das determinações do IAA para o pagamento dos fornecedores. As usi- nas resistiam e não cumpriam valores e prazos estabelecidos. Na ata de reunião no dia 17 de agosto daquele ano, a dire- toria da associação aprovou a proposta de elaborar um manifesto público sobre a situação da agroindústria canavieira e publicá-lo nos principais jornais do Es- tado de São Paulo. A Canaoeste participou de comis- sões nacionais e estaduais sobre o teor de sacarose, integrando, posteriormente, o Sistema Consecana. E sempre se pre- ocupou em incentivar a pesquisa, con- tribuindo com a UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), o IAC (Instituto Agronômico) e o CTC (Centro de Tec- nologia Canavieira), antiga Copersucar, na busca por variedades mais produtivas e resistentes. Em parceria com a Coper- cana, fomentou a rotação de culturas e conseguiu recursos junto ao FUNPRO- ÇUCAR para financiamentos de cami- nhões, tratores e carregadeiras de cana, que trouxeram grande avanço no manejo da cultura. Década de 90 e anos 2000 No início da década de 90, em função da queda na produção provoca- da pela desconfian- ça dos produtores em relação à falta do álcool combus- tível e da extinção do IAA, o clima de incertezas pairava sobre o setor. Era preciso trabalhar nos bastidores para garantir preço justo. Foi isso o que fez a Canaoeste. Dialogou com autoridades, públicas e privadas, para que a defasagem de 22% no valor da cana fosse corrigida. O reajuste foi além: 32,1%. Paralelamente, a associa- ção continuou incentivando programas de melhoramento genético, buscando incremento na produtividade. Com a morte repentina de Fernandes dos Reis, em 1999, o vice-presidente, Pedro Canesin Filho, assumiu a en- tidade e a superintendência do Netto Campello, até a convocação de uma nova eleição. Um ano antes, a taxa de recolhimento de cana, que era compul- sória, passou a ser facultativa. Por isso, a direção dos trabalhos da Canaoeste precisava passar por novas mudanças. O principal objetivo, a partir daquele momento, era mostrar a importância de manter os produtores unidos em asso- ciações de classe, a fim de garantir re- presentação política e institucional nas esferas públicas municipal, estadual e federal, nas organizações e federações e no Consecana. Por outro lado, tinha que evoluir, também, na prestação de serviços de consultoria, planejamento e controle de safra, assistência social, comunicação, além de ensaios de labo- ratório e fiscalização nas usinas. Esses foram os principais desafios de Manoel Carlos de Azevedo Ortolan, eleito como novo presidente em 25 de fevereiro de 2000. Coube a ele conso- lidar a integração da Canaoeste com a Orplana, bem como atender à expecta- tiva dos produtores por preços melho- res – conforme pode ser conferido em entrevista nesta edição. Ao longo desses 15 anos, Ortolan fir- mou sua posição como um dos maiores nomes do País na defesa dos fornecedo- res e do associativismo, permanecendo, também, até hoje, como líder da Orpla- na. E a Canaoeste, antenada com as ne- cessidades do planeta por energia limpa e renovável, chega a 2015 como uma das maiores associações de fornecedo- res de cana do mundo. Com 70 anos, se sente jovem, disposta a continuar fa- zendo história. Uma das manifestações coordenadas pela Canaeoste RC
  9. 9. Revista Canavieiros - Junho de 2015 9
  10. 10. Revista Canavieiros - Junho de 2015 10 Revista Canavieiros: São 15 anos à frente da Presidência da Canaoeste. Quais foram seus principais desafios desse período? Manoel Ortolan: Logo que assumi a Canaoeste, no ano 2000, a primeira coisa que tinha em mente era integrar a Canao- este à Orplana.Até então, por vários anos, a Canaoeste apoiava, mas não fazia parte da Orplana. Já de longa data, eu acom- panhava, juntamente como o Dr. Clóvis Vanzela e por delegação da presidência (da Canaoeste), as reuniões da Orplana. Eu já estava, de certa forma, entrosado com todos. Houve um ano entre os man- datos dos senhores Fernandes dos Reis e Pedro Canesin (ex-presidentes da Canao- este) que, por orientação da diretoria, eu fui assumindo as atividades da Canaoeste e ficou muito claro que o primeiro com- promisso assim que eu assumisse a pre- sidência da associação seria colocar a Ca- naoeste como membro da Orplana, como foi feito. Logo após, o desafio era traba- lhar para corresponder às expectativas dos produtores, pois eu estive na Canao- este de 1975 até 2000 como agrônomo, Manoel Ortolan 70 ANOS DA CANAOESTE “É muito importante estarmos próximos aos centros onde as decisões acontecem” No próximo dia 22 de julho, a Canaoeste completa 70 anos de existência, o que faz de 2015 um ano representativo não só para a associação. Seu presidente, Manoel Ortolan, comemora 40 anos de casa – entrou no departamento técnico em 1975 – e 15 na liderança dos anseios dos produtores. A presidência da Canaoeste, que assumiu em 2000, foi um degrau para que fosse convidado a ocupar, também, o cargo máximo da Orplana (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul), que congrega 33 asso- ciações, entre elas a própria Canaoeste. Engenheiro agrônomo formado em 1969, pela ESALQ-USP (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Quei- roz), participou, à frente das duas entidades, de mudanças importantes no setor sucroenergético, como a mecanização da colheita, que decretou o fim das queimadas e do corte manual nos canaviais paulistas, e o desenvolvimento de tecnologias para a cogeração de energia elétrica a partir do bagaço. Hoje, conduz grupos de produtores no enfrentamento de um grande desafio, mais um entre os muitos da carreira: a crise que afeta o setor e gera consequências como o aumento da concentração na indústria e no campo, o que dificulta a sobrevivência dos pequenos. Diante disso, diz que o principal foco das associações nos próximos anos precisa ser a busca de maior aproximação com o poder público. “É preciso que a Canaoeste e o sistema como um todo se fortaleçam mais na representatividade política”. Igor Savenhago Canaoeste 70 Anos Especial
  11. 11. Revista Canavieiros - Junho de 2015 11 sempre à frente do departamento técnico, onde tivemos um crescimento acentuado. De início, éramos em dois, três, que par- ticipávamos. Eu fui o primeiro. Depois veio o Antônio Roberto Verri, já falecido. Em seguida, o Augusto Strini Paixão. E assim fomos constituindo o departamen- to. Mas foi em 1983, com a implantação do pagamento de cana pelo teor de saca- rose, que ampliamos significativamente o departamento. Na ocasião apresentei um plano para a diretoria, para que pu- déssemos cobrir toda a área, entendendo que, uma vez que a cana ia ser remune- rada pela qualidade, cabia trabalharmos a orientação, a assistência técnica, para fa- zer com que o produtor conseguisse uma cana que melhor pudesse remunerá-lo. Contratamos agrônomos para ir fazen- do as regiões, cobrir toda a nossa área e, com isso, o departamento técnico ganhou um grande impulso. Tínhamos reuniões, encontros, participávamos ativamente deles. E era sabido que era uma coisa meio que natural, na hora em que houves- se uma oportunidade ou que algum dos diretores deixasse de participar, já que havia quase que um anseio dos produto- res, de que a próxima presidência fosse entregue a mim. Eu sempre vi nos diri- gentes até então bastante competência. Eles vinham fazendo tanto a Canaoeste como a Copercana e a Cocred crescerem significativamente. Eu entendia que ca- bia a eles a direção até que, por alguma circunstância, tivesse que haver uma mu- dança. Então, fiquei aguardando a minha hora, minha oportunidade, como de fato chegou. Abracei com muito carinho, de- terminação, para corresponder à expecta- tiva que eu sabia existir. Comecei o traba- lho em 2000 e, logo em 2001, veio outro grande desafio. Para surpresa minha, um grupo me procurou para que eu assumis- se também a Orplana, em função das cir- cunstâncias. A Orplana ficou muitos anos com um presidente só, depois teve mais dois, mas com passagens rápidas. E ha- via a necessidade de alguém que pudesse unir a turma toda em torno de um mesmo objetivo. Como eu era recém-chegado e, segundo o pessoal desse grupo, tinha um perfil mais conciliador, me convenceram de que, com o apoio deles, eu poderia fa- zer um trabalho tranquilo, colocando esse sentido de união, de coesão entre todas as associações, para que a Orplana fos- se fortalecida. Começamos ali, acredito, uma etapa nova para a Orplana. Primei- ro, fui eu na presidência, depois o Ismael Perina e retornei mais tarde. A partir do ano que vem, vamos ter novo presidente lá. Então, foram dois grandes desafios. O primeiro, de corresponder a essa expecta- tiva dos produtores da Canaoeste e, logo em seguida, assumir a Orplana. Procurei fazer as coisas dentro da expectativa de- les. Falei: “Concordo em assumir, mas queria o apoio de todo mundo. Vou fazer uma visita em todas as associações e con- versar com todos, sobre como eles veem esse processo de eu assumir a presidên- cia, uma vez que sou recém-chegado”. E fiz isso. Caminhei por todas, conversan- do, e vi que havia uma aceitação. Fomos, com isso, para o processo de eleição. Não houve disputa, não houve nada. Saiu um presidente, entrou o presidente novo e co- meçamos o trabalho. Revista Canavieiros: Ter Manoel Ortolan como presidente da Canaoes- te e da Orplana por tantos anos é um indicativo da liderança que o senhor exerce até hoje no setor? Manoel Ortolan: Eu não colocaria dessa forma. Acho que somos um grupo bom. Esse grupo que iniciou a mudança na Orplana, que veio me procurar, conti- nua trabalhando junto até hoje. E temos conseguido algumas transformações. A Orplana vem evoluindo, o sistema vem evoluindo. De acordo com o tempo, com cada época, é preciso seguir cami- nhos diferentes, mudar um pouquinho o rumo das coisas. Hoje, por exemplo, estamos vivendo um processo de con- centração no setor. E a Orplana vem se preparando para essa nova etapa. A Ca- naoeste também. Trabalhávamos com um grande número de unidades indus- triais, mas estão havendo fusões. Temos na região da Canaoeste, por exemplo, praticamente quatro grupos que res- pondem por boa parcela das unidades. Isso muda um pouco a forma de agir, temos que ir nos adequando a essas si- tuações. A mecanização também é um processo que favorece a concentração, já que você precisa de escala para tra- balhar. Então, significa que vai ter bas- tante trabalho, para buscar com que os pequenos e os médios produtores con- tinuem participando, mas numa forma que teremos que organizar para atender também às necessidades das unidades industriais. Não vejo, portanto, como algo pessoal. É realmente o trabalho de um grupo e que precisa ter alguém à frente. Entenderam, no momento, que a pessoa indicada seria eu. No caso da Orplana, assumi, fiz minha parte, passei para outra pessoa, que também trabalha junto nesse grupo, que foi o Ismael Pe- rina. Depois entendemos que eu deveria voltar por mais um período. Também não fui eu quem buscou isso. Foi uma solicitação da própria entidade, que eu participasse de mais uma gestão. Nesse tempo, houve uma boa renovação nas associações, temos novas lideranças, novos presidentes. Acho que a coisa está melhorando no contexto. Ano que vem, vamos deixar a presidência da Or- plana e, se Deus quiser, numa situação de liderança boa, que vai dar sequência ao trabalho que vem sendo feito. Revista Canavieiros: Qual o lega- do que a Canaoeste tem deixado para a região em que atua e para o País? Manoel Ortolan: Acho que a asso- ciação teve duas fases. Uma enquanto tínhamos o hospital (Netto Campelo, em Sertãozinho-SP), um recolhimento de taxa obrigatório por parte do Gover- no e direitos que a legislação nos asse- gurava. Tinha, também, quem punia as indústrias se não cumprissem suas obri- gações. Daí para a frente, com o livre mercado, houve o entendimento de que essas obrigações não se faziam mais por lei. Participava quem queria. Mas como tínhamos um regramento, um histórico das associações junto às unidades in- dustriais, nos unimos, industriais e for- necedores, e criamos um sistema que
  12. 12. Revista Canavieiros - Junho de 2015 12 regulava minimamente o setor, um ba- lizador dos negócios, do preço da cana. Com isso, conseguimos seguir pratica- mente com as mesmas estruturas. Logo, vimos que a parte da assistência social ficaria muito pesada. Várias associações já haviam repassado seus hospitais. Re- lutamos um pouco, mas para focar na rentabilidade do produtor acabamos fa- zendo a mesma coisa. Terceirizamos o nosso hospital para uma empresa, o gru- po São Francisco, e buscamos dar mais foco na produção. Hoje, é preciso que a Canaoeste e o sistema como um todo se fortaleçam mais na representatividade política.Aquestão da orientação técnica, do agrônomo estar junto ao proprietário, não é mais o primeiro plano. Não é isso que vai garantir ao produtor uma vida melhor. É muito importante estarmos próximos aos centros onde as decisões acontecem. Teremos trabalho, um pou- co, na esfera municipal, um pouco mais na esfera estadual e muito trabalho na esfera federal. Por isso, entidades como a Orplana, mesmo a Canaoeste e outras que têm peso na Orplana, precisam es- tar mais presentes junto à classe política, ajudando a construir aquilo que entende- mos que é certo. De nada adianta con- seguir ganhos de produtividade, de efi- ciência, se, numa canetada em Brasília, são tiradas essas vantagens que se têm conseguido de outra forma. Fiquei muito feliz com o trabalho que as entidades fi- zeram quando do Código Florestal, ago- ra na regulamentação do CAR (Cadas- tro Ambiental Rural) e quando fizemos o projeto do Protocolo Agroambiental, que teve um resultado muito bom. A própria Secretaria (Estadual de Meio Ambiente) hoje elogia o que foi feito e o fato de que chegamos a estar à frente daquilo que o protocolo determi- nava, sinal da conscien- tização, da evolução, da profissionalização do setor. Também está na hora de pensar em for- mar uma sucessão para o nosso trabalho. Já se vão 15 anos de Canaoeste e quase isso de Orplana. É preciso pensar que preci- samos sempre de um time, um aqui, ou- tro lá, para que possamos compartilhar atividades e dar conta. É muita coisa, muita reunião e, para isso, é necessária uma equipe competente, com mais as- sociações, mais gente participando, para que seja possível comparecer a todos os fóruns de discussão. É imensa a gama de atividades em que podemos influir com nossos técnicos e diretores. Por exem- plo: não tínhamos na Canaoeste um de- partamento voltado para meio ambiente. Mas essa questão ganhou uma ênfase tal que entendi que era a hora de termos um departamento com profissionais es- pecializados, capacitados para dar ao produtor uma orientação firme, segu- ra. Contratamos advogado, agrônomos e técnicos para esta área, profissionais que ajudam, também, na Orplana. Eles atuam junto às secretarias estaduais e ministérios de Meio Ambiente e Agri- cultura. Cuidaram de implementar o CAR, do qual a Canaoeste fez mais de dois mil projetos. Agora, participam da regulamentação do PRA (Programa de Regularização Ambiental). É procurar andar pari passu para estar influindo e não ser pego de surpresa com as toma- das de decisão. Por isso, digo que hoje mudou um pouco o cenário. Esse é um trabalho do qual, muitas vezes, os for- necedores de cana não se apercebem. Não visualizam isso como visualizam um agrônomo na sua fazenda. A assis- tência técnica é uma coisa e esse outro lado, da participação, que era de menos relevância, é outra, que precisa ganhar um embalo grande e ser forte. Revista Canavieiros: O senhor fa- lou de mudanças, citando o Protocolo Agroambiental. Antes delas, o setor ti- nha uma imagem negativa, associada a queimadas e às condições do traba- lho rural. Hoje, quando se fala em ca- na-de-açúcar, a relação mais comum é com tecnologias limpas e renováveis, capazes de atender às demandas mun- diais. Como a Canaoeste contribuiu para a mudança desse conceito? Manoel Ortolan: Em função do porte da associação, pudemos contratar bons profissionais, desenvolver setores, como o ambiental, e dar oportunidade para que os técnicos estudassem mais, se aperfeiçoassem, progredissem. Dian- te do que você citou, lembro-me do cheiro de vinhaça nas cidades, porque ela era jogada em rios ou áreas urbanas. Era vista como um subproduto, um lixo para as usinas. De repente, conforme o enfoque ambiental e a legislação, virou fertilizante. E seu uso passou a interes- sar, em substituição aos fertilizantes químicos. Depois veio a ação em cima das queimadas. Também relutávamos muito, porque, até então, era o siste- ma adotado. Normalmente, você relu- ta para deixar uma coisa e entrar num mundo novo. Mas começaram a vir so- luções, como a energia elétrica através do bagaço. Se as usinas já produziam energia para consumo próprio, por que não cogerar com o excedente, uma vez que o País precisava? Agora, vem a questão do uso da palha. Cortar cana crua, substituir mão-de-obra foram grandes passos para um grande grupo de trabalhadores, que foi trabalhar nas colheitadeiras, comboios, oficinas, fá- bricas de implementos e de máquinas. Você tirou gente do campo para ganhar mais e uma condição de trabalho mais digna. Se alguns foram deslocados, muitos se beneficiaram. Até que re- lutávamos contra isso também, já que todo processo de mudança é traumáti- co. Você deixa um sistema para entrar em outro completamente diferente. O interessante é que, com o desenrolar do processo, vão aparecendo novidades, algumas boas, outras nem tanto, como o aumento de pragas nos canaviais. Mas você supera isso também, com tecnolo- gia, com pesquisa. O fato é que a gente vai dançando de acordo com a música
  13. 13. Revista Canavieiros - Junho de 2015 13 ou com a época. Quando é tango, é tan- go. Quando é samba, é samba. E vamos caminhando. Felizmente, temos estru- tura e gente que possibilitam fazer as mudanças de rumo. Revista Canavieiros: No cenário nacional, o senhor falou sobre maior aproximação com a esfera política. E no internacional? Que tipo de imagem é possível construir para o setor? Manoel Ortolan: Lembro-me que, quando iniciei a carreira, muito se fa- lava que tudo de melhor que se queria ver sobre cana estava na Austrália. As viagens eram para lá. O exterior pro- porcionava muito conhecimento. Hoje, nós é que somos referência na produção agrícola. Tivemos aqui o programa do etanol. Foi um período muito rico em intercâmbios, porque veio gente do mundo inteiro. Eram delegações che- gando todo mês, fazendo visitas, tanto a nós, na Orplana, como na Unica. Te- mos essa dianteira na tecnologia da pro- dução de etanol a partir da cana-de-açú- car. Agora, tem a cogeração entrando também, o aproveitamento da palha... E o processo de produção de cana vai sendo modificado, alterado para me- lhor. Quem imaginava lá atrás plantar cana de mudinha? Hoje, é uma tecnolo- gia que vem sendo dominada. Acredito que, em breve, vamos estar plantando muita cana a partir desse sistema de muda pré-brotada. Começou aqui no IAC (Instituto Agronômico) e muitas empresas entraram nessa parte. É uma evolução fantástica, outro mundo se você pensar como se plantava cana há 20 anos. Acho que conseguimos tudo isso em função das nossas entidades. Não fossem as associações, não tería- mos chegado aonde chegamos com os produtores de cana. Revista Canavieiros: Isso mostra que o associativismo vai continuar exercendo um papel preponderante na economia do País? Manoel Ortolan: Sem dúvida. E, como você havia perguntado, procu- ramos integrar a comunidade interna- cional ao setor canavieiro. Existe uma entidade, que é a WABCG (Associação Mundial dos Produtores de Cana e Be- terraba Açucareira) e, ainda durante a minha primeira gestão na Orplana, fomos convidados para nos associar. Fizemos a adesão e passamos a partici- par de todos os encontros, realizados a cada três anos. Vários países se reúnem, apresentando as soluções para os pro- blemas que cada um vem enfrentando. É um grande intercâmbio. Tivemos a oportunidade de fazer um desses en- contros aqui em Ribeirão Preto, tam- bém na minha primeira gestão. É uma panorâmica do mundo todo açucareiro, canavieiro, que temos nesses encontros. É muito bom estar participando. Revista Canavieiros: Pensando no futuro da Canaoeste, quais as possí- veis projeções que podem ser feitas para a associação? Manoel Ortolan: Acredito que va- mos ter que mudar um pouco o perfil. Por quê? Vejo que o setor [sucroenergé- tico] está concentrando. Nas indústrias, temos grandes grupos que vão se con- solidar ainda mais. Em contrapartida, uma gama de unidades que ainda vão fechar. Das que estão em recuperação judicial, em torno de 70, praticamente metade fecha também. A concentração também acontece entre os produtores de cana. Há uma grande dificuldade de so- brevivência dos pequenos, porque, com a mecanização, é preciso escala. Numa propriedade de 300, 400 alqueires, você prepara a máquina para colher. Agora, quando são dez, 15 alqueires, a máqui- na não tem rendimento. Se ela colhe lá 600 toneladas por dia, aqui vai colher 250, 300. Isso impacta o custo. Quem empresta o serviço vai cobrar isso. E o pequeno vai ser sempre um tomador de serviço, porque ele não tem, nem vai ter, recursos para comprar maquinário. Lidar com grandes grupos, oferecer so- luções para os pequenos, mesmo os mé- dios produtores, significam uma dificul- dade maior para as entidades de classe. Nesse sentido, precisamos ter cada vez mais cérebros trabalhando. Mas não é questão de volume. Falo de qualidade, de competência, para propor, encontrar as melhores soluções para a nossa si- tuação e, dessa forma, possamos pros- seguir no sistema. A mecanização está aí, o fim das queimadas, graças a Deus, está decretado. E temos esses grandes grupos chegando. Acho que o setor, se não encolher, deve dar meio que uma paralisada. Claro que vai depender mui- to do que acontecer na esfera governa- mental. Não podemos continuar com a situação atual, um caos político que es- tamos vivendo. E o que vem pela frente não sabemos ainda. Vai continuar esse Governo? O fato é que precisamos de mudanças. Não dá para ficar nessa in- segurança. Diante disso, é preciso fazer a nossa parte. Trabalhar pensando no futuro do país, das próximas gerações e do nosso setor. Revista Canavieiros: A Canaoeste cumpriu o que os fundadores imagi- navam? Ou foi além? Manoel Ortolan: Este é um traba- lho que precisa ser feito de forma con- junta. Se não estamos melhores, talvez seja porque tem gente que não está aju- dando muito. Precisaria ajudar mais. A pessoa não pode ficar fora da entidade. Precisa participar. Essa história de que “não está me atendendo, então vou fun- dar outra associação” não é o caminho. Vejo que as associações deveriam fazer o mesmo que outros setores fizeram. O bancário fez, o industrial está fazendo. Temos muitas associações. Nesse caso, o ideal seria dar uma encolhida e forta- lecer as regiões. Então, não é questão de estarmos melhores ou piores. Acho que a Canaoeste caminhou bem e que a associação está em condições de conti- nuar seu trabalho, prestando seus servi- ços aos produtores de cana.RC
  14. 14. Revista Canavieiros - Junho de 2015 14 Mais um ano nada brilhante vai se desenhando para o setor sucroenergético, o que fará prolongar a situação de crise e agravar sobremaneira a situação de uma parte mais exposta à crise Alexandre Enrico S. Figliolino* Alexandre Enrico S. Figliolino A qui na instituição onde traba- lho, no Itaú BBA, dividimos o setor sucroenergético, que ain- da está operando normalmente, em três grupos. No primeiro, que chamamos de A, encontramos aquelas empresas que possuem operações extremamente bem estruturadas – fruto de anos e anos de boa gestão -, endividamento dentro de certos limites razoáveis e que apresen- tam elevada produção e comercializa- ção de energia elétrica. Nesse grupo, as empresas conseguem, mesmo diante da crise, gerar fluxo de caixa livre e baixar endividamento, desde que não façam elevados investimentos. No segundo grupo, que chamamos de B, temos empresas que se mantêm equilibradas, apresentando fluxo de cai- xa livre ligeiramente acima ou abaixo de zero, mas cuja dívida não explode, e, portanto, possuem todas as condições de atravessarem a crise desde que as condições não piorem ainda mais. No entanto, precisam manter um rigoroso controle de custos e investir exclusiva- mente na reposição da depreciação. Já no terceiro grupo, o C, o fluxo de caixa livre ainda é fortemente negati- vo e o endividamento cresce em níveis elevados de uma safra para outra. Isso ocorre em função de uma dívida eleva- da e, consequentemente, altas despesas financeiras; e/ou em função de estarem operacionalmente desestruturadas e possuírem um mix pobre de produtos, sem cogeração de energia. Este grupo pode estar com sua sobrevivência seria- mente ameaçada caso nada de novo que seja relevante aconteça. Pelos nossos cálculos, este grupo chega a aproxima- damente 25% da produção do Centro- -Sul, o que é bastante significativo. Somente para fazer uma comparação, esse volume de cana corresponde a uma Tailândia e meia, o segundo maior ex- portador de açúcar do mundo. Portanto, se não quisermos perder no médio prazo uma parcela produtiva relevante do setor, é recomendável que rapidamente um conjunto de medidas estruturantes seja adotado para salvar o grupo C da falência e animar novamen- te aquelas empresas do grupo A e B a retomarem os investimentos. Isso viria ao encontro do crescimento da deman- da de etanol hidratado e nos pouparia de dispêndios elevados de divisas com importação de gasolina em um mo- mento que precisamos melhorar nosso saldo de balança comercial, importante fundamento aos olhos dos investidores estrangeiros e agências de rating. Além disso, estaríamos retomando o cresci- mento de um setor capaz de gerar em- pregos numa vasta cadeia que dele de- pende – inclusive o de bens de capitais – em um momento em que o País passa por recessão econômica. *diretor de agronegócio do Itaú BBA RC Ponto de Vista I
  15. 15. Revista Canavieiros - Junho de 2015 15
  16. 16. Revista Canavieiros - Junho de 2015 16 Ponto de Vista II Depois não fala que eu não avisei... Antonio Cesar Salibe* M uito se tem discutido sobre o futuro dos combustíveis lí- quidos e como as economias e os países de todo o mundo estão tra- balhando suas estratégias para médio e longo prazos no que tange ao energéti- co que movimentará o futuro próximo, e sua garantia de suprimento. Recordo-me, por exemplo, da apresentação de um representan- te do MME (Ministério de Minas e Energia) durante o Ethanol Summit de 2013, há exatos dois anos, com o tema “Viabilizando o crescimento: medidas de longo prazo para o setor sucroenergético”. Na oportunidade, este represen- tante do MME destacou ao público perplexo de empresários do setor que para 2022 o governo trabalhava com a ideia de crescimento de gasolina importada para atender à demanda crescente de veículos no País, de 3,4 bilhões de litros que eram importados em 2013, para 23,5 bilhões de litros em 2022, um salto próximo a sete ve- zes o que o País já importava do deri- vado do petróleo. Ao final da apresentação, esse mesmo executivo demonstrava ainda que o atendi- mento dessa demanda crescente, que poderia chegar a 30 bi- lhões de litros em 2022, se somada ao crescimento projetado da produção de etanol, seria suprido pelo combustível que representasse uma melhor econo- micidade. Passados dois anos desse prognósti- co, hoje percebemos muito bem que os números reescalonados dessa equação mostram que os impactos da recessão porque passa o Brasil interferiram di- retamente no futuro dos combustíveis do ciclo Otto. O próprio MME já tra- balha com projeções de 26 bilhões de litros de gasolina equivalente, confor- me apresentação recente do ministro Eduardo Braga. O grande problema é que em 2013, enquanto o governo deixava em branco qual seria o combustível que preencheria essa “nova” de- manda, hoje já há uma certeza: o etanol, na atual condição de crise, não conseguirá atender a esta nova demanda e a pro- dução de gasolina, talvez por erro de estratégia do próprio governo, está estagnada há anos. Então, pergunto: será que estamos preparados para importar até 2022 o equivalente a mais de 20 bilhões de li- tros de gasolina, fora o que já importa- mos hoje? Vou além: quanto vai custar à balança comercial do País a impor- tação desse combustível? E quem vai pagar por ele? Numa análise até mais aprofunda- da, podemos questionar, inclusive, se o Brasil está preparado para receber essa gasolina e fazê-la chegar aos cen- tros de distribuição e consumo. Temos portos suficientes para essa demanda? Dutos e ferrovias ociosas ou em cons- trução, para levar este combustível dos portos aos centros de distribuição, ou ainda rodovias preparadas para um fluxo crescente de caminhões-tanque necessários para esse escoamento? Quando defendemos que energia é estratégica, é disso que estamos falando. Num país sério, as decisões sobre energia são estrategicamente colocadas em pauta e a história re- Antonio Cesar Salibe
  17. 17. Revista Canavieiros - Junho de 2015 17 cente já nos mostrou como este ponto faz toda a diferença. Não distante me recordo também quando o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da usina de biodiesel do Grupo Bertin, na cidade paulista de Lins, exaltava a tecnologia de ponta da Petrobras, que tinha capacidade de buscar petróleo numa profundidade tão grande que ele temia que qualquer dia junto à broca trariam um “japonesinho” para a su- perfície brasileira e que hoje perce- bemos tratar-se de mera propaganda, uma vez que toda essa tecnologia não nos tornou menos dependentes do pe- tróleo externo. E ainda, na mesma inauguração, Lula finalizava, sob aplausos extasia- dos, que milho era para encher o papo de galinha e que etanol era a energia do futuro, produzido no Brasil com cana-de-açúcar, abundante e em franca expansão, num claro ataque aos nos- sos irmãos norte-americanos que en- gatinhavam, à época, na produção de etanol de milho. Pois bem! Hoje, os “bobinhos” da terra do Tio Sam, com sua visão es- tratégica, produzem mais que o dobro do etanol brasileiro, ainda usando o milho, e avançam, a passos largos, rumo ao etanol de segunda geração, deixando-nos para trás com toda nos- sa expertise. Falar de combustíveis sem planejar o futuro é dar um tiro no pé e abater, num só golpe, tanto a galinha quanto os ovos de ouro. Vejam o exemplo da energia elétrica, que incentivada pelo governo foi amplamente subsidiada no passado recente e hoje se tornou o próprio tendão de Aquiles do governo, pressionando a inflação que tem tei- mosamente fugido da meta e que tira o sono de milhões de brasileiros. Quem sabe se o setor bioenergético não tivesse sido incentivado com polí- ticas mais claras, sem o represamento artificial dos preços da gasolina, que solapou o emprego de milhares de bra- sileiros nas dezenas de usinas fechadas com a atual crise, não pudéssemos, neste momento, estar comemorando o crescimento vertiginoso desse setor gerador de renda e de divisas nos mi- lhares de municípios direta ou indire- tamente envolvidos com esta cadeia. Talvez o governo não estaria, igual- mente, preocupado com o futuro dos combustíveis do País, e os brasileiros, que ainda não estão cientes dessa crise que se avizinha a cada dia, poderiam até continuar dormindo sossegados sabendo que não faltará combustível para o abastecimento de seu automó- vel comprado com o suor de seu traba- lho e que pode vir a sucatear, se nada for feito a tempo. E agora José? O que será de nosso País? Depois não digam que eu não avisei... *presidente executivo da UDOP RC
  18. 18. Revista Canavieiros - Junho de 2015 18 Ponto de Vista III A importância da terceirização regulamentada para o agronegócio canavieiro Erotides Gil Bosshard* Erotides Gil Bosshard O s maiores problemas existen- tes hoje na terceirização e a imagem negativa que se for- mou em torno dessa atividade nascem das contratações sob parâmetros errô- neos em todas as esferas. São contra- tações malfeitas, nas quais se busca incansavelmente o menor preço, nunca o melhor preço. A partir dessa visão obtusa, escancaram-se as portas para empresários de má-fé, cuja desonesti- dade, via de regra, resulta em consequ- ências nefastas para os trabalhadores. Em razão do número de reclama- ções trabalhistas e prevendo a sua re- dução, o que na prática não ocorreu, mesmo não existindo lei proibindo a contratação de empresas interpostas, em 25 de maio de 2011 o Tribunal Su- perior do Trabalho editou a Súmula 331 pelo qual declara ilegal a con- tratação de trabalhadores por empresa interposta, salvo no caso de trabalho temporário (Lei n. 6019 de 3.1.74) como também não haver vínculo de emprego com o tomador a contra- tação de serviços de vigilância, de conservação e limpeza, bem como de serviços especializados ligados à ati- vidade meio do tomador, desde que inexistentes a pessoalidade e a subor- dinação direta. Esse único parâmetro para a solução de conflitos decorren- tes da relação trabalhista proibia a contratação de terceiros para a ativi- dade fim do contratante, liberando as contratações de terceiros para ativi- dade meio. Pela falta de clareza na distinção entre atividade fim e ativi- dade meio, criou-se enorme insegu- rança jurídica para a recomendável, moderna e economicamente benéfica divisão do trabalho. Talvez por uma questão de prestígio da classe pela manutenção dessa Súmu- la, a maioria dos magistrados trabalhis- tas tem se manifestado contra o projeto que regulamenta a terceirização. Apesar disso, demonstrando não es- tar tão afinado assim, em 19 de maio de 2014, o recurso extraordinário com agravo da empresa Celulose Nipo- -Brasileira S.A. (Cenibra) levou o STF (Supremo Tribunal Federal) a se posi- cionar sobre a constitucionalidade da Súmula 331 do TST (Tribunal Supe- rior do Trabalho). Na sua manifestação inicial, o ministro Luiz Fux considerou que a restrição imposta pela referida súmula é matéria de índole constitu- cional, pois fere a liberdade de contra- tar, violando inclusive o Inciso II do artigo 5.º da Constituição Federal, que diz que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. Decisões semelhan- tes foram emitidas pelos ministros do STF em outros processos. Pelo lado sindical, documento do DIEESE encomendado pela CUT, com base em casos de terceirização precarizada, alega que o terceirizado trabalha 3 horas a mais por semana, ganha 24,7% menos que o trabalha- dor contratado diretamente e que a rotatividade dos trabalhadores dire- tos é 22% em média enquanto que os terceirizados é 44% em média, indo mais além ao alegar que o projeto de terceirização é um retrocesso até para tempos anteriores à CLT. Essa visão aumenta a oposição que os dirigentes sindicais fazem ao projeto da terceirização, apesar de que sua verdadeira motivação é a insatisfação com uma eventual fragmentação das bases sindicais, porque se a atividade principal das empresas terceirizadas não for a mesma das empresas contratantes, os trabalhadores das terceirizadas serão representados por outros sin- dicatos e consequentemente os atu- ais representantes profissionais per- deriam contribuições. O caso está mais para a autoproteção econômica dos sindicatos do que a proteção aos trabalhadores. Tais bandeiras têm grande apelo po- pular. São fáceis de serem comunicadas. E, assim entendidas, criam grave inse- gurança entre os trabalhadores. Como todo slogan, elas mexem mais com o emocional do que com o racional. Ao examinar o PL 4.330 com isen- ção, porém, verifica-se o contrário. O projeto busca exatamente “desprecari- zar” o que ainda está precarizado. Tra- ta-se de um projeto de proteção, e não de “desproteção” dos trabalhadores. Como terceirização é uma ativi- dade de parceria entre contratante e contratada, o PL coloca os dois lados como reais parceiros. A contratante será co-responsável pelo pagamento de todas as verbas trabalhistas e pre- videnciárias dos empregados da con- tratada referentes ao contrato firmado, será diretamente responsável por criar um ambiente de trabalho que garan- ta condições de higiene e segurança para todos os empregados da contra- tada, respeitadas as normas regula- mentadoras nesse campo além da sua responsabilidade direta de atender os
  19. 19. Revista Canavieiros - Junho de 2015 19 RC empregados da contratada nos seus ambulatórios, assim como será obri- gada a oferecer a estes as facilidades de alimentação e transporte que desti- na aos seus próprios empregados. É falso, portanto, o argumento de que a nova lei, se aprovada, precariza- rá mais a contratação de serviços ter- ceirizados. Nenhuma das exigências acima mencionadas existe na situação atual onde a empresa contratada é do tipo faz tudo e não a especializada naquele serviço a ser prestado, como previsto na regulamentação. O agronegócio canavieiro é um dos setores da economia que se beneficia- ria com a terceirização regulamentada, sem essa dicotomia entre atividade fim e atividade meio. Em razão das características especiais de produção do agronegócio canavieiro, a terceiri- zação pode ser aplicada a quase todas as operações do setor, com enormes ganhos de produtividade e aprovei- tamento das estruturas das empresas contratadas. Sem a regulamentação do projeto de terceirização, a contratação das atividades operacionais oferece grande risco pela insegurança jurídica. A possibilidade de virem a ser consi- deradas atividade fim é muito grande e daí a inoportunidade e o prejuízo. Ao permitir a contratação de em- presas especializadas nas atividades operacionais do agronegócio cana- vieiro, os produtores, toda a cadeia produtiva e a economia como um todo seriam beneficiados. Os contratantes, como os fornecedores de cana, não precisariam disponibilizar recursos com suas estruturas atuais de pessoal e equipamentos, pois as empresas es- pecializadas cuja estrutura disponível seria aproveitada e dinamizada, lhes prestaria os serviços independente- mente de quem fosse o contratante no tempo necessário para a conclusão da tarefa. No momento em que os produtores sofrem com os elevados custos de pro- dução que inviabilizam sua atividade e levam milhares a desistir da atividade, a divisão do trabalho proporcionada pela terceirização regular e segura re- vitalizaria toda a cadeia produtiva do agronegócio canavieiro, proporcio- nando garantia de economia ao con- sumidor. Toda sociedade se beneficia com a terceirização regulamentada. *jornalista, advogado com pós- -graduação em Direito do Trabalho, especialista em Direção de Recursos Humanos, pela Escola de Administra- ção de Empresas de São Paulo - FGV. Doutor em Administração de Empre- sas. Tem mais de 30 anos de serviços prestados ao setor bioenergético. O NOVO HERBICIDA PARA CANA-DE-AÇÚCAR. MAIOR PROTEÇÃO, MAIS ECONÔMICO. CHEGOU TRACTOR O herbicida com o melhor custo-benefício do mercado que vai reforçar o portfólio para cana-de-açúcar da Nufarm. f3agência/tricot ATENÇÃO Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e na receita. Utilize sempre os equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização do produto por menores de idade. PRODUTO PARA USO AGRÍCOLA. VENDA SOB RECEITUÁRIO AGRONÔMICO. CONSULTE SEMPRE UM ENGENHEIRO AGRÔNOMO.
  20. 20. Revista Canavieiros - Junho de 2015 20 Ponto de Vista IV Lei de recuperação judicial é usada para salvar patrimônio e prejudicar credores *Antonio Carlos de Oliveira Freitas Antonio Carlos de Oliveira Freitas A Lei nº 11.101/2005 completa 10 anos de vigência e, nesta déca- da, há pouco a comemorar. Isso porque, ao contrário do que se imagi- nava, poucas são as empresas efetiva- mente recuperadas após o trâmite desse tipo de processo. Não se pode imputar somente à legislação o problema, mas, em especial no setor sucroalcooleiro, à falta de uma política consistente de manutenção do setor em patamares de sustentabilidade. A lei, cujo objetivo maior é viabili- zar a superação da crise econômico-fi- nanceira da empresa, não vingou. Hoje é uma ferramenta mais utilizada para salvar patrimônio e prejudicar credores. Vale, ainda, e em paralelo, buscar, dentro do possível, outro ângulo de análise, o do setor sucroalcooleiro pro- priamente dito. Se num mundo em bus- ca de matrizes energéticas sustentáveis, diante da confiança em que o Brasil conseguirá cumprir com seu papel de potência fundamental na tarefa de pro- duzir alimentos para aplacar a fome do planeta, então é natural perguntar: as terras agricultáveis brasileiras devem focar na produção de biocombustíveis ou de alimentos? Não há dilema. Ape- nas algo em torno de 1% das terras bra- sileiras dedicadas à produção agrícola é utilizada pelo setor sucroalcooleiro. Ou seja, o plantio de cana-de-açúcar de nenhum modo constitui ameaça ou en- trave ao plantio de alimentos. Houve, sem dúvida, uma conjunção nociva de fatores – política governa- mental de bloqueio do aumento do pre- ço de combustíveis; aumento de custos de produção; baixa internacional do preço do açúcar; entre outros –, conjun- ção esta que obstou o esperado desen- volvimento do setor. A atual crise – tida como uma das maiores da história do setor - levou ao fechamento de tradicionais usinas pelo país afora, trazendo a reboque a perda de milhares de empregos. Decretou-se a falência de mais de dez usinas desde 2000, e meia centena tenta se reerguer por meio de recuperação judicial. Assim, enquanto a recuperação do setor não chega de forma definitiva, as empresas do segmento se valem do Judiciário, a fim de salvar o que resta. Entretanto, e isso envolve todas as re- cuperações judiciais, não apenas aque- las do setor sucroalcooleiro, os planos de recuperação são aprovados sem que seja exercido o devido controle de le- galidade de suas disposições. O juiz não é, nem pode ser considerado como mero “homologador” das decisões da Assembleia de Credores. O juízo da recuperação judicial deve exercer, sempre necessária e obriga- toriamente, o controle de legalidade material ou substancial. Tal controle foi objeto de discussão e aprovação do Enunciado nº 44, da “I Jornada de Di- reito Comercial CJF/STJ” (Bra- sília, março/2013). Entendimento contrário prestigia a insegurança jurídica nas Instituições que integram o Poder Judiciário, acabando por legitimar os anseios nefas- tos daqueles que adotam con- dutas travestidas de legalidade com o objetivo de exterminar o princípio previsto no art. 47, da Lei nº 11.101/2005. A interpretação equivo- cada do princípio em questão permite que oportunistas dele se valham para dar verdadeiro “calote” visando, so- bretudo, proteger o patrimônio pessoal dos sócios, desvirtuando a essência da legislação. Assim, a interpretação escorreita dos dispositivos legais contidos na Lei nº 11.101/2005, aliada a mudanças essen- ciais na referida legislação, a fim de di- minuir as brechas na lei existentes, é fator que contribuirá para que as empresas real- mente se tornem viáveis e se recuperem. De nada adianta ter boa vontade se, para aqueles que militam no cotidiano das atividades forenses, há nítidos gar- galos nessa lei, cujo aniversário não é para comemoração, mas sim para refle- xão e ações ágeis, a fim de buscar mo- tivos para regozijo nessa próxima dé- cada. O que se busca é simples: apenas algo prático e que funcione para todos. *Advogado, especialista em Proces- so Civil. Membro do IASP e da Comis- são de Agronegócios da OAB-SP. Sócio do escritório Luchesi Advogados.RC
  21. 21. Revista Canavieiros - Junho de 2015 21 ATENÇÃO: Este produto é perigoso à saúde humana, animal e ao meio ambiente. Leia atentamente e siga rigorosamente as instruções contidas no rótulo, na bula e na receita. Utilize sempre os equipamentos de proteção individual. Nunca permita a utilização do produto por menores de idade. CONSULTE SEMPRE UM ENGENHEIRO AGRÔNOMO. VENDA SOB RECEITUÁRIO AGRONÔMICO. Produto de uso agrícola. Faça o Manejo Integrado de Pragas. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto. Saiba mais: www.dupontagricola.com.br Amplo eSpectro de proteção pArA Seu cAnAviAl. Front® é único em benefícios integrados na mesma solução. Com um único produto, seu canavial fica livre das principais plantas daninhas por mais tempo, fazendo surgir o máximo potencial produtivo da plantação. É a DuPont aliando tecnologia e inovação com a sua dedicação por um canavial mais produtivo. Porque, juntos, podemos produzir ainda mais, hoje e no futuro. Um produto, ampla proteção. Com Front® a gente pode mais. Copyright© 2015DuPont.Todososdireitosreservados.DuPontovallogo,DuPont™etodososprodutosmencionados com®ou™sãomarcasoumarcasregistradasdaE.I.duPontdeNemoursandCompanyoudesuasafiliadas. 150diasde residual até umproduto, amplaproteçãoFacilidade no gerenciamento do controle de plantas daninhas amploespectroControle das principais plantas daninhas de folhas estreitas e largas
  22. 22. Revista Canavieiros - Junho de 2015 22 O que acontece com nossa cana? Temos que destacar o efeito do câmbio no setor de cana. Uma des- valorização de cerca de 35% no real frente ao dólar faz com que em reais, mesmo os baixos preços do açúcar, te- nham alguma compensação, encarece a gasolina no mercado interno e dá mais competitividade às exportações de eta- nol, inibindo também a entrada de eta- nol americano. Uma importante injeção não só no setor, mas no agro brasileiro. Para a UNICA (União da Indús- tria de Cana-de-Açúcar), a safra será de 590 milhões de toneladas (3,27% maior que em 2014/15), com produção 4,33% maior de etanol (27,27 bilhões de litros, sendo o hidratado 6,1% a mais com 16,33 bilhões de litros e o anidro 1,8% maior, com 10,94 bilhões de litros). A safra será mais alcooleira, com 58,1% destinada ao etanol. A produção de açúcar deve ficar ao redor de 32 milhões de toneladas. O processamento em abril de 2015 foi 11,54% maior que o de 2014. Safra vem vindo firme! Em termos de políticas, segundo a UNICA, ainda temos que facilitar a recuperação de créditos tributários da desoneração do PIS/COFINS (reten- ções de R$ 2 bilhões por ano), a descon- tinuidade do programa de financiamen- to à estocagem do etanol e o programa de incentivo ao ganho de eficiência dos motores. Apesar da crise, a BP (British Petroleum) prevê processar em 15/16, 10 milhões de toneladas de cana, 43% a mais que na safra anterior. A Glencore (trading suíça) prevê moer ao redor de 2,7 milhões de toneladas, cerca de 20% acima que na última safra. Já a Guarani deve moer ao redor de 20 milhões de toneladas, sendo 40% para o etanol. O que acontece com nosso açúcar? Relatório trimestral da OIA pre- vê deficit de açúcar de 2,3 milhões de toneladas em 2015/16 e ainda maior em 2016/17 se não houver investimentos em produção, que foi desestimulada em al- guns países, pelos preços baixos da com- modity. Estima que o deficit poderia che- gar até a 6 milhões de toneladas. Pode ser uma luz no final do longo túnel do açúcar. Para a safra 2014/15, prevê supe- ravit de 2,2 mi ton, com produção mun- dial crescendo para 173,63 mi ton, pu- xada principalmente por safras boas na Índia e Tailândia, que surpreenderam. Interessante como as consulto- rias internacionais que fazem previsão de safras e produções são surpreendidas em curto intervalo de tempo. Uma que projetava no trimestre anterior um defi- cit de mais de 100 mil t de açúcar para esta safra, reviu para um superavit de mais de 3,2 milhões de toneladas. Ape- nas em um trimestre... Segundo a UNICA, subsídios à produção de açúcar na Índia e Tailân- dia podem ter custado mais de US$ 1,2 bilhão ao Brasil, e estudamos contestá- -los na OMC (Organização Mundial do Comércio). Devemos sim ameaçar e ir em frente caso não haja retrocesso por parte destes países. Já o consumo de açúcar também apresenta boa recuperação, com cresci- mento de 2,14% (média dos últimos 5 anos foi de 2,06%) e alcançará o recor- de de 171,42 milhões de toneladas. A relação estoque consumo ainda perma- nece elevada, próxima a 48%. A título de curiosidade, as impor- tações do Iraque vêm aumentando e de- vem atingir mais de 1 milhão de tone- ladas em 2015, provando a importância dos mercados emergentes no açúcar. Ainda sobre os efeitos do dólar, algumas usinas estão fixando o açúcar que vem sendo produzido em 2015/16 em mais de R$ 1050/tonelada, acima dos preços de 2014/15, permitindo, no caso das usinas mais eficientes, retor- nos acima de 10%. O que acontece com nosso etanol? Com a escalada nos preços in- ternacionais do petróleo, é muito pro- vável que tenhamos novo aumento do preço da gasolina no Brasil, que pode chegar a 10%. A gasolina já está dan- do prejuízo à Petrobras novamente, e o problema grave do caixa da empresa e uma promessa que os preços seguirão o mercado dão alento ao etanol. Coluna Caipirinha Marcos Fava Neves* Caipirinha O etanol hidratado como uma injeção na Veia
  23. 23. Revista Canavieiros - Junho de 2015 23 Após o fechamento dessa coluna o homenageado veio a falecer. O consumo do hidratado segue firme, e podemos chegar ao final do ano entre 14 a 15 bilhões de litros. Estamos consumindo mais de 1,3 bilhão de li- tros por mês, contra menos de 1 bilhão nestes primeiros meses, em 2014. Se o consumo seguir firme e com rentabili- dade, com a perspectiva dos preços che- garem a patamares entre 1,40 a 1,50/l na usina, pode-se retirar mais de 1 mi- lhão de toneladas de açúcar do mercado internacional, beneficiando os preços. Em abril, as usinas do Centro-Sul venderam 1,46 bilhões de litros, simples- mente 49% a mais que em abril de 2014. Estamos vendendo hidratado como água, uma verdadeira injeção na veia do setor! Falta ainda o aumento de 0,5% na mistura de anidro na gasolina, apro- vada, e que hoje está em 27%. Como os testes da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) aparentemente não apre- sentaram problemas nos automóveis, resta esperar por este aumento. Estimativa de Alexandre Figlio- lino, do Itau-BBA, é que a retirada da CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) na gasolina em 2012 até sua volta neste ano impactou em R$ 16 bilhões o setor de cana. Ve- jam o desastre causado pela política po- pulista do governo. Oqueacontececomnossacogeração? A UNICA estima que a capacida- de instalada para cogeração nas usinas atingiu 10 mil megawatts, representan- do 7% da matriz energética brasileira, atrás apenas da fonte hidroelétrica e de gás natural. Em 2014, o uso desta fonte energética evitou a emissão de mais de 8 milhões de toneladas de CO2 . Porém, o ritmo de crescimento vem diminuindo, e em 2015 devem ser instalados apenas 36% do que foi investido em 2010. Com um pouco mais de luz na política energética brasileira, é muito provável que as fontes renováveis ga- nhem impulso. Há interesse crescente de fun- dos na aquisição de ativos de coge- ração e mesmo de investimentos no setor. No leilão os preços foram de R$ 270 por megawatt/h e preços de mercado acima disto. Penso que a coleção de notícias que coloquei acima mostram boas luzes! Quem é o homenageado do mês? Todos os meses esta coluna homena- geia uma personagem do setor de cana. Este mês faremos uma homenagem ao amigo Nehemias Alves de Lima, diretor da Coopercitrus, e um grande entusiasta da educação no Brasil. Estamos juntos na luta, amigo! RC Haja Limão: O Brasil caiu mais posições no ranking de competitividade mundial, no recente relatório publicado pelo IMD. Estamos na posição 56. Éramos em 2010 o País número 38 em competi- tividade. Eu imaginei que a experiência do Brasil com a esquerda seria muito negativa, mas não imaginava um desas- tre dessa dimensão. Haja limão. Marcos Fava Neves é professor titular da FEA/USP, Campus de Ribeirão Preto. Em 2013 foi professor visitante Internacional da Purdue University (EUA)
  24. 24. Revista Canavieiros - Junho de 2015 24
  25. 25. Revista Canavieiros - Junho de 2015 25
  26. 26. Revista Canavieiros - Junho de 2015 26 Notícias Copercana Reuniões técnicas Copercana Com o intuito de capacitar a equipe de engenheiros agrônomos que reali- zam atendimento aos seus cooperados, a Copercana firma parcerias com mul- tinacionais de agroquímicos e realiza reuniões técnicas. FMC No dia 22 de maio, em parceria com a FMC, foi realizado um treinamento exclusivo com o objetivo de aprimorar e discutir os principais tratamentos do mercado de cana-de-açúcar. Na ocasião foram apresentadas as performances dos Produtos FMC. Vinícius Batista, representante técnico comercial da FMC, explicou que “para o controle de ervas daninhas, destacamos a excelência do Boral na época seca para Da redação Parceria com as multinacionais capacita a equipe técnica o controle de mamona, mucuna e cordas em geral e de Gamit CS no controle das principais gramíneas. Para o controle de pragas e doenças, focamos no novo pro- duto biológico da FMC: Nemix C, um promotor de crescimento composto por duas espécies de Bacillus que atuam de forma sinérgica melhorando a sanidade e produtividade da planta.Além deste, tam- bém apresentamos os resultados do novo fungicida da FMC: Evos. Esta ação refor- ça nosso compromisso com o agricultor em levar conjuntamente com a Coperca- na sempre os melhores tratamentos, para que eles conquistem ganhos de produtivi- dade e prosperidade”. NORTOX No dia 8 de maio, a Nortox proporcio- nou, à equipe técnica da Copercana, um evento motivacional. O palestrante, José Borges Filho, falou sobre a iniciação ao Coaching. A reunião terminou com uma almoço servido no Cred Clube. Palestra realizada em parceria com a FMC Palestra realizada em parceria com a Nortox 26 RC
  27. 27. Revista Canavieiros - Junho de 2015 27
  28. 28. Revista Canavieiros - Junho de 2015 28 Notícias Canaoeste Canaoeste e LL Cultivar promovem reunião técnica sobre nutrição de cana A umentar a produtividade do canavial melhorando a nutri- ção da planta. Este foi um dos principais tópicos discutidos na reunião técnica sobre “Tecnologia de Nutrição em Cana-de-Açúcar”, promovida no último dia 2 de junho, no auditório da Canaoeste, em Sertãozinho-SP. O evento, realizada pela Canaoeste por meio de uma parceria que já tem um ano e meio com o Grupo LL Cultivar, empresa especializada em adubação, contou com a presença de técnicos e produtores da área de cobertura da as- sociação e palestras do professor Godo- fredo César Vitti, da ESALQ-USP (Es- cola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”), do consultor Fábio Vale, da Adubai, e do agrônomo Aparecido dos Santos da Silva, que representou a LL. Os três fazem experimentos conjuntos de campo, cujos resultados também fo- ram apresentados. “O objetivo é levar informação sobre novas tecnologias ao nosso produtor, para que, dessa forma, ele consiga ma- nejar o seu canavial adequadamente e obter resultados mais favoráveis”, disse Igor Savenhago Evento, no dia 2 de junho em Sertãozinho-SP, teve três palestras que apresentaram tecnologias para aumentar a produtividade, como a agricultura de precisão a gestora técnica da Canaoeste, Ales- sandra Durigan. “Pudemos contar com profissionais que têm muita experiência no assunto e foi um dia bastante pro- veitoso em que conseguimos esclarecer muitas dúvidas”. O primeiro a falar durante o evento foi o professor Vitti. Ele alertou para a importância de uma adubação correta no enfrentamento de pragas, doenças e problemas climáticos que afetam o setor sucroenergético. “Não quere- mos canavial de quatro, cinco cortes, mas de dez. E, com manejo adequado, isso é possível. Uma cana bem adu- bada aumenta o sistema radicular e, com isso, a água em profundidade, permitindo enfrentar até o problema do déficit hídrico”. Segundo ele, a nutrição é o fator mais rápido e barato contra momentos de crise. “Estamos numa situação, seja política, seja climática, insustentável para o fornecedor de cana sobreviver. Somente com o manejo isso vai ser possível. Com nutrição adequada, vão melhorar a produtividade, a qualidade e a longevidade do canavial”. Aparecido dos Santos da Silva, da LL Cultivar demonstrou os principais resultados dos experimentos feitos em campo Professor Godofredo César Vitti, da ESALQ-USP Fábio Vale, da Adubai Consultoria Alessandra Durigan, gestora técnica da Canaoeste
  29. 29. Revista Canavieiros - Junho de 2015 29 Fábio Vale, da Adubai Consultoria, expôs as vantagens da agricultura de pre- cisão. Ele explicou que um trabalho fei- to em parceria com a LL tem avançado no monitoramento das necessidades da planta, não apenas do solo. “Atualmen- te, o conceito que existe para agricultura de precisão é o de trabalhar com amos- tragens de solo e definir correções de calcário, gesso e fosfatagem. Os experi- mentos que temos feito são para envolver a planta nesse processo. Utilizando-se de imagens, é possível definir o potencial de produtividade de cada talhão e, juntando isso com as amostragens de solo feitas an- teriormente, podemos melhorar também a adubação, repondo, principalmente, ni- trogênio e potássio nas soqueiras”. A reunião terminou com Apareci- do dos Santos da Silva, da LL Cul- Leonardo Leal Lopes, diretor-proprietário da LL Cultivar tivar. Ele demonstrou os principais resultados obtidos em campo com a aplicação, em diferentes áreas, de produtos à base de nitrogênio, boro, zinco, molibdênio e bioestimulantes. “O queremos trazer para os agricul- tores são informações privilegiadas de quem estudou a vida inteira. A LL procura estar sempre ao lado deles, tentando fazê-los produzir mais”, dis- se o diretor-proprietário da empresa, Leonardo Leal Lopes. RC
  30. 30. Revista Canavieiros - Junho de 2015 30 Presidente da Canaoeste e Orplana participa de reunião com Secretaria do Meio Ambiente O presidente da Canaoeste e Or- plana, Manoel Ortolan, partici- pou no dia 20 de maio, em São Paulo, de uma reunião com represen- tantes da Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Ele esteve acompanhado de advogados e técnicos das duas entida- des, além de membros da ABAG-RP (Associação Brasileira do Agronegócio em Ribeirão Preto), como o diretor exe- cutivo, Marcos Mattos. Em pauta, a regulamentação do PRA (Programa de Regularização Ambien- tal), aprovado em dezembro do ano passado na Assembleia Legislativa e sancionado no dia 14 de janeiro pelo governador Geraldo Alckmin, o sis- tema eletrônico de preenchimento do CAR (Cadastro Ambiental Rural) – cujo prazo venceria no dia 6 de maio, mas que teve a prorrogação por um ano autorizada pelo Governo Federal – e as queimadas criminosas de canaviais no Estado. A discussão sobre esses aspec- tos marcou o primeiro contato entre as- sociações ligadas ao setor sucroenergé- tico e a equipe da pasta, que assumiu no início deste ano juntamente com a nova secretária, Patrícia Iglecias. Igor Savenhago Durante o encontro realizado em São Paulo, Manoel Ortolan esteve acompanhado de advogados e técnicos de entidades que compõem a Orplana e a ABAG-RP Ortolan e os demais representantes da cadeia produtiva da cana-de-açúcar foram recebidos pela secretária adjun- ta, Cristina Maria do Amaral Azevedo. Ela afirmou que o PRA ainda passa por análise política e técnica no Palácio dos Bandeirantes porque a Secretaria de Meio Ambiente participou pouco da elaboração da lei e, por isso, “tem se debruçado sobre o assunto para que chegue logo a um consenso”. Em fevereiro, durante reunião na Canaoeste, em Sertãozinho-SP, o secre- tário da Agricultura, Arnaldo Jardim, admitiu haver divergências de opiniões sobre o programa no Governo Estadual, mas afirmou também que estava bus- cando um entendimento. Na época, ele pediu que as entidades representativas dos produtores enviassem sugestões para as próximas etapas da discussão. A ausência de uma regulamentação preo- cupa as associações, que temem perder conquistas recentes. Jardim prometeu trabalhar por uma aproximação entre o setor e a Secretaria do Meio Ambiente. Outro problema enfrentado com a ausência da regulamentação são as dú- vidas que aparecem no preenchimento do CAR (Cadastro Ambiental Rural), obrigatório para todos os proprietários rurais do país e imprescindível para o funcionamento do PRA. Algumas ques- tões previstas na legislação ainda não foram inseridas no sistema eletrônico do cadastro. Durante a reunião na secre- taria, o assunto foi exposto a Cristina. Foi cobrado dela que haja um maior es- treitamento da comunicação com a pas- ta para que eventuais problemas sejam sanados com rapidez. A adesão ao CAR deveria ter sido feita até o início do último mês de maio, mas, por causa das dificuldades enfren- tadas, o Governo Federal anunciou a prorrogação, por um ano, conforme previsto em lei. A Secretaria de Meio Ambiente pede que, apesar da decisão, as associações continuem estimulando os produtores a fazer o preenchimento, já que o prazo só pode ser estendido uma vez. Até a data da reunião, cerca de 67% das propriedades paulistas haviam sido inseridas no sistema. Queimadas criminosas Os advogados Juliano Bortoloti, da Canaoeste, e Helena Pinheiro Della Torre Vasques, da Orplana, pediram, Notícias Canaoeste Cristina Maria do Amaral Azevedo, secretária adjunta do Meio Ambiente e Manoel Ortolan, presidente da Orplana e Canaoeste
  31. 31. Revista Canavieiros - Junho de 2015 31 durante o encontro, que a secretaria leve em conta os avanços do setor sucroe- nergético na mecanização da colheita e na eliminação da queima da palha da cana durante eventuais fiscalizações, no intuito de não aplicar sanções nos casos de inexistência de nexo causal no uso do fogo em canaviais. Segundo Helena, “o setor eliminou os riscos da ativida- de e gostaria que a secretaria visse isso com bons olhos”. Conforme o novo Código Florestal, em vigor desde fevereiro de 2012, as autoridades responsáveis por fiscalizar devem “comprovar o nexo de causa- lidade entre a ação do proprietário ou qualquer preposto e o dano efetivamen- te causado”. A lei prevê, ainda, que é preciso “estabelecer o nexo causal na verificação das responsabilidades por infração pelo uso irregular do fogo em terras públicas e particulares”, o que significa que se deve encontrar o infra- tor e não apenas multar o proprietário pelo incêndio. Pense bem antes de renovar o seu canavial Cana produtiva para mais cortes Anúncio Canavieiros - 20,5 x 13,5 cm.pdf 1 10/06/2015 14:49:32 Isso, no entanto, nem sempre acon- tece. Para se defender de possíveis ações administrativas e judiciais e con- seguir uma autorização extraordinária de colheita em casos de incêndios criminosos no seu canavial, o produ- tor deve tomar uma série de medidas, como fazer um requerimento junto à Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), acompanha- do de boletim de ocorrência, tirar fotos do plantio e dos aceiros existentes na área, para provar obediência à legis- lação, demonstrar, com testemunhas e laudo pericial, que a propriedade está preparada para o corte mecânico e, por isso, dispensa o uso do fogo, e apre- sentar laudo técnico – que demonstre que a origem do incêndio é desconhe- cida – e histórico da colheita mecani- zada nas últimas três safras. Técnicos da secretaria elogiaram a disposição do setor em cumprir o Protocolo Agroambiental, que pre- via a substituição total, até o final do ano passado, da mão de obra manual em áreas planas do Estado. Dados da Conab (Companhia Nacional de Abas- tecimento), apresentados ao final da reunião, mostram que, dos 343 mi- lhões de toneladas de cana colhidas no território paulista em 2014, 90% foram por máquinas, que só não entraram em terrenos com declividade acentuada. Pelo levantamento, nove mil hecta- res deixaram de ser queimados desde o início da aplicação do protocolo – que contou com a adesão de 27 associa- ções, das quais 25 estão ativas, e 5.500 fornecedores, de um total de 16.500 propriedades, sendo 55% próprias e 45% arrendadas. Todas essas áreas têm, juntas, mais de sete mil nascentes. Outra informação divulgada foi que a energia elétrica excedente pro- duzida pelas usinas paulistas a partir do bagaço da cana seria suficiente para suprir 25% do consumo residen- cial do Estado.RC
  32. 32. Revista Canavieiros - Junho de 2015 32 Gestor da Canaoeste terá artigo apresentado em congresso de Economia O gestor de Relacionamentos, Recursos e Projetos da Canao- este, Almir Torcato, teve artigo científico aprovado para apresentação no 53º Congresso da Sober (Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural), que será realizado de 26 a 29 de julho na UFPB (Universi- dade Federal da Paraíba), em João Pes- soa, capital do Estado. A produção, intitulada “O reflexo na mecanização da colheita da cana- -de-açúcar na remuneração aos forne- cedores independentes da região de Sertãozinho”, é derivada da dissertação defendida por Almir para a conclusão do curso de Especialização em Ges- tão Estratégica do Agronegócio, pela ESALQ-USP (Escola Superior de Agri- cultura “Luiz de Queiroz”). A orienta- dora dele, Angel dos Santos Fachinelli, doutoranda em Economia Aplicada pela mesma instituição, será a respon- sável pela apresentação no congresso. Igor Savenhago Estudo, que usou dados de Sertãozinho-SP, questiona o impacto gerado pela imposição emergencial da mecanização na qualidade da matéria-prima O gestor diz que ficou surpreso com o resultado. “Inscrevemos o traba- lho pensando em uma publicação nos anais do congresso e, no entanto, ele foi selecionado para a apresentação. O assunto é bem delicado e gera muita discussão. Por isso, fiquei muito feliz com a oportunidade de apresentar para o Nordeste a realidade na nossa região. Vejo positivamente esse intercâmbio de informações”. O estudo discute o problema da queima da cana e a colheita mecani- zada sob aspectos legais e questiona o impacto gerado pela imposição emer- gencial da mecanização na qualidade da matéria-prima. As informações re- ferentes à região de Sertãozinho-SP, usada como estudo de caso, foram ob- tidas junto à Canaoeste. Resumidamente, a conclusão foi de que os fornecedores de cana deixaram de receber, nas safras de 2009 a 2014, um total de R$ 384 milhões. Já as uni- dades industriais deixaram de produzir 493 mil toneladas de açúcar branco e 205 mil metros cúbicos de etanol hidra- tado, o que denota reflexos financeiros inferiores na comparação com a colhei- ta de cana queimada.RC Almir Torcato, gestor de Relacionamentos, Recursos e Projetos Notícias Canaoeste
  33. 33. Revista Canavieiros - Junho de 2015 33
  34. 34. Revista Canavieiros - Junho de 2015 34 Notícias Sicoob Cocred Jovem Agricultor do Futuro recebe doação de ferramentas da Sicoob Cocred C om dois centros de formação, um em Brodowski-SP e outro em Batatais-SP, o Programa Jovem Agricultor do Futuro recebeu da Sicoob Cocred, no dia 19 de maio, uma grande doação de ferramentas. Foram entregues enxadas, martelos, alicates, facões, peneiras, pás, carriolas, garra- fões, entre outros, que serão usados pe- los alunos até o final deste ano. Mantido por uma parceria entre o Senar-SP (Serviço Nacional de Apren- dizagem Rural), ligado à FAESP (Fede- ração da Agricultura do Estado de São Paulo), o Sindicato Rural de Batatais, que tem uma extensão em Brodowski, as Prefeituras de Batatais e Brodowski, além da Usina Batatais, o projeto é apoiado desde 2007, ano de sua funda- ção, pela Sicoob Cocred, que destina todos os equipamentos necessários para a realização do curso. A cada ano, o programa atende 140 estudantes, de 14 a 17 anos, divididos em quatro turmas com 35 – duas em Ba- tatais, de manhã e à tarde, e outras duas em Brodowski, nos mesmos moldes. Independente do turno, os participantes têm direito a duas refeições diárias. Os interessados passam por um pro- cesso seletivo, que inclui prova escrita, testes psicológicos e entrevistas. Outra exigência é que eles tenham bom rendimento escolar, já que o Jovem Agricultor do Futuro funciona em períodos alternativos aos das aulas regulares dos Ensi- nos Fundamental e Médio. Só em Batatais, a seleção de 2015 contou com 530 ins- critos. “É um curso que está tendo uma procura imensa. Acreditamos que é devido à qualidade daquilo que ofere- Igor Savenhago Programa de capacitação atende, a cada ano, 140 jovens de 14 a 17 anos, que têm contato com todas as competências ligadas ao trabalho no campo cemos”, afirma Julio Eduardo Marques Pereira, coordenador do Senar-SP em Batatais e Brodowski. Segundo Fernando Cavatan, geren- te do Posto de Atendimento da Sicoob Cocred em Batatais, a cooperativa acredita no projeto porque ele visa à formação de cidadãos. “Todo o pro- cesso é educativo. Fico muito feliz e orgulhoso de participar e ver que tem disciplina, or- dem, instrução. É uma ini- ciativa que vale a pena”. Integram a grade curricu- lar atividades em classe, onde os alunos participam de dinâ- micas de grupo, e aplicações práticas, experimentais, do conteúdo abordado. A instru- tora pedagógica, Roseli Mar- Sicoob Cocred doa todas as ferramentas usadas nas aulas práticas Fernando Cavatan, gerente da Sicoob Cocred em Batatais Julio Eduardo Marques Pereira, coordenador do Senar-SP
  35. 35. Revista Canavieiros - Junho de 2015 35 RC Roseli Martins Caramori, instrutora pedagógica André Scavazza, presidente do Sindicato Rural de Batatais tins Caramori, explica que, na primeira etapa, em vez de aulas teóricas, são or- ganizadas “sessões de aprendizagem”, que permitem constante troca de conhe- cimentos sobre ética e cidadania, proje- tos de vida, missões e valores, empreen- dedorismo, tecnologia da informação e promoção de saúde, em que os assuntos em pauta vão desde sexualidade até o risco do uso de drogas na adolescência. “Buscamos desenvolver o senso crí- tico, a capacidade criativa dos jovens. É uma experiência única, na qual traba- lhamos a capacidade de comunicar, de se relacionar, não ter preconceitos, lidar com dificuldades. Uma vivência grande esses oito meses que ficamos juntos”. As dinâmicas, segundo ela, também facili- tam uma aproximação com as demandas dos adolescentes. “Aprendemos, todos os dias, que cada um é um, cada um tem sua particularidade, que deve ser res- peitada. Quando termina o curso, eles ligam, informam se entraram na faculda- de e até voltam para tirar dúvidas. É uma construção mesmo de relacionamento”. Parcerias De acordo com o presidente do Sin- dicato Rural de Batatais, André Scava- zza, as parcerias são fundamentais para o funcionamento do programa. “Temos uma estrutura, viabilizada pela FAESP, pelo Senar-SP e pelo Sindicato Rural, mas, para que fique melhor, contamos com parcerias como a da Sicoob Co- cred. Sem parceiros, o curso não teria o brilhantismo que tem”. As ferramentas doadas pela Sicoob Cocred são utilizadas na segunda fase do programa, que prevê atividades prá- ticas. O conhecimento adquirido em sala de aula é aplicado na ordenha bovina, no cultivo hidropônico de verduras, na mi- nhocultura, na horticultura, na fruticul- tura, na compostagem – processo pelo qual resíduos orgânicos viram adubo –, no manejo do cafezal e na pecuária de pequenos animais. Neste caso, o ins- trutor técnico João Francisco Lombardi conta que é a própria turma de alunos, formada por filhos de produtores e traba- lhadores rurais e de funcionários da Usi- na Batatais, que escolhe com que tipo de criação quer trabalhar, como avicultura de corte, poedeira e até coelhos. A área de experimentos na sede do Jovem Agricultor em Batatais, onde foi feita a entrega do maquinário, tem sete hectares. Tudo o que é desenvol- vido ali, segundo Lombardi, leva em conta o conceito da sustentabilidade. “Na hidroponia, por exemplo, podemos produzir o alimento com economia de água e controle de pragas e plantas da- ninhas. E, pela compostagem, tudo o que é descartado por outras atividades vira um fertilizante natural, que é desti- nado para a nossa horta”. Exemplos como estes cativam os estudantes Jennifer Marcela Barreira Eduardo e Caio Aparecido Garcia Duar- te, ambos com 15 anos. Antes do curso, eles quase não haviam tido contato com o ambiente rural. “Meu pai fornece mar- mitas para o programa e falou que ia ser legal para mim. O que mais me chama a atenção é que a agricultura pode ser sus- tentável, desde o plantio até o alimento chegar para gente”, afirma Jennifer. “Conhecia algumas coisas apenas por curiosidade, por observação. Quando vi que estava sendo lançada a proposta do curso, fiz a inscrição para me aprimorar. Aqui, a gente trabalha, também, concei- tos da vida social e a necessidade de se adaptar ao meio em que vive e às pessoas. Gostei bastante”, completa Duarte. João Francisco Lombardi, instrutor técnico Jennifer Marcela Barreira Eduardo Caio Aparecido Garcia Duarte
  36. 36. Revista Canavieiros - Junho de 2015 36 Notícias Sicoob Cocred Balancete Mensal - (prazos segregados) Cooperativa De Crédito Dos Produtores Rurais e Empresários do Interior Paulista - Balancete Mensal (Prazos Segregados) -Abril/2015 - “valores em milhares de reais” Sertãozinho/SP, 30 de Abril de 2015.
  37. 37. Revista Canavieiros - Junho de 2015 37
  38. 38. Revista Canavieiros - Junho de 2015 38 jado e, com esse sistema, temos um maior detalhamento da área, pois antes do seu uso, eu não andava com a moto em 100% do meu terreno e com o Vant consigo fazer isso”, elucidou, contando que a resolução das imagens é muito precisa, oferecendo a informação de 10 cm do talhão, o que possibilita maior precisão nas práticas conservacionistas, ou seja, no manejo e conservação do solo e água. Drones: Monitoramento feito das alturas O uso dos VANTs para gestão e levantamento de propriedades agrícolas avança cada vez mais Andréia Vital Foto:SamuelVasconcelos Reportagem de Capa 38 Embora o céu não seja de brigadeiro para o setor sucroenergético, voos em busca de alternativas para obter uma safra promissora têm sido o diferencial das empresas do setor que tem conse- guido escapar da crise. Uma das opções apontadas é o foco no campo, identifi- cando e sanando problemas das lavou- ras em face de uma melhor qualidade e produtividade da matéria-prima. Neste contexto, os VANTs (Veículos Aéreos Não-Tripulados) ou drones têm con- quistado cada vez mais espaço devido à agilidade e precisão no monitoramento dos canaviais. O Grupo Raízen é um dos que apos- taram nesta nova tecnologia. De acor- do com o diretor de produção agrícola do Grupo, Antônio Fernando Pinto de Lima, investimentos no novo sistema vêm sendo feito desde o ano passado. Anteriormente uma equipe de campo fazia o levantamento fotográfico para medir as áreas. Com o tempo, houve a necessidade de novos detalhes, entre eles, descobrir o que fazer para a conser- vação do solo. “Devido à esta demanda, nós evoluímos usando um quadriciclo ou motos com GPS que gerenciava as áreas e fazia o levantamento planialti- métrico. Isso, além de ser demorado, tem alguns riscos de acidentes. Então, há dois anos começamos a aprender a usar a tecnologia do VANTs”, contou o diretor, explicando que o equipamento agora faz todo o levantamento topo- gráfico em muito menos tempo. “Este trabalho é importantíssimo para a hi- drologia dos córregos. Eu preciso saber onde essa água caminha para fazer uma maior conservação do solo”, analisou. Com a moto era feito levantamento em 500 hectares por dia, passando para 1200 hectares com o uso dos drones. O planialtimétrico é feito antes de cada renovação das lavouras e as imagens geradas pelos drones são essenciais para organizar o plano de renovação dos canaviais. “A vantagem é que o equipamento já sai com o voo plane- Antônio Fernando Pinto de Lima, diretor de produção agrícola do Grupo Raízen
  39. 39. Revista Canavieiros - Junho de 2015 39 Associados da Canaoeste também utilizam a tecnologia 39 Lima frisa que ainda estão aprenden- do outros usos para o drone e desenvol- vendo ferramentas para interpretá-las, mas os benefícios da tecnologia foram tão expressivos que a empresa adquiriu seis novos equipamentos recentemente, vislumbrando novas possibilidades de uso, como no caso do levantamento de falhas de plantio. “A empresa tinha um sistema de medições por amostragem de falha do canavial e, com a amostra- gem ao acaso, o talhão poderia não re- presentar bem toda a fazenda. E assim nossa equipe desenvolveu um sistema que nos mostra a imagem, sua interpre- tação e quantifica as falhas do canavial. Através dessas informações, se tiver falhas, corrige e faz um plano em rela- ção ao começo, isso é feito em 100% da área de plantio”, explicou o engenheiro. A Raízen tem um plantio de 80 mil hectares de renovação anual e o moni- toramento é feito em toda área para o preparo do solo e pós-plantio. Recente- mente também passaram a utilizar o dro- ne para levantar a soqueira. “O equipa- mento mostra a situação das falhas e de ervas daninhas. Agora nossa equipe está aprendendo como tratar essas imagens e refletir isso para o nosso uso, com mais precisão na avaliação, pois monitorando 100% do nosso canavial, não corremos o risco no caso de uma amostragem de praga de solo, coincidentemente ir em uma área que não tenha praga”, alegou. De acordo com o diretor, a nova meto- dologia só não é usada em quatro das 24 unidades do Grupo Raízen, que não têm a parte agrícola. A empresa não revelou quanto inves- tiu nos novos equipamentos, que foram produzidos na Suíça e adquiridos com representantes no Brasil, mas ressaltou que o aporte já resultou em redução de custos. “Porque eu estou dobrando mi- nha capacidade de levantamento, mas o principal é que agora temos um maior detalhamento das áreas, são ganhos qualitativos que o equipamento forne- ce nas informações, o que possibilita planejar melhor meu canavial, como vou fazer meu traçado, a sistematiza- ção é importantíssima: conhecer o que está acontecendo quais são os pontos de declividade que possam correr risco e enxergar o que está acontecendo em 100% na minha área, pensando no que vai acontecer para que tenha o máximo de qualidade da cana”, argumentou. Lima também lembrou que o treina- mento é fundamental para implantação do sistema, tanto que a empresa tem uma equipe de tecnologia para tratar as imagens fornecidas pelos drones e as customiza para a Raízen. A Agropastoril Paschoal Campa- nelli S/A, empresa agrícola referência em utilização de tecnologia na cultu- ra da cana-de-açúcar, localizada nos municípios de Severínia, Bebedouro, Olímpia e Altair, do interior de São Paulo, começou a usar a tecnologia em agosto de 2014. “Adquirimos o drone com o intuito de monitorar a lavoura, pois depois do fechamento dos talhões é complicado verificar se há erva da- ninha, pragas ou falhas no desenvolvi- mento da planta”, explicou Fábio Ce- sar Consentino Campanelli, gerente de produção da empresa. Segundo ele, o monitoramento, an- tes feito por funcionários, rua a rua do canavial, ganhou agilidade com o sis- tema. “Ao detectar uma mancha nas imagens captadas pelo drone, nossa equipe de inspeção vai até o local exato para verificar o que está acon- tecendo. Essa leitura facilitou muito a entrada nos talhões e a solucionar mais rapidamente os problemas”, ad- mitiu Campanelli. Embora ainda seja um projeto pilo- to, a intenção é ampliar o investimento na tecnologia com a aquisição de no- vos VANTs “E uma ferramenta muito interessante e pretendemos sim inves- tir em equipamentos com maior alcan- ce e que ofereça melhores imagens”, disse o engenheiro agrônomo, consta- tando que o uso da tecnologia no setor agrícola ainda é tímido, mas tem muito potencial para se desenvolver, princi- palmente com relação a preços. Fundada em 1982, a Agropastoril é uma empresa familiar e começou a plantar cana em 2001, em substituição à cultura da laranja. Além da cana-de- -açúcar, que a empresa fornece para usinas de açúcar e álcool do interior de São Paulo, a Agropastoril também cria gado de confinamento e planta milho, base da ração dos animais. Atualmen- te, tem canaviais em uma área de oito mil hectares e produz cerca de 700 mil toneladas tendo uma produtividade média de 95 toneladas por hectare.

×